Carlos Lucena – Raízes Do Franco (1982)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Mais uma vez, eu cheguei já no final da festa. Mesmo assim ainda há tempo de deixar aqui o meu toque musical do dia. E quem vai nos salvar é o músico mineiro, Carlos Lucena. Eu já havia postado dele um outro disco, na verdade seu segundo álbum, também independente. Agora eu volto com ele em seu primeiro disco, gravado em 1982, em São Paulo. Nesta época, Cacá morava em Sampa, tocando na noite. Um artista então com seus 18 anos, tentando mostrar o seu trabalho. Gravou este álbum, sendo todas as músicas autorais. Seu canto e a sua música trazem muito as características da música mineira. Logo nos primeiros acordes a gente sente isso.

Vou deixar vocês conferindo aí.. Vou tomar um banho e cair na cama. Amanhã o dia promete…
meu cantar
oscilações da vida
doce liberdade
vida par que te quero
raizes do franco
viventes
brisa aos homens
nosso chão
compromisso com o sol

Carlos Lucena – Dança Das Flores (1985)

Olá! A semana passou tão rápido que eu nem me dei conta de já estarmos numa sexta feira. Quando a gente anda muito ocupado e com a cabeça cheia de problemas, as vezes essa percepção passa batida. Confesso que hoje, para mim, não é um dos melhores dias, embora seja o dia que eu mais gosto. Estou sem tesão até para escrever. Mas eu não vou deixar a peteca cair.

Segue aqui a postagem com o um disco independente da semana. Vamos hoje com o cantor, compositor e instrumentista mineiro Carlos Lucena. Para os que não o conhecem, Cacá é um artista dos mais interessantes. Sua música tem o sabor das coisas de Minas e uma poesia
que reflete elementos místicos relacionados a natureza e a ecologia. Como tantos outros artistas do interior mineiro, ele também seguiu para os grandes centros urbanos. Mas ao contrário da maioria, preferiu voltar às suas origens. Ele nasceu na cidade de Joaíma, no norte de Minas. Veio ainda muito novo para a capital. Participou de diversos festivais, inclusive em São Paulo, onde lá também ficou por um tempo, tocando na noite. Em Belo Horizonte ele tocou ao lado de grandes nomes mineiros como Lô Borges, Tadeu Franco, Paulinho Pedra Azul, Dércio Marques e muitos outros. Ele vive atualmente na cidade de Teófilo Otoni.
“Dança da folhas”, uma produção independente, foi seu segundo disco. Uma viagem às coisas místicas, ao mundo dos gnomos e fadas . Um trabalho que segundo ele é dedicado à magia da Divina Natureza, ao encantamento do doce canto dos elementais. Será que foi isso mesmo que eu entendi? Aaah… não importa, eu também acredito em duendes e adoro a sua música. (Desculpe, Cacá, mas hoje tá difícil…) Melhor mesmo é ouvi-lo 🙂
franco
sina de cantador
clara
a solidão nas estradas
os anjos da nova era
a danças das folhas
forró da boa esperança
hippie
romântica
uma canção na estrada do sol