Rago – Em Sonorâmico (1960)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Como fiquei por quase dois meses sem fazer novas postagens, acho que muita gente pensou que o Augusto aqui não fosse voltar. Mas enquanto ouver sulco na agulha o Toque Musical continua mandando brasa! Como já havia comentado, estou aos poucos repondo novos links. Primeiro cuidamos da postagem diária, depois vamos para as solicitações de reposição de links pedidos por vocês. A propósito disso, conto com a paciência de todos, pois vou colocando novos links de acordo com a ordem de chegada. Estamos ainda na pendência de 119 novos links. Aos poucos ou aos muitos eles saem. Paciência…
Escolhi para hoje este disco do violonista e compositor paulista Antonio Rago. Juro que eu nem lembrava de que já havia postado aqui um outro disco dele. Aliás, uma coletânea, a qual traz diversas músicas deste outro que estou trazendo agora. Certamente, quem estiver lendo este post já sabe onde clicar para chegar à postagem do disco anterior. Lá também vocês saberão um pouco mais a respeito desse artista.
“Rago, Em Sonorâmico” foi um lp da Continental, lançado em 1960. Neste álbum Rago vem acompanhado por seu regional, formado com Portinho, na clarineta; Hortêncio, na gaita; Jocy Alves, no violão; Nefe, no contrabaixo; Xixa, no cavaquinho e Pedro (Sorongo) no pandeiro. Antonio Rago, como se pode ver na capa do disco, vem pilotando seu violão elétrico, instrumento esse, criado exclusivamente para ele pela fábrica Di Giorgio. No repertório temos uma seleção variada de ritmos, entre boleros, baiões, mambo, choro, toada, samba e cha cha cha. Todas as músicas são de sua autoria.

jamais te esquecerei
folinha
mentiroso
mambo na glória
se ela voltasse
cha cha cha
em tuas mãos
o barão na dança
festa portuguesa
encantamento
boneca japonesa
você é meu samba

Rago E Seu Conjunto – Os Grandes Sucessos De Rago (1980)

Hoje o nosso toque musical é dedicado à Antonio Rago, um nome pouco lembrado e na ‘blogosfera’, nem sequer comentado. Se por um lado isso é ruim, por outro me dá o prazer de ser o primeiro a apresentá-lo. Espero que de agora em diante este título se replique ou que outros discos dele venham a aparecer.

Rago, como ficou mais conhecido, foi um compositor e violonista dos mais brilhantes e originais, nascido no bairro do Bixiga, reduto italiano da capital paulista. Iniciou sua carreira ainda na adolescência, acompanhado outros músicos locais nas noites de serenata. Estudou violão clássico e profissionalmente começou a tocar aos vinte anos, integrando o conjunto regional de Armandinho, outro grande violonista paulista famoso. Em pouco tempo foi se tornando um dos acompanhadores preferidos dos grandes cantores da época, inclusive de Francisco Alves com quem ele trabalhou na última apresentação, um dia antes do trágico acidente que vitimou o cantor. Rago, em seguida, montou o seu Regional, tocando na Rádio Tupi de São Paulo. Seu grupo se tornaria famoso, principalmente pela qualidade artística de seus componentes. Sua composição mais conhecida foi o bolero “Jamais te esquecerei”, em parceria com Juracy Rago. Outro fato interessante na figura de Antonio Rago é que ele foi o pioneiro na eletrificação do violão. A fábrica Di Giorgio criou exclusivamente para ele o primeiro violão elétrico. Ao contrário dos violões elétricos atuais, o dele tinha características, tanto técnicas quanto sonora, mais próxima da guitarra, produzindo um efeito único até então. Não se ouvia nessa época nada parecido. A sonoridade de seu Regional com o violão eletrificado traçou um outro caminho para uma música essencialmente acústica. O disco que temos aqui reúne alguns de seus melhores momentos. Confiram já esse toque…
jamais te esquecerei
nada
despertar da montanha
festa portuguesa
que importa
boneca japonesa
motivo cubano
pelo teu amor
lisboa antiga
mambo na gloria
o barão na dança
carambolas