Passa, Passa, Passará – TSO (1986)

Compositor,  tecladista, arranjador e professor de música, Antônio Adolfo (Rio de Janeiro. 10/2/1947) fez, em parceria com Tibério Gaspar, sucessos que ainda hoje estão na memória de muitos, tais como “Sá Marina”, “BR-3”, “Juliana” e “Porque hoje é domingo”.  É irmão de outro cantor-compositor bastante conhecido, Ruy Maurity, e pai da cantora Carol Saboya. Em 1971, no auge da ditadura militar, Antônio Adolfo  resolveu sair do Brasil, indo para os EUA e Europa, a fim de realizar estudos de aperfeiçoamento musical, retornado anos mais tarde para atuar como músico de estúdio. Em 1977, resolveu criar seu próprio selo fonográfico, o Artezanal, passando a produzir ele mesmo seus discos. Nesse ano, lançou seu primeiro álbum nesse novo esquema, “Feito em casa”, que é considerado o primeiro LP independente na história fonográfica brasileira. E, evidentemente, viriam muitos outros. Desde 1985, ele se dedica à sua escola de música, o Centro Musical Antônio Adolfo, além de participar em eventos internacionais como músico e educador, sem deixar de lado a carreira de intérprete. Ganhou dois Prêmios Sharp de Música, pelos álbuns “Antônio Adolfo” (1995) e “Chiquinha com jazz” (1997), este último dedicado á obra de Chiquinha Gonzaga. Em 1986, o selo Artezanal produziu o álbum que o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados. É a trilha sonora do musical infantil de teatro “Passa passa passará”, com texto de Ana Luiza Job, mulher de Antônio Adolfo (suas filhas, Carol Saboya, então atuando no teatro infantil, e Luísa Maria, sempre adoraram o gênero), e para o qual, além dele, também produtor, arranjador e executante das faixas deste disco, Xico Chaves e Paulinho Tapajós colaboraram na elaboração das canções.  A peça foi encenada com sucesso em teatros cariocas, e vez por outra ressurge em novas montagens. E, deste disco, participaram nomes de peso:  Oswaldo Montenegro, Elza Maria, Zezé Gonzaga, Joyce (atualmente Joyce Moreno), Leci Brandão e, claro, o irmão de Antônio Adolfo, Ruy Maurity, e a filhota, Carol Saboya, esta integrando o coral do Passa Passa Passará, ao lado de Paulinho Tapajós e do maestro Ary Sperling, entre outros. Tudo produzido com elevado padrão técnico e artístico, com músicas bem elaboradas e cativantes. Enfim, mais um trabalho de primeiríssima qualidade que o TM oferece hoje, para o encanto e o deleite de crianças e adultos!

passa passa passará

cacarejando

o menino perdido

samba do macaco

natureza

blues da raposa

bola de cipó

abelhinha

fazendo bolo

caracol

* Texto de Samuel Machado Filho

O Sonho De Alice – Trilha Sonora Original (1982)

