Nossa Filha Gabriela – Trilha Sonora Original (1972)

O Toque Musical prossegue seu ciclo dedicado às trilhas sonoras de telenovelas oferecendo mais uma raridade. O folhetim hoje posto em foco é “Nossa filha Gabriela”, da extinta TV Tupi, escrito por Ivany Ribeiro, dirigido por Carlos Zara (que também interpretou o personagem Tito) e levado ao ar, ainda em preto e branco, de primeiro de setembro de 1971 a 4 de março de 1972, totalizando 168 capítulos. E com um ótimo elenco, praticamente o mesmo da novela anterior de Ivany, “O meu pé de laranja lima” (adaptada de romance de José Mauro de Vasconcelos):  Eva Wilma (então grande estrela da Tupi, no papel-título), Gianfrancesco Guarnieri (Giuliano), Ivan Mesquita (Candinho), Abrahão Farc (Romeu), Cláudio Corrêa e Castro (Napoleão), Lélia Abramo (Donana), Dênis Carvalho (Rodrigo), Geny Prado (ela mesma, a companheira de Mazzaropi no cinema, como Rosária), Bete Mendes (Rosana), etc. Na trama, Gabriela é a estrela de um teatro mambembe que chega a uma pacata cidade e muda o comportamento de seus habitantes. Três simpáticos velhinhos, Candinho, Romeu e Napoleão, disputam entre si a atenção de Gabriela. O que ela desconhece é que, no passado, os velhinhos haviam se casado com trigêmeas, uma delas era sua mãe e um deles, seu pai. Aí então, os três passam a disputar a paternidade de Gabriela, um mistério que permaneceria até o fim da trama. O resultado foi uma história simples e divertida, que, curiosamente, iria se chamar “A fazenda”! Sim, esse foi o primeiro título pensado para a novela, quando nem se imaginava que haveria um reality show com esse nome, tempos depois…  Outra curiosidade é que Ivany Ribeiro escreveria, em 1986, um remake de “Nossa filha Gabriela”, produzido pela Globo, desta vez com o título de “Hipertensão”, e no qual o velhinho Napoleão foi interpretado pelo mesmo ator da versão original, Cláudio Corrêa e Castro. A trilha sonora de “Nossa filha Gabriela”, que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos, foi composta e interpretada pela dupla Toquinho e Vinícius de Moraes, então fazendo enorme sucesso, e editada sob a chancela da Philips/Phonogram (selo Polydor). Quer dizer, garantia de música de qualidade e de felizes reminiscências para quem viveu essa época, e, por certo, agradável surpresa para a geração atual. Devidamente produzida por Cayon Gadia, e gravada em São Paulo nos Estúdios Reunidos, a trilha teve os arranjos e regências a cargo de outro “cobra”, José Briamonte. Abrindo o disco, a conhecidíssima “Sei lá, a vida tem sempre razão”, tema principal da novela, interpretada por coro feminino. Entre as quatro faixas que o Poetinha Vinícius interpreta solo, dois destaques imperdíveis: “A casa” e “O pato”, poemas infantis que Toquinho musicou, e que seriam mais tarde reaproveitados nos dois volumes da “Arca de Noé”, marcando gerações de crianças ao longo do tempo. Vinícius ainda canta “O céu é o meu chão” e a “Valsa para uma menininha”, além de interpretar “A casa” também em diálogo com Toquinho. Este se apresenta  solo em “Modinha número 1” e “Amor em solidão”, e junto com uma certa Laís, canta “Ele e ela”. “O ceú é o meu chão” e “Modinha número 1” mereceram ainda versões instrumentais, também constantes deste disco. Completando o programa, outro tema exclusivamente instrumental, “Rosa desfolhada”. Tudo com o alto padrão técnico e artístico que sempre caracterizou as produções da Philips/Phonogram, fazendo da trilha sonora de “Nossa filha Gabriela” um produto simplesmente imperdível. É correr para o GTM, baixar e ouvir…

sei lá… a vida tem sempre razão
amor em solidão
ele e ela
modinha #1
o céu é o meu chão
lá casa (diálogo)
la casa
valsa para uma menininha
a rosa desfolhada
o pato
modinha #1

*Texto de Samuel Machado Filho

Vinicius de Moraes e Paulo Mendes Campos – Poesias Vol. 2 (1956)

