Compactos – Deny e Dino (1973) – Guris E Marcio Lott (1978) – Marcos Moran (1967) – Mauricio Duboc (1979)

O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais uma leva de compactos simples, esses verdadeiros tesouros de sete polegadas. Os singles aqui reunidos foram lançados entre 1968 e 1979. O mais antigo é o do cantor Marcos Moran, lançado pela Caravelle em 1968. No lado A, temos “A viagem”, composição de João Roberto Kelly, e, no verso, “Bai bai”, de Carlos Imperial e Jorge Roberto. Com onze compactos simples, um duplo, três LPs e um CD como cantor-solo, Moran também participou de álbuns coletivos, sobretudo de sambas-enredos das escolas cariocas para o carnaval. Tanto que um deles, “Sonho de um sonho”, da Unidos de Vila Isabel, lançado para a folia de 1980, é até hoje obrigatório nos shows do cantor. Formada por José Rodrigues da Silva e Décio Scarpelli, ambos paulistas de Santos, a dupla Deny e Dino explodiu no cenário musical brasileiro nos tempos da Jovem Guarda, lançando hits do porte de “Coruja”, “O ciúme”, “Eu só quero ver”, “Eu não me importo” e “Meu pranto a deslizar”. Gravaram mais de 30 compactos e dez LPs, ganhando vários discos de ouro e troféus como Chico Viola e Roquete Pinto. Suas músicas também foram bastante executadas em países da América Latina. Aqui, um single da Top Tape, lançado em 1973, apresentando no lado A “Cantem comigo”, uma composição deles próprios que teve boa aceitação na época. No verso, saiu “Você precisa se acostumar”, de Mickael (produtor desse disco) e Décio Eduardo. Com a morte do Dino original, Décio Scarpelli, em 1994, Deny passou a cantar com outro parceiro, Elliot de Souza Reis, que também assumiu o cognome Dino. Em seguida temos um curioso single da Som Livre, lançado em 1978. De um lado, o grupo Guris interpreta a célebre canção de fim de ano da Rede Globo de Televisão, “Um novo tempo”, composta em 1971 por Nélson Motta e pelos irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle, cuja gravação original foi feita naquele ano pelo elenco de artistas globais da época. No verso, o cantor Márcio Lott (Belo Horizonte, MG, 1940) interpreta um grande hit de Roberto Carlos nesse tempo, “Outra vez”, de Isolda. Esta gravação foi, inclusive, tema da novela global “Dancin’ days”, de Gilberto Braga, e só foi lançada depois do LP com a trilha sonora nacional da mesma.  Márcio participou de várias dessas trilhas, e, em 2003, fundou o grupo vocal Nós Quatro, ao lado de Célia Vaz, Fabyola Sendino e Ana Zinger, depois substituída por Clarisse Grova. Autor de várias composições de sucesso, muitas em parceria com Carlos Colla e quinze delas gravadas por Roberto Carlos, Maurício Duboc  também gravou como intérprete. Aqui, um single que lançou em 1979, pela EMI-Odeon. No lado A, uma regravação de “Pai”, de Fábio Júnior, então sucesso na voz do autor. A faixa apareceu depois no LP-coletânea “Meu velho (Pra você, meu pai)”. No lado B, de sua parceria com Carlos Colla, “Senta aí”, também no gênero romântico. Maurício também participou das trilhas das novelas “O todo poderoso”, da Bandeirantes (1980), e “Despedida de solteiro”, da Globo (1992), além do festival MPB-80 (em que apresentou “Tão minha, tão mulher”) e do álbum comemorativo dos 60 anos de carreira do compositor Sivan Castelo Neto (1984). Enfim, mais quatro raridades para a delícia de vocês que tanto prestigiam o TM. Aproveitem…

*Texto de Samuel Machado Filho

pai – maurício duboc
senta aí – maurício duboc
a viagem – marcos moran
bai bai – marcos moran
um novo tempo – guris
outra vez – marcio lott
cantem comigo – deny & dino
você precisa se acostumar – deny & dino
.

