Madrugada e Seu Conjunto – Só Sucessos Vol. 10 (1970)

O TM já havia oferecido a seus amigos cultos, ocultos e associados o primeiro LP do misterioso Madrugada e seu Conjunto, “Apaixonadamente”, lançado em 1964 pela CBS, selo verde Entré. Segundo depoimento do organista Lafayette Coelho, músico que continua na ativa, para o site www.jovemguarda.com.br, era ele quem fazia as bases para o conjunto de Madrugada, cujo violinista, conforme muito bem frisado por nosso amigo Alceu, era Homero Gelmini, o “velhinho” ao qual Lafayette se refere na mesma entrevista, que inclusive fez parte do grupo Os Boêmios, da Rádio MEC do Rio de Janeiro, além de ter sido spalla da orquestra do Teatro Municipal carioca.  Alguns dos músicos que colaboravam com o Madrugada também participaram dos álbuns da Orquestra Brasileira de Espetáculos, da mesma CBS, vários deles apresentando versões instrumentais dos sucessos do astro número 1 da gravadora, o “rei” Roberto Carlos. Incógnitas e mistérios à parte, o fato é que Madrugada e seu Conjunto  tiveram longa e vitoriosa carreira fonográfica. Logo em seguida ao álbum de estreia,  “Apaixonadamente”, viria o primeiro volume da bem sucedida série “Só sucessos”, sempre com a marca Entré/CBS. E viriam, até 1975, mais 19 volumes. Pois agora, o TM oferece a vocês o décimo volume de “Só sucessos”, editado em 1970. Sempre com o violino de Homero Gelmini se destacando, o grupo nos oferece, em doze faixas, sucessos dessa época em clima dançante, de bailinho mesmo.  Entre eles, “A namorada que sonhei” (“Receba as flores que lhe doooooou”, lembram-se do Nílton César cantando esta pérola?), “Se eu pudesse conversar com Deus” (música de Nélson Ned consagrada por Antônio Marcos e até hoje lembrada), “A festa dos seus quinze anos” (de Ed Wilson, sucesso-solo do cantor Leno, ex-parceiro de Lilian em famosa dupla da Jovem Guarda), “Se ela voltar” (de Rossini Pinto, então hit de Wanderley Cardoso), “O amor é tudo” (aliás, “Love is all”, que Malcolm Roberts imortalizou no Festival Internacional da Canção de 1969, tendo a versão sido gravada por Agnaldo Rayol), “Eu vou sair para buscar você” (outro sucesso de Nélson Ned, este na voz de Agnaldo Timóteo), a clássica modinha “Quem sabe?”, de Carlos Gomes (que o mesmo Agnaldo Timóteo havia então relembrado), e, do repertório de Roberto Carlos, astro maior da CBS, “Não adianta” e “Nada tenho a perder”. “Vivamos o momento” e “Conta-me tua vida” foram hits de Roberto Muller, e “De mãos dadas” foi popularizado por Carlos Alberto, ambos os cantores então também contratados da “marca do olho caminhante”.  Tudo isso em um álbum perfeito para animar qualquer bailinho ou festa de cunho nostálgico. E aí? Dá-me o prazer desta contradança?

não adianta

a namorada que sonhei

a festa dos seus 15 anos

de mãos dadas

conta-me tua vida

eu vou sair para buscar você

nada tenho a perder

se eu pudesse conversar com deus

o amor é tudo

quem sabe

vivamos o momento

se ela voltar

*Texto de Samuel Machado Filho31

 

Madrugada E Seu Conjunto – Apaixonadamente (1970)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Hoje eu estou trazendo mais um disquinho interessante, que por certo irá agradar. É um álbum/artista que eu até então não conhecia. Ouvi e aprovei. Uma seleção em ritmos de bolero onde o diferencial é o violino. Este é o instrumento solo principal. Seria Madrugada o codinome de algum violinista? Ou seria o sax que também aparece em destaque? Faço estas perguntas por que nem no disco nem na rede temos maiores (ou menores) informações. Acabo achando que Madrugada e Seu Conjunto é apenas um nome por trás de Lafayette e a Orquestra Brasileira de Espetáculos. Segundo o próprio Lafayette era seu grupo quem fazia as bases para Madrugada e Seu Conjunto. Nos anos 70 a CBS chegou a lançar uma série grande chamada “Só Sucessos”. Não precisa nem dizer mais nada, né?

sabe deus
o que será de mim agora
deus é testemunha
de joelhos
palavras de amr
juramento
quem tudo quer nada tem
sabes que te amo
riam de mim
nostalgia
pervertida
prece de amor