Demônios Da Garôa – Saudosa Maloca (1957)

Olá, amigos cultos e ocultos! Rapidinho… Hoje eu tenho para vocês os Demônios da Garoa, grupo vocal paulista que, acredito, dispensa maiores apresentações. Temos aqui um lp de 1957. Na verdade o primeiro lp gravado por eles, interpretando, como nenhum outro, a música de Adoniran Barbosa. São oito sambas clássicos e gravações que até já vimos (e ouvimos) por aqui. Mas nada como apresentar o trabalho original, não é mesmo? 😉

saudosa maloca
apaga o fogo mané
iracema
um samba do bixigqa
o samba do arnesto
quem bate sou eu
as mariposas
pogressio (conselho de mulher)
.

Adoniran Barbosa – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 131 (2015)

E eis aqui a primeira edição de 2015 do nosso Grand Record Brazil, o “braço de cera” do Toque Musical, cronologicamente a de número 131. E o GRB começa este ano com o pé direto,homenageando um de nossos mais expressivos compositores, autêntico representante do samba paulista: nada mais nada menos que Adoniran Barbosa.
Nosso ilustre focalizado recebeu na pia batismal o nome de João Rubinato. Nasceu em Valinhos (SP), no dia 6 de agosto de 1910. Filho de imigrantes italianos, abandonou os estudos ainda no curso primário para trabalhar,  tendo sido tecelão, balconista, pintor de paredes e até garçom. Ele achava que João Rubinato não era nome de cantor de samba, e resolveu adotar o nome artístico com o qual ficaria para a posteridade, Adoniran Barbosa, com o Adoniran emprestado de um amigo e o sobrenome em homenagem a outro grande sambista, Luiz Barbosa.  No início dos anos 1930, Adoniran passou a frequentar os programas de calouros da Rádio Cruzeiro do Sul de São Paulo. Foi várias vezes reprovado por causa da voz fanha, mas, em 1933, obteve o primeiro lugar no programa de Jorge Amaral, interpretando “Filosofia”, de Noel Rosa e André Filho. Em 1935, fez sua primeira música, em parceria com o maestro e compositor J. Aymberê, a marchinha “Dona Boa”, sucesso do carnaval daquele ano (foi inclusive a melhor marchinha dessa folia em São Paulo) e incluída nesta seleção. Em 1941, Adoniran transfere-se da Rádio Cruzeiro do Sul para a Record (então “a maior”), a convite de Otávio Gabus Mendes. Ali começou sua carreira de ator, participando da série radioteatral “Serões domingueiros”, e criando seus primeiros personagens, sempre cômicos, caso do malandro Zé Cunversa e do galã de cinema francês Jean Rubinet. Na Record, Adoniran conheceu o produtor Oswaldo Molles, responsável pela criação e pelo texto dos principais personagens interpretados por ele. Ambos trabalharam juntos por 26 anos, e o maior sucesso da parceria foi o programa “Histórias das malocas”, em que Adoniran interpretava o Charutinho. O programa ficou em cartaz até 1965 e chegou até a ser apresentado na televisão. Adoniran e Osvaldo Molles também foram parceiros em muitos sambas, entre eles os clássicos “Tiro ao álvaro”e “Pafunça”.  No cinema, sua primeira aparição foi no filme “Pif-paf”, da Cinédia, em 1945,e Adoniran atuou ainda em “Caídos do céu” (1946), “O cangaceiro” (1953), “Candinho” (1954), “A carrocinha” (1955), estes dois ao lado de Mazzaropi, e “A pensão da dona Estela” (1956).  Em 1952, a carreira de Adoniran Barbosa como compositor ganhou impulso quando os Demônios da Garoa foram premiados no carnaval daquele ano  com o samba “Malvina”. Em 1953, eles repetiram a dose, com outro samba,“Joga a chave”, de Adoniran e Oswaldo França. Começou aí mais uma parceria de anos na vida do mestre Adoniran, com os Demônios imortalizando vários de seus sambas, verdadeiras crônicas da vida paulistana,  tais como “Saudosa maloca”, “O samba do Arnesto” (ambos gravados antes sem sucesso pelo próprio Adoniran), “As mariposa”, “Samba italiano”, “Iracema”  e, claro, “Trem das onze”, que foi até premiado no carnaval carioca de 1965 e foi escolhida, em 2000, como a música que melhor representa a cidade de São Paulo, em concurso promovido pela TV Globo.  Adoniran também é autor da melodia do samba-canção “Bom dia, tristeza”, com letra de Vinícius de Moraes. Na televisão, ainda atuou nos humorísticos “Papai sabe nada” e “Ceará contra 007”, ambos da Record, e nas novelas “Mulheres de areia” e “Os inocentes”, ambas da Tupi. Gravou seu primeiro LP apenas em 1974, e viriam em seguida mais dois, em 1975 e 1980, este último com a participação de grandes nomes da MPB de então, tais como Clara Nunes, Elis Regina,  Djavan, Clementina de Jesus e o grupo MPB-4, em comemoração a seus 70 anos de vida. Adoniran Barbosa morreu no dia 23 de novembro de 1980, aos 72 anos, em São Paulo.

