Classe A – RCA Victor Coletânea (1975)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Se tem uma coisa que eu sempre gostei foi de coletâneas. Eram através delas que a gente  podia degustar diversos artistas de uma determinada gravadora. Uma forma de levar ao público os diferentes artistas, misturando os ‘medalhões’ com aqueles ainda pouco conhecidos. O difícil era achar uma coletânea realmente fina, com artistas e repertório de qualidade. Nesse sentido, a RCA sempre brilhou. Acho que talvez até pela qualidade de seu ‘cast’. Em 1975 a gravadora lançou esta coletânea com alguns de seus mais destacados artistas. Acho que nem preciso falar muito, só pela capa se pode ver que o grupo é seleto, só música bacana, sucessos de uma época onde ainda se fazia boa música. Este é mais dos muitos bons presentes oferecidos pelo amigo Fáres, a quem mais uma vez eu agradeço. E vamos nessa que a coisa é boa. Aguardo vocês no GTM 😉

bodas de prata – joão bosco
diacho de dor – maria creuza e antonio carlos & jocafi
pote de mel – carlos walker
jogo da vida – tamba trio
ligia – lucio alves
chega – ivan lins
disritimia – martinho da vila
meia noite – antonio carlos & jocafi
tristeza chama tristeza – eliana pittman
se alguém telefonar – milton carlos
massa falida – cesar costa filho
flicts – sergio ricardo
.

Antonio Carlos E Jocafi – Trabalho De Base (1980)