Hoje, o Toque Musical oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados um pouco da melhor poesia brasileira. Trata-se de um disco do selo Festa, de Irineu Garcia, jornalista, sonhador, boêmio e autêntico mecenas, que tantas contribuições deu à nossa cultura, inclusive na área musical, com LPs primorosos, tipo “Canção do amor demais”, obra-prima de Elizeth Cardoso, e “Por toda a minha vida”, de Lenita Bruno, ambos já oferecidos a vocês pelo TM. O álbum de hoje,  gravado em 1956, é o segundo de uma série da Festa  apresentando poetas brasileiros de renome, declamando de viva voz seus poemas. O primeiro volume foi  com Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, e este segundo nos traz outros “cobras” do gênero: Vinícius de Moraes  (Rio de Janeiro, 19/10/1913-idem, 9/7/1980) e Paulo Mendes Campos (Belo Horizonte, MG, 28/2/1922-Rio de Janeiro, 1/7/1991). Ressalte-se que, nessa época, era costume, no Brasil, lançar discos com recitais de poesia, e um deles, com o rádio-ator Floriano Faissal declamando poemas de Olavo Bilac, lançado em 1957 pela Musidisc, chegou a ser campeão absoluto de vendagem, o que fez a Odeon e a RGE também lançarem títulos explorando esse mercado. Nenhum selo, porém, foi  tão dedicado à poesia quanto a Festa, que construiu um catálogo tão impressionante quanto numeroso nessa área.  O poetinha Vinícius, claro, dispensa quaisquer apresentações. Neste trabalho, ele nos oferece sete verdadeiras obras-primas vindas de sua inspiração, entre elas os antológicos “Soneto de fidelidade”, “Pátria minha”, “Poética”  e “Soneto de separação”. Quanto a Paulo Mendes Campos, creio que muitos o conheceram através das crônicas incluídas nos livros da série “Para gostar de ler”, da Editora Ática, verdadeiros “best-sellers” entre estudantes de ensino fundamental e médio nas décadas de 1970/80, e até hoje em catálogo. Paulo também foi poeta, e seus primeiros livros, por sinal, foram de poesias: “A palavra escrita” (1951) e “O domingo azul do mar” (1958). Aqui, ele declama seis poemas, e apenas um, o soneto “Despede teu  pudor”, é de seu livro de estreia, sendo os demais apresentados pela primeira vez.  Tudo isso, aliado ao padrão de qualidade da marca Festa, faz deste trabalho, assim como outros da série, um verdadeiro documento histórico, digno de ser apreciado por quem prestigia tudo que há de bom no rico e variado acervo da poesia brasileira. Pura sensibilidade!

soneto da felicidade

balada da moça do miramar

soneto de amor total

a morte de madrugada

soneto de separação

pátria minha

poética

infância

o homem da cidade

pesquisa

despede teu pudor

poema didático

if

* Texto de Samuel Machado Filho

Vinícius: Poesia E Canção Vol. 2 (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje, dia 13 de dezembro, fazem 50 anos que aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo o encontro da poesia e da canção de Vinícius de Moraes. Foi uma noite de gala onde estiveram presentes grandes nomes da música como Baden Powell, Carlos Lyra, Cyro Monteiro, Edu Lobo, Elizeth Cardoso, Francis Hime, Pixinguinha e (claro) Vinicius de Moraes. A apresentação foi feita pela filha do poeta, Suzana de Moraes e contou também com a participação do ator Paulo Autran que recitou alguns de seus poemas. Este show teve um registro a altura, gerando ao final dois lps, produzidos por Roberto Quartin e seu selo Forma. Os discos foram lançados no ano seguinte. Acredito que na época não era muito comum álbuns duplos, daí os dois discos saíram separadamente. Muito por conta disso eu começo pelo segundo volume, que é o que eu tenho. O certo seria postar primeiro o volume 1, mas esse eu vou ficar devendo. Quem sabe no ano que vem, quando então o disco completa 51 anos (uma boa ideia!). Mas antes disso, se for o caso, eu irei postar o que falta, não se preocupem…. Por enquanto, vamos só celebrar e comemorar a poesia e a canção de Vinícius de Moraes.

abertura – guerra peixe
zambi – edu lobo
pedro, meu filho – vinicius de moraes
sem mais adeus – francis hime
soneto da felicidade – suzana de moraes
minha namorada – carlos lyra
lamento – cyro monteiro
eurídice – baden powell
monólogo de orfeu – vinicius de moraes
vinicius do encontro – suzana de moraes e paulo autran
.