Olá. amigos cultos, ocultos e associados! Após o disco de “Chapeuzinho Amarelo”, baseado no livro infantil homônimo de Chico Buarque, até hoje best-seller, e que virou bem-sucedido musical teatral, o TM apresenta hoje mais um álbum para crianças de todas as idades, com a trilha sonora de outro grande sucesso do teatro infantil brasileiro no início dos anos 1980. Trata-se de “O sonho de Alice”, concebido por Fred Pinheiro e Thanah Corrêa, adaptando os dois livros do escritor britânico Lewis Carroll protagonizados pela famosa personagem-título, “Alice no País das Maravilhas” e “Alice através do espelho”. No enredo, a menina Alice acorda em um estranho reino e sai à procura da sua gatinha Diná. E é no País das Maravilhas que ela encontra personagens diferentes, como o coelho branco, o Gato Quem, a Lebre de Março, o Chapeleiro Maluco (em uma festa de “desaniversário”),  Tocatim e Tocatum, que lhes ensinam noções de amizade, respeito e liberdade.  Estrelado por Myrian Rios (que afastou-se da vida artística e hoje é membro da comunidade católica Canção Nova),  e produzido por ela juntamente com seu então marido, o “rei” Roberto Carlos, “O sonho de Alice” alcançou grande repercussão, tanto que, segundo depoimento da própria Myrian, “tinha até cambista na porta do teatro, e isso é raro numa peça infantil”.  O espetáculo foi apresentado no Teatro Villa-Lobos, do Rio, e, em São Paulo, no antigo Teatro Zaccaro, encantando crianças e adultos. E, vez por outra, “O sonho de Alice” é remontado, com outros elencos.  Agora, o TM apresenta o álbum com a trilha sonora de “O sonho de Alice”, com seu elenco original, tendo, claro, Myrian Rios à frente, lançado em 1982 pela CBS, a mesma gravadora de seu então cônjuge, Roberto Carlos. Evidentemente, como co-produtor do espetáculo, ele também compôs a maior parte das músicas, tendo a colaboração de nomes como o eterno amigo e parceiro Erasmo Carlos, Paulo Sérgio Valle, e o maestro Eduardo Lages, então figura de proa nos shows e discos de Roberto. O disco reproduz a magia e o encanto da versão teatral, e o encarte dá-se ao trabalho de incluir um roteiro da história, junto com a reprodução das letras das canções. Enfim, uma orientação e tanto para se apreciar melhor este álbum que o TM hoje nos oferece. É ouvir e sonhar…

reino encantado

alice

as flores

marcha soldado

tocatum e tocatim

lagarta oriental

parabéns pelos 364 dias

a ciranda do mosquito

o gordinho

o gato que ri

tema da rainha

professor sabe tudo

a tartaruga

o cavaleiro

oitava casa

valsa real

no reino da felicidade

.*Texto de Samuel Machado Filho

Mulheres De Areia – Trilha da Novela (1973)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Em doses prá lá e homeopáticas, aqui vai saindo mais um toque musical, diretamente do prato do meu tocadiscos. Há tempos eu não posto uma trilha. Essa, presente do amigo Fares, veio bem a calhar.
Temos aqui a trilhada novela da Rede Tupi, de 1973, “Mulheres de Areia”, escrita por Ivani Ribeiro, direção de Carlos Zara e tendo como atriz principal, Eva Wilma. As músicas que compõem a trilha são temas nacionais e internacionais, sendo que boa parte dessas são músicas pertencem aos selos Philips e Polydor, cedidas gentilmente para compor o lp. Mas há também as produções da Sinter em parceria com a Tupi. O disco conta com a direção de estúdio de Arnaldo Saccomani que além de produzir alguns artistas e faixas, também compõe. Lp bem interessante e diversificado, como convém a uma coletânea de trilha sonora. Vale a pena ouvir...

first love – phonoband
the night i got out of jail – ten wheel drive
violão vagabundo – baden powell
maldição – maria bethania
geração do amor – phonoband
o navegante – mpb-4
last love – phonoband
beautiful – isley brothers
drops – cynthia
te amo eternamente – celso ricardi
a viola e o cantador – renato teixeira
easy come easy goes – phonoband
.

Remo Usai E Sua Orquestra – 7 Homens Vivos Ou Mortos (1968)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago para vocês um disquinho de trilha de filme. Digo disquinho porque se trata de um compacto. Porém, é dos mais interessantes e por certo, merece o nosso toque. Temos aqui a trilha, ou melhor dizendo, o tema completo (parte 1 e 2) para o filme “7 Homens Vivos ou Mortos”. Um ‘thriller policial’ com participação de grandes nomes do cinema nacional nos anos 60, como se pode ver logo na capa. A trilha/tema e execução é do maestro Remo Usai, um nome estranho e certamente para uma maioria um ilustre desconhecido, mas foi um dos mais atuantes e bem preparado compositores brasileiros de trilhas para o cinema. No seu currículo há mais de cem filmes. Eis aí um personagem que merecia uma melhor apresentação, mas como aqui tudo é meio ‘a toque de caixa’, eu vou apenas repassar este link. Leiam o texto escrito pelo pesquisador Martin Eikmeier sobre Remo Usai. Eu, por outro lado, vou procurar outras trilhas que possivelmente tenham sido editadas em lps. Não me lembro de nenhuma, mesmo assim vale a caça. Taí um compositor que a gente precisa conhecer. Eu, adoro trilhas 🙂

7 homens vivos ou mortos (parte 1)
7 homens vivos ou mortos (parte 2)
.

