Ary Barroso Internacional (1964)

Boa tarde, prezados amigos cultos e ocultos! Devido a uma viagem, estou sendo obrigado a recorrer aos meus ‘discos de gaveta’, aqueles que estão sempre prontos, seja no ‘hd” ou no pen drive. Sempre levo comigo, quando viajo, alguns arquivos para cobrir as emergências. Dessa forma, levo hoje para vocês uma coletânea prá lá de bacana. Estamos falando aqui de Ary Barroso, em um álbum lançado pela Musidisc possivelmente no ano de sua morte, 1964. Não há no lp qualquer informação da data, mas pelo texto na contracapa, tudo leva a crer que se trata de uma homenagem póstuma. A Musidisc reuniu alguns de seus maiores sucessos internacionais, extraídos de outros discos e artistas da gravadora. Alguns, inclusive, até já apresentados aqui no Toque Musical. De qualquer maneira, trata-se de uma coletânea da Musidisc, o que é sinônimo de qualidade. Mais ainda sendo o motivo principal a música de Ary Barroso. Confiram!

aquarela do brasil – ed lincoln e seu conjunto
aquarela do brasil – don pablo de havana
risque – orquestra românticos de cuba
morena boca de ouro – luiz bittencourt e orquestra
rio de janeiro – bob flemimg
bahia (na baixa do sapateiro) – don pablo de havana
bahia (na baixa do sapateiro) – henry nirenberg e sua orquestra
bahia (na baixa do sapateiro) – os violinos mágicos
é luxo só – orquestra pan american
foi ela – luiz bittencourt e orquestra
.

Ed Lincoln – Orgão E Piano Elétrico (1967)

Olá amiguíssimos, cultos e ocultos! Hoje vamos de Ed Lincoln, em um álbum bem ‘na onda’, com se dizia naquele tempo, naqueles anos 60. “Ed Lincoln – Orgão e Piano Elétrico” é um de seus discos que eu mais gosto. Isso, muito pelo fato de que neste álbum, quem lhe deu o formato foi o José Roberto Bertrami, grande músico, que além de cuidar dos arranjos, dizem, também tocou muito neste trabalho. Eis aí um disco bacana, pop e muito bem feito. Podemos dizer que se trata de um dos precursores do estilo ‘samba-rock’. Não sei porque ninguém ainda não pensou em relançá-lo em uma nova edição. Bem que merecia, em cd e vinil. Eu compraria um, só para fazer companhia para o original. Destaque para todas, mas “Saci Pererê” faz a cabeça 😉 Muito bom, confiram

o bêbado
saci pererê
as gaivotas
se você quiser
hey amiga
eu quero levar você pra casa
neblina
meu barato
eu vou embora
sai, encosto
quero ir
assim não dá
.

The Lovers – Lovers Vol. 2 (1961)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados de plantão. Estou vendo que em breve precisarei fazer novas mudanças neste blog. Me refiro à questão do acesso ao Toque Musical tendo de contrapeso o GTM. Tenho a impressão de que o envio de links por e-mails tem deixado muita gente acomodada, quietinha, esperando eu levar de bandeja. Por essa e por outras, estou pensando em configurar o Grupo apenas para acesso, sem envio de links por e-mail. Talvez até eu venha a colocar novamente os links como antigamente, na seção de comentários da postagem. Fiquem atentos, pois essas mudanças poderão ocorrer sem um novo aviso prévio. Eu não vou ficar repetindo, ok? Sei que aqueles que me acompanham de verdade, não terão muitas dúvidas. O GTM continua, mas será apenas para concentrar informações, um canal alternativo e de emergência para que a gente não se perca no caminho, ok?

O calor continua e a dança também. Segue no clima um belo e interessante álbum lançado no início dos anos 60 pelo selo Nilser. Para quem não sabe, embora eu já tenha comentado isso em outra postagem, Nilser é a junção das duas primeira sílabas do nome Nilo Sérgio. Este foi outro selo criado por ele, um projeto paralelo à Musidisc, onde o músico empresário primava por uma alta qualidade de som, com gravações modernas e estéreo. Um luxo da época, que contava ainda com encartes muito bem produzidos, de capas duplas e diferenciadas. Pelo selo Nilser saíram poucos discos, sendo os primeiros lançamentos a série “Lover”, que pela capa nos dava a entender que fosse um disco internacional cujo o conjunto se chamaria “The Lovers”. Mal sabia o público e poucos ainda saberão que por traz desses “The Lovers” (três volumes) estava o Ed Lincoln e seu conjunto. Aliás, o Ed Lincoln foi um dos artistas que mais gravou usando pseudônimos!

Eu deveria começar esta mostra pelo volume 1. Acontece que, no momento, eu só tenho esse. Mas para frente a gente volta trazendo os outros dois. Aqui, como se pode ver logo a baixo, vamos encontrar um repertório totalmente internacional com características que ressaltam as qualidades da gravação. Se gostaram do volume 2, com certeza vão gostar do 1 e 3. Mas esses ficam para uma próxima oportunidade, ok?

 

it had to be you

i love you

i’ll see youi in my dreams

bye bye blackbird

tender is the night

amado mio

ebb tide

bolero

dans mon ile

tu, mi delírio

autumn love song

el manisero

the dream of olwen

 

Ed Lincoln – Boite (1963)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Eu ainda estou em fase de adaptação com a nova versão do blog. Estou usando uma plataforma do WordPress e pelo jeito ainda terei muito que aprender. Não fosse a ajuda de alguns amigos cultos e ocultos, eu talvez nem teria me aventurado em mudanças tão radicais. Enfim, o barco já está no mar, agora é aprender remar e contar com o vento.

