Caçulinha – Aponta O Sucesso (1970)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Mais uma vez, eu trago aqui para vocês o pianista, baixista e violonista Rubens Antonio da Silva, mais conhecido como Caçulinha, aquele mesmo do Programa do Faustão. Aliás, pelo que sei, o Caçulinha  já há um tempo não participa do programa dominical da Globo. Ao que parece, o velho Caçulinha ‘aposentou a chuteira’, deve ter se cansado da chatices do apresentador que chegava a ser humilhante. Fez ele muito bem. Caçulinha é um grande artista, tem história e tem estrada, merecia muito mais.
Aqui temos ele e seu conjunto de baile. É, Caçulinha também tocava em bailes, clubes, bares e beira de piscina. Mas sempre foi, acima de tudo, um excelente músico de estúdio e gravações. Neste álbum de 1970, lançado pelo selo Copacabana, ele nos traz um repertório com dez faixas, uma seleção musical de sucessos dos anos 60. Lp interessante, no qual eu destaco a música de abertura, “Eu também quero mocotó”, composição de Jorge Ben(jor), sucesso com Erlon Chaves e sua Banda Veneno no V Festival Internacional da Canção. Uma música tão ‘descolada’ que fez o Caçulinha entrar no ‘swing’, sem modéstia. Mas o repertório num todo é legal e vale conferir

eu também quero mocotó
maria izabel
we have all the time in the world
menina
o cabeção
yellow river
procurando tu
domingo em buenos aires
primavera (vai chover)
quero voltar pra bahia
.

Caçulinha – Samba’ação (1965)

Não muito diferente do dia de ontem, hoje também eu estou sem pique e sem tempo para me envolver com mais empenho na postagem. Felizmente, sempre temos como salvar o dia. Os amigos, cultos ou ocultos, sempre sabem a hora de aparecerem, trazendo novidades e raridades.
O álbum de hoje é uma colaboração do amigo Sérgio Digital, que enviou além desse, outros discos, os quais ao longo de nossa jornada diária irão sendo apresentados.
Temos então, em nosso blog e mais uma vez, a figura de Caçulinha, um artista hoje lembrado apenas como animador musical no programa do Faustão. Mas como já vimos aqui, em outra postagem, Caçulinha é muito mais que isso. Mais uma prova de seu talento é este maravilho lp, lançado por ele na Continental, em 1965. Um álbum bacana e como disse o Sérgio, um momento raro de ver e ouvir Caçulinha dedilhando um Hammond ao lado de seu conjunto. O repertório é dos melhores, como se pode conferir logo abaixo. Um disco que nessa algura do meu cansaço vale mais a pena ouvir. Confiram o toque…

agora é cinza
aos pés da cruz
rosa morena
o orvalho vem caindo
faceira
prá seu governo
na onda do berimbau
sambou, sambou
tem dó
minha namorada
vivo sonhando
balanço zona sul

Caçulinha – Alegria & Fossa (1975)

Para encerrar o dia, fui buscar esse lp lá no fundo do gavetão. Tive que recorrer a ele devido a uma falha no meu sistema. Temos então o acordeonista e compositor Rubens Antônio da Silva, mais conhecido como Caçulinha. Este álbum não é exatamente uma maravilha, mas tem seus encantos (ainda não achei mas sei que tem). “Alegria & Fossa” é isso, dois lados, dois momentos. Pessoalmente prefiro o lado da fossa, especialmente por “Vingança” de Lupicínio Rodrigues.

esse dá samba
charlie brown
fim de tristeza
vira mundo
o homem sem mulher não vale nada
4 horas da manhã
tô na fossa
vingança
porque você é assim
na boca da noite
chuvae pranto
olhe o tempo passando