Assis Brasil Quarteto – Self Portrait (1988)

Irmão gêmeo do saxofonista Victor Assis Brasil, o pianista e professor João Carlos Miranda de Assis Brasil nasceu em 28 de agosto de 1945, no Rio de Janeiro.  Sua formação musical iniciou-se no Conservatório Brasileiro de Música, onde, além de piano, estudou  harmonia e teoria musical, tendo recebido, aos dez anos de idade, o primeiro prêmio em concurso promovido pela instituição de ensino. Em 1960, prosseguiria seus estudos, com o renomado concertista Jacques Klein e, dois anos mais tarde, venceu o Concurso Nacional de Piano da Bahia. Em 1964, viajou para Paris, a capital francesa, onde estudou com Pierre Sancan. Em 1965, classificou-se em terceiro lugar no Concurso Internacional Beethoven, realizado em Viena, Áustria, disputando com mais de 60 candidatos, e ali aprimorou seus estudos com Richard Hauser e Dieter Weber. Também atuou como solista na Orquestra Filarmônica de Viena. Em 1966, apresentou-se em Londres (Wigmore Hall), Milão (no auditório da família Meneghine), Belgrado (no teatro local) e também em Viena (no Brahmsaal). Estudou em Londres com Ilona Kabos, em 1970, e cinco anos depois, apresentou-se em Washington, na Universidade Católica. Nos anos 1980, formou o João Carlos Brasil Trio, ao lado do baixista Zeca Assumpção e do baterista Cláudio Caribé, que passou a quinteto com a entrada do violoncelista David Chew e do saxofonista Idriss Boudrioua. O grupo apresentou-se em vários concertos e, nessa época, João Carlos ainda atuou como professor do Conservatório Brasileiro de Música e, durante cinco anos, como professor e diretor da Faculdade de Música da Universidade  Estácio de Sá, também do Rio de Janeiro. Possui uma discografia de doze álbuns, inclusive com ilustres parceiras, como a cantora Olívia Byington e a também pianista Clara Sverner. A morte prematura de Victor Assis Brasil, em 1981, afastou os irmãos do convívio, mas João encontrou justamente na música o meio sublime que encontrou para manter viva a memória de Victor. O que resultou no belo álbum que o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados, gravado em 1988 e lançado com o selo Kuarup (houve reedição em CD, pela Biscoito Fino).  Seu título, “Self portrait” (auto-retrato, em português), já sugere tratar-se de um disco autobiográfico.  São treze músicas de Victor Assis Brasil executadas pelo piano de João, com o apoio de Paulo Sérgio Santos (clarinete e saxofone), Zeca Assumpção (baixo) e Jurim Moreira (bateria). A seleção foi feita a partir de 400 composições inéditas, a maior parte escritas durante o verão carioca de 1972/73, em três cadernos, encontrados em um baú herdado da mãe de Victor e João Carlos, dona Elba. Segundo o próprio João Carlos Assis Brasil, a intenção foi a de apresentar um panorama da obra de Victor, muito ligado á imagem de músico jazzista, mas o disco permite lançar nova luz sobre sua produção, oferecendo uma visão mais abrangente, mostrando como a música clássica contemporânea foi também fonte recorrente de inspiração e, sobretudo, como Victor  buscou criar a partir de temas e ritmos brasileiros. “Self portrait” (a faixa-título), “One for Bill” (homenagem ao pianista Bill Evans) e “Blues for Oliver” (tributo ao norte-americano Oliver Nelson) têm clara inspiração no jazz, “Samba sem nome” é embebida de Brasil, e “Almendrix” traz referências à música latina. Por sua vez, as incursões de Victor pelo gênero erudito estão presentes em “Jazz sonata for piano”, com toques jazzísticos, “Fast/slow/fast” e “Moderato valsa”.  Assim é o álbum que o TM orgulha-se em nos oferecer hoje: a obra de um compositor  diverso e pouco conhecido, interpretada pelo sentimento de um irmão saudoso. É só conferir.

blues for oliver

samba sem nome

self portrait

one for bill

blues

almendrix

choral n.1

moderato valsa

motif for piano – scattered clouds31

elba

jazz sonata for piano

fast slow fast

*Texto de Samuel Machado Filho

Sivuca – Pau Doido (1992)

Olá amigos cultos e ocultos, boa noite! Hoje eu troquei o dia com o amigo Samuca. Atrasei na programação e consequentemente o post do Grand Record Brazil ficou para amanhã. Dessa forma, assumo a postagem de hoje trazendo um artista que eu gosto muito, o grande Sivuca.
Temos aqui um álbum lançado pelo selo Kuarup, em 1992, do grande Sivuca. Disco este gravado em apenas uma semana e que segundo o produtor, Mário de Aratanha, Sivuca admitiu ser este seu melhor trabalho de sua vida. Não sei se o Sivuca se referia a este trabalho especificamente ou ao trabalho de tocar e gravar. O certo é que este é mais um dos seus excelentes discos e conta com a participação especial do violonista e compositor alagoano João Lyra.

pau doido
fuga para o nordeste
riacho seco
seu tenório
deixe o breque pra mim
um tom pra jobim
forró na penha
mergulho
forró em timbaúba
canção piazzollada
jazz tupiniquim
.

