Elebra 6 – Memória – Solistas Brasileiros (1989)

O TM tem a grata satisfação de oferecer hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados o sexto volume da série “Memórias”, produzida sob encomenda da extinta Elebra pelo pesquisador João Carlos Botezelli, o Pelão, que, como vocês já viram anteriormente, tem a seu credito inúmeros trabalhos importantes da discografia tupiniquim, como o primeiro LP de Cartola e os dois primeiros de Adoniran Barbosa. Este sexto LP da série, editado em 1989 para distribuição gratuita aos clientes da extinta empresa de informática, com incentivo de lei governamental, tem o nome de “Solistas brasileiros”. Como escreveu na contracapa o próprio Pelão, “é mais uma homenagem da Elebra à sensibilidade, ao talento e à competência do músico brasileiro”. Vem, também, a ser uma justíssima homenagem ao pianista e maestro Radamés Gnattali (Porto Alegre, RS, 27/1/1906-Rio de Janeiro, 13/2/1988), com faixas executadas por ele mesmo e seus discípulos. Gravado em estúdios do Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo, Recife e Porto Alegre, já se utilizando da tecnologia digital (o que garante a qualidade técnica), é mais um trabalho impecável de Pelão, reunindo clássicos inesquecíveis e até hoje relembrados. Abrindo o disco, o próprio Radamés sola ao piano o choro “Carinhoso”, do mestre Pixinguinha. Rafael Rabello, violonista prematuramente desaparecido, vem com o samba-canção “Molambo”, de Meira e Augusto Mesquita. Joel do Bandolim sola o antológico bolero “Dois pra lá, dois pra cá”, um dos primeiros hits da dupla João Bosco-Aldir Blanc. Chiquinho do Acordeom executa outro samba-canção célebre, “Balada triste”, de Dalton Vogeler e Esdras Silva. Em seguida uma curiosa interpretação para “Nossos momentos”, da parceria Haroldo Barbosa-Luiz Reis, a cargo do contrabaixista Toinho Alves, que também faz um interessante “vocalize”. “Pois é”, samba de Ataulfo Alves, é executado ao cavaquinho  por um verdadeiro “cobra” do instrumento, Henrique Cazes. A viola caipira de Roberto Corrêa traz a nossos ouvidos a clássica toada “Tristeza do jeca”, de Angelino de Oliveira. O pianista Laércio de Freitas nos traz “Ceú e mar”, obra-prima de Johnny Alf. Zé Gomes, craque da rabeca, executa “Maria”, samba-canção de Ary Barroso e Luiz Peixoto. Rildo Hora sola, com sua gaita, “A noite do meu bem”, de Dolores Duran. O violonista Israel sola depois “Agora é cinza”, samba da parceria Bide-Marçal. Por fim, a não menos antológica “Canção de amor”, de Chocolate e Elano de Paula, nos floreados da flauta de Plauto Cruz. Tudo isso em um trabalho primoroso, antológico, verdadeiro tributo a Radamés Gnattali  e seus discípulos. Simplesmente irresistível!

carinhoso – radamés gmattali

molambo – rafael rabelo

dois prá lá, dois prá cá – joel do bandolim

balada triste – chiquinho do acordeon

nossos momentos – antonio alves

pois é – henrique cazes

tristeza do jeca – roberto correa

céu e mar – laércio freitas

maria – zé gomes

a noite do meu bem – rildo hora

agora é cinza – bide e marçal

canção de amor – plauto cruz

.

Chiquinho E Seu Acordeão (1956)

Olá amiguíssimos cultos e o ocultos! Olha só como andam as nossas postagens nesta semana. Ainda vamos de dez polegadas, aproveitando a onda… E nessa levada eu trago agora uma beleza de disquinho, coisa fina e rara. Temos aqui o primeiro lp do gaúcho Romeo Seibel, ou mais conhecido como Chiquinho do Acordeon. Este disco foi lançado nos anos 50 e ao contrário de outros lps de 10 polegadas da época, não se trata de copilação de gravações em 78 rpm. Chiquinho do Acordeon vem acompanhado por um conjunto (regional). Trata-se de um disco de carreira. O que dá ao lp uma maior autenticidade. Curiosamente, não consta em discografias de muitos sites especializados. Daí, vale mesmo a pena ouvir este disco 🙂

sorriso de cristal
estrellita
canção da volta
il torrente
polquinha gaúcha
amargura
valsa de uma cidade
a noite traz você
.