Dois cantores e compositores nascidos na Bahia, e ainda hoje queridos do público. São Antônio Carlos e Jocafi, que trazemos hoje para os amigos cultos e ocultos do Toque Musical. Ambos são da capital da Boa Terra, Salvador. Antônio Carlos Pinto veio ao mundo em 24 de outubro de 1945, no Alto da Silveira, bairro do Garcia. Por volta de 1955, sua família se mudou para o Rio Vermelho. Desde cedo Antônio Carlos, evidentemente, se interessava por música, tocando um pouco de violão e piano, e já começando a compor. Isso iria aproximá-lo da nata da musicalidade que morava no Rio Vermelho ou frequentava o bairro, famoso pela boemia, por suas tradições e seus moradores ilustres (entre eles o escritor Jorge Amado).  Com o tempo ele adquire prática, e se transforma em guitarrista de orquestra, passando a  tocar com o maestro Carlos Lacerda (a quem por sinal o álbum de hoje do TM é dedicado) em clubes e boates soteropolitanos. E foi tocando numa festa no Clube Português que conheceu  uma cantora que também se iniciava e seria sua parceira na vida e na música: Maria Creuza. É ela quem defende, no Festival de MPB da TV Record de São Paulo, em 1967, sua música “Festa no terreiro de Alaketu”, que acabaria sendo a primeira gravação da cantora. Jocafi (sigla de seu nome completo, José Carlos Figueiredo), nasceu em 21 de dezembro de 1944, no bairro soteropolitano de Cosme de Farias. E sua história não é lá muito diferente da do parceiro Antônio Carlos: ambos gostavam de futebol e aprenderam a tocar o violão de rua, e Jocafi teve a oportunidade de ser pupilo-admirador do lendário compositor, violonista e cantor Codó.Sua experiência musical começou igualmente na infância, seja ouvindo o som do serviço de alto-falante (que tocava Waldik Soriano, Bienvenido Granda, Lucho Gatica, Trio Irakitan…) enquanto jogava futebol de rua, seja ouvindo sua mãe cantar músicas antigas de Noel Rosa, Ismael Silva e outros. Ainda adolescente, José Carlos,o futuro Jocafi, começa a frequentar com assiduidade o Mercado Modelo, a Meca da música baiana nesse tempo, assimilando os batuques, a capoeira e os sambas-de-roda, que seriam essenciais em seu trabalho criativo. Mesmo com as serestas lhe atraindo mais que os estudos,consegue conciliar estudo, trabalho e boemia, graças à boa formação familiar. Conheceu Antônio Carlos por intermédio do já citado maestro Carlos Lacerda, passando a se apresentar juntos em programas da televisão baiana, cantando e tocando violão e guitarra. Com Antônio Carlos ao piano, Evandro na bateria e Luís Berimbau no baixo. Em 1969, a dupla tem sua composição “Catendê” (parceria com o letrista Ildásio Tavares) defendida por Maria Creuza no Festival de MPB da TV Record. Um ano mais tarde, Antônio Carlos e Jocafi são contratados pela RCA e gravam seu primeiro disco, um compacto simples com duas músicas de autoria própria: “Roberto, não corra” (resposta a “Por isso corro demais” e “As curvas da estrada de Santos” , hits de Roberto Carlos) e “Por causa dela”. Um ano mais tarde, chegam os primeiros sucessos: para começar, o clássico “Você abusou” , até hoje o maior hit da dupla, cuja versão em francês, “Fais comme l’oiseau”, feita por Michel Fugain, virou hino do Partido Socialista da França, e que tem outras versões gravadas internacionalmente, inclusive por Stevie Wonder e Célia Cruz. Depois, vem “Desacato”, segundo lugar no FIC (Festival Internacional da Canção), promovido pela TV Globo naquele ano de 1971. Completando a história, vem o primeiro LP, “Mudei de ideia” (cuja faixa-título imediatamente chama a atenção do público). Também compuseram as trilhas sonoras de duas novelas da TV Globo, “O primeiro amor” (1972) e “Supermanuela” (1974). Outros hits conhecidos de Antônio Carlos e Jocafi são “Teimosa”, “Fraqueza”, “Toró de lágrimas”, “Dona Flor e seus dois maridos”, “Jesuíno Galo Doido”, “Ossos do ofício”, “Chuculatêra”, “Dona da casa” , “Estrela amante” e “Deixe que é dengo dela”, só para citar alguns. A discografia de Antônio Carlos e Jocafi em dupla abrange um total de 12 álbuns, e inúmeros compactos. Este “Trabalho de base”, que o TM apresenta hoje, é o oitavo LP da dupla, também correspondendo ao nome do grupo que  os acompanha, com o devido apoio do “cobra” José Briamonte nos arranjos e nas regências. Dez faixas são assinadas pelos próprios Antônio Carlos e Jocafi (algumas com parceiros), e duas por Zé do Maranhão (uma delas, “Roça errada”, tem a respeitável co-autoria de Noca da Portela). Mesmo esquecidos por boa parte da mídia, como costuma acontecer, Antônio Carlos e Jocafi continuam na ativa, recebendo os aplausos merecidos do público, redescobertos por DJs nacionais e estrangeiros e até mesmo por Marcelo D2 . Este “Trabalho de base”, por certo, irá agradar aos fãs da dupla, e é um de seus raríssimos vinis, daqueles que ninguém se desfaz por dinheiro algum. Ouçam e comprovem!

agua viva
recaída
orô mi mayo
peso morto
batalha de canudos
roça errada
meu endereço é o bar
poucas e boas
pimenta malagueta
ossain
pé de coelho
areia movediça
* Texto de Samuel Machado Filho

Antonio Carlos & Jocafi (1972)

Bom dia, prezados amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais um compacto para preenchermos o nossa lista musical. Trago hoje um disquinho que de melhor só mesmo o discão, que qualquer hora dessas eu posto aqui. Hoje ficaremos apenas no deguste. Dois belíssimos sambas da dupla baiana Antonio Carlos e Jocafi. O interessante dos compactos é que as vezes eles traziam versões diferentes da mesma música lançada em lp. Ainda não verifiquei, mas creio que a música “Minhas razões” aparece aqui um pouco diferente. Ou será que eu me enganei? Confiram as minhas razões. 😉

minhas razões
conclusão
.

