Celso Murilo – Sambas Na Passarela (1961)

Olá amigos cultos e ocultos! Amanhã o Toque Musical estará completando 8 anos de postagens. Desta vez não vai ter bolo e nem festa, mas a música continua. Com a maturidade chegando, a gente começa a deixar a vaidade de lado. E o encanto que era celebrar mais uma data, hoje é só uma lembrança.
Para hoje temos este disco bem legal do organista mineiro, Celso Murilo. Ao que entendi, este foi seu disco de estréia. Um lp recheado de bons sambas, em interpretações das mais simpáticas.
Curiosamente, hoje em dia não se ouve mais falar neste artista. Parece que ele resolveu sair do mapa, do cenário musical. Não há registros dele a partir dos anos 70. Descobri que Celso está vivo e mora em sua cidade natal, Baepenti, em Minas Gerais. E pensar que ele já esteve ao lado de outros grandes artistas, chegando inclusive a ser convidado para morar e tocar nos ‘States’ , acompanhando João Gilberto e Astrud. O ‘mineirão’, como era chamado por João Gilberto, vacilou… Ainda muito novo, recusou o convite. Ficou por aqui, gravou diversos discos, fez lá a sua fama, mas depois se recolheu. Seus discos só voltaram a tona graças a ação de blogs de música, como o Toque Musical.

boato
atire a primeira pedra
murmúrio
jarro da saudade
samba triste
samba na passarela
guarde a sandália dela
volta
dizem por aí
fica comigo
a fonte secou
zelão

Bloco Carnavalesco Vai Quem Quer – Isto É Samba (1961)

Olá amigos foliões, cultos e ocultos (hehehe…) Carnaval taí e pelo jeito, aqui em Beagá a chuva não vai dar trégua. Num ano em que o belorizontino resolve encarar a festa de maneira programada, vem logo a chuva para tentar cortar o barato. Mas como dizem, quem tá na chuva tem mais é que se molhar. Desta vez, parece, o Chapolim (figura que sai num caminhão pipa jogando água nas pessoas) resolveu pedir ajuda à São Pedro. Carnaval molhado, tá valendo. Com dezenas de blocos espalhados por toda a cidade, não falta opção. Bom mesmo é curtir…
Na onda dos blocos caricatos, aqui vai mais um raro disquinho do selo Pawal: Bloco Caricato Vai Quem Quer, de Catumbi, Rio de Janeiro. Este é mais um daqueles tradicionais blocos carnavalescos carioca, cuja a percussão e repercussão vão além das ruas por onde passam. Até o nome do bloco já serviu de inspiração para outros. Em São Paulo, la na Vila Madalena, também tem um Vai Quem Quer. O de Catumbí surgiu nos anos 50, formado de maneira espontânea na própria comunidade e se mantem vivo e sempre atuante, inclusive no Carnaval deste ano. Este lp, pelas informações que recolhi, foi lançado em 1961. Nos anos 60, discos de carnaval e grupos relacionados a festa eram muito comuns e eram realmente muito bons. eram discos de samba e de batucada autênticos. Infelizmente a coisa toda foi diluindo e o que temos hoje, se comparado aos tempos passados, dá vontade de chorar. Dessa forma, para que o nosso Carnaval não fique com gosto de micareta, pagode e funk, vamos relembrar ou conhecer um verdadeiro bloco caricato. Os sambas apresentados aqui são todos de autoria do carnavalesco Jorge França Barreto.
o samba vai esquentar
o seresteiro
mulata faceira
rufar do tambor
conclusão
moçada louca
bateria
está na hora
empolgação tédio
já chegou quem faltava
praga

The Cuban Boys – Cha Cha Cha (1962)

