Som Brasileiro (1975)

É com a satisfação de sempre que o Toque Musical oferece hoje, a seus amigos cultos, ocultos e associados, mais uma coletânea apresentando MPB da melhor qualidade. Trata-se de “Som brasileiro”, editada em 1975 pela Odeon (depois EMI, hoje Universal Music), reunindo alguns dos então contratados da “marca do templo” em dez faixas marcantes e bastante expressivas. Uma seleção de primeira, conforme vocês poderão constatar. O álbum já começa arrebentando, com o grande Mílton Nascimento e seu eterno clássico “Travessia”, que o projetou nacionalmente em 1967 e aqui, em registro feito, ao que parece, especialmente para esta compilação. O grande Bituca ainda comparece com outra de suas inesquecíveis criações, “San Vicente”, lançada em 1972 no histórico álbum duplo “Clube da Esquina”. Outro “cobra” de nossa música, Marcos Valle, aqui nos traz “Remédio pro coração”, de sua longa e profícua parceria com o irmão Paulo Sérgio, extraída de seu álbum de 1974. O clássico “Primavera”, de Carlos Lyra e Vinícius de Moraes, composto  para a peça “Pobre menina rica”, é aqui oferecido na voz de Alaíde Costa, em gravação que saiu primeiro num compacto duplo também  de 1974 e, no ano seguinte, foi incluída em um dos muitos LPs dessa excelente cantora. João de Aquino vem com “Sapos e grilos”, parceria dele próprio com Paulo Frederico, faixa extraída do álbum “Violão viageiro”. Eduardo Gudin e Paulo César Pinheiro, juntamente com outra notável cantora, Márcia, aqui nos apresentam “Mordaça”, em registro feito ao vivo durante o espetáculo “O importante é que a nossa emoção sobreviva” (título, por sinal, oriundo de um verso desta música), e lançado primeiramente no álbum de mesmo nome. Gonzaguinha, o inesquecível  e eterno aprendiz, então ainda se assinando Luiz Gonzaga Júnior, aqui comparece com “Meu coração é um pandeiro”, faixa de seu segundo álbum-solo, de 1974 (no mesmo ano, a música teve outro registro, feito ao vivo, pela cantora Marlene).  Obra-prima de João Donato, em parceria com Lysias Ênio e Mercedes Chies, “Até quem sabe?” é apresentada neste disco na voz da não menos inesquecível Maysa, em faixa de seu derradeiro álbum de estúdio. Autor de clássicos como “Eu e a bridsa” e “Céu e mar”, Johnny Alf expressa bem sua porção- intérprete com “Um gosto de fim”, de Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de  Souza, faixa extraída do álbum “Nós”. Finalizando, temos o grande Egberto Gismonti, músico completo e extremamente versátil, com “Vila Rica 1720”, por ele gravada pela primeira vez em 1972, para o álbum “Água & vinho” e, aqui, em seu segundo registro, extraído de um de seus mais expressivos LPs, ‘Academia de danças”. Repertório primoroso, intérpretes do melhor quilate… Que mais se pode querer?

travessia – milton nascimento
remédio pro coração – marcos valle
primavera – alaide costa
sapos e grilos – joão de auino
mordaça – paulo cesar pinheiro, eduardo gudin & marcia
san vicente – milton nascimento
meu coração é um pandeiro – luiz gonzaga jr
até quem sabe – maysa
um gosto de fim – johnny alf
vila rica 1720 – egberto gismonti

*Texto de Samuel Machado Filho

Momento Universitário II (1979)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Conforme informado e prometido, segue aqui a coletânea EMI – Odeon Momento Universitário. Este segundo disco acompanha a mesma linha, inclusive com alguns mesmos artistas. O volume dois saiu  em 1979 e da mesma forma deu ‘ibope’. Uma seleção também impecável e para uma coletânea, vendeu muito. Confiram mais esse toque…

resíduo – paulo cesar pinheiro
começar de novo – ivan lins
recado – luiz gonzaga jr
companheira – geraldo vandré
onze fitas – fátima guedes
palavras – nana caymmi
hino / mordaça – paulo cesar pinheiro, marcia e eduardo gudin
cordilheira – simone
vai meu povo luiz gonzaga jr
aos nossos filhos – ivan lins
terra plana – geraldo vandré
esse sol – fátima guedes
resíduo – paulo cesar pinheiro
.

Eduardo Gudin (1973)

Acredito que este disco não seja mais uma novidade para os blogueiros de plantão. Já vi ele postado em pelo menos uns três lugares. Isso é uma prova de que se trata de um trabalho importante. Agora é a minha vez de reforçar o toque. Eu já estava mesmo para postá-lo na seqüência do “Importante é que a nossa emoção sobreviva”, mas, como dizia o Roberto Carlos “são tantas emoções”. Acabou ficando na lista de espera e chegou agora. Bom, por certo eu não preciso apresentar este compositor além de dizer que ele surgiu pelas mãos da Elis Regina. É um dos parceiros mais constantes de Paulo César Pinheiro, com quem tem muitas coisas gravadas. Este disco foi seu primeiro trabalho solo e contou com a participação de Jane Morais e Paulo César Pinheiro. As orquestrações ficaram por conta de José Briamonte e Hermeto Pascoal. Um grande disco!

Paulo Cesar Pinheiro, Eduardo Gudin & Marcia – O Importante É Que A Nossa Emoção Sobreviva

Mais uma contribuição para o Toque Musical, aqui em dose dupla. “O importante é que a nossa emoção sobreviva” 1 e 2. Originalmente eles foram lançados em separados, um em 1975 e outro em 76. Na edição em cd, para a nossa felicidade, os dois vieram juntos (oba!). Para os que não sabem, trata-se de um registro ao vivo, uma seleção de shows realizados no Rio e em SP no início dos anos 70. PC Pinheiro é genial, além de um grande poeta, tem aquela voz do Nelson Cavaquinho. Aliás, em shows, ele se apresenta com filho do Nelson. Embora não seja, tem tudo a ver. No álbum aqui apresentado ele faz um breve comentário sobre seu suposto parentesco com Nelson Cavaquinhho. Este é mais um registro sonoro que não pode faltar em uma discoteca básica de MPB. Vamos ouvir?