Samba 80 (1980)

Olá amigos cultos e ocultos! Como informei ontem, nesta semana só vamos ter ‘as boas’. Apenas não decidi ainda se serão as moças das capas ou as músicas de carnaval. Por via de dúvidas, vou mantendo as duas 😉
Olhem só que beleza… quer dizer, olhem só que coletânea boa, muito bem recheada. Não é extamente carnavalesca, mas é autenticamente de samba e carnaval é muito samba, né não? Pois é, temos aqui este álbum promocional, uma produção RCA, reunindo um pouco da sua safra de sambas para o ano de 80. Apreciem com moderação. Amanhã tem mais 😉

beth carvalho – pedi ao céu
conjunto samba som sete – sonho sonhado
joão bosco – sudoeste
tom, miucha e chico – turma do funil
aparecida – ela mandou
originais do samba – cadê maria
martinho da vila – no embalo da vida
joana – diga aí
antonio carlos e jocafi – roça errada
eliana pittman – lenço branco
luiz américo – desabafar
os batuqueiros – o galo da vovó

Brasil: A Century Of Song – Bossa Nova Era (1995)

Bom dia! No passo ligeiro, aqui vai o disco de hoje. Estou numa correria que só vendo… Tenho para hoje uma coletânea de gaveta, daquelas que ficam prontas para qualquer emergência. Um coletânea feita por gringos e a qual é chamada de bossa nova. Como se a música brasileira se resumisse a nisso. Mas a gente entende porque sabemos que a nossa música tem mesmo muita bossa. Uma música de personalidade mais que expressiva. O disquinho que apresento já é da geração cd, mas seu conteúdo oscila entre o antigo e o moderno, entre o Samba e Bossa Nova. Contudo, vale a pena ouví-lo, pois nele encontraremos coisas muito interessantes e até raras, que não se encontram fácil por aí. Esta é uma copilação feita por americanos (ou canadenses?) em parceria com uma produtora brasileira. Um autêntico disco feito pelo e para o mercado norteamericano. É bem possível que haja algum engano nos créditos das músicas, mas se tiver, eu vou deixar à cargo de vocês, especialistas. Podem comentar… Vejam (e ouçam) o que temos no disquinho:

a felicidade – joão gilberto
o orvalho vem caindo – j. t. meirelles e conjunto
só quero ver – beth carvalho
dindi – sylvia telles e rosinha de valença
desacato – antonio carlos & jocafi
ela desatinou – chico buarque
canto de ossanha – toquinho & vinícius
quando eu penso na bahia – elizeth cardoso e cyro monteiro
pedro pedreiro – quarteto em cy
aqui ó – toninho horta
oh what a sight – oscar castro neves & império serrano
berimbau/cuíca/cavaquinho/tristeza – edu lobo, sylvia telles, rosinha de valença, meirelles e +
pescador – baden powell
rapaz de bem – leila pinheiro
vrap – grupo beijo & coral da usp
rio – leny andrade

Os Pastores da Noite ou Otália da Bahia – Antonio Carlos e Jocafi (1977)

Direto do Trilha Sonora, uma cortesia para o nosso deleite e de nossos visitantes. Extraído do livro, de mesmo nome, do escritor baiano Jorge Amado, “Os Pastores da Noite” foi um filme dirigido pelo francês Marcel Camus. participaram do filme Grande Otelo, Antonio Pitanga, Zeni Pereira, Jofre Soares e Mira Fonseca. A trilha musical é composta pela dupla Antonio Carlos e Jocafi e tem a intrepretação da cantora Maria Creuza.
Sinopse: Inspirado na história homônima de Jorge Amado, o filme conta como a chegada de Otália (Mira Fonseca) à Bahia transformaria a vida de vários homens. Nessa famosa história da literatura brasileira, Marcel Camus, diretor do filme, mostra a aventura e o romance no mundo do candoblé, como fez com igual êxito no filme “Orfeu do Carnaval”. Posteriormente, o filme recebeu o título “Otália da Bahia”.