A Noite Do Amor, do Sorriso E Da Flor – Show Na Faculdade De Arquitetura Da UFRJ 1960 (2016)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje eu estou postando aqui uma arquivo musical já bem rodado em diferentes sites e blogs. Originalmente apareceu no Loronix, depois enviaram para mim, mas com tanta badalação, achei melhor não entrar na concorrência. Hoje, passado um tempo e baixada a poeira, resolvi que era hora de postá-lo também, afinal esse registro histórico tem mesmo a cara do Toque Musical e não poderia faltar. Para tanto, melhoramos o áudio e criamos uma capinha exclusiva. Espero que esteja no agrado… 😉
Falando um pouquinho sobre esse registro musical, para aqueles que ainda não o conhece, “A noite do amor, do sorriso e da flor” foi o nome que ficou para aquela noite de 20 de maio de 1960, quando na Faculdade de Arquitetura da UFRJ aconteceu o primeiro show de Bossa Nova, sendo um dos seus promotores o compositor Ronaldo Boscoli. Na verdade, na mesma data e horário acontecia outro show de apresentação da Bossa Nova, ‘A Noite do Sambalanço’, este promovido por Carlos Lyra. Nesta época, Boscoli e Lyra estavam em pé de guerra um com outro e os shows acontecendo no mesmo dia era um evidente confronto de artistas. O certo é que o show da Faculdade de Arquitetura fez mais sucesso e se despontou na história da BN graças aos registros de imagem e som. As gravações desse show foram feitas pelo amigo da turma, o advogado Jorge Karam, um melômano apaixonado por Bossa Nova. A qualidade do som é sofrível, mas vale ouví-lo a cada segundo. É histórico! O registro na íntegra foi desmembrado e posteriormente editado, sendo excluídas algumas partes. Aqui elas não aparecem, infelizmente. Porém, temos João Gilberto, Astrud, Johnny Alf, Elza Soares, Trio Irakitan, Os Cariocas, Sérgio Ricardo e muitos outros grande nomes que ali estavam começando.

apresentação – ronaldo bôscoli
sambop – claudette soares
fuga – claudette soares
chora tua tristeza – claudette soares
apresentação de johnny alf – ronaldo bôscoli
rapaz de bem – johnny alf
céu e mar – johnny alf
apresentação de norma bengell – ronaldo bôscoli
não faz assim – norma bengell
dona baratinha – trio irakitan
ideias erradas – trio irakitan
menina feia – trio irakitan
se acaso você chegasse – elza soares
zelão – sérgio ricardo
oceano e guiomar – caetano zama
menina feia – os cariocas
esqueça – os cariocas
samba de uma nota só – joão gilberto
o pato – joão gilberto
lamento no morro – joão e astrud gilberto
brigas nunca mais – joão e astrud gilberto
encerramento – ronaldo bôscoli
meditação – joão gilberto
.

João Gilberto – El Concierto Del Dia Seguinte – Madrid 1985 (2014)

Olá amigos cultos e ocultos! Como havia dito, esta é uma semana de surpresas e exclusividades, que fazem do Toque Musical um espaço único e sem igual (ups, até rimou). Para a nossa sexta feira eu estou trazendo uma outra produção da casa. Mais um bom registro do nosso querido João Gilberto, que com toda certeza vai fazer sucesso por aqui.
Há algum tempo atrás, conversando com um amigo espanhol, ele me contou sobre a primeira vez que o João Gilberto se apresentou na Espanha. Me disse que um amigo seu havia gravado todo show e por contingências do destino, ele foi quem acabou ficando com a fita. Uma pepita de ouro para ele. Um registro histórico guardado a sete chaves. Eu, na época dessa conversa bem que tentei convencê-lo a liberar o áudio para o Toque Musical, mas ele foi irredutível. Mas, como dizem, o que é do homem o bicho não come. Foi só esperar e eis que agora me chegou todo o material. Através de uma boa dica de um dos nossos amigos, consegui puxar pelo Torrent o comentado primeiro concerto de João Gilberto na Espanha. Acredito que este arquivo sonoro não seja o mesmo deste amigo espanhol. Provavelmente haviam outros também fazendo o ‘piratex’. O arquivo que baixei no Torrent veio com um áudio baixo, com as músicas separadas de maneira tosca, desmembradas de um áudio linear, um programa da Radio Nacional de España/Radio 3, segundo informação do texto em anexo, veiculado em 2010. Certamente, desde então, muita gente pode ter gravado este programa. E agora ele está aqui. Eu recuperei o áudio, dando um ganho substancial. Criei a arte e capinha, pois afinal a coisa aqui tem que ter uma boa apresentação. Não sei se vou agradar, mas acho que a capa ficou bonitinha.
Para uma melhor compreensão do que foi este show em Madrid, reproduzo a baixo o texto do “Anonymous”:
Show realizado em 19 de julho de 1985, João contava 54 anos de idade. Na noite anterior, portanto aos 18 de julho daquele ano, João havia executado sua mítica apresentação no festival de Montreux, que virou o primeiro disco ao vivo de sua carreira. Organizado pela prefeitura de Madrid, o show fazia parte da programação de “Los Veranos de la Villa”, onde constavam duas noites dedicadas à Bossa Nova. Na programação estavam agendados Antônio Carlos Jobim & Banda Nova para o dia 19/07 e João Gilberto para o dia 20/07. Tom já estava na Espanha, onde se apresentou no IX Festival de Jazz de Vitória-Gasteiz no dia 17/07. Contudo, João e sua equipe solicitaram à organização do evento que invertesse as datas de apresentação – muito possivelmente por motivos de saúde, uma vez que é possível perceber nessa gravação que João começava a transparecer um início de gripe, tossindo entre as canções. Com as entradas esgotadas para os dois dias, os organizadores atenderam ao pedido do artista e trocaram as datas. Assim, quem havia comprado entradas para ver Tom acabou assistindo João e vice-versa. Foram quase 1h30min de espera no sufocante verão de Madrid, e o público recebeu João “en el recinto castrense del Patio Central del Conde Duque de Madrid” com uma algazarra entre o alívio e a indignação. É possível que tenha sido seu primeiro concerto na Espanha. Vestia a mesma roupa que usara na noite anterior na Suíça (paletó cinza de padronagem xadrez, calça bege e tênis branco). Manteve praticamente o mesmo repertório e a mesma máxima potência hipnótica, ainda assim percebe-se um show sensivelmente distinto do anterior, capaz de revelar, no cotejo entre as apresentações, informações preciosas acerca do bruxo de Juazeiro. Para além das canções incluídas no disco de Montreux, podemos escutar nessa gravação de Madrid as canções “Wave”, “Chega de saudade”, “Eclipse”, “Doralice” e “Aos pés da cruz”. O destaque fica para “Você já foi à Bahia?”, escrita por Dorival Caymmi e inédita em toda a discografia oficial ou mesmo dentre as gravações piratas disponíveis na rede.
tim tim por tim tim
você já foi a bahia?
rosa morena
sem compromisso
wave
retrato em branco e preto
pra que discutir com madame
desafinado
chega de saudade
garota de ipanema
o pato
eclipse
adeus américa
a felicidade
estate
isto aqui o que é
doralice
menino do rio
aos pés da cruz
preconceito
aquarela do brasil
.

