Orlando Silva – Músicas Famosas De Ary Barroso E Custódio Mesquita (1958)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Como um fã incondicional do Orlando Silva, eu sempre que posso, procuro postar aqui algum de seus discos. Hoje eu trago este lp, lançado pelo selo Audiola, da Musidisc, em 1958. Trata-se de uma coletânea que reúne músicas de dois discos de 10 polegadas de Orlando Silva, um com músicas de Ary Barroso e outro com músicas de Custódio Mesquita, lançados originalmente em 1953. Infelizmente ficaram de fora duas faixas do segundo disco, com músicas de Custódio Mesquita. Mas, numa próxima oportunidade, eu postarei aqui o disquinho original e completo. Fiquem sempre ligados

tu
terra sêca
risque
faceira
caco velho
inquietação
por causa desta cabocla
trapo de gente
velho realejo
valsa do meu subúrbio
os rios correm pro mar
mulher
feitiçaria
o pião
.

Ary Barroso Internacional (1964)

Boa tarde, prezados amigos cultos e ocultos! Devido a uma viagem, estou sendo obrigado a recorrer aos meus ‘discos de gaveta’, aqueles que estão sempre prontos, seja no ‘hd” ou no pen drive. Sempre levo comigo, quando viajo, alguns arquivos para cobrir as emergências. Dessa forma, levo hoje para vocês uma coletânea prá lá de bacana. Estamos falando aqui de Ary Barroso, em um álbum lançado pela Musidisc possivelmente no ano de sua morte, 1964. Não há no lp qualquer informação da data, mas pelo texto na contracapa, tudo leva a crer que se trata de uma homenagem póstuma. A Musidisc reuniu alguns de seus maiores sucessos internacionais, extraídos de outros discos e artistas da gravadora. Alguns, inclusive, até já apresentados aqui no Toque Musical. De qualquer maneira, trata-se de uma coletânea da Musidisc, o que é sinônimo de qualidade. Mais ainda sendo o motivo principal a música de Ary Barroso. Confiram!

aquarela do brasil – ed lincoln e seu conjunto
aquarela do brasil – don pablo de havana
risque – orquestra românticos de cuba
morena boca de ouro – luiz bittencourt e orquestra
rio de janeiro – bob flemimg
bahia (na baixa do sapateiro) – don pablo de havana
bahia (na baixa do sapateiro) – henry nirenberg e sua orquestra
bahia (na baixa do sapateiro) – os violinos mágicos
é luxo só – orquestra pan american
foi ela – luiz bittencourt e orquestra
.

Ary Barroso – Meu Brasil Brasileiro (1958)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje, para ‘abrilhantar’ ainda mais nossa semana aqui no Toque Musical, eu estou trazendo um de nossos mais brilhantes compositores da Música Popular Brasileira, o grande Ary Barroso. Acho que até hoje eu ainda não havia postado um disco original dele. Assim, para compensar, vamos com este “Meu Brasil Brasileiro…”, disco lançado pelo selo Odeon em 1958. Este álbum, assim como quase todos os discos gravados por Ary já foram bem divulgados em outros blogs. Eu, inclusive, sempre fiquei incomodado com o fato de que em todo o lugar onde vi este disco postado, as músicas não correspondiam à lista na contracapa. Foi movido também por esse detalhe que eu pensei um dia em posta-lo. Vamos fazer a coisa certa! Mas para a minha surpresa, percebo que o disco que tenho também apresenta a mesma lista comum a todos. Por um momento pensei que tivesse trocado o disco de capa. Mas a verdade é uma só, a lista de músicas, assim como o próprio texto de Lúcio Rangel na contracapa foram colocados erroneamente na ‘embalagem sanduíche’. Uma falha da produção gráfica. Acho que quando perceberam isso, os milhares de discos já estavam nas lojas e provavelmente nem chegaram a corrigir o erro. Creio que este lp veio a ser relançado posteriormente, com outra capa e talvez até com as outras músicas. O certo é que está tudo errado e eu até tentei compor em paralelo a lista da contracapa, mas infelizmente me faltaram alguns fonogramas originais. Se acaso algum dos amigos tiver as músicas que faltam, por favor, envie para mim. Eu monto a ‘versão contracapa’ e coloco aqui para todos. Enquanto isso, vamos curtindo esta beleza. Um disco com mais de 50 anos, mas que está impecável, perfeito para a digitalização. Querem conferir? Dá um toque.