Nesta edição do GRB, um pouco do preciosíssimo legado de Adoniran Barbosa, em dezesseis faixas extraídas de discos 78 rpm. Abrindo esta seleção, o samba “Agora pode chorar”, de Adoniran em parceria com José Nicolini, do carnaval de 1936, que o próprio autor interpreta em gravação lançada pela Columbia em cima dos festejos momescos, em fevereiro, disco 8171-B,matriz 3215. Na faixa seguinte, os Demônios da Garoa interpretam o antológico samba “As mariposa”, de Adoniran sem parceiro, que gravaram na Odeon em primeiro de agosto de 1955, sendo lançado em outubro do mesmo ano, disco 13904-B, matriz 10697. Déo, “o ditador de sucessos”, aqui comparece com o samba “Chega”, de Adoniran em parceria com José Marcílio. Saiu no terceiro disco do  cantor, o Columbia 8212-B, em julho de 1936, matriz 3312, e o acompanhamento é do regional do flautista Atílio Grany. “Conselho de mulher”, parceria de Adoniran com Oswaldo Moles e João Belarmino dos Santos, é interpretado por ele mesmo, em gravação Continental de 23 de julho de 1952, só lançada em março-abril de 53, disco 16707-B, matriz 11414. A próxima faixa é justamente a primeira composição de Adoniran Barbosa, a marchinha “Dona Boa”, parceria com J, Aymberê, retumbante sucesso no carnaval paulistano de 1935. Raul Torres, um dos expoentes máximos da música sertaneja de raiz, a gravou pela Columbia, que lançou o registro em disco sob número 8129-A, matriz 3122. “Iracema” , de Adoniran sozinho, é outro clássico samba seu que os Demônios da Garoa imortalizaram,em gravação Odeon de 11 de janeiro de 1956, lançada em março do mesmo ano, disco 14001-A, matriz 10944. Eles ainda nos brindam justamente com o samba “Malvina”, outro só de Adoniran, sucesso do carnaval de 1952, lançado pelo efêmero selo Elite Special em janeiro desse ano, disco N-1065-A, matriz MIB-1081. E os Demônios ainda interpretam aqui “No Morro da Casa Verde”, em gravação Odeon de 5 de maio de 1959, lançada em junho do mesmo ano, disco 14472-A, matriz 50133, também integrando o LP “Pafunça”. Em seguida, temos uma faceta do Adoniran intérprete,  com a marcha-rancho “Os mimoso colibri”, de Hervê Cordovil e Oswaldo Molles, gravação Continental de 27 de julho de 1951, lançada entre outubro e dezembro do mesmo ano, disco 16468-A, matriz 11334, visando por certo o carnaval de 52. “Quem bate sou eu”, samba de Adoniran e Artur Bernardo, é gravação Odeon dos Demônios da Garoa, feita em 5 de julho de1956 e lançada em novembro do mesmo ano, disco 14115-B, matriz 11251. Temos em seguida dois indiscutíveis clássicos do samba, nas gravações originais de Adoniran pela Continental, mas que só foram sucesso mais tarde com os Demônios da Garoa. Primeiro, “O samba do Arnesto”, parceria com Alocin (Nicola ao contrário), que Adoniran gravou em 23 de julho de 1952, mas só saiu em março-abril de 53, disco 16707-A, matriz 11415. “Saudade da maloca”, de Adoniran e mais ninguém, é o título original do clássico “Saudosa maloca”, gravado pelo autor em 27 de julho de 1951 e lançado entre outubro e dezembro do mesmo ano sob número 16468-B, matriz 11335. Ambos os sambas receberam várias regravações, e curiosamente, estes registros originais do autor seriam relançados pela Continental em 1955, sob número  17173,com “Saudosa maloca” no lado A e o “Arnesto” no verso. A seguir, uma rara incursão de Adoniran no gênero caipira ou sertanejo de raiz, o cateretê “Tô com a cara torta”, parceria com Ivo de Freitas.  Raul Torres e Florêncio o gravaram na Victor em 19 de setembro de 1945, mas o lançamento só aconteceria em abril de 46, disco 80-0393-B, matriz S-078343. “Um amor que já passou”, samba de Adoniran em parceria com Eratóstenes Frazão,  é do segundo disco do cantor Déo, o Columbia 8211-B, lançado em julho de 1936, matriz 3319. Em seguida, voltam os Demônios da Garoa com “Um samba no Bexiga”, de Adoniran sem parceria, gravação Odeon de 4 de abril de 1956, lançada em junho do mesmo ano, disco 14049-B, matriz 11110. Para encerrar, novo exemplo do Adoniran Barbosa apenas intérprete, com o samba “Pra que chorar?”, de Peteleco, lançado em janeiro de 1958 pela RGE sob número 10081-B, matriz RGO-497, por certo visando o carnaval desse ano. Enfim, é o que o GRB tem o prazer de oferecer a vocês, precioso legado deixado por Adoniran Barbosa, cujas músicas eram de fato a cara de São Paulo, e ficarão para sempre em nossa memória!