Marion Duarte (1986)

O Toque Musical hoje apresenta a seus amigos cultos,ocultos e associados, um álbum de Marion Duarte. E, acreditem se quiser, foi o primeiro disco de longa duração gravado pela cantora-compositora, embora sua carreira artística já tenha mais de 50 anos.  Nossa focalizada, cujo nome verdadeiro é Marion Pereira de Carvalho Gonçalves,  é carioca do subúrbio de Bento Ribeiro, onde nasceu no dia 18 de março de 1938. Iniciou sua carreira em 1957, atuando no programa “Valores novos”, apresentado por Marcos Alexandre na Rádio Solimões de Nova Iguaçu, Estado do Rio de Janeiro, nessa ocasião adotando o pseudônimo de Valéria Duarte. Daí seguiu se apresentando em vários outros programas radiofônicos, entre eles os de César de Alencar e Paulo Gracindo, na lendária Nacional,e no de Raymundo Nobre de Almeida, na Mayrink Veiga, neste último recebendo a faixa de Favorita da Associação de Cabos e Soldados do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Também participou da Caravana da Alegria, comandada pelo comunicador Luiz de Carvalho, então na Rádio Globo. Marion ganhou da imprensa carioca o apelido de “Maysa dos pobres”, dada a semelhança entre seus olhos verdes e os da então “musa da fossa”, tendo sido até citada pelobiógrafo Lyra Neto em um livro sobre Maysa, “Só numa multidão de amores”. Contratada pelas Emissoras Associadas, de Assis Chateaubriand  (Rádio e Televisão Tupi, Rádio Tamoio etc.), foi capa de várias revistas, entre elas a “Radiolândia”, nesta junto com o lendário “velho guerreiro”, Chacrinha. Seu primeiro disco, em 78 rpm, saiu pela Copacabana em 1958, apresentando o samba-canção “Eu sou assim”, de Lina Pesce, e o bolero “Eu acuso”, de Getúlio Macedo. Um ano depois, no segundo disco, obtém seu maior sucesso, com o samba “Triste palhaço”, de Carlos Silva e Antônio Cruz. Outro sucesso seu bastante conhecido é “Quando corre uma estrela”, samba-toada de Hílton Simões, Luiz Lemos e Antônio Correia (1961). Nessa época recebeu inúmeros prêmios,como o Troféu Revelação, da “Revista do Rádio’ (1958), o Troféu Zé da Zilda, do programa “Discoteca do Chacrinha” (1962) e o Troféu Sete Dias em Destaque, da TV Marajoara de Belém do Pará (1964). Marion Duarte tem, em sua discografia, sete discos 78 rpm com treze músicas, na Copacabana e na Continental, além de alguns compactos e participações em projetos coletivos.  E foi somente em 1986, pela Top Tape, que Marion finalmente conseguiu gravar seu primeiro álbum-solo, exatamente este que o TM ora nos oferece. Produzido pelo cantor Renato Alfaya (que também participa da faixa de encerramento do disco, “O outro”), é um trabalho primoroso, com repertório bem escolhido, no qual inclusive ponteiam composições de autoria da própria Marion, com ou sem parceiros. Destaque também para a faixa “Sou pagodeira”, maior sucesso do álbum,que teve arranjos a cargo de Luiz Antônio Porreca e Darcy da Cruz. Marion Duarte ainda gravaria mais quatro ábuns-solo após este: “Pelos caminhos” (1993), “Doce amor” (1999), “Fonte de energia” (2003), e, o mais recente,sem titulo, em 2011. Foi muito ligada ao radialista Collid Filho, que apresentou durante anos os programas ”Salão grená” e “Collidisco”, e com quem compôs alguns trabalhos. Em 2006,foi homenageada pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro, recebendo do então vereador Brizola Neto a moção pelo Dia Internacional da Mulher. Marion continua em franca atividade, com seu timbre de voz praticamente inalterado, e recebendo sempre o carinho e o aplauso do público por toda a parte.  Nada mais justo!
dono de mim
sou pagodeira
final feliz
é paixão
quero mesmo lhe dizer
mulher de verdade
jovem suicida
é tarde demais
sem dinheiro nada faço
outro
*Texto de Samuel Machado Filho
.