Elizeth Cardoso – Elizeth Interpreta Vinícius (1963)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Vamos nesta manhã de sexta feira trazendo um clássico da mpb. Temos aqui a grande Elizeth Cardoso interpretando músicas de Vinícius de Moraes e seus parceiros, em disco original lançado pela Copacabana em 1963. Embora o disco não traga nenhuma informação técnico-artística se sabe que  essas gravações contaram com a regência e arranjos do maestro Moacir Santos, com participações de Baden Powell, Vadico, Nilo Queiroz e o próprio Vinicius de Moraes.
Este lp voltaria (claro!) a ser reeditado no final dos anos 60 com uma outra capa e posteriormente em versão cd, até chegar no mp3, versão a qual os amigos já podem desfrutar não é de hoje, O Toque Musical só veio para colaborar nesse compartilhamento 😉

mulher carioca
pela luz dos olhos teus
sempre a esperar
menino traveso
consolação
triste de quem
se você disser que sim
ai quem ama
lembre-se
valsa sem nome
canção do amor ausente
.

Vários – Levanta A Poeira (1977)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Unindo o útil ao agradável (ou coisa assim), aqui venho eu trazendo para vocês a postagem desta sexta feira. Digo isso, poque estou postando hoje um disco de doação, feito pelo amigo Fáres, que gentilmente nos ofertou e eu, como prometido, fiquei de digitalizar o lp para ele. Nessas horas, todos saem ganhado. Até porque, o disco de hoje é uma interessante coletânea, com algumas faixas que vale a pena relembrar. “Levanta a poeira” foi lançado em 1977, trata-se de uma coletânea daquelas tipo ‘salada mista’, onde a gravadora junta um pouco de tudo aquilo que tem de sucesso e faz isso, um mexidão. Como podemos ver aqui, temos uma relação de músicas e artistas bem diferentes entre si, embora todos rezem da mesma missa, a música popular brasileira. Temos Geraldo Vandré, Helena de Lima, Toquinho & Vinícius, Maria Creuza e entre esses, outros nomes como Mutinho, Luiz Carlos, Clovis de Lima, Beto Scala, Diomedes e Mauro Silva, artistas que com seus fonogramas complementam esta curiosa produção. Gosto de coletâneas como esta, confusas e mal trabalhadas. Sempre rola algo que estava me faltando ouvir.
No mesmo ano de 1977 a Som Livre também lançou um disco (de samba) como título bem parecido, “Levanta Poeira”, o qual, também já foi postado aqui no Toque Musical. Pensei até que fosse continuação da saga

levanta a poeira – mauro silva e sua banda
sabendo usar, não vai faltar – luiz carlos
oi lá – mutinho e toquinho
mas que doidice – maria creuza
porta estandarte – geraldo vandré
ri – barracão – chorou, chorou – helena de lima
recado ao samba – diomedes
meu panamá – mutinho
marcha da quarta feira de cinzas – toquinho e vinícius
rosa flor – geraldo vandré
moça do cabelo cacheado – beto scala
volta por cima – clovis de lima
.

Toquinho, Vinícius & Amigos (1973)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Contrariando as expectativas, por aqui, realmente, não vai ter Copa! Não adianta nem pedir ajuda à Fifa, ao Lula ou à Dilma. Adoro futebol, mas aqui ninguém é idiota. Vai que o Joseph Blatter e sua gang resolvem começar a fazer exigências… querer deixar isso aqui parecido com o Loronix, tudo em inglês, texto perfeito padrão Fifa… sem chance! Aqui, faço eu!
Vamos então rodando o nosso disco do dia. Vamos com este célebre lp de Toquinho & Vinícius lançado pela RGE/Fermata em 1973. Um álbum cheio de convidados, como se pode ver logo pela capa: Chico Buarque, Maria Bethania, Maria Creuza, o italiano Sergio Endrigo e Ciro Monteiro, que aparece aqui em suas últimas gravações.

apelo – toquinho, vinincius e maria bethania
que martírio – toquinho, vinícius e ciro monteiro
tomara – toquinho, vinícius e maria creuza
poema degli occhi – toquinho e sergio endrigo
samba da rosa – toquinho e vinicius
você errou – toquinho, vinícius e ciro monteiro
e se esqueça de mim – toquinho
la cada – toquinho, vinícius e sergio endrigo
viramundo – toquinho e maria bethania
lamento no morro – toquinho, vinícius e maria creuza
desencontro – toquinho e chico buarque
.