Mickael – O Meu Pé De Laranja Lima (1970)

Boa noite a todos os amigos cultos e ocultos! A quem possa interessar, aqui vai um disco muito interessante. A trilha sonora da primeira versão na teledramaturgia de “Meu pé de laranja lima”, uma adaptação de Yvani Ribeiro para a obra de José Mauro de Vasconcelos. Novela que foi ao ar em 1970, pela memorável TV Tupi. A trilha é composta exclusivamente por músicas de Mickael, um nome sobre o qual eu não não tenho nenhuma informação. Até mesmo no Google é difícil achar. Certamente algum dos amigos cultos deve saber alguma coisa, afinal duas músicas deste disco, “Feriado nacional” e “Liberação da alma”, fizeram um relativo sucesso na época, Quem puder nos esclarecer onde, quando e quem foi Mickael, vou ficar muito grato.

liberação da alma
minha jandira
em qualquer esquina do mundo
lá nas montanhas
meigo sol
vida
feriado nacional
pelo ar, pelo chão
meiga mulher
tema de amor n.1
tema de amor n.2
kenia
.

O Fabuloso Fittipaldi – Trilha Sonora Original (1973)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu estou trazendo aqui um dos muitos discos que recebi como doação. Aliás, que bela doação! Ao contrário do comum, adquiri uma seleção de discos raríssimos, principalmente de jazz e trilhas sonoras. Ainda estou em fase de catalogação, separando o que fica e o que vai… Naturalmente, há muita coisa aqui para ser apresentada a vocês. Basta ficarem ligados, pois o tempo para download é curto e não tem reposição.
Entre as novidades recebidas, apresento a vocês uma trilha sonora muito legal  Inclusive, trata-se de um álbum raríssimo que muito colecionador gostaria de por a mão (tá na mão…). “O Fabuloso Fittipaldi” foi um filme tipo documentário feito pelo cineasta Roberto Farias sobre um dos maiores pilotos da Formula 1, o (sem dúvida) fabuloso Emerson Fittipaldi. Quando o filme foi lançado, Emerson era o grande campeão, ídolo de uma geração e orgulho dos brasileiros. Para dar o ritmo necessário ao filme Roberto Farias contou com a criatividade dos irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle, que compuseram as músicas e tiveram no super grupo Azimuth a interpretação mais que impecável. Uma belíssima trilha, mas que merecia mais atenção enquanto música e nos cortes. A relação das faixas, por alguma razão não condiz exatamente com o que é apresentado no disco. Assim, minha edição ficou deste jeito:

fittipaldi show
tema de maria helena
vitória
ridt
acidente
azimuth (mil milhas)
tema de maria helena
virabrequim
.

Carnaby Street Pop Orchestra And Choir – A Taste Of Excitement (1978)