Le Bateau – Ao Vivo (1970)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Em nossa última postagem eu trouxe para vocês a discotecagem do “Baile da Pesada”, do Big Boy e Ademir. Para completar a onda, aqui vai mais um lançamento da Top Tape. Uma seleção musical pop internacional do DJ Ademir Lemos. Como já foi dito anteriormente, Ademir era o cara que botava fogo nas pistas de dança e na mais famosa da época, a boate Le Bateau. Este disco pretende criar a mesma atmosfera, numa sequência de hits feitas pelo Ademir, dando ao ouvinte uma ideia do que rolava de novidade naquela boate. O interessante é que muitos dos hits internacionais viravam sucesso por aqui através de coletâneas como esta, criadas e ‘aplicadas’ por figuras como o DJ Ademir Lemos e o Big Boy. As músicas chegavam antes mesmo dos discos. Inclusive, muitos desses artistas e conjuntos estrangeiros não foram lançados em lp no Brasil. Quem ditava o sucesso pop da época eram esses caras!
No álbum “Le Bateau” temos uma seleção programada na qual os produtores dividiram em Viagem 1 (lado A) e Viagem 2. Como a relação das músicas não consta na capa e contracapa, estou listando logo a baixo, porém, decidi manter o clima, sem separá-las, mantendo assim o clima, ou a linearidade da ‘onda’, ok?

come on my baby – joey levine
sweet magic – rock candy my
my baby loves lovin – joe jeffrey
what’s your game – ronnie milsap
grovin with mr. bloe – wind
tell the truth – paul flagg
slip around – charles hodges
wan-tu-wan-zuree – george tindley
movin – don young
no second thoughts – top shelf
be my baby – fragile rock valley
kool and the gang – kool and the gang
.

Big Boy & Ademir – Baile Da Pesada (1971)

Hello crazy people, cultos e ocultos! Pintou uma brecha, eu corri para cá só para trazer um disco que muita gente vai querer ouvir. Trago hoje para vocês um vinil diferente cujo o conteúdo musical nada tem a ver com a nossa proposta nacionalista. Como todos devem saber, o Toque Musical só publica a produção musical e fonográfica nacional, ou em raríssimas exceções algo internacional, desde que este tenha alguma relação, ou esteja inserido num contexto que o permita. No caso aqui, o que realmente importa não é a música em si, mas a produção e os personagens envolvidos nela. Me refiro às figuras de Big Boy e Ademir Lemos, dois lendários ‘disc-jockey’, que foram os pioneiros e precursores dos bailes funk no Rio de Janeiro. Big Boy era ainda mais conhecido devido ao fato de também ser um radialista, um verdadeiro ‘crazy boy’ do rádio, apresentando as novidades da música pop internacional. Foi muito, através dele que diferentes grupos e artistas estrangeiros passaram a ser conhecidos no Brasil. Ademir, por sua vez, era o papa das ‘pick-ups’ e fazia sucesso na boate Le Bateau. Este disco apresenta uma sequência variada de música pop, na época, lançamentos internacionais, selecionados pelos dois dj’s. Discos como este acabavam se tornando a programação musical de muitas rádios, prontos para o consumo. A produção da Top Tape é primorosa, um álbum de capa dupla, com desenhos do artista Albery. Sem dúvida, um disco interessante de ter nas mãos. Um fetiche que já não está ficando barato no Mercado Livre. Um disquinho deste em bom estado tá valendo mais de 100 pratas! Confiram no nosso GTM os ‘grilos’ 1 e 2, nomes das sequências dessa seleção pop internacional. Tá pela hora… 😉
Para esta postagem eu não irei listar as músicas e seus interpretes. Quem tiver interesse em saber, basta consultar as informações internas do álbum.

.

Carnaby Street Pop Orchestra And Choir – A Taste Of Excitement (1978)