Garota De Ipanema – Trilha Original Do Fime (1967)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Eu hoje estava para postar uma homenagem ao Nonato Buzar, que veio a falecer neste domingo. Pensei em postar algum disco dele, mas pecebi que não tenho nenhum além dos arquivos de dois dos seus trabalhos. Só não postei porque não estava no padrão TM, quer dizer, sem capa e contracapa. Mas ainda farei, quem sabe, uma coletânea. Ele merece 🙂
Também perdemos o cineasta, num caso trágico, o cineasta Eduardo Coutinho. Fiquei pasmo com o caso. A vida imitando a ficção… loucura!
Acho que meio por conta do Cinema’ foi que hoje eu decidi então postar este disco, a trilha sonora do filme “Garota de Ipanema”, de Leon Hirszman. ‘Para me facilitar e também abrilhantar nossa postagem, vou pegando emprestado o texto escrito por Fernando Zamith em 2011 sobre o filme:

Uma raridade. “Garota de Ipanema” (1967), de Leon Hirszman (1937-1987), é um dos filmes brasileiros mais esquecidos da história. Que mistério cerca esse sumiço? É algo deliberado deixá-lo no limbo da memória?
Mesmo entre os defensores do cinema novo, há uma omissão velada. Parece até que apagaram os detalhes maiores da filmografia do cineasta de “Eles Não Usam Black-Tie” e “São Bernardo”. Quando muito aparece só o nome do filme e o ano (1967) e pronto.
Também pouca gente menciona que o co-roteirista do filme foi ninguém menos do que Glauber Rocha, ícone do movimento cinema novo. Glauber Rocha? Exatamente, mas em algumas fichas técnicas publicadas seu nome não aparece. Por que será?
O filme não existe em DVD e nem ganhou lançamento em fita VHS lá pelos anos 80. Inspirada na canção mais celebrada de Antonio Carlos Jobim e das mais gravadas no mundo, o filme surpreendeu, pois nada trazia dos versos famosos da letra de Vinicius de Moraes.
Nada a ver com a canção inspirada na garota adolescente da vida real (Helô Pinheiro). A garota do filme é um personagem fictício, a jovem Márcia, de 17 anos, papel da atriz então iniciante Márcia Rodrigues. O roteiro ainda tem um crédito para Vinicius de Moraes (que aparece na tela), ao lado de Eduardo Coutinho.
“Garota de Ipanema” – o filme é mais um retrato social de pais e filhos no Rio de Janeiro dos anos 60. Um elenco de nomes famosos em pequenos papéis. O jornalista João Saldanha, por exemplo, faz o pai da garota de Ipanema. Nas imagens do vídeo abaixo, você pode vê-lo entrando no Fusca estacionado numa rua do bairro.
No filme, quem também aparece é um jovenzinho Chico Buarque. E ele canta uma composição que ficou famosa: “Noite dos Mascarados”. Aliás, a trilha sonora é um achado. Há até um rock com letra de Vinicius de Moraes cantado por Ronnie Von. Eis o set-list da trilha original de “Garota de Ipanema”, com base no LP de vinil. Quem se lembra dos lados A e B?:
noite dos mascarados – elis regina e chico buarque
lamento do morro – nara leão
surf board – orquestra
ela é carioca – tamba trio
poema dos olhos da amada – vinícius de moraes
a queda – orquestra
tema de abertura (garota de ipanema) – orquestra
por você – ronnie von
chorinho – chico buarque
ária para morrer de amor – baden powell
rancho das namoradas – quarteto em cy e mpb-4
tema da desilusão (garota de ipanema) – orquestra
.

Baden Powell & Vinícius De Moraes – Os Afro-Sambas (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! Ontem recebi duras, porém importantes, críticas de um amigo sobre o que eu escrevo e como escrevo as coisas aqui no Toque Musical. Realmente, os textos das minhas postagens trazem sempre muitos erros, sejam lá de ortografia, concordâncias, ou mesmo de caráter histórico e informativo. Há, sem dúvida, muita coisa errada por aqui (e vai além, hehehe…), mas mesmo assim eu insisto, teimoso como um burro, vou tocando sozinho esse meu ‘mal hábito’. E o mais curioso de tudo isso é que mesmo sendo assim como sou, como é o Toque Musical, tem por aí muita gente que nos copia, que seguem uma ‘linha’ semelhante. Eu já disse isso, o TM faz escola! 😉
Em homenagem ao meu amigo crítico e também a todos os outros cultos e ocultos, eu hoje trago este álbum, um clássico que despensa maiores apresentaçoes. Aliás, melhor apresentação que o texto do próprio autor, ainda mais sendo ele Vinícius de Moraes, não poderia haver. “Os Afro-sambas” é um disco dos mais importantes da MPB, lançado através do selo Forma, de Roberto Quartin, em 1966. Produzido de maneira livre, sem se prender a questões e padrões comerciais, o disco traz apenas oito músicas, mas que são a continuidade de um trabalho que a dupla iniciou quatro anos antes, quando ‘se conheceram’, vamos dizer assim. Um trabalho excepcional, que mesmo nunca esquecido, não poderia deixar de ser lembrado aqui. Há ‘medalhões’ que a gente precisa sempre cultuar, não é verdade?

canto de ossanha
canto de xangô
bocochê
canto de yemanjá
tempo de amor
canto de pedra preta
tristeza e solidão
lamento de exu
.