Rita Lee & Tutti Frutti – Ao Vivo No Teatro Zaccaro SP 1976 (2014)

Olá, amigos cultos e ocultos! Estou tendo uma semana cheia de novidades, porém me falta o tempo necessário para encantar vocês. Nesta semana eu espero ainda apresentar aqui pelo menos duas curiosidades, ao estilo do Toque Musical. Ou melhor dizendo, duas produções exclusivas da casa 😉
Eis aqui a primeira, Rita Lee e sua banda Tutti Frutti em show realizado no Teatro Zaccaro, em Sampa, no ano de 1976. Um ano conturbado para a cantora, quando então enfrentou entre outras uma prisão por porte de maconha. Foi o ano também de lançamento do álbum “Entradas & Bandeiras”. Este show, me parece, foi o último com a banda. Ela depois partiria para uma carreira, digamos, mais solo e pop. O presente registro não é nenhuma coisa muito rara, podendo até ser encontrado no Youtube. Aqui, eu trago para vocês o show todo editado e no formato que a gente gosta, de um autêntico disco. A qualidade do som é razoável, vale mais pelo seu lado histórico. Além de tocar o repertório de “Entradas & Bandeiras”, ela ainda incrementa o show com clássicos dos Stones, Emerson Lake & Palmer, Rick Derringer e até o “Para Lennon e McCartney” de Milton Nascimento.

bruxa amarela
from the beginning
2001
com a boca no mundo (tico tico)
rock and roll hoochie koo
arrombou a festa
superstafa
para lennon e mccartney
corista de rock
posso contar comigo
drift away
esse tal de roque enrow
coisas da vida
superstafa bis
brown sugar
.

Tarancón – Ao Vivo No Villaggio Café 2009 (2013)

Olá amigos cultos e ocultos! Carnaval acabou, vamos retornando à realidade, trocando as máscaras e fantasias. 2013 nos espera. Ainda há muito o que rolar por aí, inclusive os discos do Toque Musical. Este é o primeiro post do ano para as nossas produções exclusiva. Vamos com um registro de show do grupo Tarancón realizado em 2009 no bar Villaggio Café, em São Paulo. Esta gravação me foi enviada pelo amigo Daniel Vergueiro há mais de uns três anos. Não fosse eu buscar em meus arquivos os discos do Tarancón para reposição de novos links, nem lembraria desta gravação. Daniel, demorou, mas chegou! Com direito a capa e contracapa 😉

 

Projeto Pixinguinha – Coletânea Especial Do Toque Musical (2012)


Boa noite, amigos cultos, cultos e associados! Chegamos à mais um sábado de coletâneas. Aleluia! Para o dia de hoje eu estou trazendo um seleção de alguns registros ao vivo, do memorável “Projeto Pixinguinha”, ainda em suas primeiras edições. Este famoso projeto musical foi, de uma certa forma, idealizado (ou viabilizado) por Hermínio Bello de Carvalho, então vice presidente da Sombras (Sociedade Musical Brasileira). Inspirado na série “Seis e Meia”, de shows, com ingressos a preços populares, que acontecia no Teatro João Caetano (RJ), em 1976. O Projeto nasceu em 1977, reunindo diversos artistas da MPB. Eram colocados num mesmo espetáculo dois ou três nomes, iniciantes e veteranos. Uma ‘dobradinha’ musical de sucesso que fez história e mereceu novas edições. Bom, mas essa história quem conta em detalhes é o site da Funarte, o “Brasil Memóra das Artes”, que busca digitalizar um acervo de imagens, áudios e vídeos preciosíssimo e que para a nossa felicidade está totalmente disponível. Uma iniciativa super bacana que merece ser explorada. Dentro desta ‘exploração’, eu tomei o trabalho de extrair todos os áudios, as gravações do Projeto Pixinguinha. Que coisa fascinante, passei o dia de hoje só por conta disso. Minha ideia inicial não era a de copiar esses arquivos, mas vendo a dificuldade de muitos em acessar os arquivos através de uma conexão ‘meia boca banda larga’, achei que seria uma boa copilar tudo, criando assim alguns ‘disquinhos virtuais’, típicos aqui do Toque Musical. Agora todos podem ter realmente acesso às gravações, sem necessariamente depender de uma conexão contínua, que muitas vezes sofre interrupções (é um saco isso). Por outro lado, espero estar também ajudando a divulgar esse maravilhoso site de cultura. Pretendo ir, ao longo do tempo, apresentando aqui as diversas gravações, em edições como esta. Teremos, em produções exclusivas, as gravações dos shows, editadas e remixadas, com capinhas atraentes (como se precisasse) que irão certamente agradar a todos no GTM.

