Marcus Vinicius – Nordestino (1979)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje me baixou um desânimo danado. Fiquei meio frustrado com uma série de coisas que, em bloco, resolveram dar tudo errado. Tem época que é assim, parece que o destino está tramando contra a gente. Mas antes que eu afunde de vez a cara no travesseiro para esquecer as decepções, deixa eu cumprir minha promessa e dar aqui o meu toque musical.
Escolhido no sorteio, quase como um dos meus ‘discos de gaveta’, este álbum do cantor, compositor e produtor pernambucano Marcus Vinícius foi, sem dúvida, uma ótima opção. Este foi o terceiro álbum do artista e como o segundo (também já postado aqui), “Nordestino” é um lp totalmente autoral, onde mais uma vez Marcus Vinicius tem total liberdade de produção. É bom lembrar que ele sempre esteve ao lado do produtor Marcus Pereira e seu lendário selo. Marcus Vinicius foi diretor artístico, arranjador e instrumentista em muitos desses lançamentos. No presente lp, gravado em 1979, temos um conjunto de músicas que eu considero ainda melhores que nos álbuns anteriores. Um trabalho que se aproxima mais do gosto comum, sem contudo perder na qualidade. Ele vem acompanhado por um time de bons músicos que fazem dessa uma produção de primeiríssima. Infelizmente, este é amis um daqueles álbuns que nunca chegou a ter uma versão digital. Por isso é que a gente insiste…

velho faceta
como se não bastasse
hora de voltar
por falar nisso
dona máquina
evocação final
sólida
zona da mata
caboclo
a um passarinho
homem de pedra

Marcus Vinicius – Trem Dos Condenados (1976)

Bom dia! Começando a ‘segundona brava’, cheio de coisa para fazer, vamos logo apressando as postagens para não perdermos o diário. Hoje eu estou trazendo um disco prometido a algum tempo atrás e que só agora encontrou sua vez. Antes tarde do que nunca, não é mesmo? 🙂

Temos então o Marcus Vinicius e seu excelente álbum “Trem dos Condenados”, lançado nos anos 70 pelo selo Marcus Pereira. O artista em questão surgiu no cenário musical a partir dos anos 60. Marcus Vinicius é um compositor, violonista, maestro e escritor, vindo de Pernambuco. Ao longo de sua carreira tem produzido muita coisa. Já tocou com os mais diversos artistas, entre eles, Belchior, Geraldo Azevedo e Naná Vasconcelos. Artista muito atuante não apenas no palco, mas também nos bastidores. Foi durante um bom tempo o defensor dos direitos autorais, estando à frente do ASSIM (Associação dos Intérpretes e Músicos), SOMBRÁS (Sociedade Musical Brasileira) e SICAM (Sociedade Independente de Cantores e Autores Musicais) . A partir do lançamento deste disco ele se tornaria um produtor musical da gravadora, sendo responsável por discos de diversos artistas que gravaram pelo selo Marcus Pereira. Segundo as fontes, ele continua muito ativo, sendo o diretor artístico do selo/gravadora CPC-UMES, dedicado a lançar artistas independentes e consagrados que estão fora do circuito da grande mídia.
O álbum “Trem dos Condenados” foi seu segundo disco. Um lp onde o artista teve total liberdade em sua produção. Todas as composições são de sua própria autoria, sendo apenas a faixa “Lygia Fingers”, um poema de Augusto de Campos, musicado por ele.
Como muitos dos discos do selo Marcus Pereira, este é mais um raro exemplar que eu nunca vi reeditado. Um trabalho super bacana que merece a nossa atenção. Confira já o nosso toque musical do dia 😉
trem dos condenados
quarto minguante
grrr…
cravos
precipício
dez a zero
lygia fingers
fábula do capibaribe
esse choro
brinquedo
pingo
centavos de gloria
aldebarã
etc. e coisa e tal

Alceu Valença Geraldo Azevedo E Marcus Vinicius – Nova História Da MPB (1978) 4

Olá amigos! Pensaram que eu havia me esquecido da nossa postagem especial? Nada disso, apenas alguns atrasos e adaptações. Estou em transito, quer dizer, viajando, fora do QG. Mas, prevenido, deixei as coisas engatilhadas. A semana vai ser divertida.
O volume da vez agora é este, como Alceu Valença, Geraldo Azevedo e Marcus Vinicius. Me lembro que este exemplar foi o primeiro que eu comprei após assistir a um show de Alceu, na época do lançamento de seu álbum “Espelho Cristalino”. Ainda não conhecia bem o Geraldo Azevedo e muito menos no Marcus Vinicius. Uma coisa acaba levando a outra. Não demorou muito e eu logo comprei os álbuns “Quadrifônico” de Alceu e Geraldo e “Trem dos Condenados” de Marcus Vinicius. Comecei também a colecionar os fascículos desta coleção.
Neste álbum temos então três artistas que além de serem filhos do nordeste, inciaram seus trabalhos em cooperação, principalmente Alceu Valença e Geraldo Azevedo.

vou danado para catende – alceu valença
agalopado – alceu valença
punhal de prata – alceu valença
esse choro um – marcus vinicius
em copacabana – geraldo azevedo
novena – geraldo azevedo e alceu valença
caravana – geraldo azevedo
trem dos condenados – marcus vinicius