Olá amigos cultos e ocultos! Embora eu tenha sempre uma montanha de discos e artistas a explorar nesse fantástico trabalho de arqueologia fonomusical, as vezes eu gosto de sair um pouco do tom. Ou por outra, as vezes acabo indo além, trazendo aqui coisas que aparentemente não teria nada a ver com o proposto, os discos e os artistas brasileiros. O disco de hoje é um caso extra, não é um criação de nossos artistas, mas traz diversos elementos relacionados ao contexto fonográfico nacional e suas curiosidades. Começando pela gravadora, o selo Top Tape que sempre primou pela ‘internacionalização’ da música pop no Brasil, criando e lançando seus diferentes discos/artistas com pinta de estrangeiros. Essa é uma história já bem conhecida e até comentada aqui em outras postagens. Daí, tudo que vem da Top Tape é sempre bom verificar com atenção. “A Taste Of Excitement” é um bom exemplo da maluquices aprontadas pela gravadora. Um álbum re-produzido pela gravadora, bem ao estilo de suas outras produções. Este álbum saiu em 1978, praticamente dez anos após o seu lançamento título original, com o “The London Theme” e executado pela Carnaby Street Pop Orchestra And Choir e dirigida por Keith Mansfield, músico e arranjador inglês, responsável por trabalhos com inúmeros artistas e principalmente compositor de trilhas para o cinema e televisão. O disco foi relançado com esta nova capa, sem nenhuma informação técnica ou artística e tendo as suas músicas com a ordem trocada. A faixa “A Taste of Excitement” é uma memorável trilha de novela da Rede Globo. Aliás, o disco foi praticamente todo utilizado pela emissora com fundo musical. Outra, talvez ainda mais conhecida por todos é a faixa “Dr. Jeckle and Hyde Park”, neste álbum apresentada apenas como “Hyde Park”. Esta música ficou conhecidíssima por ter se tornado o tema de abertura do programa “Esporte Espetacular”.
A Carnaby Street Pop Orchestra And Choir, ao que tudo indica, existiu apenas para dar nome a um trabalho excepcional. Este disco é sem dúvida uma pérola rara. Tanto o original quando esta versão da Top Tape, são hoje discos raros, disputados a tapa por colecionadores. Quem quiser um, me avise… tá na mão, ma sem tapa, ok? 😉

a taste ofo excitement
hyde park
funky fanfare
drum diddley
boom bang a bang
teenage carnival
show rocker
piccadilly night ride
congratulations
londo hilton
young scene
puppet on a string
.

Som Nuclear (1972)

Olá amigos cultos e ocultos! Tão diverso quanto absurdo é o nosso Toque Musical, que eu me permito sair do clima Trio Cigano para cair no Som Nuclear da música pop no início dos agitados anos 70. E para completar, ainda vamos fazendo ‘covers’. Taí o toque musical da quarta feira…
Eis aqui um disquinho curioso que merece a nossa atenção. Muitos, talvez se lembraram dele. Temos aqui o “Som Nuclear”, uma coletânea de sucessos da música pop internacional. Aquilo que rolava na maioria das rádios brasileiras. Porém, contudo… não são os artistas originais. Eram na verdade regravações, ‘covers’ quase idênticos aos verdadeiros que muita gente comprou, principamente movida pelo apelo de uma capa dupla moderninha, bem colorida, ao estilo de discos importados. Possivelmente, para muitos, pouca diferença fazia se o ‘som nuclear’ era original ou não. O certo é que este disco é mais uma produção da gravadora/selo Top Tape, responsável pelo surgimento de uma leva de artistas brasileiros que atuaram com nomes falsos, apresentados e cantando como artistas internacionais. “Som Nuclear” é uma coletânea de sucessos, um álbum de capa dupla, mas com nenhuma informação a seu respeito. Eu suponho que os artistas envolvidos nesta produção sejam os mesmos do Light Reflections. Tudo a ver…  Vamos dar uma conferida. Quem tem algo a dizer, não se faça de rogado, comente… 🙂

let’s stay together
horse with no name
witch queen of new orleans
morning has broken
diamonds are for ever
sultana
baby i`m a want you
have you seen her
stay with me
son of my father
bless you
i’d like to teach the world to sing
.

Ademilde Fonseca – A Rainha Do Chorinho (1977)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Ontem fomos pegos de surpresa com as tristes notícias de falecimentos. Primeiro o Millor Fernandes, figura genial que vai deixar saudades. Não menos que esse, outra grande perda foi na música. Lá se foi também “a rainha do chorinho”, Ademilde Fonseca. Embora a nossa semana esteja voltada para o samba, não pude deixar de prestar aqui a minha homenagem à essa excelente cantora. Aliás, o choro não deixa de ser um irmão do samba. Vou poupar palavras porque o meu tempo é curto. Além do mais, no próximo número da nossa série exclusiva, “Grand Record Brazil”, teremos um momento totalmente dedicado à Ademilde (Samuel, vá se preparando!).