Olá amigos cultos e ocultos! Embora eu tenha sempre uma montanha de discos e artistas a explorar nesse fantástico trabalho de arqueologia fonomusical, as vezes eu gosto de sair um pouco do tom. Ou por outra, as vezes acabo indo além, trazendo aqui coisas que aparentemente não teria nada a ver com o proposto, os discos e os artistas brasileiros. O disco de hoje é um caso extra, não é um criação de nossos artistas, mas traz diversos elementos relacionados ao contexto fonográfico nacional e suas curiosidades. Começando pela gravadora, o selo Top Tape que sempre primou pela ‘internacionalização’ da música pop no Brasil, criando e lançando seus diferentes discos/artistas com pinta de estrangeiros. Essa é uma história já bem conhecida e até comentada aqui em outras postagens. Daí, tudo que vem da Top Tape é sempre bom verificar com atenção. “A Taste Of Excitement” é um bom exemplo da maluquices aprontadas pela gravadora. Um álbum re-produzido pela gravadora, bem ao estilo de suas outras produções. Este álbum saiu em 1978, praticamente dez anos após o seu lançamento título original, com o “The London Theme” e executado pela Carnaby Street Pop Orchestra And Choir e dirigida por Keith Mansfield, músico e arranjador inglês, responsável por trabalhos com inúmeros artistas e principalmente compositor de trilhas para o cinema e televisão. O disco foi relançado com esta nova capa, sem nenhuma informação técnica ou artística e tendo as suas músicas com a ordem trocada. A faixa “A Taste of Excitement” é uma memorável trilha de novela da Rede Globo. Aliás, o disco foi praticamente todo utilizado pela emissora com fundo musical. Outra, talvez ainda mais conhecida por todos é a faixa “Dr. Jeckle and Hyde Park”, neste álbum apresentada apenas como “Hyde Park”. Esta música ficou conhecidíssima por ter se tornado o tema de abertura do programa “Esporte Espetacular”.
A Carnaby Street Pop Orchestra And Choir, ao que tudo indica, existiu apenas para dar nome a um trabalho excepcional. Este disco é sem dúvida uma pérola rara. Tanto o original quando esta versão da Top Tape, são hoje discos raros, disputados a tapa por colecionadores. Quem quiser um, me avise… tá na mão, ma sem tapa, ok? 😉

a taste ofo excitement
hyde park
funky fanfare
drum diddley
boom bang a bang
teenage carnival
show rocker
piccadilly night ride
congratulations
londo hilton
young scene
puppet on a string
.

Garota De Ipanema – Trilha Original Do Fime (1967)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Eu hoje estava para postar uma homenagem ao Nonato Buzar, que veio a falecer neste domingo. Pensei em postar algum disco dele, mas pecebi que não tenho nenhum além dos arquivos de dois dos seus trabalhos. Só não postei porque não estava no padrão TM, quer dizer, sem capa e contracapa. Mas ainda farei, quem sabe, uma coletânea. Ele merece 🙂
Também perdemos o cineasta, num caso trágico, o cineasta Eduardo Coutinho. Fiquei pasmo com o caso. A vida imitando a ficção… loucura!
Acho que meio por conta do Cinema’ foi que hoje eu decidi então postar este disco, a trilha sonora do filme “Garota de Ipanema”, de Leon Hirszman. ‘Para me facilitar e também abrilhantar nossa postagem, vou pegando emprestado o texto escrito por Fernando Zamith em 2011 sobre o filme:

Uma raridade. “Garota de Ipanema” (1967), de Leon Hirszman (1937-1987), é um dos filmes brasileiros mais esquecidos da história. Que mistério cerca esse sumiço? É algo deliberado deixá-lo no limbo da memória?
Mesmo entre os defensores do cinema novo, há uma omissão velada. Parece até que apagaram os detalhes maiores da filmografia do cineasta de “Eles Não Usam Black-Tie” e “São Bernardo”. Quando muito aparece só o nome do filme e o ano (1967) e pronto.
Também pouca gente menciona que o co-roteirista do filme foi ninguém menos do que Glauber Rocha, ícone do movimento cinema novo. Glauber Rocha? Exatamente, mas em algumas fichas técnicas publicadas seu nome não aparece. Por que será?
O filme não existe em DVD e nem ganhou lançamento em fita VHS lá pelos anos 80. Inspirada na canção mais celebrada de Antonio Carlos Jobim e das mais gravadas no mundo, o filme surpreendeu, pois nada trazia dos versos famosos da letra de Vinicius de Moraes.
Nada a ver com a canção inspirada na garota adolescente da vida real (Helô Pinheiro). A garota do filme é um personagem fictício, a jovem Márcia, de 17 anos, papel da atriz então iniciante Márcia Rodrigues. O roteiro ainda tem um crédito para Vinicius de Moraes (que aparece na tela), ao lado de Eduardo Coutinho.
“Garota de Ipanema” – o filme é mais um retrato social de pais e filhos no Rio de Janeiro dos anos 60. Um elenco de nomes famosos em pequenos papéis. O jornalista João Saldanha, por exemplo, faz o pai da garota de Ipanema. Nas imagens do vídeo abaixo, você pode vê-lo entrando no Fusca estacionado numa rua do bairro.
No filme, quem também aparece é um jovenzinho Chico Buarque. E ele canta uma composição que ficou famosa: “Noite dos Mascarados”. Aliás, a trilha sonora é um achado. Há até um rock com letra de Vinicius de Moraes cantado por Ronnie Von. Eis o set-list da trilha original de “Garota de Ipanema”, com base no LP de vinil. Quem se lembra dos lados A e B?:
noite dos mascarados – elis regina e chico buarque
lamento do morro – nara leão
surf board – orquestra
ela é carioca – tamba trio
poema dos olhos da amada – vinícius de moraes
a queda – orquestra
tema de abertura (garota de ipanema) – orquestra
por você – ronnie von
chorinho – chico buarque
ária para morrer de amor – baden powell
rancho das namoradas – quarteto em cy e mpb-4
tema da desilusão (garota de ipanema) – orquestra
.