Hoje, em nosso terceiro dia de postagem, quero prestar uma homenagem ao Ed Lincoln, que para a nossa tristeza, faleceu na última segunda feira, aos 80. Eduardo Lincoln Barbosa Sabóia era cearense. Iniciou sua carreira como músico nos anos 50, inicialmente tocando contrabaixo. Temos, inclusive aqui no Toque Musical um de seus primeiros discos, gravado ao lado de Dick Farney. Depois ele mudou para o piano e órgão eletrônico, onde viria a criar o seu estilo. Nos anos 60, na febre dos bailes em clubes, ele ficou conhecido como “O Rei dos Bailes” por conta de seu jeito inconfundível de tocar. Mesclando na dose certa o seu Hammond com um repertório de samba, ele criou um ‘swing’ que logo seria copiado por outros e viria a ser chamado de ‘samba rock’.

Em “Boite”, álbum lançado em 1963 pelo selo Pawal, podemos ouvir o artista numa fase de transição. Aqui ele ainda toca piano e pelo que contam, também o contrabaixo. O repertório é bem variado, com sambas, boleros e outros sucessos da música internacional.Mas o órgão já começa aqui a pedir mais espaço e anuncia um novo som que iria muito além do ambiente de boate.

 

stoping’ at the savoy

carioca

se você soubesse

sedução

e daí

mon oncle

adios

saudade

gicolete

hino ao amor

tenderly 

se eu pudesse

.

.

.

Dick Farney – Trio (1956)

Olás! Bom dia a todos! Hoje eu acordei no maior pique e disposto a fazer uma semana de postagens da melhor qualidade. Andei separando ontem algumas raridades que nossos gentis colaboradores vem sempre me enviando. Não é atoa que eu rezo sempre por essa turma celestial e agradeço igualmente aos amigos cultos e ocultos que também colaboram 🙂
Para abrir nossa semana de jóias raras, eu começo com um disquinho especial de 10 polegadas do grande Dick Farney, coisa ainda inédita no blogosfera, com certeza. Acredito que a discografia de Farney esteja quase todo disponibilizada, mas até hoje eu ainda não havia visto este álbum, lançado em 1956. Um boa safra, com certeza, principalmente porque ele vem acompanhado por Dinarte Rodrigues Filho na guitarra e Ed Lincoln no contra baixo. Para quem ainda nunca ouviu o Ed Lincoln, nos primeiros anos, tocando contra baixo, essa é uma oportunidade imperdível. Trata-se, sem dúvida, de um disco moderno para a época, essencialmente de jazz. Como informa o texto da contracapa, “é um lp que, além de servir para a dança, proporcionará excelente fundo musical para um ‘cocktail e emoldurará um romance à meia luz”, viu? Confiram aqui em primeira mão ou espere até que seu blog favorito o poste também 😉

valsa de uma cidade
tenderly
com você meu bem
contigo en la distancia
you stepped out of a dream
deep purple
nick bar
farney’s blues

Ed Lincoln – A Volta (1964)

Para completar a postagem de hoje, temos aqui e mais uma vez o Ed Lincoln. Ele voltou. E nesta volta vem trazendo alguns de seus sucessos. O disco é uma verdadeira festa, com muito balanço e nos dias atuais cai bem em qualquer ocasião. Natal chegando aí… uma boa trilha para as noites de festas. Este álbum não é nenhuma novidade, mas não deixa de ser uma ótima opção musical que agrada gregos, troianos, amigos cultos e ocultos. 😉

ai que saudades dessa nêga
eu vou também (menininha)
the blues walk
falaram tanto de você
vou andar por aí
deix’isso pra lá
na onda do berimbau
amar é bom
palladium
sacy pererê
são salvador
voltei

Ed Lincoln – Orgão Maravilhoso (1982)

Bom dia! Enquanto tomo o meu café, vamos rapidinho à postagem de hoje. É domingo, mas eu terei que ir trabalhar 🙁 Vida de peão não é mole não (mas rima!)

Vamos nessa com uma coletânea bacana do Ed Lincoln, lançada em 1982 pela série Gala Super da Soma/Som Livre. Neste álbum temos reunidas doze faixas selecionadas de diversos discos do tecladista na década de 60. Algumas até inéditas na ‘blogosfera’. Em breve postarei mais alguns discos do Ed, que sei, fazem sempre muito sucesso. Hoje é só um ‘tiragosto’ dominical. Aproveite o domingo!
aquarela do brasil
ai que saudade dessa nêga
a rosa
arrasta a sandália – não poe a mão
são salvador
o ganso
voltei
miss balanço
teleco teco nº2
na onda do berimbau
mulher de trinta
vou andar por aí
o mar e a rosa
é o cid

Ed Lincoln – Seu Piano E Seu Orgao Espetacular (1961)

Olá amigos cultos e ocultos! Meu sábado está prá lá de corrido, por isso farei rapidinho a postagem do dia. Trabalhar no fim de semana é coisa que ninguém merece, mas quando se precisa de grana, o jeito é correr atrás, né não?

Hoje vamos com o tecladista Ed Lincoln. Este é um artista que até então eu ainda não havia postado nada. Embora não seja uma raridade/novidade na blogosfera, irei aqui trazendo a minha versão 🙂 Taí um álbum bacana. A começar pela capa que é pura Op Art. No disco é só balanço, muito samba e bossa puxado pelo ‘orgão espetacular’ desse grande instrumentista. Sua música, principalmente nos dias de hoje, toma um novo sabor, agradando inclusive aos ouvidos mais novos. Um álbum perfeito para este sábado, mono, mas em Hi Fi. Agora só falta a cuba libre 😉
miss balanço
só danço samba
vou rir de você
influência do jazz
um samba gostoso
vamos balançar
o samba é bom assim
pra que
é um estouro
balansamba nº 1
tristeza
olhou pra mim