Neste primeiro momento, eu fiz um apanhado de arquivos avulsos, extraídos de diferentes shows e artistas, apenas para ‘molhar o bico’ 😉 Espero que vocês gostem…
poema da rosa – jards macalé
na subida do morro – moreira da silva
pérola negra – luiz melodia
rita baiana – zezé motta
tão fácil – marina lima
pedaço de canção – moraes moreira
tamba tajá – maria lúcia godoy e miguel proença
valsa da dor – miguel proença
trenzinho caipira – viva voz
sabiá – maria lúcia godoy, miguel proença e viva voz
carinhoso – maria lúcia godoy
denge / oxum – zezé motta e johnny alf

Nelson Faria, Nico Assumpção E Lincoln Cheib – Trio (2000)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Chegamos a mais uma sexta feira independente e para variar, em todos os sentidos, eu estou trazendo aqui um registro da boa música instrumental. Uma gravação que me caiu nas mãos graças aos bons amigos, que sabem bem aquilo que condiz com o perfil do blog Toque Musical. Valeu Pampani!

Embora eu tenha fugido um pouco da proposta musical que se seguiu pela semana, o que trago agora, sem comparações, é também de tirar o chapéu. Música de qualidade, instrumental e contemporânea. Tenho certeza que quem tem bons ouvidos para escutar os grandes do passado, também sabe apreciar a música dos grandes do presente.
Trago para vocês, com exclusividade, mais um ‘bootleg’ especial, com direito a capinha e tudo mais 🙂 Vamos encontrar neste registro, três grandes músicos, instrumentistas disputadíssimo pelo alto nível de suas performaces. Começamos pelo mineiro, guitarrista (e também fotógrafo!) Nelson Faria. O cara é um fera, já tocou com Deus e o mundo e continua mandando bala, tem uma dezena de discos solos gravados (incluindo este agora, hehehe…) e participação em outros de diferentes artistas. Pelo que eu li em seu site, Nelson tem atuado como professor convidado em duas universidades européias. Seu último trabalho foi um cd gravado ao vivo na Alemanha com a Hr-Bigband (Frankfurt Radio Bigband) e participação do baixista Ney Conceição e o baterista Kiko Freitas. Outro mineiro, também super requisitado, é o baterista Lincoln Cheib, que toca na banda do Milton Nascimento, filho de Dirceu Cheib, do Estúdio Bemol. Lincoln vem se despontando com um dos maiores bateristas da atualidade. Também tem uma atuação acadêmica, como professor convidado na Escola de Música da UFMG. Finalmente, temos outra fera, o saudoso baixista Nico Assumpção, este, agora toca mais para Deus do que para o mundo, mas foi um dos nossos maiores contrabaixistas, também com um currículo invejável. Infelizmente, ele se foi prematuramente. Uma grande perda para a Música Brasileira.
Juntos, em um show realizado em 17 de janeiro de 2000, na Casa de Cultura Estácio de Sá (RJ), os três músicos ‘barbarizam’, mostram uma sintonia que faz a gente ficar de boca (e ouvidos) bem abertos. Foi nesse encontro, nesse show, para um público seleto, que nasceu a ideia da produção de um cd, o “Três/Three”. Algumas das músicas apresentadas nesta gravação vieram a fazer parte do cd, lançado no final de 2000.
É interessante observar a interação dos músicos e principalmente a atuação do Nico, que toca como nunca, talvez prevendo ali seu último momento. É impressionante e comovente. Vocês precisam ouvir isso!
quartet
o barquinho
vento
modinha para juliana
buxixo
paca tatú
vera cruz
quartet (bis)

Milton Nascimento, Herbie Hancock, Wayne Shorter, Stanley Clarke & Robertinho Silva – Select Live Special Session (2012)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Olha aí que belo toque musical eu tenho hoje para vocês. Por esta ninguém esperava (e nem eu!). Mais um presentinho do nosso amigo Chris Rousseau, o qual ele foi buscar na mesma ‘fonte sueca’ de onde veio o polêmico “João Gilberto na casa de Chico Pereira”. Chegou ainda nesta semana e eu, logo de cara, fui ouvir. Que maravilha, nem sabia dessas travessuras do Bituca. Acredito que para a maioria também deve ser novidade essa gravação, que traz o encontro de Milton Nascimento com três feras do jazz americano, os conceituadíssimos Herbie Hancock, Stanley Clarke e Wayne Shorter. Esse momento glorioso aconteceu há mais de 20 anos atrás em um megashow em Tokyo, Japão. Pelo pouco de informações que eu encontrei na rede, trata-se de um festival, o “Live Under The Sky Festival”, onde se apresentaram, além dos já citados, outros grandes, como Marcus Miller, Omar Hakim, Joe Sample, Everette Harp & La La Hathaway e Orchestre Nacional de Jazz.

