Marília Pera E Grande Otelo – A Noiva Do Condutor – Opereta Inédita De Noel Rosa (1985)

A Eldorado, gravadora pertencente ao jornal “O Estado de S. Paulo”, deixou um acervo importantíssimo para quem estuda, pesquisa e aprecia a música popular brasileira. Foi fundada em janeiro de 1972, sendo a pioneira na utilização de equipamentos de gravação em 16 canais (até então apenas dois estúdios no Brasil tinham equipamentos para 8 canais), causando uma autêntica revolução em nosso mercado fonográfico. De início, era apenas estúdio de gravação, alugado por gravadoras para produção de discos de artistas do porte de Roberto Carlos, Rita Lee, Tim Maia e Hermeto Paschoal, só para citar alguns.
Em 1977, a Eldorado passa a lançar seus próprios trabalhos em disco, sendo o primeiro deles o álbum “Revendo com a flauta os bons tempos do chorinho”, do flautista Carlos Poyares. A partir daí, muitos artistas, das mais variadas tendências musicais, passariam pela gravadora, entre eles Daniela Mercury (que lançou seu primeiro álbum por esse selo), Nélson Sargento, Mônica Salmaso, Banda Mantiqueira, Raul Seixas, Zimbo Trio, o violonista Yamandú Costa, e até bandas de rock pesado, como Angra e Viper. Duramente atingida pela crise no mercado fonográfico, tanto no Brasil como no mundo, a Eldorado deixou de operar em fevereiro de 2004, voltando a funcionar em agosto do ano seguinte e encerrando definitivamente suas atividades em 2008.
Agora, o Toque Musical oferece a seus amigos, cultos e associados, um dos mais expressivos trabalhos da Eldorado: a gravação, na íntegra, de uma opereta inédita de Noel Rosa (1910-1937), “A noiva do condutor”. Foi composta em 1935, época em que a Rádio Clube do Brasil, onde Noel trabalhava, apresentava o programa “Como se as óperas célebres do mundo houvessem nascido aqui no Rio”. Noel fez três: “O barbeiro de Niterói” (paródia ao “Barbeiro de Sevilha”, de Rossini), “Ladrão de galinha”, apresentando paródias de músicas de sucesso na época, e finalmente esta “Noiva do condutor”, em parceria com o maestro Arnold Gluckmann, alemão radicado no Brasil.
 Este trabalho, gravado em novembro de 1985 e lançado em abril de 86, é fruto de um esforço arqueológico dos pesquisadores João Máximo e Carlos Didier, iniciado em 1983 com outro álbum da mesma Eldorado, “Noel Rosa inédito e desconhecido”, com o Conjunto Coisas Nossas. Foram escalados para a gravação desta opereta inédita do Poeta da Vila dois artistas versáteis: Marília Pêra, carioca da gema (n.1943), ainda hoje em franca atividade, e Grande Otelo (Sebastião Bernardes de Souza Prata, Uberlândia, MG, 1915-Paris, França, 1993). O bonde é a peça-chave do enredo, que começa no bairro carioca de Cascadura. Helena (Marília Pêra) ama Joaquim (interpretado por Carlos Didier), que se declara reservista, vacinado e advogado. Como de praxe nos anos 1930, o dr. Henrique (Grande Otelo), a princípio estrila, mas depois consente no namoro, assim encerrando o primeiro ato. Mas, no segundo ato, Helena descobre, horrorizada, que Joaquim é condutor de bonde, e rompe com o cara, não quer saber mais dele, que implora pelo reatamento, mas o dr. Henrique também se desentende com ele. Quem irá salvar o romance é o pai de Joaquim, um rico banqueiro chamado Jota Barbosa, aqui interpretado por Oscar Bolão, que também atua como baterista e pandeirista neste disco (como vocês veem, nessa época já havia conflito de gerações, e Joaquim tinha virado condutor de bonde para contrariá-lo).
É toda essa história que se desenrola neste trabalho, de inegável valor histórico, com arranjos a cargo do cavaquinista Henrique Cazes e do tecladista Aloísio Didier, que, claro, também participam como músicos. “Cansei de implorar” é uma paródia de ‘Cansei de pedir”, samba do próprio Noel lançado por Aracy de Almeida em 1935.  “Tipo zero”, samba de 1934, foi gravado vinte anos depois por Marília Batista e, para esta opereta, Noel retocou a segunda parte e lhe acrescentou uma nova estrofe. E tudo, claro, acaba num “Finaleto” em que os quatro personagens cantam: “Viva Deus e chova arroz!”, alusão ao costume de se jogar arroz nos noivos recém-casados à saída da igreja, após a cerimônia matrimonial, tradição esta originária da China, há mais de dois mil anos (o arroz é simbolo de fartura).
Choque de gerações, oposição rico-pobre, preconceito contra uma profissão sem status social, hipocrisia em suas manifestações menos dignas (note-se o rebuscamento poético da primeira faixa, “Tudo pelo teu amor”), tudo isso, enfim, está representado neste histórico trabalho que o Toque Musical tem a honra e o prazer de oferecer a vocês, com a chancela do inegável talento deste eterno mestre chamado Noel de Medeiros Rosa!
*Texto de Samuel Machado Filho
prelúdio
tudo pelo teu amor
cansei de implorar
boas tensães
para o bem de todos nós
joaquim condutor
perdoa esse pecador
tipo zero
tudo nos une
finaleto
.

