Luiz Gonzaga – S.Paulo-QG Do Baião (1974)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Começando bem a manhã e antes de sair para o trabalho, vou deixando aqui um ‘disco de gaveta’, ou seja, aquele que está sempre pronto para cobrir um vão. Eu já havia abandonado esse termo, pois afinal, o que não falta aqui no Toque Musical é buraco, furo… Furo do amigo aqui, que nem sempre encontra tempo para manter a tradicional postagem diária. Mas como dizem por aí, é melhor pingar do que faltar.
Seguimos assim, trazendo este lp do Luiz Gonzaga, lançado em 1974 pela gravadora RCA. Aqui temos um disco dedicado aos paulistas e a comunidade nordestina, em São Paulo. Cidade onde o Lua amplificou o seu sucesso, ecoando por todo o Brasil e também fora dele. Trata-se de um lp importante, pois reúne gravações antigas da época dos 78 rpm com uma qualidade de som que só mesmo uma gravadora como a RCA Victor poderia nos dar. Há também o fato de que algumas gravações são raras, como é o caso de “A vida do viajante”, que aqui aparece na versão original. Geralmente quando ouvimos essa música, a versão é sempre em dueto com o filho Gonzaguinha. Na verdade, nem sei se existe essa primeira versão lançada em cd. Embora difícil de se ver e ouvir, acredito que sim, pois a obra do Gonzaga já foi toda rastreada. Confiram aqui essa joinha, é imperdível! 😉

baião da garôa
a vida do viajante
jardim da saudade
marabaixo
catamilho na festa
xaxado
cana só em pernambuco
moda da mula preta
moreninha, moreninha
tô sobrando
relógio do baião
a canção do carteiro
velho pescador
vamos xaxear

.

Velha Bossa Nova (1976)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Segue aqui mais um disco da série ‘doação’ que eu acredito que todos irão gostar. Trata-se de uma coletânea. Coletâneas são sempre muito bem vidas, principalmente se for de Bossa Nova e ainda com um time e repertório que foge ao comum. Eis aqui um lançamento da RCA Victor, de 1976. São 18 faixas bem escolhidas do arquivo da gravadora durante a década de 60. Ao falar em 18 músicas e vendo pela capa e contracapa uma lista tão grande de artistas há de se pensar que este é um álbum duplo. Mas não é duplo e curiosamente também não são gravações reduzidas. Para meu espanto, conseguiram enfiar num lp de 12 polegadas 18 músicas e sem corte. Uma prova de capacidade acima do normal para um lp.

samba pro pedrinho – walter santos
você sabe – flora purim
estamos aí – raulzinho (raul de souza)
chora tua tristeza – alaide costa
receita para esquecer – leny andrade
só tinha de ser com você – trio 3d
cartão de visita – flora purim
amanhã – walter santos
vem balançar – conjunto mario castro neves
complicação – alaide costa
a vontade mesmo – raulzinho (raul de souza)
dindi – alaide costa
o que é amar – johnny alf
meu amor foi embora – leny andrade
minha namorada – trio 3d
nem o mar sabia – flora purim
demais / meu mundo caiu / preciso aprender a ser só – maysa
wave (vou te contar) – os cariocas e lúcio alves
.

Virtuose (1977)

Boas noites, meus prezados amigos cultos e ocultos! Vai a saudação no plural para valer pelos dias faltosos. Desculpem, mas o tempo, a cada dia que passa vai ficando mais escasso.  Porém, sempre que possível vamos renovando as postagens.
Hoje eu estou trazendo uma curiosa coletânea. Mais um daqueles discos promocionais, feito por encomenda e certamente, com tiragem limitada. Trata-se de um box com dois lps, produzidos para a AEG-Telefunken do Brasil S.A., reunindo alguns de nossos melhores violonistas. Um encontro em disco inusitado e quase tão improvável quanto as coletâneas que fazemos por aqui. Digo isso pelo fato de que a Telefunken foi quem cuidou da pós produção de seu brinde. Criou uma coletânea com gravações de artistas do selo Continental e RCA Victor. Em outras palavras, colocaram na caixa um lp com selo RCA e outro da Continental. Temos no disco da Continental Dilermando Reis, Rago, Paulinho Nogueira e Poly. No disco da RCA temos os Índios Tabajaras, Baden Powell e Sebastião Tapajós. Ainda sobra espaço para o violonista inglês Julian Bream interpretando duas peças de Villa-Lobos. É, sem dúvida, uma coletâneas de excelentes fonogramas, gravações originais extraídas de outro discos. Traz também encartes e livreto contando a história do violão. Muito bacana. Vale uma conferida