Encontrei um site inglês vendendo o DVD com o Festival completo. Nele podemos ler a lista de artistas e as músicas executadas por cada um. Infelizmente só fui perceber isso depois que criei o encarte exclusivo para a postagem. Ao que parece, apenas nas músicas “Don Quixote” e “Milagre dos Peixes” há a participação dos astros internacionais ao lado de Milton. Porém, nas demais músicas percebemos a presença de teclados, cordas e sopros, que eu acho serem os gringos. Não posso também deixar de citar outra fera, o baterista Robertinho Silva, presente em todas as músicas do show. Embora tenhamos a participação estrelar dos músicos estrangeiros, podemos dizer que se isso fosse um disco, seria mesmo do Bituca, afinal, todas as músicas são do seu repertório, que por sinal ficaram ótimas! Vamos conferir?
txai
yauaretê
nós
coisas da vida
bola de meia, bola de gude
no bailes da vida
das sombras
milagre dos peixes
don quixote
parte final – apresentação – instrumental
milagre dos peixes (bonus)

Caetano Veloso – Ao Vivo Em Santo Amaro 1987 (2011) REPOST

Bom dia a todos! Acabei de acordar e nem café eu ainda tomei. Vim direto para o computador preparar logo a minha postagem diária, antes que eu acabe caindo na enrolação, deixando tudo para o fim de noite. Não gosto não. Fico esgotado e acabo comprometendo o ritmo e a qualidade das postagens.
Hoje eu tenho para vocês um ‘bootleg’ interessante, Caetano Veloso ao violão, cantando em praça pública em sua cidade natal, Santo Amaro da Purificação, Bahia. A gravação, possivelmente extraída da mesa de som, foi feita em 1987. Não sei de detalhes sobre ela, mas pela que podemos ouvir, encontramos um Caetano muito a vontade, só ele e o violão, despreocupado até com a interpretação. Afinal ele não imaginaria que um dia esse registro ecoasse além das fronteiras do seu quintal. Não se trata de algo especial ou excepcional, mas é acima de tudo, Caetano Veloso. E eu gosto muito desse cara, podem crer!
Esta gravação me foi enviada pelo amigo Sergio Delfino há algumas semanas atrás. Estou postando agora, depois de ter dado um ‘trato’ no som e composto a tradicional capinha. Embora não seja um disco, como todos sabem, aqui no Toque Musical, coisas como essa, acabam virando edições exclusivas. Muitos já consideram o TM como uma editora de ‘bootlegs’. Mas é bom lembrar que aqui a coisa é feita com o sentido único de ser cultural. Por amor. Minhas ‘produções’ não são para vendas ou comércio de qualquer espécie. Minha intenção é compartilhar cultura, discussões musicais e preservação da produção fonográfica brasileira (principalmente aquela que vem se perdendo com o tempo e pela falta de interesse das gravadoras). Gosto também dessas gravações ao vivo. É quando a gente tem o artista ‘in natura’. Gosto disso…

menino deus
london, london
olhar 43
terra
fado – vaca profana
luz do sol
totalmente demais
sonhos
milagres do povo
cajuína – um índio
nosso estranho amor

João Gilberto – Mais Vivo – Coletânea Comemorativa 80 Anos (2011)

Olá, moçada culta e oculta. Há pouco mais de meia hora, ontem, foi aniversário do grande Jão, que um dia foi Joãozinho de Juazeiro e dos amigos próximos como Tom e Vinícius. Joãozinho que virou João Gilberto, a lenda viva. Se vocês pensaram que eu me esqueci desta data, não se enganaram, esqueci mesmo. Porém, esta postagem no início da madrugada está sendo estratégica e providencial. Ainda nos próximos dias irão repercutir notícias sobre os 80 anos de João Gilberto. Daí, estamos na ordem do dia 🙂
Como o nosso sábado tem sido dedicado às coletâneas, esta veio bem a calhar. Selecionei 14 momentos de apresentações ao vivo que João fez no Brasil e exterior. Não há nada de muito raro ou extraordinário nessas gravações além do que são, registros extraídos de shows, alguns, inclusive, até podem ser visto no Youtube. Mesmo assim, uma seleção caprichada como esta, não se encontra fácil por aí. Além dos belos momentos musicais, tem também a produção visual de capa, feita, modéstia a parte, pelo ‘papai’ aqui – que procura assim agregar os valores e, espero, despertar o interesse de vocês 😉
Ao João Gilberto, minhas saudações! Desejo a ele muita paz, saúde e serenidade. Obrigado por estar vivo!

carinhoso
aquarela do brasil
guacira
louco
ronda
estate
desafinado
eu vim da bahia
garota de ipanema
vou te contar (wave)
retrato em branco e preto
corcovado
triste
morena boca de ouro
PS.: VAI LÁ EM CASA OUVIR ESTE DISCO, EU FAÇO UMA CÓPIA PARA VOCÊ!

Bossa Pelo Mundo – Volume 2 (2011)

Olá, amigos cultos e ocultos. Mais uma vez encima da hora vamos chegando, nos últimos trinta minutos do sábado. Meu dia foi meio tumultuado, daí só agora é que estou podendo colocar a casa em ordem.
Embora eu tenha aqui algumas coletâneas enviadas por amigos, vou hoje publicar mais uma do Toque Musical. Temos aqui um segundo volume da seleção especial TM, “A Bossa pelo mundo”. Neste novo volume, quem gosta de bossa e de jazz, não vai se arrepender. Seleção fina para gosto sofisticado. São vinte músicas, conhecidas por ‘bossa nova’, interpretadas aqui por um variado leque de músicos internacionais. Deliciosamente bom de se ouvir 😉 Não deixem de conferir…

the girl from ipanema – art heatlie
águas de março – cassandra wilson
o amor e a rosa – lalo schifrin
she’s a carioca – eden atwood
água de beber – ealena jones
canto de ossanha – les baxter
samba do avião – bud shank
quiet nights – jack parnell
céu e mar – lalo schifrin
manhã de carnaval – ducan lamont
samba de orfeu – phil bodner
agua de beber – art heatlie
chovendo na roseira – hamleto stamato trio
o pato – charlie byrd trio
insensatez – lee konitz & the brazilian band
manhã de carnaval – lee konitz & the brazilian band
desafinado – the big sound of chaquito
o barquinho – dick hyman
vou te contar – franco d’andrea new quartet
coisa mais linda – charlie byrd