VI Festival Internacional Da Canção Popular – Parte Nacional – As Favoritas (1971)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados de plantão! Aqui vamos nós com mais um albinho da melhor qualidade. Uma seleção musical para quem gosta e se lembra dos grandes festivais de música popular. Aqui temos reunidas algumas das músicas favoritas do público (segundo a Rede Globo), no VI Festival Internacional da Canção Popular, realizado em 1971, pela Secretaria Municipal do então estado da Guanabara. Era um período onde a ditadura militar corria solta e nossos artistas passavam maus bocados, sendo sempre ‘tosados’ em suas criações. Foi também um momento onde grandes nomes da MPB estavam de volta. O cantor e compositor Gutemberg Guarabyra era o diretor musical do festival e sugeriu um plano para minar de vez os abusos da Censura. Convidou grandes artistas, como Chico Buarque, Sérgio Ricardo, Tom Jobim, Edu Lobo, Vinícius e outros para participarem como ‘convidados”, uma espécie de ‘hors concours’ . Mas a ideia era bem outra, na verdade nenhum desses artistas iram se apresentar, o negócio era fazer protesto em forma de desistência na última hora, colocando em sinuca o Governo Militar, frente aos olhos do mundo. Mesmo sem a participação desse time de estrelas, o VI Festival teve lá sua glórias. Foi nessa edição que nasceram músicas como “Desacato”, de Antônio Carlos e Jocafi, defendida por Claudia; “Você não tá com nada”, de Silvio Cesar, com Marlene; “Casa no campo”, de Zé Rodrix e Tavito e outras que vocês podem conferir neste lp. Quem faturou o primeiro lugar foi o Trio Ternura, interpretando “Kiryê”, de Paulinho Soares e Marcelo Silva. Se eu não tiver enganado, muitas dessas músicas aparecem aqui, em suas versões  primárias, exclusivamente lançadas neste álbum da Som Livre. Quer conferir? Então peça que eu mando lá para o GTM. Como eu já havia dito, os ‘toques’ só chegam por e-mail se alguém no grupo pedir 😉
lourinha – marilia pêra
américa do sol – lucinha e osmar milito
kyrie – trio ternura
desacato – claudia
julia – odylon
é proibido pisar na grama – betinho
você não tá com nada – marlene
voltar eu não – golden boys
mêdo – jacks wu
canção prá janaína
palavras perdidas – maysa
casa no campo – zé rodrix