Boa tarde, amigos cultos, ocultos e associados! Não sei se vocês já perceberam, mas estamos com mais um agrado no Toque Musical. Refiro-me ao nosso tocador de músicas, que agora passa a fazer parte do blog, trazendo semanalmente uma lista de músicas extraídas de diferentes postagens. Como o Toque Musical é por excelência um blog variado, teremos também uma programação sortida, agradando aos gregos, troianos e romanos 🙂 Por enquanto, ainda estamos em fase da adaptação e teste, mas mesmo assim já é possível conferir a programação musical. Basta clicar no quadro da Web Rádio Toque Musical e uma nova janela se abrirá para o tocador. Esta por sua vez não depende de estar nas páginas do TM. Obrigatoriamente ninguém precisa estar no blog para ouvir a WRTM. Fiquem a vontade para comentar. Tenho certeza que muitos farão desta, sua web rádio favorita.

Ainda  não está na programação, mas logo chega: The Cuban Boys, vocês conhece? Não estou me referindo ao grupo cubano de rap. Os garotos cubanos aqui são outro. Na verdade, nem cubanos eles são. O time aqui é mesmo de brasileiros. Um grupo criado e produzido para o selo Pawal, que naquele início dos anos 60 era também responsável pelos lançamentos de Celso Murilo e Seu Conjunto. Bom…, na verdade o The Cuban Boys e Celso Murilo e Seu Conjunto é a mesma coisa. A Pawal, como diversas outras gravadoras e selos, usavam desse artifício, criando pseudônimos para seus artistas, de maneira que esses pudessem atuar com sendo outros artistas. Para a Pawal isso era bom, pois ampliava o seu catálogo fonográfico.

Mas como eu dizia, temos aqui The Cuban Boys, uma produção feita para atender a demanda do mercado da época. A onda era então o Cha Cha Cha e Pawal mais que depressa lança lá o seu conjunto. Realmente, mataram a pau, um p… disco para se ouvir de cabo a rabo. Desfilam aqui alguns clássicos desse gênero delicioso, assim como também composições do organista, aqui chamado pelo nome real de Celso Pereira. Imperdível!

los marcianos

september song

carinito

esto es el ritmo

love for sale

cha cha celso

tea for two

rico vacilon

mirage

ritmo sabroso

cha cha cha na passarela

cha cha cha en copa

 

Ed Lincoln – Boite (1963)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Eu ainda estou em fase de adaptação com a nova versão do blog. Estou usando uma plataforma do WordPress e pelo jeito ainda terei muito que aprender. Não fosse a ajuda de alguns amigos cultos e ocultos, eu talvez nem teria me aventurado em mudanças tão radicais. Enfim, o barco já está no mar, agora é aprender remar e contar com o vento.

Hoje, em nosso terceiro dia de postagem, quero prestar uma homenagem ao Ed Lincoln, que para a nossa tristeza, faleceu na última segunda feira, aos 80. Eduardo Lincoln Barbosa Sabóia era cearense. Iniciou sua carreira como músico nos anos 50, inicialmente tocando contrabaixo. Temos, inclusive aqui no Toque Musical um de seus primeiros discos, gravado ao lado de Dick Farney. Depois ele mudou para o piano e órgão eletrônico, onde viria a criar o seu estilo. Nos anos 60, na febre dos bailes em clubes, ele ficou conhecido como “O Rei dos Bailes” por conta de seu jeito inconfundível de tocar. Mesclando na dose certa o seu Hammond com um repertório de samba, ele criou um ‘swing’ que logo seria copiado por outros e viria a ser chamado de ‘samba rock’.

Em “Boite”, álbum lançado em 1963 pelo selo Pawal, podemos ouvir o artista numa fase de transição. Aqui ele ainda toca piano e pelo que contam, também o contrabaixo. O repertório é bem variado, com sambas, boleros e outros sucessos da música internacional.Mas o órgão já começa aqui a pedir mais espaço e anuncia um novo som que iria muito além do ambiente de boate.

 

stoping’ at the savoy

carioca

se você soubesse

sedução

e daí

mon oncle

adios

saudade

gicolete

hino ao amor

tenderly 

se eu pudesse

.

.

.