Waldir Azevedo – Lamento De Um Cavaquinho (1978)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Feriadão, coisa boa. Momento bom para colocar em dia algumas postagens. Hoje eu acho que consigo 😉 Vamos ver…
Temos aqui o grande Waldir Azevedo em um dos seus últimos álbum (se não for o último). Lançado em 1978 pelo selo Continental, “Lamento de um cavaquinho” é, sem dúvida, um excelente disco. Um trabalho feito com zelo, produzido por Ramalho Neto, traz Waldir Azevedo muito a vontade ao lado de outras feras da música instrumental brasileira. Figuras como Chiquinho do Acordeon, Pernambuco do Pandeiro, Sebastião Tapajós e outros bambas, fazem desse um dos melhores discos de Waldir. No repertório temos uma série de clássicos da mpb, interpretados com maestria por esses músicos classe A, que fazem deste um lp nota 10!

choro doido
viagem
chorando calado
moderado
ingênuo
as rosas não falam
naquele tempo
maringá
lamento de um cavaquinho
valsa para uma rosa
penumbra
rosa
.

Radamés Gnattali – Retratos (1990)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Cheguei cansado, esgotado e sem o menor pique para sentar em frente ao computador. Porém, me lembrei que ainda não fiz a postagem do dia. O jeito foi recorrer aos ‘discos de gaveta’. O sorteado da noite foi o Radamés Gnattali e quem ganhou fomos todos nós. Afinal quem é que não aprecia o Radamés? Vejo, contudo, que o presente álbum parece já ter sido postado. Peraí…
Realmente, eu postei aqui há pouco tempo atrás um álbum promocional da Atlantic, “Radamés e a Música Popular”. Olhando assim por alto, parece ser o mesmo. Inclusive interpretado pelos mesmos mestres, Rafael Rabelo, Chiquinho do Acordeon, Dinho Sete Cordas e Orquestra de Cordas Brasileira. Mas apenas “Concerto para Acordeon, Tumbadoras e Cordas” é parte também do outro disco. O lado A temos a “Suite Retratos”, uma composição que Radamés fez em 1956 para Jacob do Bandolim. Uma composição multifacetada onde o compositor passeia por Pixinguinha, Ernesto Nazareth, Anacleto de Medeiros e Chiquinha Gonzaga. Creio que este disco seja uma outra parte do que já vimos anteriormente. Confiram aí, porque eu daqui vou é tomar um banho e dormir. Té manhã!

suite retratos (1956)
amargura (1945)
concerto par acordeon, tumbadoras e cordas
.

Vários – Radamés Gnattali E A Música Popular (1990)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Para abrilhantar a nossa terça feira eu estou trazendo para vocês este belíssimo álbum dedicado à música do mestre Radamés Gnattali. Trata-se de um disco promocional para a Atlantic, do extinto selo Kuarup. Creio eu que, originalmente, este disco não foi lançado com a intenção de promover a tal bandeira de combustível. A Kuarup tinha por hábito associar seus títulos e lançamentos à brindes promocionais de empresas, os discos eram relançados com novas capas, ou algo assim…
O certo é que temos aqui um disco em homenagem ao maestro, compositor, arranjador e instrumentista Radamés Gnattali. Uma produção de Mário  de Aratana e Henrique Cazes, músico o qual também participa como instrumentista no disco e dirige a Orquestra de Cordas Brasileiras, que praticamente dá corpo ao trabalho, ao lado do também genial Chiquinho do Acordeon, peça importante nessa produção. Está presente também o pianista João Carlos Assis Brasil, que segundo a ficha técnica na contracapa toca em duas das faixas (eu só percebi sua presença óbvia em “Maneirando”). Em resumo, temos aqui um excelente trabalho musical que Radamés, sem dúvida, deve ter aprovado lá de cima. Este álbum já teve seus dias em outras fontes e se não fossem elas e esta aqui (naturalmente), este momento estaria esquecido como tantos outros tem ficado. É por isso que o Toque Musical continua na ativa. Viva o compartilhamento musical! O resto são apenas produtos com seus prazos de validade vencidos 😉