Samba Gastronome – Coletânea (2011)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui estamos nós nesta noite de sábado com mais uma boa coletânea, selecionada pelo amigo Thierry, do blog Bossa Nova Brasil. Ele nos enviou um repertório de músicas que de alguma maneira falam de comida e sabores. Como ele mesmo disse, trata-se de um seleção eclética. Realmente seria, não fosse o fato de que duas outras músicas escolhidas por ele deram problema na hora de descompactar. Justamente as duas que mais destoavam, fazendo valer o ecletismo, foram então substituídas pela “Linha de passe”, do João Bosco e “Tô voltando”,  de Paulo César Pinheiro e Maurício Tapajós. Há também no grupo outras duas músicas que não são brasileiras – “Batucada Feijoada”, trilha de Vladimir Cosma para o filme “Le retour du grand blond” e “Les mains d’une femme dans la farine”, com Claude Nougaro – dão ao nosso ‘disco virtual’ o tempero que faltava. A ‘embalagem’, eu procurei fazer, seguindo o estilo de um cardápio. Vamos conferir as opções? 🙂

café com pão – paula morelenbaum e joão donato
sereia – nouvelle cuisine 
paz e arroz – jorge ben
doce de côco – yamandú costa e dominguinhos
plantei vagem deu feijão – copa 7
vatapá – rosa passos
a faca e o queijo – gilberto gil
batucada feijoada – vladimir cosma
saco de feijão – beth carvalho
café soçaite – cyro monteiro e jorge veiga
o feijão da dona neném – zeca pagodinho
home cooking – sérgio mendes
tô voltando – simone
linha de passe – joão bosco
les mains d’une femme dans la farine – claude nougaro

Canções De Dalto & Cláudio Rabello (2011)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Porque hoje é sábado, vamos de coletâneas. Sei que já tem muita gente por aqui que gosta uma boa seleção musical, seja ela variada, mista ou mesmo uma antologia de algum artista. Eu também adoro, pois sempre encontro alguma música/gravação rara, ou ainda aquela que faltava. Sem falar no fato de que uma seleção, presume-se, traz sempre o melhor.
Hoje vamos com uma seleção musical reunindo as canções de Dalto e seu mais tradicional parceiro, Cláudio Rabello. Esta coletânea foi enviada pelo amigo Tito, autor do estreante blog Sucos de Sulcos. Ele coletou 24 músicas, interpretadas por diversos artistas da MPB, praticamente quase todas foram sucessos nas rádios.
Para tal coletânea eu criei essa capinha, aproveitando uma imagem de ‘desktop’ que tinha no meu computador. Fiz umas adaptações e captei pela antenas da barata, escondida atrás do televisor, a imagem do Dalto (muito estranho!). Taí a postagem do dia… porque hoje é sábado! 😉

cabine classe a – os lobos
pasta dental sabor chicletes – os lobos
fanny – os lobos
leila ly – dalto
flash back – dalto
a garota do sorriso de marshmellow – trio ternura
uma sombra na estrada – trio ternura
relax – dalto
bem te vi – renato terra
o dia seguinte – dalto
leão ferido – biafra
espelhos d’agua – beto guedes
calor humano – beto guedes e dalto
me queira bem – dalto
amoroso – tunai
pessoa – marina lima
véu nos olhos – marina lima e dalto
não me deixe mal – zizi possi
fecha a porta – erasmo carlos
vinho antigo – biafra
quero – the fevers
muito estranho – dalto
quase não dá para ser feliz – dalto

Tim Maia – Coletânea Especial TM (2011)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! Aqui vou eu com mais uma da minhas coletâneas, enquanto aguardo os convidados que também estão preparando um presentinho aqui para nós. Não sei que cheguei a comentar, mas estou convidando alguns amigos blogueiros para apresentarem aqui suas coletâneas. Me inspirei na ideia do Milan Filipovic, em seu blog Parallel Realities Studio, que também convida os amigos para fazerem coletâneas. Por sinal, ele também é um dos convidados e em breve deve mandar a sua seleção aqui para o Toque Musical. Esses convites eu tenho feito aos poucos, para não chegar tudo de uma vez só, afinal essas postagens aconterão sempre nos sábados. Temos muitas semanas, muitos outros blogs parceiros e gradualmente ele irão entrando, ok? Achei essa ideia ótima, pois cria um maior intercâmbio entre nós.

Segue aqui, então, a coletânea da semana, Tim Maia! Quem não gosta? Bom demais, né não?
Selecionei o equivalente a um disco duplo, 24 músicas das que eu mais gosto do Tim. Fiz também a capinha, pois sem encarte é duro de roer. Espero que esteja no agrado 😉
dance enquanto é tempo
o caminho do bem
rodésia
canário do rei
eu amo você
guiné bissau, moçambique e angola racional
o que importa
azul da cor do mar
sofre
batata frita, o ladrão de bicicleta
ela partiu
não vou ficar
rational culture
ride twist and roll
the dance is over
let’s have a ball tonight
where is my other half
over again
brother, father, sister and mother
i don’t care
to fall in love
nobody can live for ever
jurema

