Daltony – Bate Boca (1981)

Boa noite, amiguinhos cultos e ocultos! Falta pouco para ficarmos livre de vez deste 2016. Êta anozinho ingrato, cheio de mortes, de golpes, de coisas ruins… Por certo que não ficamos só na merda, afinal sofrimento tem limite. Tivemos sim bons momentos para compensar a tristeza. Entre as coisas boas, embora ninguém mais ligue, é o Toque Musical. Fiel ao seu propósito, um blog já tradicional. E é para manter o status que a gente falha mas não falta. Sempre presente trazendo os mais diferentes toques musicais.
Hoje, vamos com o Daltony. Artista já apresentando aqui por duas vezes, no compacto de 1982 e no lp “Cirose”, de 83. Agora ele volta em seu lp de estréia, “Bate boca”, lançado pela RCA, em 1981. Neste álbum, totalmente autoral ele conta com os arranjos e regência de Antonio Adolfo. Um trabalho muito bom de um artista que infelizmente poucos conhecem. Por isso, vale a pena ouví-lo com toda atenção.

os amigos do alheio
pra não se afastar
meu produtor
três amores
ligue
tempo
deda
bate boca
precisar de ti
classificados
primeira dança
nós o cantores

.

Milton Carlos – Inédito (1978)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Começando a semana, vamos com um disco já bem conhecido dos exploradores de sites e blogs musicais. Temos aqui o cantor e compositor paulista, Milton Carlos em seu álbum póstumo, lançado pela RCA dois anos após sua trágica morte em um acidente automobilístico. Para os que não sabem, Milton Carlos era um jovem músico, que ao lado de sua irmã Isolda, compôs diversos sucessos, interpretados por diferentes artistas, em especial o Roberto Carlos, que os credenciou como autores em sucessos como, “Amigos, amigos”, “Pelo avesso” e “Um jeito estúpido de te amar”. Foi um artista de uma carreira curta, porém deixou o seu legado em, pelo menos, quatro lps, além de diversas canções de sucesso. É curioso também notar a interpretação, a voz desse artista. Quem escuta pela primeira vez há de pensar que quem canta é a irmã, Isolda, mas a voz fina, quase feminina é mesmo do Milton Carlos. E não era falsete, ele realmente tinha uma voz infantil, cantando parecia uma mulher. Isso também foi um diferencial que ajudou o artista a se ingressar na RCA. Já havia, na época, o Ney Matogrosso no Secos & Molhados cantando assim. Acho que os produtores viram aí uma oportunidade…  Neste álbum, como o próprio título diz, temos uma seleção de inéditas. Músicas que ele gravou, mas que não chegaram a ser lançadas antes, ou outras em novas versões.

eu e a companhia
saudade do bixiga
entre seis milhões de pessoas
ana claudia
amigos, amigos
jogo de damas
dados biográficos
maria de tal
feira de artesanato
enredo
elas por elas
samba quadrado
.

Compactos – Roberton Riberti (1977) – Ataulfo Junior (1973)

Olá amiguíssimos cultos e ocultos! Seguem aqui mais dois compactos, desta vez trazendo o cantor e compositor paulista Roberto Riberti neste compacto de pré lançamento de seu primeiro lp, disco este já postado aqui no Toque Musical em outros tempos. Na sequência, temos o filho do Mestre Ataulfo Alves, o Ataulfo Jr. figura de muito talento, sambista, compositor e intérprete consagrado, com muitos discos gravados, principalmente compactos, entre eles temos este aqui de 73. Confiram

apenas mais um – roberto riberti
canção popular – roberto riberti
teu reinado – roberto riberti
rendição – roberto riberti
canto de amor – ataulfo junior
o samba seguinte – ataulfo junior
.