Vinícius De Moraes – Poesias (1959)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Como as nossas postagens não seguem mais aquele obsessivo ritmo diário, posso me desculpar por só estar celebrando os 100 anos de Vinícius agora, um dia depois. Acho que tudo bem, não é mesmo? Afinal, uma figura como Vinícius de Moraes e em seu centenário, merece comemoração por pelo menos uma semana! O Toque Musical não poderia deixar esse momento passar em branco. Como a obra do Poetinha já está prá de bem divulgada, fica difícíl achar alguma coisa diferente, rara, como cabe ao TM. Acabei optando por este álbum de poesias, lançado em 1959, pelo selo Festa, que muito se dedicou a promover a poesia brasileira. Neste pequeno lp de 10 polegadas vamos encontrar cinco de seus mais famosos poemas e, claro, recitado pelo próprio autor.
Parabéns, Vinícius! Que seja eterno por toda a vida 🙂

o mergulhador
soneto n. 2 de meditação
os acrobatas
a hora íntima
receita de mulher
.

Seleção 72 (1972)

Olá amigos cultos e ocultos, do Brasil e do mundo! A Copa está começando e eu nem me preparei devidamente para acompanhá-la aqui no Toque Musical. Eu bem que poderia ter separado alguns discos relacionados ao futebol e ao Campeonato Mundial, mas sinceramente, estou com preguiça. Preguiça de futebol e dessa seleção brasileira. Vou torcer, é claro, pelo meu Brasil, mas com o mesmo tesão que tenho torcido pelo meu glorioso Galo. Digo glorioso porque um dia ele já foi para mim. Porém, o futebol já não é mais o mesmo. Hoje em dia não temos mais jogadores e craques. O que existe são profissionais do futebol. Uns jogam bem, outros são estrelas, mas muito poucos são mesmo bons de bola. Aliás, o que se vê hoje é apenas um espetáculo. O show não pode parar. Tô com o Dunga, mas prefiro mais a Branca de Neve, essa pelo menos se dá bem no final da estória.
De qualquer forma, apenas para celebrar uma tradição, vou postar aqui alguma coisa que pelo menos lembre o futebol. Na falta de tempo e do tesão, vou postando aqui algo que sobre esse assunto só se vê na capa. Temos aqui um disco promocional do Grupo Microlite, detentores das marcas Ray-O-Vac, Saturnia e Lipasa. Nem sei se essas famosas marcas do passado ainda existem. A da pilha sim, até comprei umas alcalinas um dia desses.
O certo é que este disco promocional, feito pela Fermata, traz doze faixas mistas, contendo músicas de artistas brasileiros, trilhas de filmes, jazz e alguns outros temas internacionais, como podemos conferir logo a baixo. Dos artistas brasileiros, todas as faixas fazem parte de discos já bem conhecidos e baixados no universo musical dos blogs. Os temas internacionais também são bem populares e bastante agradáveis. A “Seleção 72”, embora não tenha ido à Copa, tem uma bola cheia no gramado, esperando o artilheiro que possa fazer um gol. Vai nessa que a parada é da boa! 🙂

eu sei que vou te amar – maria creuza
este seu olhar – dick farney
we’ve only just begun – lawrence welk
l’ultimo romantico – pino donaggio
por causa de você – maria creuza
theme from “borsalino” – claude bolling
maria vai com as outras – toquinho e vinícius
somos dois – dick farney
theme from “summer of 42” – lawrence welk
here, there & everywhere – tony osborne
a time for us – bob ralston
lady bird – gerry mulligan e chet baker

Vinicius de Moraes – Nossa Filha Gabriela (1972)

Olá amigos cultos e ocultos! O tempo anda curto, mas o Toque Musical não pode parar. Ainda limpando a gaveta, tenho outro disco que sempre ficou esperando oportunidade. Temos aqui mais uma das boas trilhas de novela feita pela dupla Toquinho e Vinícius. “Nossa Filha Gabriela” foi uma novela da extinta TV Tupi, dirigida por Carlos Zara e que foi ao ar em 1971. Foi a primeira vez que uma telenovela recebeu um tratamento musical como este, com uma trilha exclusiva, como no cinema. Depois dessa experiência a dupla viria a fazer mais sucesso em novas músicas destinadas à teledramaturgia, como “O Bem Amado” e “Fogo Sobre a Terra”. Este disco tem também como destaque Vinicius cantando. Acho que depois das experiências em diversos shows e no Circuito Universitário, o poeta resolveu soltar um pouco mais a voz.