Coletânea Compactos Do Toque Musical – Volume 1 (2011)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu me atrasei devido a falta de energia elétrica durante a tarde. Caiu um pé dágua por aqui, um verdadeiro vendaval. O meu computador apagou justo na hora em que eu preparava uma capinha para a coletânea de hoje. Perdi tudo o que já tinha feito, daí resolvi criar outra totalmente diferente. Para um trabalho de 10 minutos até que não ficou tão mal assim, não é mesmo? Mas o que vai agradar mesmo é o conteúdo dessa minha seleção. Reuni aqui alguns compactos da melhor qualidade. Como vocês podem ver, a coletânea traz também algumas raridades, como é comum em disquinhos compactos. Temos, por exemplo um compacto duplo do Caetano Veloso, gravado em Londres, em 1971. Este disco é realmente ótimo e raro. Caetano gravou essas músicas, com certeza, pensando no carnaval que viria, de 1972. Temos ele aqui acompanhado por Jards Macalé, Moacir Albuquerque, Tutti Moreno e Áureo de Souza. O mesmo time que o acompanhou no álbum “Transa”. No embalo do baiano, vamos também com as músicas um compacto de 1978, trazendo duas músicas, trilhas dos filmes “Na boca do mundo” e “A dama do lotação”. Outros compactos interessantes são os de Chico Buarque, de 1967. Taiguara 1970, Abilio Manoel de 73, Gonzaguinha de 70 e 72, Ivan Lins em seu primeiro sucesso, MPB 4 e Quarteto em Cy. Todos da melhor safra, reunidos aqui como daquela outra vez. Compactos sempre fazem sucesso.

Xiii… O temporal voltou, com raios e trovoadas. Deixa eu finalizar a resenha, vamos direto à lista…
chuva suor e cerveja – caetano veloso
a televisão – chico buarque
carolina – chico buarque
salto de sapato – caetano veloso
la barca – caetano veloso
partido alto – mpb4
roda viva – chico buarque
badalação – mpb4
barão beleza – caetano veloso
expresso 2222 – mpb4
qual é a baiana? – caetano veloso
última forma – mpb4
um chorinho – chico buarque
amaralinda – quarteto em cy
bom dia, amigo – abilio manoel
um abraço terno em você, viu mãe? – gonzaguinha
hoje – taiguara
o amor é o meu país – ivan lins
pedro pedreiro – quarteto em cy
se eu fosse rei – abilio manoel
tributo à jacob do bandolim – taiguara
um sorriso nos lábios – gonzaguinha
pecado original – caetano veloso
você merece – gonzaguinha
amado amante – caetano veloso

O Brasil Pelo Mundo – Coletânea Internacional Do Toque Musical (2011)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aqui vai um seleção musical bem interessante, reunindo grandes nomes da música internacional, como podemos ver logo de cara, interpretando a música popular brasileira. São os chamados ‘temas recorrentes’, dos artistas internacionais, bastante divulgados na rede, principalmente nos blog. Achei de reunir esses artistas porque dificilmente veremos (e ouviremos) juntos isso em um disco convencional. Procurei na ficar focado apenas na Bossa Nova. Aqui temos outros sambas que também viraram jazz. Com certeza essa seleção irá agradar ao público do Toque Musical.

Se sobrar tempo, ainda hoje teremos mais uma postagem exclusiva. Fiquem antenados… 😉
.
amor em paz – gilberto puente
bahia – arthur lyman
bolinha de papel – john hendrick
brasil – herbie mann
brigas nunca mais – vincent herring
carinhoso – alfredo urdiain
céu e mar – eddie harris
deixa – sacha distel
bahia – enoch light
estrada branca – rita reys
eu sei que vou te amar – vincent herring
insensatez – richard groove holmes
mas que nada – gilberto puente
me faz recordar – herbie man
não tenho lágrimas – nat king cole
ninguém me ama – nat king cole
o pato – john hendrick
samba de orfeu – pat thomas
você abusou – sacha distel
aquarela do brasil – arthur whittemore and jack lowe

Coletânea Aum Soham – Brasil 68-75 (2011)

Hoje, sábado, vamos nos dedicar às coletâneas! Temos aqui uma feita pelo meu amigo, o artista multimídia Aum Soham, trazendo para nós uma seleção, que segundo ele, foi a trilha de um bom momento em sua vida. Com certeza, as músicas reunidas aqui fizeram e fazem o momento de muita gente, inclusive o meu.

top top – mutantes
refazenda – gilberto gil
atrás do trio elétrico – caetano veloso
baioque – maria bethania
lingua do p – gal costa
ponta de areia – elis regina
carlos, lucia, chico e tiago – milton nascimento
paisagem da janela – lô borges
me deixa em paz – alaide costa e milton nascimento
a tua presença morena – maria bethania
paisagem inútil – caetano veloso
o rouxinol – gilberto gil
mora na filosofia – caetano veloso
passarinho – gal costa
magrelinha – luiz melodia
os povos – milton nascimento
caça a raposa – elis regina
maldição – maria bethania
dom quixote – mutantes
fuga número dois dos mutantes – mutantes
baby – mutantes

Toninho Horta – Ao Vivo Em Moscou (1992)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Hoje, para variar, eu acordei tarde. Dormi como uma pedra até as 10 da manhã. Tudo que eu havia planejado no sábado deu errado, inclusive a postagem. Só agora eu estou percebendo que não cheguei a publicá-la. Sinto muito, mas imprevistos acontecem, mesmo para um cara prevenido como eu. No caso aqui não foi só falta de atenção, esta foi apenas uma consequência. No sábado, a bruxa por aqui esteve solta. Nem a folia de pré carnaval, com Banda Mole e tudo mais conseguiram dar jeito no meu astral. Fui dormir as oito da noite e nem lembrei de blog. Mas hoje eu voltei com força total.
Estou trazendo para os amigos mais um albinho ‘made in TM’. Há poucos dias atrás o ‘brother’ Chris Rousseau me enviou vários arquivos interessantes, entre eles uma seleção que ele fez de Toninho Horta, extraída de uma caixa com três cds, o álbum triplo e internacional “Mockba MCMXCII – Live in Moscow”. Trata-se de uma edição que reúne apresentações ao vivo de grandes nomes do jazz moderno, como Airto Moreira & Fourth World, Eddie Gómez Trio, Igor Butman Quartet, Willian Galison e o nosso Toninho Horta e seu grupo, realizadas na cidade russa em 1999. Segundo informações colhidas no site do artista, este é um cd raro, difícil de achar até na Rússia. Tem neguinho aí vendendo a caixa com os três cds por 400 reais, pode? (até que se fosse um álbum em vinil eu aceitaria este preço). Vinil, para mim, é objeto. CD é quase dejeto.

