A Bossa De Ontem É De Sempre (1975)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Finalmente é sexta feira e aqui estou eu, de novo ao ‘volante’. É muito bom poder contar com o amigo Samuel, seus textos são ótimos, bem informativos, mas isso aqui precisa também ter um lado pessoal, passional e até tendencioso, porque não? 🙂 Daí, o Augusto aqui volta para que o Toque Musical não perca essas características (tem que ter o lado irritante, kkk…)
Para esta sexta feira ficar mais feliz eu estou trazendo outra boa doação, feita pelo nosso amigo Fáres. Vamos de bossa nova, nesse lp lançado pela CBS em 1975. Trata-se de uma coletânea reunindo alguns dos artistas do seu ‘cast’, da década de 60: Tito Madi, Conjunto Farroupilha, Thelma Soares, Maysa e a Elis Regina (do tempo que ela assinava o nome com dois L). Esta era uma boa maneira das gravadoras reapresentarem artistas, que muitas vezes já nem faziam parte do seu elenco, mas que tinha deixado ali um legado de sucesso. E a Bossa Nova, que nunca morreu, vez por outra acendendo paixões, estava naquele 75 em alta. Daí talvez um bom motivo para acionar alguns de seus artistas ‘bossanovistas’. O repertório é, sem dúvida, muito bom e bem conhecido de todos. Um deguste sempre necessário que acaba fazendo a gente revisitar velhos álbuns.

o barquinho – maysa
carinho e amor – tito madi
o pato – conjunto farroupilha
samba de uma nota só – thelma
amor e paz – tito madi
1, 2, 3, balançou… – ellis regina
menina moça – tito madi
depois do amor -maysa
a mesma rosa amarela – conjunto farroupilha
garota de ipanema – thelma
silêncio – ellis regina
manhã de carnaval – thelma
.

Conjunto Farroupilha – Temas Gaúchos (1973)

O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados, uma preciosa parcela do rico acervo da canção regional gaúcha. E na interpretação de um quinteto que tem em seu currículo uma vastíssima bagagem musical. Estamos falando do Conjunto Farroupilha.
O grupo era formado por quatro gaúchos, sendo dois deles de Porto Alegre (Danilo Vidal de Castro e Iná Bangel), um de Taquara (Tasso José Bangel, irmão de Iná) e outra de Santana do Livramento (Estrela Dalva Lopes de Castro). Completando o quinteto, o paulistano Sidney do Espírito Santo de Morais, que mais tarde ingressaria nos Três Morais e posteriormente gravaria uma série de álbuns de canções latinas, predominantemente boleros, com o pseudônimo de Santo Morales.
Inicialmente denominado Conjunto Vocal Farroupilha, o grupo formou-se em 1948 em uma emissora de rádio da capital gaúcha, Porto Alegre, também chamado Farroupilha. Inicialmente dedicaram-se exclusivamente às canções típicas do Rio Grande. Em 1953, estrearam em disco no selo Rádio, com o LP de 10 polegadas “Gaúcho”. Três anos mais tarde, os Farroupilhas transferiram-se para São Paulo, e logo em seguida iniciaram uma série de excursões pelo Brasil e pelo exterior. Por vários anos mantiveram contrato com a Varig (Viação Aérea Rio Grandense) e com o Ministério das Relações Exteriores, sendo o primeiro grupo vocal a projetar a música gaúcha tanto no Brasil como no exterior. Entre os inúmeros países visitados pelo conjunto estão a China, a Alemanha, a Venezuela e a antiga União Soviética. Em cada país visitado, eles integravam uma canção típica para homenagear as plateias locais, e assim foi crescendo seu repertório internacional, com músicas que depois eram lançadas em seus discos brasileiros, tais como “Noites de Moscou” e Liechtenstein polka” (no exterior, os Farroupilhas gravaram álbuns que nem foram lançados entre nós). Entre os nomes da música gaúcha lançados pelo conjunto estão os de Luiz Carlos Barbosa Lessa e Paixão Cortes. Enveredaram também pela bossa nova e, nos anos 1960, criaram, em sociedade com a Editora Fermata, a gravadora Farroupilha, passando então a dedicarem-se à mesma. Por essa época também foram contratados da antiga TV Record de São Paulo, onde tiveram programa exclusivo. Entre os maiores sucessos do Conjunto Farroupilha destacam-se “Gauchinha bem-querer”, “A chimarrita”, “A mesma rosa amarela”, “Chimarrita balão”, “Negrinho do Pastoreio”, “Piazito carreteiro”, “Prenda minha”, “Rancheira da carreirinha” e o clássico infantil “Papai Walt Disney”, este ainda hoje na memória de muita gente que foi criança nesse tempo, inclusive eu próprio.
O Conjunto Farroupilha desfez-se em 1971, em virtude dos compromissos pessoais de seus componentes. Mas, em 1983, o grupo voltaria à ativa, apresentando-se no programa “Som Brasil”, da TV Globo, com três integrantes originais – Tasso, Danilo e Estrela Dalva – e acrescentando Norma Nagib e Sabiá, retorno esse acontecido após oito meses de preparação e ensaios, a fim de que a qualidade do trabalho do grupo fosse mantida. No mesmo ano, gravaram um LP pela RGE.
A discografia dos Farroupilhas inclui 16 discos de 78 rpm com 31 músicas, onze LPS e três compactos, nos selos Rádio, Odeon, Columbia, Farroupilha, Continental e RGE. Também lançaram pela Rádio um LP que dividiram com o Trio Nagô, “Canções populares do Norte e do Sul”, e tiveram uma coletânea de seus hits lançada em 1979 pela CBS, selo Uirapuru.
Agora, o TM oferece a vocês o único álbum gravado pelo Conjunto Farroupilha na Continental. Trata-se de ‘Temas gaúchos”, editado originalmente em 1968 (SLP-10018) e depois relançado em 1973 com o selo Musicolor (números LPK-20301 e 1-04-405-066). Com excelentes orquestrações do maestro Cyro Pereira e arranjos para conjunto do próprio Tasso Bangel, o grupo apresenta um repertório primoroso, absolutamente fiel às tradições do Rio Grande, no qual desfilam autênticas joias do cancioneiro gaúcho. “Gauchinha bem querer” foi lançada pelo próprio autor, o paulista (de Pirajuí) Tito Madi, em 1957, e foi composta quando ele participou de festejos promovidos em Porto Alegre pela Rádio Farroupilha, sendo incluída no repertório do grupo logo em seguida e ganhando uma coloração mais autêntica. “Piazito carreteiro”(Luiz Menezes), “A chimarrita” (Dilú Mello), “Os homens de preto” (Paulo Ruschell) e o tema folclórico ‘Meu boi barroso”, entre outras, abrilhantam este trabalho do Conjunto Farroupilha, digno de ser ouvido e guardado por todos aqueles que, sejam ou não do Sul, apreciam a música regional no que ela tem de mais puro, belo e expressivo. Bom divertimento!
*TEXTO DE SAMUEL MACHADO FILHO
meu boi barroso
seu calça larga
os homens de preto
cana verde – a chula
é sul, é sul, é sul
milonga do bem querer
gauchinha bem querer
aroeira
a chimarrita
chotes carreirinho – chotes laranjeira
paizito carreteiro
jacaré
 .