Marçal – Interpreta Bide E Marçal (1978)

Bom dia! Hoje eu poderia dizer que estamos chegando ao final de duas semanas dedicadas ao samba. Mas seria uma grande mentira, não fosse a música brasileira, em muito da sua essência, ritmada no batido do samba. Seja o mais novo ou o mais antigo, o raro ou o lançamento, sempre ouviremos ecos de samba, esse ritmo derivador que a muito já chegou aos ouvidos de todo o mundo.

Para o domingo eu tenho aqui este álbum fora de série (que não custou 2 reias!) do ritmista e mestre Marçal. Nele temos um singular encontro pautado numa homenagem à dupla Bide e Marçal. Para os desentendidos, Marçalzinho é o filho, herdeiro da arte do velho Marçal, que em dupla com Alcebíades Maia, o Bide, criaram clássicos sambas que nunca saíram da boca do povo.
O ritmista vem acompanhado por um côro estrelar de fazer inveja. Como se pode ver logo na capinha acima, temos Chico Buarque, Clara Nunes, Cristina Buarque, Dona Ivone Lara, Elton Medeiros, Gisa Nogueira, Gonzaguinha, Paulo Cesar Pinheiro, João Nogueira, Paulinho da Viola, Miucha, Roberto Ribeiro e o Conjunto Nosso Samba. Quer mais? O interessante deste trabalho é que aqui, os medalhões só fazem côro e quem canta é o sambista Marçal.
Taí um disco que eu ainda não vi pelas ‘bocas’ e que merece a nossa atenção. Confira aí o toque…
agora é cinza / meu primeiro amor / a primeira vez /a carta
barão das cabrochas / que bate-fundo é esse?
tua beleza / não diga a ela a minha residência
foi você / tu não sabes mais o que há de querer / velho estácio
sorrir / louca pela boemia / nunca mais / meu sofrer
violão amigo / se ela não vai chorar, nem eu
madalena / olha a sua vida / você foi embora / agora é cinza