fantasia – improviso op. 66, de chopin – índios tabajaras
valsa das flores – quebra nozes op. 71, de tchaikovisky – índios tabajaras
dança ritual do fogo, de manuel de falla – índios tabajaras
recuerdos de la alhambra – índios tabajaras
valsa n. 7 op.64 n. 2, de chopin – índios tabajaras
o vôo do besouro – índios tabajaras
valsa n. 6 op.64 n. 1, de chopin – índios tabajaras
prelúdio n. 2, de villa-lobos – julian bream
schottisch-choro, de villa-lobos – julian bream
allegro sinfônico – sebastião tapajós
carinhoso – dilermando reis
adda – poly
bachianinha n. 1 – paulinho nogueira
despertar da montanha – dilermando reis
violão no samba – luiz bonfá
xv de julho – poly
caxinguelê – dilermando reis
vê se te agrada – dilermando reis
zelão – paulinho nogueira
odeon – poly
uma valsa dois amores – dilermando reis
tenebroso – rago
da cor do pecado – paulinho nogueira
marcha dos marinheiros – dilermando reis
.

Gato – O Pulo Do Gato (1967)

Olá amigos cultos e ocultos! Neste mês de junho eu estaria tradicionalmente postando discos de festa junina. Mas desta vez eu não tive tempo para separar alguns. Daí, para não ficarmos a ver navio, repostei uns quinze títulos relacionados ao gênero lá no GTM. É só colher… 🙂
Dando sequencia as nossas postagens, vamos hoje com um disco raro, difícil de ver por aí. Apresento a vocês o primeiro e talvez o único lp solo gravado por José Provetti, mais conhecido como Gato, guitarrista e um dos principais membros do conjunto The Jet Black’s. Ele fez parte da primeira formação do grupo, atuou até 1965. Partiu daí para uma carreira solo e como integrante da banda de Roberto Carlos por dois momentos, nas décadas de 60 e 70. Antes, dos Jets ele já havia gravado em 78 rpm para o lendário selo Young, de Miguel Vaccaro Neto.
Em 1967 ele então gravou este lp, “O Pulo do Gato”, trazendo um repertório com o que havia de mais atual na música pop internacional e de quebra, duas músicas da dupla Roberto e Erasmo Carlos. Este é um lp que certamente poucas pessoas já viram e ouviram. Vale o toque musical 😉

see you in september
guantanamera
black is black
gatinha manhosa
bus stop
sunny
love me please love me
namoradinha de um amigo meu
quando dico che ti amo
winchester cathedral
piangi con me
as tears go by
.

Nelson Gonçalves – Sambas E Boleros (1961)

Olá amigos cultos e ocultos! Olha eu metendo a mão nos ‘discos de gaveta’ novamente para tentar salvar o dia. Aqui vai para vocês um Nelson Gonçalves, mais batido que uma ‘carreirinha’, mas sempre muito bem vindo (hehehe…). Este álbum, assim como quase toda a discografia de Nelson, já foi bem divulgado em blogs e outras fontes. Também já foi relançado em vinil nos anos 80 e depois em cd. Quer dizer, o que estou fazendo aqui é apenas chover no molhado. Mas quando a chuva é boa a gente deixa cair, não é mesmo? Segue então, “Sambas e Boleros”, álbum originalmente lançado em 1961 e traz doze composições, sendo a maioria do próprio Nelson Gonçalves em parceria com Adelino Moreira.

levanta-me meu amor
plebeu
o amanhã do nosso amor
meu bairro
o mundo em meus braços
fica comigo esta noite
usted llegó
definitivamente
yo te quiero
és mentira
la ley del mas fuerte
tu nombre
.