sei lá… a vida tem sempre razão
amor e solidão
ele e ela
modinha 1
o céu e o meu chão
la casa (diálogo)
la casa
valsa para uma menininha
a rosa desfolhada
o pato
modinha 1 (toquinho)
o céu e o meu chão

Vinicius de Moraes – Eterno Retorno (1986)

Eis que chegamos ao final de 2009. Apesar de vários pesares, eu não posso reclamar e dizer que foi um ano ruim. Teve chuva e teve sol, alegrias e tristezas. Mas a vida é isso, uma sequência ao acaso num caso sempre sequente. Entre tantas coisas que nos deixam para baixo, tivemos por aqui e diariamente, a música e as boas lembranças para nos por para cima. Um alento em dias tão tumultuados. Estar a frente deste blog tem sido para mim, uma terapia, um exercício de cultura musical, de relacionamento e principalmente um grande prazer. O que eu ganho em contrapartida ao apresentar diariamente uma nova postagem é mesmo a satisfação, alguns bons amigos cultos e outros ocultos. Um relacionamento agradável com pessoas com as mesmas afinidades. Isso é prazer 🙂

Bom, deixemos o resto das considerações finais para amanhã. Vamos com o álbum do dia. Temos aqui esta coletânea dedicada ao poetinha Vinícius de Moraes. Pessoalmente, eu gosto bem de coletâneas. Elas geralmente trazem surpresas, gravações raras ou artistas inesperados. “Eterno Retorno” é um disco assim, com um variado leque de artistas interpretando músicas de Vinícius de Moraes e seus parceiros. A coletânea foi idealizada e produzida pelo radialista e escritor Simon Khoury. Tive a impressão, pelo subtítulo “Homenagem ao autor”, de que este disco faz parte de alguma série. Porém não encontrei nenhum outro nas mesmas condições, embora conste que Simon produziu outros grandes nomes como Johnny Alf, Carmen Costa e Sebastião Tapajós. Pela capa deste lp já podemos saber quem são os intérpretes, o que dispensa a convencional listagem com a relação das músicas. Taí, mais um disco bacana para se ouvir no fim de ano. Boas festas!

Vinicius de Moraes – Vinicius (1967)

Bom dia companheiros cultos e ocultos (tá vendo, mudei!). Hoje meu dia vai estar cheio e o tempo está curto. Não tive nem tempo para preparar o que pensava ser a postagem do dia. Na verdade, minha intenção era fazer desta uma semana temática, voltada para nossas cantoras. Mas não houve jeito de planejar a tempo. Eu não trouxe nossas divas, mas para não ficarmos longe disso, teremos o prazer da companhia de quem sempre soube cantar as mulheres (em duplo e bom sentido), o poetão (porque poetinha é muito pouco) Vinicius de Moraes. Este álbum não é mais nenhuma novidade-raridade, pois já foi bem explorado em outros blogs e também já foi relançado em cd através da coleção “Com dizia o poeta”, uma caixa com toda a discografia de Vinicius. Sobre o disco, lançado em 1967 pelo selo Elenco de Aloysio de Oliveira, também não há muito o que se falar além do que já é notório. Dispensa maiores apresentações. Mesmo porquê, como disse, meu tempo está limitadíssimo. Fica aqui o toque do dia, retirado emergencialmente da gaveta, para não perdermos o bonde. Por falar em bonde, deixa eu pegar o meu. Até amanhã!

berimbau
deixa
mulher carioca
o astronauta
samba da benção
broto maroto (com o quarteto em cy)
labareda (com odette lara)
samba em prelúdio (com odette lara)
minha namorada (com o quarteto em cy)
formosa

Deus Lhe Pague – TSO (1976)

Bom dia, meus prezados amigos cultos e ocultos! Vamos nós começando a semana, trazendo sempre uma rara novidade ou uma grata lembrança, para alegar nossas vidas.

Começo a semana com um disco que pouca gente conhece e só recentemente veio a ser relançado em cd na coleção que reuniu toda a discografica de Vinícius de Moraes, intitulada “Como dizia o poeta”. “Deus lhe pague” foi uma super produção cênica-musical produzida por Mário Prioli, sob a direção de Bibi Ferreira e tendo Walmor Chagas e Marília Pera na frente do elenco. O texto é uma adaptação da peça de Joracy Camargo e as músicas de Edú Lobo e Vinicius de Moraes. Este, sem dúvida, foi um musical ao qual a imprensa na época parece não ter dado muita bola. E o espetáculo acabou não merecendo a devida repercussão. Podemos dizer que chegou mesmo a ser um fracasso. Obviamente, não foi pela qualidade da obra e dos artistas envolvidos. “Deus lhe pague” é um clássico do nosso teatro e já foi levada ao público por diversos grupos cênicos. O certo é que esta versão ficou um pouco apagada e talvez por isso mesmo o álbum nunca antes tenha sido relançado. Com tudo, ou apesar de tudo, o disco é muito bacana e vale mesmo uma conferida 😉 Quem ainda não conhece, tá na mão…
eu agradeço
o que é que tem sentido nesta vida
samblues do dinheiro
lamento do joão
labirinto
tá difícil
um novo dia
além do tempo
decididamente
pobre de mim
joão não tem de quê
cara de pau