Paulinho Pedra Azul – Jardim Da Fantasia (1982)

Cantor, poeta, artista plástico, compositor… Enfim, um talento múltiplo. Estamos falando de Paulo Hugo Morais Sobrinho, aliás Paulinho Pedra Azul.  Ele veio ao mundo no dia 4 de agosto de 1954, na cidade mineira de Pedra Azul, situada no Vale do Jequitinhonha, daí  seu nome artístico. Sua carreira artística iniciou-se por volta dos treze anos de idade, inicialmente com as artes plásticas. Enveredando pela música, participou do conjunto The Giants, em que trabalhou com Rogério Braga, Mauro Mendes, Marivaldo Chaves, Salvador, Edmar Moreira e André, com um repertório de sucessos da chamada “música jovem” de então (Beatles, Roberto & Erasmo Carlos, Os Incríveis, The Fevers, etc.). A partir do final dos anos 1960, participou de festivais de música e de poesia, realizando shows em cidades do interior de Minas Gerais. Nos anos 70, mudou-se para São Paulo, onde trabalhou com o cantor, ator e humorista Saulo Laranjeira, seu conterrâneo.  Ao voltar para Minas, fixou residência em Belo Horizonte,  onde mora até hoje. Paulinho Pedra Azul, embora não seja um constante frequentador da mídia de massa, é conhecido por um segmento específico de público, no qual predominam os universitários. Sua discografia abrange vinte e um álbuns gravados, a maioria de produção independente. É também autor de duzentas telas a óleo e acrílico, e de quinze livros, dentre os quais destaca-se “Delírio habanero  –  Pequeno diário em Cuba”, escrito durante visita que fez à ilha de Fidel Castro, em 2002.  Segundo pesquisa feita pela AMAR (Associação de Músicos, Arranjadores e Regentes), Paulinho Pedra Azul é o segundo cantor  mais conhecido de Minas Gerais, perdendo apenas para Mílton Nascimento. Em 1992, recebeu o título de Cidadão Honorário de Belo Horizonte, apenas um dos inúmeros prêmios e honrarias que conquistou ao longo de toda a carreira. Sendo assim, o Toque Musical tem a satisfação de apresentar a seus amigos cultos, ocultos e associados o primeiríssimo álbum de Paulinho Pedra Azul, lançado em 1982 pela RCA, hoje Sony Music, quando ele residia em São Paulo. Trata-se de “Jardim da fantasia”, cuja canção-título, também conhecida como “Bem-te-vi”, logo fez sucesso. Teria sido feita para uma noiva já falecida de Paulinho, o que, porém,  ele nega.  O cantor-compositor tem um estilo que varia do romântico (canções e serestas) à MPB, fortemente influenciado pelo Clube da Esquina de Mílton Nascimento & companhia, tendo composto até mesmo alguns chorinhos. Neste seu trabalho de estreia, há composições próprias, como a faixa-título, “Ave cantadeira” (que aparece também como vinheta ao final do disco), “Vagando” , “Cortinas de ferro” e “Voarás”, contando nesta última com a participação especial da cantora baiana Diana Pequeno, então em evidência.  O programa traz também músicas de outros autores, como Fagner (“Pobre bichinho”) e a dupla Flávio Venturini-Murilo Antunes (“Nascente”).  Sua região natal é lembrada também na faixa “Jequitinhonha”, escrita por  Levy e Paulinho Assunção. Enfim, um promissor início de carreira, mostrando as razões pelas quais Paulinho Pedra Azul  tornou-se um dos melhores cantores-compositores da MPB,  e querido por todos que apreciam música de qualidade, mesmo sem muita promoção da mídia.

ave cantadeira
pobre bichinho
valsa do desencanto
voarás
nascente
cortinas de ferro
jequitinhonha
canta
jardim da fantasia
vagando
ave cantadeira
* Texto de Samuel Machado Filho