Jacob Do Bandolim – Valsas Brasileiras (1981)

Olá, amigos cultos e ocultos! Eu ontem comentava com um amigo que existem alguns gêneros musicais os quais eu não sou muito fã, me dá uma certa preguiça, sei lá… Entre eles está a valsa. Me dá sono… Mas quando se trata de valsas brasileiras e mais ainda, Jacob do Bandolim, a coisa muda de figura. E foi para tirar a cisma que eu achei postar hoje este lp, um relançamento de 1981, onde encontraremos 14 interpretações impecáveis de alguns clássicos da chamada ‘valsa brasileira’. Jacob, como solista, vem acompanhado pela excelente Orquestra da RCA.

rapaziada do braz
revendo o passado
clélia
aurora
expansiva
subindo ao céu
feia
branca
salões imperiais
alma brasileira
evocação
caindo das nuvens
só tú não sentes
jovina
.

Aracy De Almeida – O Samba Em Pessoa (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! 2014 começou bem… bem quente! Pô… que calor fdp! Me tirou até o pouco ânimo que tenho tido para fazer as postagens. Mas com a ajuda do ventilador e uma jarra de água gelada, tudo dá uma refrescada.
Trago para vocês este disco da cantora Aracy de Almeida. Álbum lançado pela RCA, através de seu selo RCA Camden, em 1966. Este selo foi o responsável por algumas reedições de antigas gravações da Victor, feitas no período do 78 rpm. Trata-se, obviamente, de coletâneas tais como as que fazemos hoje na série “Grand Record Brasil”, do Toque Musical. Nesta seleção intitulada “O Samba Em Pessoa”, vamos encontrar doze fonogramas extraídos de gravações feitas pela cantora entre os anos de 1937 a 42. Não precisa nem dizer, uma dúzia de clássicos da melhor qualidade. Muitas das músicas apresentadas neste disco também estão na seleção GRB, mesmo assim eu achei interessante de postarmos um álbum bacana como é esse. Foi na época a oportunidade do público vir a ter e ouvir gravações que até então só eram possíveis em bolacha de 78 rpm. Esta série RCA Camden ajudou a difundir artistas e músicas esquecidas, resgatando um pouco de uma produção fonográfica história. Vamos ouvir

tenha pena de mim
oque foi que eu te fiz
século do progresso
com razão ou sem razão
camisa amarela
rapaz folgado
último desejo
quem mandou coração
o mair castigo que eu te dou
eu sei sofrer
fez bobagem
qual o quê
.

Orquestra Victor Brasileira – Músicas De Zequinha De Abreu (1968)

Olá amigos cultos e ocultos! É, está ficando cada dia mais difícil eu manter esse ritmo de postagens (diárias) e ainda cuidar de reposição de links no GTM. Como disse outras vezes, são tantas as solicitações que eu até já me perdi. E a coisa vem se acumulando… Por essas e por outras é que a partir de outubro eu estarei reduzindo o número de postagem, em função da reposição de velhos links. Porém, devo deixar claro que novas solicitações de links, eu não mais estarei atendendo, pelo menos num curto prazo. Aqueles que por ventura estiverem com muita pressa, ou quiserem algo muito específico, devem entrar em contato direto por e-mail e aí a gente negocia pessoalmente, ok?
Seguindo em nossas postagens, tenho para hoje um pouco da obra do compositor paulista José Gomes de Abreu, mais conhecido como Zequinha de Abreu. Temos aqui uma seleção rara de algumas de suas composições. Este disco foi lançado em 1968, reunindo dez fonogramas da década de 30. Gravações feitas com a Orquestra Victor Brasileira, ou seja, a orquestra da gravadora RCA Victor. Realmente um disco interessante, pois nos apresenta gravações muito raras de velhas bolachas em 78 rpm, a música de um dos mais importantes compositores brasileiros e a performance de uma excelente orquestra.

primavera de beijos
lágrimas de amor
beijos divinais
saudoso adeus
minha valsa
ressurreição
morrer sem ter amado
só pelo amor vale a vida
último beijo
sururu na cidade
.