na baixa do sapateiro

o correio chegou

sonho de amor

faceira

foi ela

falta de consciência

aquarela do brasil

perdão

quando a noite é serena

é mentira, oi

folha morta

malandro sofredor

 

Hélio Paiva – Instantâneos De Hélio Paiva E A Música De Ary Barroso (1957)

Olá amigos cultos e ocultos, bom dia! Hoje eu estou começando cedo, pois o dia vai ser longo e cheio de ‘abacaxis para descascar’. Antes disso, porém, aqui vai a postagem do dia…
Apresento a vocês o cantor Hélio Paiva. Ao longo de tantos anos que se passaram, eu acredito que poucas pessoas se lembrarão deste cantor. Hélio Paiva surgiu no início dos anos 50, vindo da cidade mineira de Caratinga. Conforme nos conta o próprio Ary Barroso no texto da contracapa, Hélio assistia, no auditório da Rádio Tupi, a um programa de calouros. Ao final da apresentação do último candidato, quando ainda faltavam quatro minutos para terminar o programa, ele subiu ao palco e insistentemente conseguiu a proeza de cantar e ser aprovado por todos. Em sua carreira gravou diversos discos de 78 rpm e somente dois lps, sendo esses exclusivamente dedicados à música de Ary Barroso. Ele foi um cantor talentoso, mas como muitos outros, não conseguiu se manter após a chegada da Bossa Nova e Jovem Guarda. O álbum que temos aqui é o segundo e de 12 polegadas, lançado pela Sinter em 1957. Nele encontramos…

faixa de setim
canta maria
cabôca
rei nagô
hoje é novo dia
isto aqui o que é
tu
quero dizer-te adeus
chula-ô
no rancho fundo

Ary Barroso – Nova História Da Música Popular Brasileira (1977) 6

Olá meus caríssimos! Continuo a lembrar, principalmente aos desavisados e desatentos visitantes, que estou recolhendo os contatos de interessados em manter o acesso ao blog, caso venhamos mesmo a nos transferir para um espaço privado. Já temos listado mais de 600 solicitações. Ainda bem que o espaço e virtual 😉
Temos aqui outro campeão de audiência da coleção Nova História da Música Popular Brasileira. Seguindo a ordem alfabética, a semana é de Ary Barroso. Um dos mais férteis compositores brasileiros e mundialmente conhecido, principalmente por sua Aquarela do Brasil. Nasceu em Ubá, Minas Gerais, onde viveu até por volta dos 18 anos. Mudou-se para o Rio de Janeiro e daí começa sua grande caminhada. Foi advogado, jornalista, radialista, vereador, dirigente esportivo, amante do futebol e principalmente compositor de canções que refletem o verdadeiro espírito brasileiro. Sua música sempre foi evocando os valores e costumes de seu país. Ary sempre lutou pela autenticidade da nossa arte maior, a música popular.
Eu sou um cara privilegiado, pois tenho comigo há mais de 20 anos, um óculos que pertenceu ao Ary Barroso. Quando eu conto esta história todo mundo duvida e nem mesmo mostrando ele na minha cara as pessoas se convencem. Na verdade, nem eu acredito, pois a única coisa que tenho é a palavra do antiquário que jurou de pé junto que o óculos era do Ary. Nunca dei muita bola para isso, embora já tivesse visto fotos antigas dele com o tal óculos. A foto da capa deste disco é uma delas e é possível comparar. De puro sarro, resolvi incluir no pacote as fotos do meu óculos do Ary Barroso para vocês também compararem. Infelizmente este não tem como compartilhar, mas está à disposição para aqueles que queiram comprovação.

na batucada da vida – elis regina
no tabuleiro da baiana – carmen miranda e luiz barbosa
como vaes você? – carmen miranda
na baixa do sapateiro – anjos do inferno
aquarela do brasil – silvio caldas
os quindins de iáiá – cyro monteiro
morena boca de ouro – joão gilberto
risque – linda batista