Heitor Villa-Lobos – Os Choros De Câmara (1977)

Olá amiguíssimos cultos e ocultos! Como já deu para perceber, nos últimos dias nós não tivemos postagens. O tempo anda curto para mim. Deixa esse abril passar, logo estarei mais presente. Disco é o que não falta 😉
Para manter acesa a chama, vai aqui um disquinho que deveria ter sido postado na Semana Santa, por ser um tipo de música mais apropriado para o momento, calma e tranquila. Mas eu realmente não achei um tempinho, por isso vai hoje e agora, nesses cinco minutinhos que me restam de folga.
Segue aqui um álbum do excelente selo Kuarup. Um disco realmente de primeira, trazendo “Os Choros de Câmara”, de Villa-Lobos em sua primeira gravação completa. Este álbum foi gravado em 1977, segundo consta na contracapa. Foi produzido originalmente para ser um brinde  do Banco do Brasil no exterior, depois, mais tarde viria a ser lançado  pela Kuarup.
Segundo nos contam os pesquisadores da música no Brasil, o Choro era um gênero de música instrumental  urbano já bem popular, no fim do século XIX. Heitor Villa-Lobos em seus estudos musicais, ainda na infância, já mantinha contato com este tipo de música, contrariando, de uma certa forma, o rigor e formalidade da música chamada “erudita”, ou ainda, aquela na qual a sua classe social estava inserida. Villa-Lobos teve assim a oportunidade de vivenciar a música popular e dela absorver elementos fundamentais que o transformaria num dos nomes mais importante da música brasileira. Complementando um pouco mais, segue aqui um trecho de um artigo sobre Estilos Populares na Música de Câmara Brasileira, publicado no site Portal do Fagote, assinado por Janet Grice: A palavra choro significa, literalmente, chorar, e os intérpretes de choro são chamados “Chorões”. No entanto, a palavra se aplica às peças mais lentas e sentimentais, os choros-canções, mas muitas peças assim denominadas são rápidas e muito sincopadas, mais semelhantes a um samba do que a uma serenata. Em algumas fontes, pode-se encontrar que a origem da palavra “choro” derivaria de uma forma de música e dança africana chamada xolo, termo que, posteriormente, teria passado a ser escrito choro. Um conjunto tradicional de choro pode incluir instrumentos solistas de sopro, como a flauta, clarineta ou saxofone, acompanhados de violão ou outro instrumento de corda como o bandolim e o cavaquinho e o pandeiro.  O termo “choro” também se refere ao repertório musical executado por esses conjuntos: danças e serenatas de origem européia que foram tocadas em festividades populares. Num choro, a linha do baixo é improvisada como um contraponto à melodia, que sofre variações a cada repetição. A improvisação típica toma a forma de variações melódicas e da criação de contrapontos entre os instrumentos do conjunto, ao contrário do jazz, onde existe a modificação da estrutura harmônica. A forma de um choro típico é uma estrutura simples de rondó consistindo em três seções de 16 compassos em tonalidades distintas, mas relacionadas. A estrutura harmônica é similar à da modinha, uma antiga canção portuguesa popular no Brasil desde a época colonial. Fagotistas familiarizados com as 16 Valsas para Fagote Solo de Francisco Mignone conhecem as melodias sentimentais e obsedantes que ele escreveu baseado em elementos da valsa, da modinha e do choro. Como Mignone, tanto Villa-Lobos como Lorenzo Fernandez captaram a essência do choro sem aderir à forma tradicional. No século XX, o choro se transformou num estilo de música e dança bem-comportado e popular, relacionado intimamente com as danças tipicamente urbanas, como o maxixe e o samba. Forma primitiva do samba, o maxixe era incrivelmente popular como uma dança e uma forma de canção no final do século XIX. Tendo recebido esse nome pela maneira de dançar a polca arrastando os pés e remexendo os quadris, tratava-se de uma dança vigorosa em compasso 2/4 que incorporava elementos africanos, hispano-americanos e europeus.

Ao que tudo indica, este disco (CD) pode ainda ser encontrado com facilidade em diversas lojas físicas ou virtuais.
 
choros n. 1
choros n. 2
choros n. 3 (picapau)
choros n. 4
choros n. 5 (alma brasileira)
choros n. 2 (primeira gravação da versão para piano)
choros n. 7 (settimino)
dois choros (bis)
.