João Daltro De Almeida – A Música Brasileira E O Violino (1980)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Segue aqui um disco raro de se ver e ouvir, uma produção para ouvidos eruditos, mas que também agrada a um público em geral. Temos aqui um disco dedicado à música erudita brasileira com destaque para um dos seus nobres instrumentos, o violino. Aliás, são peças criadas para execução neste instrumento. Composições de grandes músicos brasileiros e estrangeiros radicados no Brasil. Como solista temos o violinista carioca João Daltro de Almeida, Spalla da Orquestra Sinfônica Brasileira por muitos anos. Foi solista em mais de 30 conjuntos sinfônicos e de câmara. Atuou sobre regência dos maiores maestros brasileiros e estrangeiros. Ao lado de João Daltro temos também a pianista Lia Gualda de Sá, que o acompanha em diversos momentos deste selecionado repertório. Confiram!

rapsódia – ernest mahler
batuque – flaustino valle
rabeca triste – guera peixe
fantasia capricho – carlos de almeida
romance – henrique oswald
toada – abdon lyra
modinha – nelson macedo
ária – radamés gnattali
tango brasileiro – francisco braga
mariposa na luz – villa-lobos

Os 3 De Portugal – No Brasil (1969)

Olá, amiguíssimos, cultos e ocultos! Semana atarefada aqui para os meus lados, quase sem condições de postar uma novidade. Fico querendo postar alguma coisa diferente, mas há tanto o que escolher e as vezes acabo escolhendo algo que já apareceu por aí. Desta vez estou trazendo um disco que eu ainda não vi em outras praças. Um lp que eu também não conhecia.
Temos aqui o grupo vocal, ‘Os 3 de Portugal’. Conforme o texto da contracapa, trata-se de um trio, formado na cidade do Porto, ainda nos anos 50. Por certo, um grupo famoso em seu país de origem, Estiveram no Brasil se apresentando nos anos 60. Consta que participaram da novela Antonio Maria, o que pode ter chamado a atenção dos produtores da RCA para a gravação deste disco. Logo na primeira faixa temos “Tema de amor em forma de prelúdio”, música esta que fez parte da trilha da novela. Mas no disco que eu tenho quem canta é o saudoso ator Sérgio Cardoso. Neste lp Os 3 de Portugal interpretam temas não apenas portugueses, mas também cantam música de autores brasileiros. Pessoalmente, achei bem interessante. Vale, com certeza, uma conferida. 😉

tema de amor em forma de prelúdio
por morre uma andorinha
flores da varanda
fantasia carioca
ao chegar a lisboa
artista sem plateia
pergunta a quem quiseres
veio a saudade
bairro alto
maria severa
lisboa não sejas francesa
vou dar de beber a dor
.

Quando As Escolas Se Encontram – Carnaval 1973 (1973)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui estamos bem animados, dando sequência a festa. O carnaval por aqui já começou. Vamos pela semana relembrando sucessos, marchas, sambas, batuques…
Tenho para hoje um disco bem legal. Boa safra, com certeza, 1973. Uma seleção de sambas enredos e sambas de quadra de algumas das mais tradicionais Escolas do Rio. Vão aqui interpretadas por Alda Perdigão, Marlene, Ataulfo Junior, Joel de Castro, Carlinhos Pandeiro de Ouro e Dominguinho do Estácio. Produção da RCA, dirigida por Wilson Miranda, com arranjos dos maestros Nelsinho, Peruzzi e Pachequinho. Muito bom!

zodiaco no samba – alda perdigão
tem capoeira – carlinhos pandeiro de ouro
viagem encantada pindorama a dentro – marlene
pasárgada, o amigo do rei – ataulfo junior
tra lá lá lamartine babo – joel de castro
lendas do abaeté – carlinhos pandeiro de ouro
mexe mexe – marlene
tra lá lá lamartine babo, um hino ao carnaval brasileiro – alda perdigão
quero ver minha escola passar – ataulfo junior
eneida, amor e fantasia – joel de castro
o abc do carnaval – dominguinho
o saber poético da literatura de cordel – joel de castro
.