O Jardim Das Borboletas – Trilha Do Musical Infantil (1972)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Entre as centenas de discos que um dia fizeram parte da discoteca da Rádio Inconfidência de Belo horizonte, tenho aqui mais um prontamente resgatado e digitalizado, recuperado para aqueles que tem interesse em conhecer um pouco a diversidade fonomusical produzida no Brasil, no tempo do vinil. Me referi à Rádio Inconfidência (A Brasileiríssima) por conta de uma curiosidade relativa ao seu velho acervo de discos. Como praticamente todas as outras rádios pelo Brasil, a Inconfindência também se `modernizou`, abandonou seu acervo musical em lps em troca do prático processo digital. Primeiro os cds, depois o mp3. Ao pensarmos nessa transposição a gente pode até imaginar que antes de transformarem os discos em sucata (estorvo e lixo), fizeram um minucioso trabalho de digitalização e catalogação. Que devem ter tudo lá bem guardado… Ha, ha, ha… qual nada! Não sobrou nada, nem história para contar. Fico pensando em outras rádios ainda mais antigas, tipo a Nacional. O que foi feito de seu acervo? Alguma coisa a gente ainda vê ou escuta por aí, nos blogs, no YouTube e em outras praças onde os mais espertos sabem tirar algum lucro nisso. A coisa está assim… O mais curioso é que hoje são as rádios quem recorrem aos blogs em busca de material raro. Somos nós os fornecedores de suas memórias. Eis aqui um disco cuja a trilha eu ouvi muitas vezes tocando no rádio, por certo a Inconfidência. Agora o disco está aqui na ponta da agulha se eternizando no formato digital, pronto para ser apresentado a vocês e quem sabe resgatado pelo Tuti Maravilha, ou algum outro apresentador de rádio.
O lp “O Jardim das Borboletas” é uma trilha de um musical infantil escrito por André José Adler. Nele temos uma série de músicas muito boas feitas especialmente para o espetáculo, com compositores de peso como Taiguara, Zé Rodrix, Eduardo Souto Neto, Paulo Imperial e Jorge Omar. Este disco já foi apresentado em outros blogs, mas aqui, quando a coisa é boa, a gente sempre busca reforçar 🙂 Vamos ouvir?
jardim das borboletas
marron carmim
1, 2, 3, 4
rock do grilo
viva a vida girassol
anoitecer
duse borbô
a dança das borboletas
tema de amor do girassil
o nosso jardim
a vida aí forapode não ser bem assim, mas tente lembrar do nosso jardim
.