Turibio Santos E Orquestra De Violões Do Rio De Janeiro (1984)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje, para não variar, eu estou um pouco cançado, depois de algumas horas de caminhada pela Av. Antonio Carlos. Ir na manifestação foi mole, duro foi ter que voltar como viemos, a pé. Ufa, custei, mas cheguei!
Vamos rapinho… vai aqui um disco do violonista Turibio Santos, acompanhando e regendo a Orquestra de Violões do Rio de Janeiro. O disco foi gravado ao vivo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, em 1984. Nele encontramos um repertório essencialmente erudito, com peças de Francisco Mignone, Leo Brouwer, Roberto Gnattali, Vivaldi, Joaquim Rodrigo e L. M. Gottschalk. Confiram aí…

maracatú do chico rei
a cidade das mil cordas
fantasia dos ecos
baião
grande fantasia triunfal sobre o hino nacional brasileiro
concerto em ré maior para violão e orquestra
concerto de aranjuez
.

Vários – Radamés Gnattali E A Música Popular (1990)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Para abrilhantar a nossa terça feira eu estou trazendo para vocês este belíssimo álbum dedicado à música do mestre Radamés Gnattali. Trata-se de um disco promocional para a Atlantic, do extinto selo Kuarup. Creio eu que, originalmente, este disco não foi lançado com a intenção de promover a tal bandeira de combustível. A Kuarup tinha por hábito associar seus títulos e lançamentos à brindes promocionais de empresas, os discos eram relançados com novas capas, ou algo assim…
O certo é que temos aqui um disco em homenagem ao maestro, compositor, arranjador e instrumentista Radamés Gnattali. Uma produção de Mário  de Aratana e Henrique Cazes, músico o qual também participa como instrumentista no disco e dirige a Orquestra de Cordas Brasileiras, que praticamente dá corpo ao trabalho, ao lado do também genial Chiquinho do Acordeon, peça importante nessa produção. Está presente também o pianista João Carlos Assis Brasil, que segundo a ficha técnica na contracapa toca em duas das faixas (eu só percebi sua presença óbvia em “Maneirando”). Em resumo, temos aqui um excelente trabalho musical que Radamés, sem dúvida, deve ter aprovado lá de cima. Este álbum já teve seus dias em outras fontes e se não fossem elas e esta aqui (naturalmente), este momento estaria esquecido como tantos outros tem ficado. É por isso que o Toque Musical continua na ativa. Viva o compartilhamento musical! O resto são apenas produtos com seus prazos de validade vencidos 😉

remexendo – orquestra de cordas brasileiras
maneirando – joão carlos assis brasil
amargura – chiquinho do acordeon e orq. de cordas brasileiras
negaceando – joão carlos assis brasil
sarau para radamés – orquestra de cordas brasileiras
concerto para acordeon, tamboras e cordas – chiquinho do acordeon, henrique cazes e ocb
.

Turibio Santos – Violão Brasileiro (1980)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso domingo é dedicado à música instrumental, à música erudita e também popular e principalmente ao violão. Trago para vocês um dos maiores violonistas brasileiros, o admirável Turíbio Santos, em um disco delicioso, lançado pelo extinto selo Kuarup em 1980. “Violão Brasil” é um álbum que contempla a música erudita e popular brasileira, através das composições de grandes mestres como podemos ver na capa: Villa-Lobos, Hernesto Nazareth, Dilermando Reis e Henrique Alves de Mesquita. Vamos encontrar aqui os famosos Cinco Prelúdios para violão, de Villa-Lobos, obra composta em 1940. Do outro lado do disco vamos encontrar uma espécie de pot-pourri de canções infantis brasileiras, harmonizadas pelo próprio Turíbio Santos. Seguem as outras faixas trazendo Ernesto Nazareth, Henrique Alves de Mesquita e Dilermando Reis. Esses três últimos tiveram suas composições transcritas por outro violonista, João Pedro Borges, que também participa nessas faixas fazendo o segundo violão. Taí, um disco muito bom de se ouvir nesta noite de domingo. Basta entrar no GTM e buscar, ok?

cinco prelúdios (de villa-lobos)

canções infantis brasileiras:

sozinho eu não fico

nesta rua mora um anjo

boi da cara preta

carneirinho, carneirão

floraux (de ernesto nazareth)

batuque (de ernesto nazareth)

batuque (de henrique alves de mesquita)

tempo de criança (de dilermando reis)

Orquestra Brasília Pixinguinha (1988)