Roberta – Desejos (1981)

Boa noite a todos os amigos cultos e ocultos! Num lampejo de fim de noite, me lembrando que as postagens vão se acumulando, me vejo obrigado novamente a lançar mão dos meus sortidos ‘discos de gaveta’. Tenho aqui para hoje o álbum “Desejos” da então jovem cantora e compositora Roberta. Lp lançado pela RCA no início dos anos 80. Naquela época as cantoras estavam em alta. Havia um leque de variedades femininas e a gravadora resolveu apostar nos novos talentos. “Desejos” é um álbum bem produzido, com arranjos de Antonio Adolfo e de Perna Fróes. Seu repertório é quase todo autoral, mas também  há espaço para músicas de Chico Buarque, Ivan Lins e outros. Roberta tem uma voz marcante, forte, que nada nos faz pensar que se trata de uma moça de apenas 17 anos. Voz muito madura. Canções também. Confiram

desejos
duas faces
que home é esse?
fantasia
caça
bebé da bahia
vidas paralelas
fases
só sei amar
somos iguais
consumo
chega
.

Samba Soul – Do It Samba Soul (1978)

Olá amiguíssimos, cultos e ocultos! Aqui vamos nós… E por que hoje é sábado, vamos que vamos… Vamos dançar, seja aos moldes anos 50, 60, 70 e tal… Nos embalos de sábado a noite eu trago para vocês este curioso álbum de ‘dancing music’ dos anos 70, mais exatamente conhecida como ‘discoteque’, produção brazuca, lançada nos ‘States’ em 1978 pela RCA americana. O conteúdo musical, a febre do momento, a música dançante. Embalos mixados de hits nacionais e internacionais da época, gravações feitas no Brasil e em Nova Iorque. Uma bela capa, uma bela garota latina, bem brasileira e tipo exportação. Tudo como manda o figurino. Perfeito! Temos assim um disco para americanos com ‘tempero’ brasileiro, feito nos Estados Unidos por músicos e outros profissionais brasileiros. Interessante

i’m in you
her we go again
sometimes whem we touch
keep your eyes on the sparrow
black coco
dancing days
biorritmical
loco man
.

Eduardo Assad – Chanson Pour Anne (1983)

Olá amigos cultos e ocultos! Passado o mês de abril quase fechado, sem muitas postagens, volto agora, retomando as publicações. Embora com um arsenal dos mais variados em termos de discos, com os mais diferentes títulos e gêneros, fico ainda assim sem saber por onde começar. Por outro lado, há também uma constante preocupação diante as novas medidas surgidas com o Marco Zero da Internet. Ainda não sei bem ao certo como anda isso, mas creio que em breve, na melhor das hipóteses, teremos que nos adaptar as novas condições para não fechar de vez.
Hoje, Dia do Trabalho, eu deveria postar aqui algo condizente, mas sinceramente, ando numa preguiça de dar gosto a baiano. Vou lançar mão daquilo que está bem próximo, os ‘discos de gaveta’. Vamos com este lp do pianista compositor e arranjador paulista, Eduardo Assad. Um álbum com um repertório misto, entre temas da música clássica e popular, alguns inclusive autoriais, do próprio Assad. Ele vem acompanhado por orquestra e coro, sob sua regência. Eduardo Assad, para os que não sabem, foi um músico muito atuante nos anos 60 e 70. Nos anos 80 se dedicou as adaptações de temas românticos e instrumentais. De formação erudita, mas acabou mesmo se enveredando pelo lado da música popular, onde veio a trabalhar com diversos artistas, principalmente da Jovem Guarda. Acompanhou por um bom tempo o Ronnie Von com a banda dos Menestréis, posteriormente chamada de B-612. Morreu novo, em 1990, aos 40 anos. Era diretor artístico da Rádio América, de São Paulo. Em 1989 ele recebeu o Prêmio Sharp como melhor arranjador na categoria de música popular. Gravou poucos discos, mas esteve envolvido em muitos projetos, o que lhe garante aquela estrela no céu dos artistas da Música Brasileira.

chanson pour anne
raio de som
natali
detalhes
como vai você
it’s impossible
o guarani
poesia
presente de amigo
the long and winding road
yesterday
crepúsculo encantado
heart’s sound
rapsódia húngara
.