* Texto de Samuel Machado Filho

 

Adoniran Barbosa – Ao Vivo (1990)

Muito bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje eu vou puxando aqui mais ‘disco de gaveta’, aquele que está sempre pronto, esperando sua hora e na falta da minha. Meu tempo está curto, então vamos curtí-lo…
Segue aqui este lp do Adoniran Barbosa, numa gravação feita ao vivo em 1979. Este foi o seu último registro em apresentação e veio a ser lançado em disco pela RGE onze anos depois. Este álbum voltou novamente a ser relançado com alguma mudanças na capa e creio que saiu já em versão digital (cd). Não vou nem tomar o trabalho de falar sobre esse registro. Como se pode ver, na contracapa, temos toda a informação necessária. Vão daí, que  eu de cá já vou indo… super atrasado!

trem das onze
já fui uma brasa
as mariposas
um samba no bixiga
samba italiano
bom dia tristeza
apaga o fogo mané
samba do arnesto
despejo da favela
uma simples margarida
viaduto santa efigênia
iracema
rua dos gusmões
.

Vitório E Marieta – Showriso (1965)

Olá amigos cultos e ocultos! Já estamos a duas semanas nessa peleja do riso. Embora ainda tenhamos muito o que mostrar, irei dando uma pausa, vamos aos sortidos, que é para variar, não é mesmo?
Ainda fechando a semana, vou publicar mais um que já estava na boca do forno, prontinho para sair. Segue aqui a dupla Vitório e Marieta, alguém se lembra deles? Eu tenho uma vaga lembrança. Acho que os atores, Murilo de Amorim e Maria Teresa voltaram a interpretar o casal nos anos 70. O presente lp, faz parte da série, “Showriso”, lançada pela Odeon na primeira metade dos anos 60 e obviamente dedicado ao humor. Aqui temos o casal italiano, que pelas ‘peripécias’, mais parece de portugueses. O disco nos traz quatro quadros cômicos com textos de Irvando Luís. A curiosidade fica por conta da participação de Adoniran Barbosa, que aqui faz o papel do ‘Tio Giácomo’, o tio de Marieta. Interessante, confiram…

namoro, noivado e casamento
o álbum
vende-se uma casa
a fazenda do vitório

Adoniran Barbosa – Programa MPB Especial 1972 (2010)

Como eu havia dito, aqui vai mais uma dose de Adoniran Barbosa. Desta vez, um presentinho especial, exclusivo do Toque Musical para vocês. Temos aqui o áudio do programa de rádio MPB Especial, levado ao ar em 1972. Nessas gravações Adoniran nos apresenta alguns dos seus maiores sucessos, contando também um pouco das histórias dessas músicas. Estão com ele no programa, fazendo o acompanhamento, Luiz Mariozzi no violão e Tiãozinho no cavaquinho.
Esta gravação eu encontrei na rede já faz tempo. Eu sabia que um dia elas viriam abrilhantar nossas postagens, faltava apenas melhorar um pouco o som, refazer a edição das faixas e criar uma roupa modelito vinil, claro! Dei uma trabalhada no áudio retirando alguns chiados, mas resolvi fazer um caminho inverso na edição. Mantive as faixas editadas a seco, mas incluí uma outra versão inteira, sem cortes, onde se pode ouvir melhor todo o programa sem pausas. Acho que valeu o trabalho, não é mesmo? 🙂

