Marion Duarte – Minha Canção Pra Você (2014)

Aos amigos cultos e ocultos e a quem mais interessar… Hoje eu venho trazer para vocês um toque musical novo, mais exatamente um cd. Tenho o prazer de postar aqui o último trabalho da cantora Marion Duarte, que gentilmente e atenciosamente me deu esta honra de apresentá-lo aqui no nosso blog. Fiquei muito feliz por ela ter entrado em contato comigo, me agradecendo pela postagem de um outro disco dela. Conversamos demoradamente ao telefone. Ela me contou um pouco da sua trajetória e das dificuldades de se manter como artista num tempo onde, grandes e antigos nomes quase não são lembrados. De um tempo em que a música se tornou uma caricatura de si mesma e a indústria musical uma fábrica de descartáveis. Difícil se manter artista sem tentar acompanhar os modismos. Mas no caso de Marion podemos dizer que ela conseguiu se manter e até a se superar. Retornou a carreira com o mesmo vigor e até mais refinada. Neste trabalho, produção independente, lançado no ano passado, ela conseguiu reunir talento e bom gosto. “Minha canção prá você” é um cd muito bem feito, com um repertório variado, trazendo suas composições em parcerias e canções de sucesso de Adelino Moreira, Noel Rosa, Pixinguinha, Luiz Vieira e outros. Ela vem acompanhada por músicos de primeira e conta também com a participação do Conjunto Época de Ouro. Um belo disco que vocês precisam conhecer!

facho de luz
carinhoso
minha canção pra você
sou como as estrelas
guarânia da saudade
conversa de botequim
são jorge guerreiro
vai
a lei do retorno
ainda ontem chorei de saudade
grandes mitos
moreno
último desejo
negue
valsa de uma cidade
sonho de natal
.

Marion Duarte (1986)

O Toque Musical hoje apresenta a seus amigos cultos,ocultos e associados, um álbum de Marion Duarte. E, acreditem se quiser, foi o primeiro disco de longa duração gravado pela cantora-compositora, embora sua carreira artística já tenha mais de 50 anos.  Nossa focalizada, cujo nome verdadeiro é Marion Pereira de Carvalho Gonçalves,  é carioca do subúrbio de Bento Ribeiro, onde nasceu no dia 18 de março de 1938. Iniciou sua carreira em 1957, atuando no programa “Valores novos”, apresentado por Marcos Alexandre na Rádio Solimões de Nova Iguaçu, Estado do Rio de Janeiro, nessa ocasião adotando o pseudônimo de Valéria Duarte. Daí seguiu se apresentando em vários outros programas radiofônicos, entre eles os de César de Alencar e Paulo Gracindo, na lendária Nacional,e no de Raymundo Nobre de Almeida, na Mayrink Veiga, neste último recebendo a faixa de Favorita da Associação de Cabos e Soldados do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Também participou da Caravana da Alegria, comandada pelo comunicador Luiz de Carvalho, então na Rádio Globo. Marion ganhou da imprensa carioca o apelido de “Maysa dos pobres”, dada a semelhança entre seus olhos verdes e os da então “musa da fossa”, tendo sido até citada pelobiógrafo Lyra Neto em um livro sobre Maysa, “Só numa multidão de amores”. Contratada pelas Emissoras Associadas, de Assis Chateaubriand  (Rádio e Televisão Tupi, Rádio Tamoio etc.), foi capa de várias revistas, entre elas a “Radiolândia”, nesta junto com o lendário “velho guerreiro”, Chacrinha. Seu primeiro disco, em 78 rpm, saiu pela Copacabana em 1958, apresentando o samba-canção “Eu sou assim”, de Lina Pesce, e o bolero “Eu acuso”, de Getúlio Macedo. Um ano depois, no segundo disco, obtém seu maior sucesso, com o samba “Triste palhaço”, de Carlos Silva e Antônio Cruz. Outro sucesso seu bastante conhecido é “Quando corre uma estrela”, samba-toada de Hílton Simões, Luiz Lemos e Antônio Correia (1961). Nessa época recebeu inúmeros prêmios,como o Troféu Revelação, da “Revista do Rádio’ (1958), o Troféu Zé da Zilda, do programa “Discoteca do Chacrinha” (1962) e o Troféu Sete Dias em Destaque, da TV Marajoara de Belém do Pará (1964). Marion Duarte tem, em sua discografia, sete discos 78 rpm com treze músicas, na Copacabana e na Continental, além de alguns compactos e participações em projetos coletivos.  E foi somente em 1986, pela Top Tape, que Marion finalmente conseguiu gravar seu primeiro álbum-solo, exatamente este que o TM ora nos oferece. Produzido pelo cantor Renato Alfaya (que também participa da faixa de encerramento do disco, “O outro”), é um trabalho primoroso, com repertório bem escolhido, no qual inclusive ponteiam composições de autoria da própria Marion, com ou sem parceiros. Destaque também para a faixa “Sou pagodeira”, maior sucesso do álbum,que teve arranjos a cargo de Luiz Antônio Porreca e Darcy da Cruz. Marion Duarte ainda gravaria mais quatro ábuns-solo após este: “Pelos caminhos” (1993), “Doce amor” (1999), “Fonte de energia” (2003), e, o mais recente,sem titulo, em 2011. Foi muito ligada ao radialista Collid Filho, que apresentou durante anos os programas ”Salão grená” e “Collidisco”, e com quem compôs alguns trabalhos. Em 2006,foi homenageada pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro, recebendo do então vereador Brizola Neto a moção pelo Dia Internacional da Mulher. Marion continua em franca atividade, com seu timbre de voz praticamente inalterado, e recebendo sempre o carinho e o aplauso do público por toda a parte.  Nada mais justo!
dono de mim
sou pagodeira
final feliz
é paixão
quero mesmo lhe dizer
mulher de verdade
jovem suicida
é tarde demais
sem dinheiro nada faço
outro
*Texto de Samuel Machado Filho
.