Conjunto Musikantiga De São Paulo – Musikantiga (1969)

Olá amigos cultos e ocultos! Para compensar a frustração de links e postagens já vencidas, o remédio é manter a programação diária sempre ativa. Infelizmente, meu tempo vem ficando cada dia mais curto. Além do mais, com censura chegando de vez à web, creio que em breve o Toque Musical vai ser obrigado a se recolher ainda mais. Como dizem, a cada hora piora…
Enquanto isso, vamos em frente. Mantendo as variações musicais, eu trago hoje para vocês um pouco de música antiga. Música da Renascença Inglesa, Franco-Flamenga, Idade Média e Renascença. Mas, afinal, o que está música tem a ver com o Brasil, ou com as postagens do Toque Musical? Ah! Tudo a ver… não apenas pelo fato de que o Toque Musical é eclético, mas também porque se trata de uma produção brasileira. Um trabalho de pesquisa do consagrado Conjunto Musikantiga de São Paulo. Este grupo foi criado em 1966 pelo músico Ricardo Kanji. O Conjunto Musikantiga gravou seu primeiro disco em 67, tendo também como membros fundadores Milton Kanji, Paulo Herculano e Dalton de Luca. Creio que o primeiro disco foi lançado por Marcus Pereira. Gravaram também outros discos pela Copacabana e este da RCA. O trabalho do conjunto foi muito bem recebido pelo público, principalmente no circuito universitário.

antony halborne – 4 danças
orlando gibbons – in nomine
thomas simpson – alman
michel east – and i as well thou
thomas simpson – ricecar-bonny sweet robin
josquin des prés – vive lo roy
pierre attaignant – 4 danças
wolfgang kuffer – 3 carmina
anônimo sec. XIII
anônimo sec. XV
anônimo sec. XIV
ludwing senfl – carmen fortuna desperada
anônimo sec. XIII
.

Tamba Trio – 20 Anos De Sucesso (1982)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Ainda valendo para a última hora do domingo, aqui vai um disco do Tamba Trio, cujo o título é “20 Anos de Sucesso”. Pelo título parece até uma coletânea comemorativa. E foi nessa de acreditar que se tratava de uma coletânea que eu acabei nunca dando olhos e ouvidos a este disco. E ele bem que passou um bocado de vezes na minha mão. Parece estranho dizer isso, mas é verdade. Tem coisa que as vezes passa batido, até mesmo peixe grande, hehehe… E este peixe aqui é dos grandes! Como vocês podem perceber, eu estou postando discos os quais eu muito pouco ouvi e agora tenho o prazer de compartilhar-los com os amigos 🙂
O Tamba Trio é mesmo surpreendente, neste disco então nem se fala. Um álbum de carreira e dos melhores. Há uma fusão de todos os elementos e momentos do grupo, seja na composição ou na interpretação. Eles criam e recriam. Quer dizer, eles fazem sua música e refazem o que interpretam com maestria. Não é por acaso que este trio foi a inspiração de tantos outros e ajudou na formatação (se é que se pode dizer assim) do que veio a ser a boa música popular brasileira. Tendências, influências, experimentalismos foi apenas um pouco do que este grupo de fantásticos músicos deixou de herança. Quem bebe nessa fonte aprende o que é qualidade! Neste álbum vamos encontrar um repertório de apenas dez músicas. Podiam ter incluído mais dez, assim combinaria melhor com os 20 anos de sucesso, não é mesmo? Se eu fosse o produtor teria feito um álbum duplo. Um disco para as interpretações e outro para o trabalho autoral. Teríamos um contraste interessante

samba da minha terra
só danço samba
asa branca
sonda 1999
3 horas da manhã
mas que nada
me deixa em paz
mestre bimba
lamento negro
trindade
.