Marília Pêra – Elas Por Ela (1990)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Sempre correndo, aqui vou eu, aproveitando a brecha…
Hoje eu estou trazendo um disco que há muito já devia estar postado aqui. Comprei este álbum (duplo!) numa banca de saldão, em Sampa, logo que foi lançado. Acho que na época, o vendedor nem percebeu isso e liberou a bolacha por uma bagatela. Mas, assim como veio barato para mim, também acabei o vendendo nas mesmas condições. Só me arrependi de não ter feito uma cópia. Porém, mais uma vez, ele volta às minhas mãos, graças à colaboração de um amigo. 
“Elas Por Ela” foi um musical idealizado, dirigido e interpretado por Marília Pêra, no início dos anos 90. Fez muito sucesso na época, a ponto de merecer o registro em disco da EMI e depois ainda, inspirar uma nova versão num especial da Rede Globo. Neste trabalho, Marília Pêra não interpreta canções, mas sim os cantores, ou melhor dizendo, as cantoras. Sempre muito afinada, ela encarna algumas de nossas maiores cantoras, em temas consagrados. O espetáculo é bem ‘família’, inclusive para a Marília que conta com a participação de boa parte da sua. Filhos, sobrinha, irmão, maridos… todos empenhados e com muita responsabilidade.
Eu havia pensado em separar cada uma das músicas do álbum, mas preguiçosamente achei melhor manter a sequência linear, conforme nos é apresentado, sem pausas. Talvez num outro momento eu faça a separação. Por hora, eu quero mesmo é chocolate! Vão daí que eu vou daqui… 😉
a louca chegou
tem francesa no morro
texto de aracy cortes e j, maia
linda flor
pedacinhos do céu
século do progresso
camisa amarela
chica chica bum chica
mulher exigente
loura ou morena
texto de dalva de oliveira
mensagem
orgulho
que será (abajur lilás)
teus ciúmes
parabéns pra você
aves daninhas
vingança
duro nega!
beija-me
texto de eneida
ô abre alas
primeira bateria
o teu cabelo não nega
funga funga
pó de mico
evocação
coisinha do pai
lata dágua
vai com jeito
perigosa
a flor e o espinho
se queres saber
onde está você
demais
morrer de amor
fim de caso
vai, vai mesmo
amendoim torradinho
casaco marrom
túnel do amor
pare o casamento
opinião
mamãe coragem
texto caetano veloso
sonho meu
clementina, cadeê você
marinheiro só
juízo final
aquarela do brasil
texto andré valle 
seguidilla
têmpera

A Medida Do Sucesso (1972)

Olá amigos cultos e ocultos! Com a colaboração dos meus célebres parceiros musicais, foram corrigidos alguns links que estavam desativados. Demoramos um pouco, mas estão todos aí…
Começamos a semana numa boa (humm…) Tenho aqui para vocês esta coletânea dos bons tempos da Som Livre. Estão reunidas aqui algumas músicas que eu mesmo já nem me lembrava. Coisas como “Lúcia Esparadrapo”, “Karaní Karanuê, “Mudei de Ideia”, além das internacionais “Oh Me, Oh My” na versão de Jane Duboc e “Les Rois Mages” com Sheila, são músicas que vieram a tona em minhas lembranças e acredito que acontecerá o mesmo com quem viveu e curtiu os anos 70. A seleção musical desta coletânea traz diversos temas que fizeram parte de novelas e programas da Rede Globo. Muito boa, confiram…

oh me oh my – jane duboc
karaní karanuê – diana camargo, myrna e elson
mudei de ideia – osmar milito e quarteto forma
o cafona – angela e paulo sergio valle
o que é que houve? – o som livre
kyriê – trio ternura
lourinha – marília pêra
mas que doidice – maria creusa
les rois mages – sheila
lúcia esparadrapo – betinho
desacato – maria de fátima
shirley sexy – marília pêra
você abusou – maria creusa