remexendo – orquestra de cordas brasileiras
maneirando – joão carlos assis brasil
amargura – chiquinho do acordeon e orq. de cordas brasileiras
negaceando – joão carlos assis brasil
sarau para radamés – orquestra de cordas brasileiras
concerto para acordeon, tamboras e cordas – chiquinho do acordeon, henrique cazes e ocb
.

Chiquinho E Seu Conjunto – Dançando No Rio (1958)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Com o calor que anda fazendo por aqui, eu hoje não estou nem um pouco animado a fazer postagem. Por mim, passaria o dia numa rede, só no suco 🙂 Ia mesmo deixar o 13 de setembro passar em branco, mas como não é lá nenhuma data especial, vamos em frente, tentando manter o ritmo…

Não foi por acaso que eu hoje escolhi este raro lp do Chiquinho do Acordeon. Para dar uma refrescada, acho que ele vai cair bem. Traz uma sonoridade bem particular, com seu conjunto formado apenas de piano, contrabaixo, guitarra elétrica, bateria e o acordeon, claro! Não consegui identificar ao certo a data de lançamento deste álbum, mas creio, pelo repertório, que deve ser de 1958 ou 59. Apesar do estado um tanto lastimável do disco, eu fiz questão de digitaliza-lo, pois se trata de um trabalho que vale ser conferido. Como convinha à época, feito para dançar, em seis faixas recheadas com ‘hits’ nacionais e internacionais. Destaque para “Se todos fossem iguais a você”, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes.

pois é

recado de olinda

o apito no samba

if you can dream

if i loved you

c’est magnifique

quero te assim

quem foi que prometeu

calypso (high society)

não me diga adeus

esquina da saudade

vem meu amor

invitation

i love paris

an affair to remember

se todo fossem iguais a você

nereidas

pé de chumbo

Noites Cariocas – Ao Vivo No Municipal (1988)

É, pelo jeito os nossos conhecedores de música popular brasileira andam mais que ocultos, estão mesmo sumidos. Até agora ninguém se manifestou em relação às duas últimas postagens. Tanto os Hamornipops quanto Aimé Vereck não foram identificados pelos nossos pesquisadores de plantão. Será que não há ninguém por aqui que saiba nos dar mais informações sobre os dois últimos discos postados? Estaria faltando mais interação entre nós ou realmente ninguém sabe mesmo? Continuamos na obscuridade…
Mas para não ficarmos totalmente no escuro, vamos mudar o rumo. Vamos para as Noites Cariocas, onde pelo menos as estrelas brilham, tanto no céu quanto no palco do Teatro Municipal. Para quebrar um pouco a monotonia, o álbum do dia (ou da noite?) é dedicado ao chorinho. Temos aqui este belíssimo álbum editado pela extinta Kuarup, “Noites Cariocas”. Um registro ao vivo de um ‘big’ sarau realizado no Teatro Municipal do Rio de Janeiro nos anos de 1987 e 88. Como podemos ver logo pela capa do disco, participam como figuras principais: Altamiro Carrilho, Zé da Velha, Paulo Sérgio Santos, Chiquinho do Acordeon, Paulo Moura, Paulinho da Viola e Joel Nascimento. Pois é, noites cariocas não são apenas para o samba. O choro também, sempre teve seu lugar garantido na Cidade Maravilhosa.

noites cariocas
carinhoso
aleluia
chorando baixinho
chiquinha gonzaga
espinha de bacalhau
doce de côco
ingênuo
inesquecivel
sarau para radamés
remexendo
um a zero
urubu malandro