O Jardim Das Borboletas – Trilha Do Musical Infantil (1972)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Entre as centenas de discos que um dia fizeram parte da discoteca da Rádio Inconfidência de Belo horizonte, tenho aqui mais um prontamente resgatado e digitalizado, recuperado para aqueles que tem interesse em conhecer um pouco a diversidade fonomusical produzida no Brasil, no tempo do vinil. Me referi à Rádio Inconfidência (A Brasileiríssima) por conta de uma curiosidade relativa ao seu velho acervo de discos. Como praticamente todas as outras rádios pelo Brasil, a Inconfindência também se `modernizou`, abandonou seu acervo musical em lps em troca do prático processo digital. Primeiro os cds, depois o mp3. Ao pensarmos nessa transposição a gente pode até imaginar que antes de transformarem os discos em sucata (estorvo e lixo), fizeram um minucioso trabalho de digitalização e catalogação. Que devem ter tudo lá bem guardado… Ha, ha, ha… qual nada! Não sobrou nada, nem história para contar. Fico pensando em outras rádios ainda mais antigas, tipo a Nacional. O que foi feito de seu acervo? Alguma coisa a gente ainda vê ou escuta por aí, nos blogs, no YouTube e em outras praças onde os mais espertos sabem tirar algum lucro nisso. A coisa está assim… O mais curioso é que hoje são as rádios quem recorrem aos blogs em busca de material raro. Somos nós os fornecedores de suas memórias. Eis aqui um disco cuja a trilha eu ouvi muitas vezes tocando no rádio, por certo a Inconfidência. Agora o disco está aqui na ponta da agulha se eternizando no formato digital, pronto para ser apresentado a vocês e quem sabe resgatado pelo Tuti Maravilha, ou algum outro apresentador de rádio.
O lp “O Jardim das Borboletas” é uma trilha de um musical infantil escrito por André José Adler. Nele temos uma série de músicas muito boas feitas especialmente para o espetáculo, com compositores de peso como Taiguara, Zé Rodrix, Eduardo Souto Neto, Paulo Imperial e Jorge Omar. Este disco já foi apresentado em outros blogs, mas aqui, quando a coisa é boa, a gente sempre busca reforçar 🙂 Vamos ouvir?
jardim das borboletas
marron carmim
1, 2, 3, 4
rock do grilo
viva a vida girassol
anoitecer
duse borbô
a dança das borboletas
tema de amor do girassil
o nosso jardim
a vida aí forapode não ser bem assim, mas tente lembrar do nosso jardim
.

Onéssimo Gomes – Serestas Vol. 1 (1973)

Olá, amigos cultos e ocultos! Mais uma vez terei que atrasar a postagem do volume 57 do nosso ‘webselo’ Grand Record Brazil. Hoje o dia foi corrido e nem ao resenhista oficial, nosso amigo Samuca, eu tive tempo de informar. O problema está nos meus programas de tratamento de imagem, os quais ainda não chegaram. As vezes, comprar pela internet é mais demorado do que se imagina. Nesse meio tempo, vamos ‘tocando’ os providenciais ‘discos de gaveta’.
Começamos a semana com uma seleção de serestas, interpretada pelo cantor Onéssimo Gomes, um dos grandes nomes do gênero. Gravou diversos discos  de serestas ao longo de sua carreira. Neste trabalho, produzido pela Hara Internacional para a RCA, iremos encontrar um repertório de primeiríssima, super selecionado, trazendo músicas de Silvio Caldas e Orestes Barbosa; Benedito Lacerda; Leonel Azevedo; Vinícius de Moraes; Pixinguinha e outros mais. Escolhi este disco muito movido pela presença de uma das mais belas músicas de Vinícius de Moraes, a emocionante “Serenata do adeus”. Adoro essa música 🙂

chão de estrelas
número um
mágoas de cabloco
rosa
suburbana
canção do amor que lhe dou
meu erro
cigana
serenata do adeus
sinhá maria
 .