Olás! Já que falamos em Projeto Pixinguinha e até ouvimos algumas coisas do Mestre, com Abel Ferreira e Ademilde Fonseca, que tal ouvirmos um pouco mais? Me lembrei deste disco, lançado pelo extinto selo Kuarup em 1988. Este disco é muito interessante porque traz uma coleção inédita de arranjos feitos por Pixinguinha, em 1948. Um trabalho concebido para um orquestra de salão, chamada por ele de “Orquestra Brasília”. Esta coleção, segundo nos conta o texto de contracapa do presente lp, foi encontrada por acaso pelo músico e pesquisador Henrique Cazes na Biblioteca Nacional. Uma coleção de 26 arranjos escritos que nunca foram gravados. Para o álbum foram escolhidos apenas 12 músicas, sendo que entre essas, uma inédita, o choro “Sedutor”. O álbum foi produzido e interpretado pelo próprio Henrique Cazes e uma dezena de excelentes músicos.
Acho que esqueci de gravar a última faixa do lado B, “Um a zero”. Aguardem, logo que eu puder vou pegar o disco emprestado novamente.

cheguei
naquele tempo
o gato e o canário
sofres porque queres
descendo a serra
lamentos
yaô
ainda me recordo
sedutor
ele e eu
carinhoso
um a zero

João Pedro Borges – Interpreta… (1983)

Bom tarde! Tenho percebido que o índice de audiência começou a cair nas terças feiras. Seria por conta da programação voltada para os clássicos e eruditos? Talvez eu devesse estabelecer aqui uma outra em substituição. Quem sabe uma terça feira dedicada aos (mais) populares? Pelo visto, eu tenho recebido mais amigos ocultos do que cultos. Ou, por outra, mais passantes que pensantes. Nesse país de banguelas todo mundo só quer sopa. Pois é, mas aqui a coisa é na base da rapadura, é doce mas não é mole não! Continuo na peleja… catequizando…

Hoje eu tenho, para os que querem, mais um erudito. Dessa vez, um pouco mais agradável aos olhos e ouvidos da maioria. Vamos de violão, afinal este é um instrumento, por aqui, com melhor aceitação. Seja lá que tipo de música for, ao som das cordas de um pinho não há quem não se encante (e cante). Assim, para o remédio descer melhor eu dou uma adoçada, ok?
Temos aqui o instrumentista maranhense João Pedro Borges, um dos maiores violonistas brasileiros, um artista premiado e reconhecido internacionalmente. João Pedro iniciou seus estudos de violão clássico com outro maranhense, o professor Luís Almeida. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1970 onde continuou seus estudos com outros mestres do violão, Jodacil Damaceno, Ian Guest e Turíbio Santos. Com este último fez cursos de técnica e interpretação e também se tornou um grande parceiro. De lá pra cá, o nome de João Pedro Borges só foi crescendo, se destacando como músico concertista nos principais teatros brasileiros e também estrangeiros. Integrou a Camerata Carioca, foi solista em diversas orquestras, tocou ao lado de outros grandes do violão como Baden Powell, Léo Brouwer e Turíbio Santos. Um músico que atua tanto no campo do erudito como no popular, quer dizer, no choro 🙂 Basta ver discos como “Choros do Brasil”, “Valsas e Choros” e “Brasil-Violão” em duo com Turíbio Santos; “Tributo a Jacob do Bandolim”, “Vivaldi e Pixinguinha” com a Camerata Carioca e Radamés Gnatalli; “Mistura e Manda”, com Paulo Moura; “Melodias Populares de Villa-Lobos” com Turíbio Santos, Arthur Moreira Lima, José Botelho e Paulo Moura; gravou a “Cantilena” das “Bachianas Brasileiras No 5” com o tenor Aldo Baldin; “Melodias Populares de Heitor Villa-Lobos” com o soprano Leila Guimarães; e “Noites Cariocas” ao lado dos grandes do choro, gravado ao vivo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, num espetáculo do qual foi o Diretor Musical.
O álbum que eu apresento hoje a vocês foi o segundo disco solo gravado por João Pedro Borges. Lançado pela Kuarup em 1983, o disco nos traz as magnificas interpretações do vilonista para obras de Domenico Cimarosa, Fernando Sor, Mauro Giuliani, Gaspar Sanz, Isaac Albéniz e Enrique Granados. Quem aprecia violão, com certeza, conhece bem esses nomes e se não ouviu o disco é ainda mais certo de que vai gostar. Confiram daí, que eu de cá já vou indo…

domenico cimarosa
sonata em ré menor
sonata em lá maior
sonata em si menor
(transcrições para o violão de julian bream)
fernando sor
allegro non troppo
minueto (da sonata nº2 opus 25)
mauro giuliani
allegro (da sonata opus 15)
gaspar sanz
cenários
zarabanda
la caballeria de nápoles
isaac albéniz
mallorca (transcrição para violão de andrés segóvia)
enrique granados
dança espanhola nº 10 (triste) (transcrição de turíbio santos)
la maja de goya (tonadilla) (transcrição de miguel llobet)