Ovelha Negra – Trilha Original Da Novela (1975)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui estamos, sempre atrasados, mas nunca a ponto de perder o trem. Mineiro é assim, perde a hora, mas não perde o trem. Ô trem bão!
Escolhido no escuro, eis aqui o disco do dia (ou da noite, se preferirem). Um álbum que eu mesmo pouco sei, além das informações nele contidas. Trata-se, obviamente, de um trilha sonora de novela, a qual eu nem sabia da existência. Novela de Walter Negrão e Chico de Assis,  realizada pela extinta TV Tupi em 1975. Na contracapa podemos ver um grandioso elenco, com muitos artistas famosos. Mas confesso, não me lembro dessa novela. E olha que nessa época, lá em casa não se perdia uma novela. O certo é que além de um grande elenco, temos também uma boa e variada trilha, com músicas, algumas, até bem conhecidas. Dois bons instrumentais, “Trenzinho do caipira”, de Villa Lobos, com a Orquestra de Renato de Oliveira e “Abismo de rosas”, de Americo Jacomino, na brilhante interpretação de Radamés Gnattali já valem o disco. Mas temos outros bons destaques como Paulinho Nogueira, Fagner e Rolando Boldrin. Trilhazinha maneira, vale a pena ouvir esse toque 🙂
trenzinho do caipira – orquestra renato de oliveira
palavrão – rolando boldrin
amo-te muito – daisy de souza
casinha – silvio brito
beco dos baleiros (papéis de chocolate) – fagner
mourão da porteira – angelo antonio
dez bilhões de neuronios – paulinho nogueira
abismo de rosas – radamés gnattali
atitude – rolando boldrin
menestrel – angelo antonio
vida mansa – marcelo costa
 .

A Deusa Vencida – Trilha Original Da Novela (1965)

Olás! Boa noite a todos! Chegamos a mais um fim de semana e eu só agora me lembrei que não postei nenhum compacto nos últimos dias. Assim sendo, aqui vai um no capricho, pronto para degustar 😉 Tenho aqui este compacto lançado pela Odeon , trazendo a trilha sonora da novela “A Deusa Vecida”,  que foi exibida pela TV Excelsior em 1965. Escrita por Ivani Ribeiro, dirigida por Walter Avancini e tendo como protagonistas atores como Tarcísio Meira, Gloria Menezes, Edson França, Regina Duarte e muitos outros que ainda hoje atuam na telinha. Segundo contam, foi a primeira telenovela a ter uma trilha original. As músicas são de autoria de Zaê Junior e Theotônio Pavão (pai da Meire Pavão). Quem as interpreta é o cantor Hugo Santana, que também participa como ator na novela. Manda vê aí…

balada para uma deusa menina

pequena paisagem de amor

Verde Que Te Quero Ver (1985)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje eu estou sendo obrigado a usar um dos meus arquivos de gaveta. Estou fora de casa e sem condições de atende-los melhor. Dá um trabalho quando se tem que fazer tudo pelo celular, isso sem falar na conexão! Mas a gente chega lá… 🙂

Vou aproveitar o gancho do Dia das Crianças e postar aqui um disco super bacana. Uma verdadeira festa, cheia de artistas variados. Temos aqui um musical infantil criado por Paulinho Tapajós e Edmundo Souto: “Verde que te quero ver – A lenda de Luana”. Taí um trabalho muito interessante que vale uma conferida. Se quiserem, é só dar um toque, ok?

verde que te quero ver

canção do despertar

xote dos pássaros

aguapé

boto desbotado

canção do arco íris

conquista do cacique

dança dos brinquedos

doce doce

raio de luar

acalanto de luana

palhaço real

canção de fadas

quando eu ficar grandão

Capitão Aza E Martinha – Compacto (1970)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Tem épocas em que eu esqueço a máxima deste blog, que é ‘ouvir com outros olhos’. Criei o Toque Musical no intuito não só de mostrar raridades da música brasileria, como também tudo aquilo relacionado à áudiotapes, fonogramas e curiosidades desse nosso universo sonoro. É certo que eu tenho muito mais discos de música do que propriamente essas tais curiosidades, mas é sempre bom lembrar, até porque eu quero mais é que apareçam essas gravações por aqui. Adoro receber aquelas ‘sobras de estúdio’, de gravações caseiras, ‘bootlegs’, fitas K-7, demos e etc… Quem tiver aí algo que considere relevante, não se acanhe, envie aqui para o nosso TM, ok?

