Astrud Gilberto / Eliana Pittman – Compactos (1969 e 78)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Segue aqui mais uma boa postagem para fecharmos bem o domingão. Vamos desta vez com dois compactos privilegiando as vozes das cantoras Astrud Gilberto e Eliana Pittman. Uma dobradinha que caí bem, não acham?
Astrud vem num compacto do selo americano Verve, lançado por aqui em 1969, trazendo “Without him”, do cantor Harry Nilsson e o tema do filme “Romeu e Julieta”, “A Time For Us”. Na sequência vem a Eliana Pittman em um compacto duplo pela RCA Victor, de 1978, que mais parece lp, de tão recheado. São quatro faixas, mas com sete músicas e participação de César Costa Filho. Tá tudo aí na capa, olha só…
Testando a audiência, pergunto e espero respostas: Será que os amigos ainda querem ir na onda dos compactos? Ou vamos de volta aos lps e outras gravações? Estou no aguardo… 😉

a time for us – astrud gilberto
without him – astrud gilberto
pra lá e pra cá – eliana pittman
i go to rio – eliana pittman
escola de samba – eliana pittman
mistura dos anos 20:
gavião cascudo,
nosso ranchinho,
cristo nasceu na bahia – eliana pittman
.

The New Stan Getz Quartet – Getz Au Go Go (1964)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Hoje eu estou trazendo um disco que comprei lá no Rio. Albão importado, quase novo, que eu paguei a bagatela de 12 reais! Dizem que é no centro do Rio e também na Zona Norte que se compra lps baratos. Eu rodei tudo por lá e vou dizer, disco barato mesmo eu achei foi em alguns sebos e livrarias de Ipanema e Leblon. Discos maravilhosos na faixa de 3 a 5 reais. Quem gosta de vinil como eu fico doido. Eu trouxe bastante coisas e na medida do possível irei postando para vocês, ok?

Segue então o “The New Stan Getz Quartet”, um disco célebre e por certo já bem conhecido do publico de blog. Neste álbum o saxofonista Stan Getz vem acompanhado da cantora Astrud Gilberto. Trata-se de uma gravação ao vivo feita em 19 de agosto de 1964, numa apresentação realizada no Café Au Go Go, Greewich Village, em New York City. No disco temos dez músicas, das quais, cinco delas são cantadas por Astrud. Acho as gravações ao vivo, em geral, sempre muito interessantes, pois trazem consigo um momento especial e uma energia que a gente não vê (ou ouve) nos discos de estúdio. Embora seja um disco já bem badalado, vai aqui também marcar presença, principalmente neste domingo de sol e data do aniversário da minha mãe. Se ela estivesse viva, hoje estaria completando 84 anos. Ela adorava “Corcovado” 🙂
corcovado
it might as well be spring
eu e você
summertime
nix pix flix
only singing song
the telephone song
one note samba
here’s that rainy day

Vinicius de Moraes – Eterno Retorno (1986)

Eis que chegamos ao final de 2009. Apesar de vários pesares, eu não posso reclamar e dizer que foi um ano ruim. Teve chuva e teve sol, alegrias e tristezas. Mas a vida é isso, uma sequência ao acaso num caso sempre sequente. Entre tantas coisas que nos deixam para baixo, tivemos por aqui e diariamente, a música e as boas lembranças para nos por para cima. Um alento em dias tão tumultuados. Estar a frente deste blog tem sido para mim, uma terapia, um exercício de cultura musical, de relacionamento e principalmente um grande prazer. O que eu ganho em contrapartida ao apresentar diariamente uma nova postagem é mesmo a satisfação, alguns bons amigos cultos e outros ocultos. Um relacionamento agradável com pessoas com as mesmas afinidades. Isso é prazer 🙂

Bom, deixemos o resto das considerações finais para amanhã. Vamos com o álbum do dia. Temos aqui esta coletânea dedicada ao poetinha Vinícius de Moraes. Pessoalmente, eu gosto bem de coletâneas. Elas geralmente trazem surpresas, gravações raras ou artistas inesperados. “Eterno Retorno” é um disco assim, com um variado leque de artistas interpretando músicas de Vinícius de Moraes e seus parceiros. A coletânea foi idealizada e produzida pelo radialista e escritor Simon Khoury. Tive a impressão, pelo subtítulo “Homenagem ao autor”, de que este disco faz parte de alguma série. Porém não encontrei nenhum outro nas mesmas condições, embora conste que Simon produziu outros grandes nomes como Johnny Alf, Carmen Costa e Sebastião Tapajós. Pela capa deste lp já podemos saber quem são os intérpretes, o que dispensa a convencional listagem com a relação das músicas. Taí, mais um disco bacana para se ouvir no fim de ano. Boas festas!