Por hora, fica aqui essa homenagem. Estou postando para vocês este álbum super bancana, onde a nossa cantora vem bem à vontade, ao lado de outros grandes artistas e chorões. Este lp é verdadeiramente ótimo, com um repertório digno de um time musical de primeiríssima qualidade. Só tem clássicos! Confiram o toque…

choro chorão
brasileirinho
coração trapaceiro
doce melodia
amor sem preconceito
choro do adeus
títulos de nobreza
o que vier eu traço
meu sonho
pedacinho do céu
tico tico no fubá
dinorah
lamento

Totonho – Dia A Dia (1978)

Boa noite, meus prezados! Eu havia preparado a postagem de hoje, mas quando já estava para publicá-la percebi que não gravei o lado B (hehehe…). Só agora consegui uma brecha e felizemente achei um disco de gaveta feito sob medida. Já que a semana vai ser de samba, “Dia a dia” é um álbum que vai cair matando.

Totonho (Antonio de Oliveira) é um sambista, cantor e compositor. Mineirnho, de Além Paraíba, saiu das Gerais para se tornar um sambista respeitável no Rio de Janeiro. Fazia dupla com Paulinho Resende. Gravaram um compacto e tiveram suas músicas gravadas por grandes artistas, como Alcione que fez sucesso com o samba “O Surdo”. Devido ao sucesso que suas músicas alcançaram, acabou gravando pela Top Tape este lp, que de estréia contou com um texto de apresentação de Sérgio Cabral e participação de artistas de peso como Neco e Hélio Delmiro nos violões, Mestre Marçal e nada menos que o Azymuth (Alex Malheiros, Zé Roberto Bertrami e Mamão). Paulinho Resende cuidou da produção ao lado do Bertrami que também fez os arranjos e cuidou da regência. O repertório é todo autoral em parcerias, quase todas com Paulinho Resende. Disquinho bacana, podem conferir 😉
tempestade de amor
dia a dia
seu rio, meu mar
no quilombo da nega cafuza
laranjas e dedos
o surdo
sejas mar ou beija flor
que ingratidão
armadilha
trilaza
pode ser que amanhã amanheça chovendo
cruz credo mangalô três vezes

Nazaré Pereira – Amazonia (1980)

Bom dia a todos! Eu havia prometido colocar a casa em ordem neste fim de semana, mas realmente não deu. Troquei o fim de semana sentado na frente do computador por um sábado e domigo nas trilhas, pedalando pelas montanhas aqui de Minas. As noites foram para descansar. Um ‘chocolatezinho básico’ para relaxar e um filmezinho, que agora eu assisto na cama, deitado, no meu Mac 😉 No máximo que consegui foi manter o ritmo das postagens. Tardei, mas não faltei 🙂
Começamos a semana com este disco que só pela capa encanta qualquer um. Mas sua beleza não fica só na estampa. Temos aqui a cantora, compositora e atriz Nazaré Pereira, uma artista, nascida em Xapurí, no Acre, que vem desde os anos 70 levando, através de sua arte, a música e a cultura do Norte para o resto do Brasil e principalmente para a Europa. Aliás, acredito eu, que ela seja mais conhecida lá fora do que aqui no Brasil. Isso se deve muito ao fato de Nazaré ter vivido muitos anos na França, local onde ela gravou a maioria dos seus discos.
“Amazônia” foi também gravado na França, em 1979, através do selo  Cezame. Lançado no Brasil no ano seguinte pela Top Tape, o disco traz alguns de seus maiores sucessos, como “Xapurí do Amazonas” e “Flexa de fogo” (de sua autoria), além de outras composições famosas como “Riacho do navio” (de Luiz Gonzaga e Zé Dantas), “Sodade meu bem, sodade” (de Zé do Norte e A. do Nascimento), “O Baião em Paris” e “Kalú” (de Humberto Teixeira), “Boi bumbá” (de Waldemar Henrique) e mais… Disco bacana, bem produzido e imprescindível em nosso Toque Musical. Confiram…

xapurí do amazonas
riacho do navio
baia véia baia
sodade meu bem , sodade
flecha de fogo
o baião em paris
o que vier eu traço
forró no escuro
nuvens que passam
kalú
boi bumbá