Hoje eu farei da seguinte maneira, vou iniciar postando um compacto. Se ao longo do dia eu tiver tempo, irei postando outros. Separei aqui alguns disquinhos que me dão uma saudade danada, coisas que fizeram parte da minha infância ou serviram de trilha para muitos momentos bons da minha vida. Começo com este do Capitão Aza. Coisa mais curiosa, lá em casa tinha este disquinho, o qual eu, meus primos e amigos custumávamos a ouvir. A gente conhecia o tal Capitão Aza apenas pelo disco, só bem mais tarde é que viemos a saber que aquilo era parte de um seriado de televisão, que por acaso, não era transmitido na minha cidade. Mesmo assim a gente gostava de fantasiar e cantar o “ABC” e “Sideral”, as duas músicas do disco. Aquilo era legal. Acho que eu só vim mesmo a assistir o programa lá por volta de 74, quando então já era colorido.
“Capitão Aza” foi um programa infantil, surgido nos anos 60, no auge da ditadura. O nome era uma homenagem à um antigo aviador brasileiro, herói da FAB, que lutou na Segunda Guerra Mundial, o capitão aviador Adalberto Azambuja, conhecido com “Aza”, entre seus colegas. Quem encarnava o personagem era o ator (e policial civil) Wilson Viana. No programa eram apresentados aqueles desenhos que hoje são verdadeiros clássicos, mas havia também uma preocupação por parte dos produtores em trazer naquele divertimento um conceito de formação moral às crianças, tendenciosamente militar. O programa durou mais de uma década, sempre fazendo muito sucesso e cheio de atrações.
Este compacto, creio eu, já era da segunda fase, anos 70, talvez 1970, quando então o Capitão Aza tem como assitente mirim a garotinha loira chamada Martinha. Não sei bem ao certo, mas existem outros discos, até lps do CA. Neste diquinho, a produção é de Durval Ferreira, que também é co-autor das duas músicas. “Sideral” é uma parceiria com Tibério Gaspar.
Estou vendo aqui na rede que este compacto se tornou objeto de desejo de muitos fãs. Tem gente pagando bem para tê-lo nas mãos. Acho que vou anunciar o meu no Mercado Livre, quem sabe… Aliás, estou mesmo para fazer isso, juntar um monte de discos raros e colocá-los à venda. Quem gosta, fique ligado. Mais do que dinheiro, o que anda me faltando é espaço. Dizem que tudo aquilo que a gente guarda sem usar por mais de um ano é porque já não nos faz falta. Tô precisando entrar esse ano naquela do, DESAPEGA!!!
abc
sideral

Opera Do Malandro – Trilha Original Do Filme (1987)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Como eu já havia dito anteriormente, estamos tendo a segunda e terça feira dedicados às postagens, respectivamente, de trilhas e música erudita por um tempo determinado. Seria até o fim deste ano ou enquanto durasse o estoque. O ano ainda não acabou e o estoque também não, porém outras publicações clamam por seu espaço. Agora mesmo estou nessa onda de digitalizar e postar bolachas de 78 rpm. Há também outros tantos discos que eu não vejo a hora de postar aqui no Toque Musical. Em sumo e em resumo, a partir de dezembro, novas mudanças: segunda feira será para postagens do GRB (Grand Record Brazil), o selo exclusivo do TM. A terça volta a ser livre. Os clássicos, eruditos e também as trilhas, continuam sendo publicados, mas sem dia certo.

Para hoje, vamos com a trilha do filme de Ruy Guerra, “Opera do Malandro”, um musical baseado em outro, “A opera dos três vinténs”, de Bertold Brecht e Kurt Weill. O roteiro do filme é de Chico Buarque, Ruy Guerra e Orlando Senna. As músicas são todas de Chico Buarque, com arranjos do Maestro Francisco de Morais.
Eu, na verdade, preferia postar o disco da Opera do Malandro, do Chico, mas esse, além de já bem explorado em outros blogs, fatalmente acabaria se tornando um REPOST e limitado aos membros do Grupo Toque Musical. Melhor mesmo é ficarmos na trilha do filme 😉

a volta do malandro – a gang
la muchachas de copacabana – elba ramalho
tema da geni (instrumental)
hino da repressão – ney latorraca
aquela mulher – edson celulari
viver do amor – as mariposas
sentimental – claudia ohana
desafio do malandro – edsomn celulari e aquiles
o último blues – claudia ohana
palavra de mulher – elba ramalho
o meu amor – elba ramalho e claudia ohana
tango do covil – os muchachos
uma canção desnaturada – suely costa
rio 42 – as mariposas
pedaço de mim – elba ramalho e edson celulari


