Quinteto Violado – Berra Boi (1973)

Olá meus amigos cultos e ocultos! Até agora há pouco eu estava ouvindo este disco aqui… Tinha certo de que já o havia postado no Toque Musical. Recorri ao index do blog para me certificar e realmente, não consta em nossa lista. E eu que pensava já ter postado vários discos do Quinteto Violado… Vamos então reparar o erro. Segue assim o “Berra Boi”, lp lançado em 1973, uma super safra! 73 foi mesmo o ano onde nasceram os melhores discos de mpb. A Música Brasileira estava mesmo inspirada naquele ano. “Berra Boi” pode ser considerado como o quarto trabalho do grupo, que surgiu em 1970. Antes deste disco o grupo lançou o “Quinteto Violado de 70” (cuja a capa trazia um desenho modificado do artista Roger Dean) e os discos da série Marcus Pereira, Música Popular do Nordeste, em 72, no qual o Quinteto Violado vem acompanhado pela cantora Zélia Barbosa. Em 73 a consagração. O grupo lança este “Berra Boi”, trabalho de excelência, que chama a atenção pela qualidade instrumental, sendo um álbum, praticamente, todo autoral, mantendo viva a essência da música nordestina. Não me recordo se este lp  está entre os 300 daquele livro ingrato do Gavin, mas bem que merecia!

vaquejada
duda no frevo
ladainha
engenho novo
minha cirada
pipoquinha
beira de estrada
baião do quinji
abraço ao hermeto
forró do dominguinhos
de uma noite de festa
cavalo marinho
.

 

Quinteto Violado – Pilogamia Do Baião (1979)

Boa noite meus prezados amigos cultos & ocultos! Pela primeira vez, eu hoje esqueci completamente de fazer a postagem do dia. Somente agora me toquei 🙂 É que hoje eu saí totalmente fora da rotina. Mas como disse um de nossos visitantes, nunca é tarde para uma nova postagem do Toque Musical. Assim sendo, aqui vai ela…

“Pilogamia do Baião” foi o último disco do Quinteto Violado pela Philips e como sempre, um ótimo trabalho. “Pilogamia”, segundo o texto da contracapa, é um termo criado pelo ‘poeta do absurdo’ Zé Limeira para exprimir um sentido de imensidão, amplitude… Da visão de um homem nordestino, um artista que contou em versos a ‘pilogamia do nordeste’. Inspirado nesta figura, “no comportamento existencial do poeta”, nasce o álbum “Pilogamia do Baião”. Um disco com algumas das mais expressivas e conhecidas músicas nordestinas. Há também duas composições do Quinteto, “Paluchiado da cachaça” e “Do velho para o novo” e uma de Gilberto Gil, “Um sonho”. Taí um disquinho bacana, perfeito para se ouvir nesta noite de domingo. Confiram…
numa sala de reboco
um sonho
catirina
uai! uai!
do pilar
kalu
martelo agalopado
gíria do norte
do velho para o novo
paluchiado da cachaça

Quinteto Violado (1972)

Comecei a postagem do dia com um certo atraso. A ‘lomba’ que bateu depois de eu ter tomado duas cervejas, nesse calor escaldante me deixou na maior preguiça. Acabei indo para cama cedo, mas pelo menos deixei prontas as postagens para entrarem no dia seguinte (hoje sábado). Por certo isso não criou ansiedade, pois afinal ninguém reclamou a falta do diário.
Bom, vamos ao que interessa… vamos com uma jóia curiosa (ou a curiosidade de uma jóia musical). Aqui temos um disco do Quinteto Violado, o primeiro, lançado pela Philips/Phonogram em 1972. Este é um álbum raro e muito procurado por colecionadores de vinil. Não exatamente por ter sido lançado à 36 anos atrás ou mesmo por ser o primeiro do grupo. A raridade vem de um fato curioso que aconteceu na época de seu lançamento. Em uma época em que no Brasil a questão de direitos autorais valia tanto como a lei que proibia fumar dentro de ônibus. Um tempo em que o respeito pela criação de outro não valia muito por essas bandas do sul (muitos dirão que isso ainda existe… ups!). O fato é que ao lançarem o disco do Quinteto, os produtores resolveram usar uma ilustração do artista gráfico Roger Dean, famoso por seus desenhos em capas de disco de rock (lembram do Yes?). Até aí tudo certo. Só que quem cuidou do trabalho de arte gráfica, achou por bem alterar o desenho, sem autorização do autor, mexendo um pouco nas cores e estilizando o cavaleiro em um vaqueiro nordestino (reparem o chapéu). Para piorar a situação, o desenho original foi usado (no mesmo ano) para ilustrar a capa de um outro disco, o álbum do Paladin, uma banda de rock progressivo inglesa. Os dois álbuns foram lançados no mesmo ano. Observem as diferenças nas capas. Com certeza, o cara que cuidou da capa do Quinteto nem sabia da existência do Paladin e muito menos do Roger Dean, cujo crédito de criação nem aparece no disco. Não tenho certeza, mas acho que foi quando do lançamento do disco brasileiro no Japão que eles se tocaram para o fato. A partir daí, o primeiro disco do QV passou a ter outra capa. Mudaram a ilustração, colocando em seu lugar a foto com pombas brancas voando no céu. Hoje, quem tem o lp com a capa inicial pode ter certeza de estar com uma raridade nas mãos. Colecionadores pagam muito bem por este lp. Quem se interessar, o meu tá zerado!
Contudo, todavia e muito mais, o conteúdo musical deste disco do Quinteto Violado é pra lá de bom (o Paladin também). Vale a pena conferir, quem ainda não conhece ou não o viu por outros blogs musicais (valeu Acesso Raro!)
01 – Asa Branca (Luis Gonzaga / Humberto Teixeira)
02 – Freviola (Marcelo Melo)
03 – Santana (Fernando Filizola)
04 – Reflexo (Luciano Pimentel / Fernando Filizola / Toinho Alves)
05 – Imagens do Recife (Deda / Marcelo Melo / Toinho Alves)
06 – Roda de Ciranda (Marcelo Melo / Toinho Alves)
07 – Baião da Garoa (Luis Gonzaga / Hervé Cordovil)08 – Acauã (Zé Dantas)
09 – Marcha Nativa dos Índios Quiriris (Toinho Alves / Marcelo Melo)
10 – Vozes da Seca (Luis Gonzaga / Zé Dantas)11 – Agreste (Fernando Filizola / Sando)