1ª Bienal Do Samba (1968)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Estamos na boca do Carnaval, mas hoje vamos ter festival. Obviamente, para não sair do compasso, vai ser um festival de samba. Trago aqui para vocês, esquentarem também o gogó e recordarem, este disco bacana sobre a 1ª Bienal do Samba. Trata-se de uma versão do festival apresentada por artistas que faziam parte do ‘cast’ da gravadora. Alguns até são interpretadas pelos mesmos artistas, como é o caso de Cyro Monteiro que no festival defendeu o samba “Tive sim”, de Cartola. É em verdade uma seleção com as músicas que foram classificadas, porém interpretadas por outros artistas e grupos. Vale a pena conferir, pois embora não seja os originais, as músicas são memoráveis. Aliás, o grupo Os Originais do Samba também está presente, interpretando “Canto chorado”, de Billy Blanco, que na Bienal foi defendida por Jair Rodrigues.

bom tempo – wilson miranda
luandaluar – rosely
quando a polícia chegar – az 3 com os acadêmicos da paulicéia
marina – zenaide
rainha porta bandeira – rosely
protesto, meu amor – samba 4
tive sim – cyro monteiro
lapinha – wilson miranda
pressentimento – samba 4
quem dera – os caçulas
coisas do mundo, minha nega – aizita
canto chorado – os originais do samba

Adelino Moreira – Encontro com Adelino (1967)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Só para que ninguém fique na dúvida, as reposições de antigas postagens estão sendo feitas aos poucos. Algumas, que parecem demorar mais, são de títulos que pretendo recompor os arquivos totalmente. Por isso peço paciência. Tudo, aos poucos, vai sendo resolvido 😉
Hoje não é sábado, dia de coletâneas, mas mesmo assim vamos ter uma (e oficial). Trago aqui para vocês outro ‘álbum de gaveta’. Estou sendo obrigado a lançar mão do que já estava na reserva e preparado para ganhar tempo, pois ainda nesta semana continuo muito atarefado.
Vamos com esta coletânea da RCA, dedicada à música do compositor Adelino Moreira. Temos aqui cinco dos seus mais frequentes intérpretes, obviamente todos da mesma gravadora, em 14 faixas. São músicas que provavelmente, quase todas, devem constar em outros álbuns já postados aqui no Toque Musical. Mesmo assim, eu acredito, irá agradar à turma da velha guarda.
Apesar de toda a minha pressa, hoje, eu bem que gostaria de postar mais um disco. Se sobrar um tempinho a noite, eu volto, nem que seja com apenas um compacto. 🙂 Vamos ver…

noite da saudade – nelson gonçalves
meu ex amor – angela maria
ciclone – carlos nobre
solidão – núbia lafayette
duelo – cauby peixoto
eu te amo – angela maria
negue – nelson gonçalves
borrasca – nelson gonçalves
devolvi – núbia lafayette
regresso – carlos nobre
não me perguntes – angela maria
fim de estrada – carlos galhardo
seria tão diferente – núbia lafayette
vitrine – nelson gonçalves

Noel Rosa – RCA Camden (1967)