Joao, Tom, Vinicius & Os Cariocas – Um Encontro No Au Bon Gourmet (1962) REPOST

E o Carnaval passou… Agora, para curar a ressaca só tomando outra dose. Mas desta vez a panacéia curativa vai ser outra. Cheguei a conclusão que tratamentos homeopáticos nesses casos não resolvem, principalmente depois que o organismo acostuma. Tem mesmo que ser diário! Para os bons entendedores esta introdução tem múltiplos sentidos.
Hoje eu vou fazer diferente, repostando uma gravação que todos já conhecem, “Um encontro no Au Bon Gourmet”. Trata-se de um show, duas noites no restaurante Au Bon Gourmet, no Rio, onde se encontraram as ilustres figuras de Tom Jobim, Vinícius de Moraes, João Gilberto e o grupo Os Cariocas. Realmente um encontro e tanto, que ainda contou com a presença na ‘cozinha’ de Milton Banana na bateria e Otávio Bailly no contra-baixo. Sob a direção musical de Aloysio de Oliveira, o show foi uma espécie de batismo, a primeira apresentação em público de canções que em pouco tempo se tornariam clássicos da nossa MPB. Este é mais um daqueles históricos registros do começo da Bossa Nova que foi apresentado primeiramente no Loronix. Logo em seguida eu também o publiquei aqui no Toque Musical, criando inclusive uma capinha para ele. Agora eu o trago de volta neste ‘repost’, incluindo o registro da primeira noite (remixada pelo Chris. Merci!) que nas versões anteriores não estava presente. Na verdade não há muitas diferenças entre as duas noites de show. A qualidade do som é até mais precária na primeira apresentação, contudo não deixa de ser um documento sonoro curioso e interessante. Temos assim o registro completo daquela apresentação histórica de 1962…

01. Só Danço Samba (Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes)
Os Cariocas
02. Samba de uma Nota Só (Antonio C. Jobim/Newton Mendonça)
Tom Jobim & Os Cariocas
03. Corcovado (Antonio Carlos Jobim)
João Gilberto & Os Cariocas
04. Samba da Bênção (Baden Powell/Vinicius de Moraes)
Vinicius de Moraes
05. Amor em Paz (Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes)
João Gilberto & Os Cariocas
06. Bossa Nova e Bossa Velha (Miguel Gustavo)
Os Cariocas
07. Samba do Avião (Antonio Carlos Jobim)
Tom Jobim & Os Cariocas
08. O Astronauta (Baden Powell/Vinicius de Moraes)
Vinicius de Moraes & Os Cariocas
09. Samba da Minha Terra (Dorival Caymmi)
João Gilberto
10. Insensatez (Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes)
João Gilberto
11. Garota de Ipanema (Antonio C. Jobim/V. de Moraes)
João, Tom & Vinicius
12. Devagar com a louça (Haroldo Barbosa/Luiz Reis)
Os Cariocas
13. Só Danço Samba (Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes)
João Gilberto & Os Cariocas
14. Garota de Ipanema /Só Danço Samba / Se Todos Fossem Iguais a Você (Jobim/Vinicius) Todos juntos
.
* o repertório das duas noites é exatamente o mesmo, apenas com ligeiras diferenças e uma música a mais.

Jesus Cristo Super Star (1972)

Olá caríssimos (rapidinho), hoje é dia de espetáculo! E eu tenho a honra de trazer até vocês o consagrado musical dos anos 70, “Jesus Cristo Super Star”. Criado por Tim Rice e Andrew Lloyd Webber – autor de tantos outros trabalhos como “Cats”, “O Fantasma da Opera” e “Evita” – este musical foi sucesso imediato em todo o mundo, com montagens em vários países, inclusive no Brasil. Por aqui, a versão foi de Vinicius de Moraes e gerou este merecido lp. Gravado em estúdio, o disco contou com a participação de todo o elenco da peça. A regência é do nosso já conhecido, maestro Salinas.

céu na cuca
tudo está bem
sinédrio e hosanna
simão zelote
sonho
tenta não pensar
gethsemane
negação de pedro
vamos reperit
rei herodes
arrependimento de judas
condenação
superstar
PS.: temos duas versões para avaliação, uma editada e outra integral/ripagem bruta, sem tratamento. Mas em todos os dois casos o som está ótimo!