era só começo o nosso fim
eternal youth (manoel o audaz)
no carnaval
aqui, oh!
paris cafe
waiting for angela
aquelas coisas todas
once i loved
serenade
vento

Bossa Pelo Mundo – Seleção Toque Musical (2011)

Quando eu era adolescente, tinha por hábito gravar fitas cassetes, fazendo seleções musicais para ouvir no meu ‘walkman’ e consequentemente fazia também para os amigos. Não havia um que não ficasse encantado com as minhas coletâneas. Na época eram mais de rock e pop, mas havia também espaço para a MPB. Eu gostava tanto de selecionar as músicas com também de compor as capinhas para essas fitas. Naquela época eu nem imaginava que um dia chegaríamos onde estamos. Hoje tenho todas as ferramentas necessárias para isso, com a vantagem de fazer ainda mais bem feito e com qualidade. Por várias vezes pensei em fazer um blog só para coletâneas. Modéstia a parte, eu acho que sou muito bom como programador musical, mais ainda se deixarem a escolha totalmente por minha conta (hehehe…). Mas a verdade é que eu não tenho aproveitado essa ideia como poderia. De vez em quando, se sobra um tempinho (ou melhor, um tempão), eu até faço.
Ontem à noite eu fiquei bem por conta do ‘atoa’. Ouvindo alguns discos de jazz e bossa, surgiu a ideia de uma seleção internacional de intérpretes da música brasileira. Criei duas coletâneas com os discos/arquivos que tinha disponível no momento, uma exclusivamente de Bossa Nova e a outra um pouco mais variada, que se for do gosto da freguesia, entra numa próxima oportunidade.
A seleção musical de “A Bossa Pelo Mundo” reúne uma série, extraídas de excelentes álbuns e artistas internacionais. Figuras como Quincy Jones, Les Baxter, Enoch Light, Stan Getz, Clare Fischer, Cal Tjader, Esquivel e outras tantas pérolas da boa música estrangeira, fazem parte desta minha coletânea exclusiva. Além de serem ótimas interpretações, com arranjos dos mais variados, são também gravações raras, que aguçam o nosso interesse em ouvir. Conhecer a visão do estrangeiro sobre a nossa maior cultura, a música, é também uma forma de entender como eles nos enxergam. É entender sem muitas explicações o porquê nossa música faz tanto sucesso pelo mundo. Espero que os amigos cultos e ocultos gostem da coletânea. A capinha não ficou lá essas coisas, pois foi a última parte do trabalho e nessa altura eu já estava com os olhos marejados de sono e a cabeça em outro mundo. De todo, acho que está apresentável, muito embora mais pareça capa de disco dos anos 80. Fiquem à vontade para criticar. Todo comentário é bem vindo se vem para somar. 😉

água de beber – esquivel
bim bom – stan getz
chega de saudade – paul winter sextet
corcovado – harry allen
desafinado – quincy jones
ela é carioca – stanley turrentine
a felicidade – les baxter
garota de ipanema – clare fischer
manhã de carnaval – quincy jones
maria ninguém – paul winter
meditação – alfredo urdian
minha saudade – herbie mann
não diga nada – cal tjader
noite triste – stan getz
o barquinho – enoch light
samba de uma nota só – enoch light
samba do avião – stanley turrentine
samba para dois – eddie harris
se é tarde me perdoa – cal tjader
só danço samba – clare fischer
surfboard – esquivel
vivo sonhando – los gamma

Orquestra Continental De Jaú – Ao Vivo Nas Rádios Nacional E Mayrink Veiga (1958 e 59)

Como eu havia dito anteriormente, ainda temos os bônus. O baile ainda não acabou, vejam vocês… Procurando algumas informações complementares sobre a Orquestra Continental de Jaú, fui descobrir que os dois discos gravados naquela época foram relançados em formato digital, numa coletânea publicada em cd em 1996.