Astrud Gilberto With Turrentine (1977)

Manhã de sábado bonita e ensolarada. Pelo jeito eu não vou demorar muito aqui em frente ao computador. Vou pra rua passear, sair para comprar presentes de natal. Ainda não fiz as minhas compras. E olha que eu tenho três festinhas de amigos ocultos para participar. Já não me basta os milhares de amigos cultos e ocultos, fui ainda arranjar mais esses. Eu mereço 🙂

Antes de sair, deixa eu fazer logo nossa postagem diária. Hoje iremos com a cantora Astrud Gilberto. Entre os diversos discos que ela gravou e que eu conheço, este é um dos que eu mais gosto. Lançado no Brasil pela Continental, este é mais um álbum do excelente selo CTI do trompetista e produtor Creed Taylor, responsável por levar ao público americano grandes nomes da Bossa Nova. A presença do nome do saxofonista Stanley Turrentine no subtítulo deste lp, acho, se deve ao fato de que o álbum foi lançado para o mercado americano. Uma maneira de engrossar o caldo, pelo menos para os lados de lá. Turrentine é sem dúvida um dos maiores nomes do jazz americano, mas a sua participação no disco é tão igual quanto a de outros músicos que fazem o trabalho brilhar. Aliás, é bom dizer, este disco é uma constelação ou um baú cheio de jóias. Só para se ter uma ideia, temos a participação de Sivuca, Dom Um Romão, Airto Moreira, João Palma, Ron Carter, Toots Thielemans, Hubert Laws, Bob Mann e mais uma meia dúzia de outras feras. Isso sem esquecer de Eumir Deodato que além de tocar é também o arranjador. Astrud, com sua vozinha doce e angelical, dá ainda mais sabor numa seleção de ótimos ‘hits’ escolhidos a dedo. Um disco realmente fino!
wanting things
brazilian tapestry
to a flame
solo el fin (for all we know)
zazueira
ponteiro
traveling light
vera cruz
história de amor
where there’s a heartache
just be you (bonus)
the puppy song (bonus)
polytechnical high (bonus)

Astrud Gilberto – Beach Samba (1967)

Hoje, excepcionalmente, estou fazendo esta postagem rápida e automática, apenas para tampar buraco. Espero para o mais breve possível resolver os problemas e continuar com as postagens programadas. Por hoje eu deixo esse inesperado lp de Astrud, de 67. Se você ainda não o viu em outros blogs, não perca essa chance. Muito bom… :p

stay
misty roses
the face i love
a banda (parede)
oba, boa
canoeiro
i had the craziest dream
bossa na praia (beach samba)
my foolish heart
dia das rosas (i think of you)
you didn’t have to be so nice
não bate o coraçao
tristeza ( goodbye sadnes)
call me
here’s that rainy day
tu meu delirio
it’s a lovely day today
tu meu delirio
it’s a lovely day

Astrud Gilberto – Now (1972)

Taí um dos álbuns da Astrud que eu gosto muito. Gravado em 1972, disco tem participações prálá de especiais de Eumir Deodato, Airto Moreira, Mickey Rocker, Billy Cobham, Ron Carter, entre outras feras do jazz e fusion. O repertório é bem apropriado, com composições de Astrud e interpretação ‘made in usa’ para clássicos da MPB. Tem também uma versão de um das músicas mais famosas de Milton Nascimeto e Fernando Brant, “Travessia”, que ficou muito boa. Toque esse toque…

Zigy Zigy Za – (Astrud Gilberto)
Make love to me – (Astrud Gilberto, Eumir Deodato)
Baião – (L. Gonzaga, H.T eixeira)
Touching You – (P. Adams, D. Jordan)
Gingele – (Astrud Gilberto)
Take It Easy, my Brother Charlie – (Jorge Ben)
Where Have You Been? – (Astrud Gilberto)
General da Banda – (J. Alcides, T. Silva, S. de Mello)
Bridges – (Milton Nascimento, F. Brant, G. Lees)
Daybreak (Walking Out on Yesterday) – (B. Bingham)