Orfeu Da Conceição – Tom Jobim E Vinicius De Moraes (1956)

Bom dia, boa tarde, boa noite… Começando a ‘segundona’ bem animado, lá vou eu preparando as postagens da semana. Como os cantores da velha guarda sempre fazem muito sucesso por aqui, vou continuar resgatando mais alguns. Porém, para que eu também não me canse de bater nas mesmas teclas, vou alternar as postagens, mesclando entre os ‘gogós de ouro’ alguns musicais e trilhas que gentilmente me foram cedidos pelo autor do blog Trilha Sonora Original. Como ele anda sem tempo para postar suas trilhas, me enviou algumas aqui para a nossa salada mista.
Começo então com “Orfeu da Conceição”, peça escrita originalmente em 1942 por Vinícius de Moraes e musicada em parceria por Tom Jobim para a montagem de estréia em 1956. Este foi o primeiro trabalho de parceria entre os dois. Não vou entrar em detalhes, deixo que vocês os descubram no texto de contracapa, escrito pelo próprio Vinícius.
O disco, lançado também em 56, nos traz a Orquestra Odeon, composta por 35 músicos, regidos por Tom Jobim, o excepcional violonista Luiz Bonfá e o cantor Roberto Paiva. Para completar, temos Vinícius declamando o monólogo de Orfeu. Ilustrando tudo isso, temos ainda a belíssima capa, trabalho de autoria do artista plástico, o pintor Raimundo Nogueira. Sem dúvida, um disquinho maravilhoso. Confiram direito esse toque!

ouverture
monólogo de orfeu
um nome de mulher
se todos fossem iguais a você
mulher, sempre mulher
eu e o meu amor
lamento no morro

Toquinho & Vinicius – São Demais Os Perigos Desta Vida… (1972)

Aqui está finalmente Toquinho & Vinicius! Inicio assim porque este disco eu já havia procurado em inúmeros blogs. Tinha certo que seria fácil de encontrar. Que nada… Ninguém ainda o postou, incrível! Será que nos esquecemos desta pérola? Pelo jeito parece que sim.
Então está aí… “São demais os perigos desta vida”, um álbum maravilhoso que sela (formalmente) a parceria de Vinicius de Moraes com Toquinho. Foi o segundo disco da dupla e é nele que encontramos as seguintes composições:

cotidiano n.2 (como dizia o chico…)
tatamiro (em louvor de mãe menininha de gantois
são demais os perigos desta vida…
chorando prá pixinguinha
valsa para uma menininha
para viver um grande amor
menina das duas tranças
regra três
no colo da serra
canto de oxalufã

Apoteose – O Show Dos Shows (1991)

Hoje não vou prolongar… Além do mais, o sono já vem me pegando de jeito.
Sobre este disco não é preciso falar muito, tá na capa! Uma seleção de artistas de primeira linha que passaram pela RGE. É isso aí… a gravadora se mantém com nomes de peso. Nada como uma coletânea, reunindo o que de melhor o selo ofereceu ao longo dos tempos. Neste, lançado somente em vinil e cassete (lembra da fitinha?), temos apresentações ao vivo de shows e festivais, realizados em 1964 e 65. Faixas retiradas de outros álbuns da gravadora.
chove chuva – jorge ben
terra de ninguém – elis regina e marcos valle
maria moita – nara leão
sem deuz com a família – césar roldão vieira
primavera – toquinho
tem dó de mim – quarteto em cy
aleluia – edu lobo e yvette
pedro pedreiro – chico buarque
garota de ipanema – zimbo trio
nós e o mar – maysa
onde está você – alaíde costa
mulher sempre mulher – vinícius de morais

Vinicius – Testamento (1980)

Vamos à bobagem do dia (o texto, claro!). Trazendo hoje uma coletânea musical de Vinícius. Lançado pela RGE em 1980, este é um álbum póstumo, que reúne alguns de seus melhores momentos na gravadora. Registros históricos do encontro do “poetinha” com Maria Bethânia, Marilia Medalha, Maria Creuza e seu eterno parceiro Toquinho. O disco é muito bom, pena não ser álbum duplo.

como dizia o poeta
mais um adeus
tarde em itapoan
o velho e a flor
eu sei que vou te amor
testamento
são demais os perigos dessa vida
apelo
garota de ipanema
marcha da quarta-feira de cinzas
tomara
canto de ossanha