Por iniciativa de um dos músicos e arranjadores da Orquestra, o pianista Antonio Charles Rodrigues, foi criado também um site, contando toda a história e a trajetória desta excelente ‘big band’ do interior paulista. Para a alegria de todos nós, curiosos e amantes da boa música, no site tem disponibilizados, em mp3, o cd coletânea “Baile de Gala”. O disco não traz todas as faixas dos
dois álbuns, mesmo assim essas também podem ser baixadas na relação dos ‘extras’. Há também, o que eu achei ainda mais interessante, registros raros da Orquestra ao vivo, feitos nos anos de 1958 e 59, quando o grupo, liderado pelo seu maestro Waldomiro de Oliveira esteve no Rio de Janeiro se apresentando em programas da Rádio Nacional e Mayrink Veiga. Tomei a liberdade de reunir tudo, criando capinhas personalizadas para esta postagem. São momentos muito interessantes que vale a pena conhecer ou relembrar. Para efeito complementar, segue a baixo um texto, extraído do próprio site, contando resumidamente a história da Orquestra Continental. Não deixem porém de visitar o site e conhecer melhor esse ‘espírito musical’.
A mais famosa orquestra de danças do interior paulista apresentou-se em quase todos os clubes, estâncias hidrominerais e hotéis importantes, nos seus principais bailes de gala – formaturas, coroação de misses, desfiles de moda, comemorações e aniversários de cidades. O som da Orquestra Continental de Jaú, época romântica nos “anos dourados”, inspirou muitos casamentos. Era conjunto moderno, formado por 19 músicos-professores, instituído pelo sistema de cooperativa, onde cada componente era sócio, como as existentes nos Estados Unidos. Teve como exemplos as orquestras dos saudosos Glenn Miller, Tommy Dorsey e as de Ray Anthony, Les Brown, Les Elgart. Os equipamentos, de poucos recursos técnicos, e até o ônibus pertenciam ao grupo. Os críticos especializados exaltavam como uma das melhores, mais bem organizadas e duradouras (26 anos) orquestras do Brasil. Em 1956, atingiu o auge da atividade ao abrilhantar 110 bailes. Entre dezembro daquele ano e janeiro de 1957, bateu o próprio recorde abrilhantando 34 bailes de formatura, quando executou cerca de 250 músicas por noite. Os contratos desses bailes eram firmados com antecedência de até um ano. A Orquestra apresentou-se em mais de 300 cidades de seis estados: São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro. Ganhando fama, a Continental participou de shows nos programas das rádios Nacional (na época, a catedral da música popular brasileira) e Mayrink Veiga (Rio), na TV Tupi (Rio e SP) e boates. Suas gravações fizeram muito sucesso no Brasil e no exterior. Em diversas cidades, cantores famosos na época foram acompanhados pela Orquestra Continental de Jaú, tais como: Jamelão, Lúcio Alves, Elza Soares, Maysa, Ivon Cury, Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves, Altemar Dutra, Dóris Monteiro, Miltinho, Marta Mendonça, Anízio Silva, Francisco Alves, Agnaldo Rayol, Ângela Maria, Hebe Camargo, Inezita Barroso, Marlene, Blecaute e os internacionais Gregório Barrios, Pedro Savedra, Lolita Rios, Lilian Roy e Chiquito. Em duas décadas de existência, dezenas de músicos profissionais tocaram na orquestra. Destacamos os componentes que participaram das gravações no Rio de Janeiro. Saxofones: Domingos, Joaquim, João, Milton e Romeu. Trompetes: Carmelo, Luiz, Danilo e Ariovaldo (Tite). Trombones: João, Jesus e Firmo. Tuba: João Antonio. Piano: Charles. Violão: Alceu e Lima. Guitarra havaiana: José Lima. Contrabaixo: Giácomo. Bateria e bongô: Geraldo e Rubens.
Arranjadores que participaram dessas gravações. Do Rio de Janeiro: Aldo Taranto, Vadico (Oswaldo Gagliano), José Moutra e Astor. Arranjadores exclusivos da orquestra: os trompetistas Luiz, Tite e Danilo, o pianista Charles, o guitarrista Lima e o saxofonista Romeu.
Regência: maestro e “crooner” Antonio Waldomiro de Oliveira, que, pelo idealismo, perseverança e destacada atuação nos movimentos musicais da cidade, foi responsável por mais esse trabalho. Supervisionou todos os passos da produção e financiou com recursos próprios a edição deste CD, lançado no final do semestre de 1996.
02 e 03 de fevereiro de 1958 – rádios nacional e mayrink veiga do rio de janeiro
rádio nacional – programa “papel carbono” 1959

Luiz Gonzaga Instrumental – Gravações Na Década De 40 Volumes 1 e 2 (2011)

Chegamos, enfim, na sexta feira! Já comecei a fazer as minhas malas. Amanhã eu quero já estar cedinho com o pé na estrada. Levo comigo toda a parafernália necessária para (tentar) manter o ritmo diário das postagens. De qualquer forma, não vou garantir nada. Vamos deixar rolar, ok?
Para a nossa sexta independente eu preparei uma coletânea gorda e especial. Como podemos ver no encarte exclusivo, criado para dar forma a essas gravações, temos um Luiz Gonzaga inteiramente instrumental. Trata-se de gravações diversas feitas por ele na década de 40. Procurei reunir material lançado em discos de 78 rpm e também gravações realizadas por ele em programas de rádio. Temos aqui mais de 50 músicas! O que daria um belo box, com pelo menos uns três discos. Mas para a minha edição, eu preferi criar apenas dois volumes. O primeiro compreende os anos de 41 a 43, o segundo vai de 43 a 45. Ao ouvirmos esses registros fica mais fácil entender o porquê do Baião fazer tanto sucesso. Sem dúvida, é um ritmo contagiante, que se contrasta de forma relevante com a música popular produzida naqueles tempos. Luiz Gonzaga foi mesmo o Rei. Ele está para o Baião assim como João Gilberto para a Bossa Nova. São os donos da bola, os fodas! Entre essas gravações temos coisas de espantar e mesmo com uma qualidade sofrível do registro sonoro, percebemos em muitas músicas e no jeito de tocar de Lua uma contemporaneidade e semelhança com coisas que nem são do universo da música nordestina. É certo que muitas das músicas apresentadas aqui não são, naturalmente, só em ritmo de Baião ou mesmo de autoria de Gonzaga. Elas se tornam Baião ao serem tocadas por ele. Confiram e comentem também. É sempre gratificante um retorno, seja ele para complementar, corrigir ou criticar. Fazer um blog desses e sozinho, só mesmo contanto com os amigos cultos e ocultos 🙂

Volume 1
saudades de são joão del rey
numa serenata
farolito
arrancando caroá
o chamego da guiomar
segura a polca
véspera de são joão
vira e mexe
apitando na curva
calangotango
minha guanabara
pé de serra
pisa de mansinho
sanfonando
santana
saudade de ouro preto
saudades de areal
seu januário
verônica
apanhei-te cavaquinho
araponga
destino
galo garnizé
manoelita
meu passado
Volume 2
bili bilu
caprichos do destino
o carimbó
despedida
escorregando
fazendo intriga
fuga da áfrica
luar do nordeste
subindo ao céu
madrileña
pingo namorando
recordações de alguém
wanda
xodó
última inspiração
aperreado
bolo mimoso
caxangá
sanfona dourada
zinha
dança do macaco
impertinente
mara
na hora h
passeando em paris
provocando as cordas
queixumes