saudosa maloca
filosofia
malvina
joga a chave
por onde andará maria
mãe eu juro
o samba do arnesto
conselho de mulher
as mariposas
um samba no bixiga
abrigo de vagabundos
prova de carinho
vila esperança
despejo na favela
acende o candieiro
zum, zum, zum
senta, senta
trem das onze

PS.: hoje ainda tem mais comemoração, tem Caetano Veloso. Aguardem!

Adoniran Barbosa (1980)

Sábado, normalmente, é dia de festa e hoje pelo visto, teremos muitas celebrações. O Toque Musical, na medida do possível, vem sempre procurando homenagear nossos artistas, seja lembrando um aniversário ou mesmo um falecimento. Não gosto de fazer isso sempre, pois se entrar nessa, fico só por conta das datas. Mas sempre que posso, lembro e principalmente tendo alguma coisa legal para mostrar, eu o faço. Ontem, dia 06 de agosto, foi comemorado o centenário do compositor paulista Adoniran Barbosa. Eu até que não me esqueci, apenas não tive tempo para preparar uma postagem especial. Além do mais, sexta feira é dia do artista/disco independente e como já estava tudo ‘engatilhado’, resolvi transferir minha homenagem para o dia de hoje. Garanto a vocês que esse atraso vai valer a pena. Ainda hoje teremos mais uma dose de Adoniran, podem esperar…
Segue aqui o álbum lançado pela EMI Odeon em 1980, o qual se comemora os 70 anos do artista. Neste disco, super bem produzido, temos Adoniram acompanhado por um time de artista selecionadíssimos. Na linha de frente temos as figuras de Clementina de Jesus, Clara Nunes, Carlinhos Vergueiro, Djavan, Elis Regina, Gonzaguinha, MPB 4, Conjunto Nosso Samba, Roberto Ribeiro, Talismã e Vania Carvalho. A turma da cozinha vem formada por outros não menos ilustres, como Dino Sete Cordas, Cristina Buarque, As Gatas e muitos outros. Os arranjos são do maestro José Briamonte

fica mais um pouco amor
tiro ao alvaro – com elis regina
bom dia tristeza – com roberto ribeiro
o casamento do moacir – com talismã e seu conjunto
viaduto santa efigênia – com carlinhos vergueiro
aguenta a mão , joão – com djavan
acende o candieiro – com conjunto nosso samba
apaga o fogo mané
prova de carinho – com vania carvalho
vila esperança – com mpb4
iracema – com clara nunes
no morro do piolho
despejo na favela – com gonzaguinha
torresmo a milanesa – com clementina de jesus

Adoniran Barbosa E Paulo Vanzolini- Nova História Da MPB (1978) 3

Iniciando mais uma semana, vou logo trazendo outro volume da coleção Nova História da Música Popular Brasileira. Como eu já havia informado (e pelo jeito estarei informando sempre a cada novo volume), a apresentação da série é feita por ordem alfabética e não conforme a de lançamento. Mesmo porque, não há uma numeração a ser seguida.
Hoje temos duas figuras excepcionais, dois mestres, Adoniran Barbosa e Paulo Vanzolini. Não há muito o que se possa falar desses dois compositores paulistas que já não tenha sido dito. Aliás, neste disquinho, não há muito o que se possa mostrar tanto de um quanto do outro. Eu sinceramente não entendo até hoje o que levou a Abril Cultural a lançar essa coleção com um disco de 10 polegadas. Será que não dava para ser um ‘long play’ com quatro musiquinhas a mais? Melhor ainda, será que não dava para fazer um álbum duplo? Ou pelo menos dar a cada artista escolhido um volume exclusivo? Esta coleção é muito legal, mas deixa a gente com água na boca, um gostinho de quero mais. Talvez seja essa mesma a intenção. Temos então, de um lado Adoniran e do outro o Vanzolini. Acompanhando, segue o álbum com as informações que o completa. Confiram…

saudosa maloca
samba do arnesto
bom dia tristeza
trem das onze
ronda
volta por cima
praça clóvis
capoeira do arnaldo