Orquestra Sonora La Habanera – Jingle Bells (1969)

Boa noite amigos cultos e ocultos. Confesso que hoje o astral por aqui não está nada bem. O Galão fez a proeza de perder logo de cara, afastando de vez o sonho atleticano de ser campeão. A cidade está tão arrazada que até abafou a gozação das ‘marias’. Eu, por aqui, quase desisti de fazer esta postagem, mas por fim achei melhor me focar naquilo que realmente é um grande prazer, música e discos. Bola pra frente!
Continuando as postagens natalinas, aqui vai mais um… Orquestra Sonora La Habanera. Eis aí uma orquestra sobre a qual eu não achei nenhuma referência e a julgar pelos detalhes da capa e também pelo seu repertório, presumo que seja alguma daquelas orquestras famosas da época, que aqui se traveste de Papai Noel para brindar seus ouvintes com temas natalinos. O álbum foi lançado em 1969 pela RCA e traz em seu diferencial os arranjos que dão às músicas, geralmente melancólicas, um tom mais alegre e vibrante. Xô, tristeza! 2014 já está chegando aí!

jingle bells
o tannebaum
greensleves
santa mouse
the christmas song
adeste fideles
white christmas
boas festas
my favorite things
have yourself a little merry christmas
holy night, silent night
ave maria
.

Hanoi Hanoi (1986)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Como anunciei, a semana seria para outros sons, na verdade para postarmos mais alguns discos de pop e rock nacional. Mais uma vez eu me armei de um variado leque de títulos prontos para darem entrada diariamente. Agora só depende de eu achar tempo para não deixar vocês muito ansiosos esperando aquele toque no GTM. Hoje, por exemplo, não tive tempo para nada. Estou escolhendo agora o disco  do dia. Puxando do ‘gavetão’ aqui vai um bem escolhido, Hanoi Hanoi, do Arnaldo Brandão. Este foi o primeiro álbum do grupo liderado pelo contrabaixista Arnaldo Brandão, que antes toca no Brylho (A noite do prazer) ao lado de Claudio Zoli. O Hanoi Hanoi surgiu na década de 80 juntamente com tantas outras bandas que efervesceram a cena pop/rock nacional. Teve, como todos devem se lembrar, emplacado vários hits de sucesso, que deram a banda e ao seu líder um lugar de destaque dentro do rock brazuca. Vamos encontrar neste álbum, entre outros, dois grandes sucessos, “Totalmente demais” e “Blá blá blá… Eu te amo”. Confiram aí…

partido verde alemão
blá blá blá eu te amo
bom sucesso 68
prazer e ciúme
caprichos da loucura
totalmente demais
nem sansão nem dalila
spartana
baton
testemunha
.

De Chapéu De Sol Aberto (1971)

Olás! No embalo do Carnaval de Belô e já no último tempo do dia, aqui vai um disquinho dos melhores, capaz de levantar o ânimo de qualquer folião bodado. Temos aqui outra seleção, desta vez de frevos, entre os quais se destaca um dos mais tradicionais, “De chapéu de sol aberto”, um clássico do compositor pernambucano Capiba, que também era ligado nas artes plásticas. Ele também pintava e aqui temos na capa uma de suas obras. Vale a pena conferir. Disco muito bom 😉
.
de chapéu de sol aberto
boko moko
meu vestibular
3 pistões de ouro
os direitos são iguais
frevo da saudade
pra que tristeza?
lavanca
a mulher que eu queria
frevo hoje e sempre
tempo quente
frevo sem quarta feira
morrendo de saudade
santos no frevo
.

Rildo Hora Interpreta Luiz Gonzaga (1988)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje não estou tendo tempo para nada. Assim, por hora, vamos de Rildo, Rildo Hora, hehehe… Está aqui um disco bacana que vale ser conferido, tanto pelo talento do gaiteiro quanto pela escolha do tema, Luiz Gonzaga.