Bom dia! Hoje eu acordei com vontade de ouvir músicas de Noel Rosa. Já faz um bom tempo que não escuto nada dele, desde a semana passada 🙂 Vou colocando para fora (no bom sentido, claro) alguns álbuns que ficaram lá no fundão da gaveta, esperando uma hora, assim como essa, em que eu estou mais corrido e automatizado que o Charles Chaplin em “Tempos Modernos”. Hoje eu juntei a fome com a vontade de comer. Então vamos saborear…
Temos aqui um álbum lançado em 1967, pelo selo RCA Camden. Segundo o texto da contracapa, ‘associado às comemorações do 30º aniversário da morte de Noel Rosa…’. Sinceramente, eu preferia dizer ‘relembrando’, pois ‘comemoração’ sempre me soou mais como uma situação alegria, e em ‘aniversário da morte’ fica então como um trocadilho infame. Mas quem sou para corrigir o proposto. Tomo isso apenas como uma observação curiosa. O importante é que temos aqui uma seleção bem bacana, já conhecida por todos. Uuma coleção musical extraída de antigos discos e gravações da RCA Victor, com alguns dos seus mais importantes artistas, como se pode ver na capa ou logo a baixo na lista das faixas. Possivelmente, acho que quase todas essas gravações podem ser encontradas em outros discos postados aqui. Mas uma coletaneazinha sempre caí bem , não é mesmo. Por tanto, vamos a ela…

menina dos olhos – orlando silva
feitiço da vila – nelson gonçalves
rapaz folgado – aracy de almeida
pra que mentir – sílvio caldas
cidade mulher – orlando silva
último desejo – isaura garcia
quando o samba acabou – nelson gonçalves
silêncio de um minuto – marília batista
pela primeira vez – orlando silva
com que roupa – nelson gonçalves
queixumes – carlos galhardo
a e i o u – lamartine babo
século do progresso – aracy  de almeida
palpite infeliz – nelson gonçalves

Bethania Gil Gal Vandré & Caetano – MPB Espetacular (1975)

Olá amigos cultos e ocultos, bom dia! Hoje eu trago para vocês esta curiosa e muito interessante coletânea lançada pela RCA Victor em 1975 (me parece que originalmente foi lançado em 1970). Trata-se de uma seleção rara, pouco comum de se ver. Nela temos os quatro baianos, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethania e Gal Costa em um de seus primeiros momentos, ainda nos anos 60 quando gravaram pela Victor. No meio das faixas dos baianos vem uma única, “Disparada”, ao vivo, do paraibano Geraldo Vandré, acompanhado pelo Trio Marayá. Como não poderia deixar de ser, uma coletânea um tanto incompleta como é comum à discos desse tipo feitos no Brasil. Não há exatamente um critério de seleção, ou melhor, uma produção criteriosa. Juntam o que tem à mão e mandam ver… Mas independente disso tudo, não deixa de ser um excelente disco reunindo momentos raros. Taí um disco que eu cheguei a ver no Mercado Livre por 5 reais. Tá barato, sem dúvida (e talvez por ser coletânea e sabe-se lá em que estado), mas é um vinil com um conteúdo reunido raro, que vale muito mais do que aparenta. Independente de qualquer coisa é mais um disco que merece o nosso toque musical. Toca aí… 😉

samba em paz – caetano veloso
sim, foi você – gal costa
procissão – gilberto gil
nunca mais – maria bethania
disparada – geraldo vandré
no carnaval – maria bethania
roda – gilberto gil
eu vim da bahia – gal costa
cavaleiro – caetano veloso
eu vivo num tempo de guerra – maria bethania
iemanjá – gilberto gil
pra que mentir – maria bethania

Joel E Gaúcho – Os Irmãos Gêmeos Da Voz (R1971)

Hoje iremos previlegiar os ‘vocais’. Começarei por essa dupla sensacional que anda meio esquecida. Formada por Joel de Almeida e Francisco de Paula Brandão Rangel, o Gaúcho, esses dois fizeram a vez durante três décadas no rádio. Eram conhecidos por “irmãos gêmeos da voz” por terem timbres de voz parecidos. Este disco marca o re-encontro dos dois, em 1962, gravando novamente antigos sucessos. Não sei exatamente se eles chegaram a gravar mais alguma coisa após este disco. O álbum que temos aqui é um relançamento de 1971.

estão batendo
pierrô apaixonado
o chapeú também diz
canção para inglês ver
não precisa pagar
anúncio
aurora
pequena futurista
cai, cai
boogie woogie do rato
parece mandinga
ti-pi-tin