Candeia – Seguinte…: Raiz Candeia (1971)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Não sei como anda a temperatura aí para o lado de vocês, mas por aqui tá bravo! Só gosto dessa temperatura quando estou de férias e preferencialmente na praia, tomando uma gelada.

Hoje o nosso toque musical é de samba. Samba de raiz. Samba de Candeia. Mais uma vez temos o prazer de ter em nosso blog o grande sambista Antonio Candeia. Trago para vocês um disco até já bem rodado em outros blogs. Mesmo assim, faço questão de tê-lo também em nossa lista de toques musicais. O presente lp foi lançado em 1971. Uma das excelentes produções de Oswaldo Cadaxo e seu selo Equipe. Este álbum voltaria a ser relançado em 1976 com o nome de “Filosofia do Samba”, tendo inclusive alterada a ordem original das faixas. Saiu pelo selo Padrão com algumas alterações também na capa. Foi lançado também em cd, caso alguém aqui esteja interessado. Trata-se de um disco clássico de samba. Sua audição é obrigatória! Vão daí que eu de cá vou também… tomar mais uma Becker da série 3 Lobos. Bão demais!

vem é lua

filosofia do samba

silencia tamborim

saudade

hora e a vez do samba

saudação a tôco preto

vai pro lado de lá

regresso

de qualquer maneira

imaginação

minhas madrugadas

quarto escuro

Candeia – Axé! Gente Amiga Do Samba (1978)

Bom, diante a dura realidade que temos, de encarar neste fim de semana, com a saída do Brasil da Copa do Mundo, só nos resta voltarmos nossos olhos (e ouvidos) para a música, que é ainda uma de nossas mais fortes expressões. Axé! Salve o povo brasileiro, porque o país já está vendido. (antes tivessemos alugado, como sugeriu o Raul Seixas)
Vamos em frente e de volta com o samba. Para hoje, temos o grande sambista Antonio Candeia em seu disco de 1978, “Axé! Gente Amiga do Samba”. Um clássico do samba e da música popular brasileira, um disco básico que não pode faltar em nehuma discoteca, seja ela real ou virtual. “Axé!” foi um álbum lançado por uma multinacional no mesmo ano de falecimento do artista. Ficou fora de catálogo por um longo tempo. Trata-se de um disco muito bem produzido, com participações não apenas especiais como também históricas. Temos figuras importantes como Clementina de Jesus, Manacéa, Dona Ivone Lara, Alvaiade, Martinho da Vila e o histórico e inédito Chico Santana, autor do hino da Portela. O repertório é de primeiríssima qualidade. Entre os sambas de sua autoria e parcerias há também espaço para Casquinha, Aniceto e Mulequinho e Nelson Amorim. Os detalhes sobre este disco vocês poderão conferir no texto de Lena Frias que acompanha a contracapa e encarte do lp. Quem ainda não conhece, pode conferir…

pintura sem arte
ouro
desça do seu trono
mil reis
vivo isolado do mundo
amor não é brinquedo
zé tambozeiro (tambor de angola)
dia de graça
gamação
peixeir granfino
ouço uma voz
vem amenizar
invocado
beberrão

Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito, Candeia & Elton Medeiros – Quatro Grandes do Samba (1977)

Este disco é uma maravilha! Quatro feras do samba num registro histórico. Um álbum já conhecido por toda a comunidade blog-musical, mas que eu faço questão de apresentá-lo aqui no TM. Este lp só tem um ‘grave defeito’, não é um álbum-duplo. Num ‘encontro’ assim, bem que merecia. Tenho a impressão que os quatro juntos tocando no disco, só mesmo na ilustração da capa (mais uma vez, me corrija se eu estiver errado). O Candeia só canta suas composições. A gente não percebe sua participação em outros momentos. Mas mesmo com o aparente encontro-montado o disco não perde o seu encanto. Quem não conhece, tem aqui a chance…