Um instrumental da melhor qualidade. Não fosse uma festa que tenho de ir, ficaria aqui ouvido este belo trabalho.

asa branca – assum preto

fuga da africa

xote das meninas – cintura fina~

qui nem jiló – xanduzinha

a vida do viajante – a volta da asa branca

baião – a dança da moda

xaxado – baião da garoa

respeita januário – no meu pé de serra

forr´no escuro – vem morena

lorota  boa – impertinente

Clip Independente – Volume 1

Olá, amigos cultos, ocultos e associados! Fechando a nossa semana pop/rock/auternativo, aqui vai uma coletânea bem apropriada. Produzido pelo radialista Osmar Santos, através de seu programa pela Rádio Brasil 2000 FM, o “Clip Independnte”. Este lp reuniu nove grupos de rock paulista escolhidos pelo próprio público. As bandas foram gravadas ao vivo, no estúdio da rádio, o que dá ao som um vigor especial. Encontraremos aqui alguns nomes que chegaram a fazer um relativo sucesso nos anos 90, como é o caso  do Mickey Junkies, Malaco Soul, Lara Hanouka, Zero Vison, e outros… Algumas dessas bandas qainda continuam na ativa. Vale dar uma conferida, pois parece que este álbum não chegou a ser comercializado.
cucaloloca (no recife) – malaco soul
holiday in ice – mickey junkies
the game is over – lara hanouka
worms – zero vision
the longest way back home – all of us
sol do japão – a casa caiu
geladeira amarela – tres hombres
deadly fuck – canis
na noite somos todos iguais – anjo dos becos

1º Semana Nacional Dos Transportes – Música Popular Em Ritmo De Transportes (1969)

Olá amigos cultos, ocultos e associados! Sabadozinho puxado esse meu! Não tive tempo hoje nem para ler e-mails. Só agora, no final do dia é que vou tentar dar o toque de hoje. Digo tentar porque, mal cheguei em casa, tomei um banho e agora já vou para outro compromisso. Estou só esperando o meu filhote acabar de se ajeitar. Vamos sair para jantar e não sei a que horas eu volto aqui. Diante a pressa, melhor é recorrer aos meus infalíveis discos de gaveta.

Hoje é dia de coletâneas e como eu não tive tempo de preparar uma exclusiva, vamos com uma oficial, de gravadora. Escolhi para tal um disco diferente, ou melhor, uma coletânea singular. Temos aqui um álbum promocional, lançado pela RCA em 1969. Este lp foi criado, em edição especial, para o então Ministério dos Transpostes, na 1ª Semana Nacional Dos Transportes (23 a 31 de julho), data essa que nunca mais vi sendo comemorada em anos posteriores. O disco nos apresenta nove músicas cujos os temas se relacionam com transportes. O curioso é que embora o disco tenha sido lançado pela RCA, nem todos os fonogramas são da mesma gravadora. Na verdade há aqui também gravações da Odeon e da Columbia. Um caso interessante de se ver, pois dificilmente iremos encontrar coletâneas oficiais que não sejam fonogramas de um mesmo selo. Por outro lado, já que o Governo conseguiu essa façanha, podia ter incluído outras músicas que também tratam do mesmo tema. No cancioneiro popular o que não falta é referência. Mas está valendo… 😉
peguei um ita no norte – dorival caymmi
chofer de praça – luiz gonzaga
jangada – silvio caldas
o trem atrazou – roberto paiva
upa upa (meu trolinho) – dircinha baptista
trem azul – almirante
carango – erasmo carlos
bonde de são januário – cyro monteiro
fon fon – carmem miranda e silvio caldas

Cesar Mariano & Cia. – São Paulo Brasil (1977)

Boa tarde, meus prezados amigos cultos e ocultos! Hoje, logo cedo, escutei uma música vinda de um dos apartamentos do prédio onde moro. Estava alto o som e eu só não fui lá reclamar porque a música era boa, um instrumental que eu logo identifiquei. Era o Cesar Camargo Mariano. Peraí, pensei comigo, eu tenho esse disco! Achei até que já o tivesse postado no blog, mas verifiquei que não. Taí uma boa hora para fazê-lo. É um dos discos de música instrumental que eu mais gosto. É ousado, competente e de altíssima qualidade. Para mim, se iguala ou supera aos melhores do ‘fusion’ internacional. Quer dizer, ‘fusion’ no sentido mais amplo do termo. Foi o segundo disco solo de Cesar Mariano, ou Cesar Camargo Mariano. Um trabalho inspiradíssimo que projeta em nossas mentes as diversas facetas de Sampa. Uma homenagem e tanto! Mas este disco não seria o que é se não tivesse o Cesar Camargo acompanhado pelas feras, Crispim Del Cistia, Natan Marques, Wilson Gomes e Eduardo Portes. Os caras juntos formam uma química muito boa.

O certo é que eu fui procurar o lp na estante, onde esperava encontrá-lo. Qual o quê… nada de achá-lo. Verifiquei várias vezes toda a estante pensando que estivesse fora de ordem. Necas! Devo tê-lo perdido ou vendido, pois empréstimo é coisa que eu não faço, hehehe… Só pra um ou dois amigos muito chegados, que também me emprestam seus discos 🙂
Só de raiva, resolvi então postar a versão cd, que por incrível que pareça está tão boa quanto o vinil. Esta postagem foi mais por honra da firma do que propriamente pela necessidade manter acesa uma boa chama. É bom ver estampado aqui no Toque Musical este discão 😉 Quem, por acaso não conhece, faça me o favor… vai logo conferir!
metrópole
estação do norte
fábrica
poluição
imigrantes
metrô
litoral
futebol de bar

Tomaz Lima – Homem De Bem – Mantras Indianos (1989)

Que venha 2012!
Com último toque do ano, fica aqui a minha mensagem para todos os amigos cultos e ocultos. Que seja um ano mais iluminado e que esta luz possa clarear os caminhos de trevas os quais muitas vezes somos obrigados a percorrer. Que ilumine nossas ideias, nossos sentimentos de amor e fraternidade. O homem só vai ser de todo feliz quando souber compartilhar a sua felicidade.
Desejo a todos um ótimo ano, como muita saúde, paz e amor. O de resto virá como consequência!
Para fechar de vez nossas postagens, estou trazendo aqui algo para se ouvir com outros olhos, ouvidos e mente – mantras indianos para tocar logo que o ano novo nascer. Isso fará muito bem, podem acreditar!
Este disco foi lançado no final dos anos 80 pelo cantor, compositor, musicoterapeuta Tomaz Lima, também conhecido pelo nome artístico de “Homem de Bem”. Neste seu primeiro trabalho fonográfico, apoiado por uma grande gravadora, a RCA, ele conseguiu se projetar na mídia, levando à um público mais amplo o conceito musical dos mantras indianos. Acredito que tenha sido a primeira vez no Brasil que este tipo de música ganhou mais destaque e evidência. Mantra é uma espécie oração cantada, com sons repetitivos, que segundo os indianos, ajuda o homem a se energizar, trazendo-lhe a calma e o conforto, do corpo e do espírito. É algo bem mais complexo para se dizer em poucas palavras (embora sejam com poucas palavras que os mantras surtem efeitos). A mensagem do Homem de Bem é essa, a busca espiritual humana.
Tomaz Lima é também editor da Lótus do Saber e TTL Gravadora, uma das mais interessantes editoras brasileira dedicada a promover os milenares ensinamentos da filosofia indiana e seus correlatos orientais. No site da editora vocês irão encontrar muita coisa legal en termos de livros e discos lançados por eles.
Para fechar, vai aqui uma frase muito interessante do Tomaz Lima, que cai como uma luva num ambiente como este nosso: “Todos nós sabemos da importância do que comemos. Precisamos agora despertar para a importância do que ouvimos.”

madana morhana murari
baja shri krishna
hari om tat sat
bolo hare
maha mantra
shiva shankara
govinda jaya jaya
hare krishna hare rama
gopala
shri rama
om assatomá