Quincas Berro Dágua – Trilha Sonora Original (1972)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Acordei já meio no atraso. Segunda feira é barra… e eu não aprendo a deixar alguma coisa pronta no fim de semana. Acabo tendo que recorrer aos meus essenciais ‘discos de gaveta’. Esses sim, estão sempre prontos para uma emergência.

Como hoje é dia de trilhas, aqui vai um disquinho raro que me foi enviando há algum tempo atrás e eu já nem me lembro que foi o colaborador (são tantas emoções). O fato é que eu não cheguei a postar esse disco antes porque ainda faltavam os selos. Deixei-o na gaveta dos incompletos, mas mais incompleto está o meu tempo de ficar aqui digitalizando algo novo. Vai ser mesmo esse disco, sem os selos infelizmente.
O que temos aqui é um compacto duplo, de cinco faixas, lançado pela Philips. Trata-se da trilha sonora de uma peça teatral de João Augusto, adaptada do livro “Morte e a morte de Quincas Berro D’Agua” de Jorge Amado, publicado originalmente em 1959. A peça “Quincas Berro D’Agua” estreou no Teatro Vila Velha, de Salvador, em 1972 e trazia uma trilha original, composta exclusivamente para o trabalho. Temos aqui composições de Dorival Caymmi, Fernando Lona, Edil Pacheco e João Augusto, Gereba e Patinhas. Músicas interpretadas pelo MPB-4, Nara Leão, Fernando Lona, Edil Pacheco e Gereba. Os arranjos são de Luiz Claudio e Magro Waghabi. A direção musical foi de Roberto Menescal, Mazola e Paulo Tapajós. Com podemos ver, um grande trabalho, embora resumido a um compacto. Capinha bacana também, vocês não acham? 🙂 Confiram aí…
canto de nanã – mpb-4
beira mágoa – nara leão
baião de quincas – gereba
ensinaça – edil pacheco
venha – fernando lona

A Fábrica – Trilha Original Da Novela (1971)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ainda na estrada, sem saber direito a que horas eu estarei de volta, vou aproveitar enquanto tomo o café para fazer esta postagem. Hoje iremos com outra trilha de novela, a única que eu tinha à mão, ou melhor, no meu computador.

Vamos com a trilha de “A Fábrica”, novela levada ao ar em 1971. Escrita e dirigida por Geraldo Vietri, teve uma trilha preparada especialmente para o drama e contou para isso com a Grande Orquestra Copacabana e alguns de seus regentes/arranjadores. A trilha é totalmente orquestral com alguns temas criados a partir da música erudita, clássica e outras em arranjos criados pelos maestros Portinho, Leo Peracchi, Renato de Oliveira, Edmundo Vilani, Salinas e Moacyr Portes. Para quem gosta de orquestra, taí um prato cheio. Vão conferindo aí, porque eu aqui já estou de saída.
canção da alegria (baseado no último movimento da 9ª sinfonia, de beethoven
tema da sinfonia nº 40 em sol menor, de mozart
concert for a lover’s ending
cinismo
tema de izabel
nosso primeiro amor
opus nº 3
opus nº 4
a força do amor
or-nan
a canção anti tóxico

Véu De Noiva – Trilha Original Da Novela (1969)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Entre tantos temas e trilhas postados aqui no Toque Musical, um disco que eu sempre pensei em postar foi este da trilha da novela da Rede Globo, “Véu de Noiva”. Da novela eu não me lembro, mas a sua trilha é inesquecível. Isso, para mim, se deve ao fato de que naqueles tempos as trilhas eram feitas exclusivamente para as novelas. Era um trabalho dedicado e primoroso, de identificação imediata com seus personagens ou ação. Para compor temas com esse conceito, só mesmo recrutando artistas e compositores talentosos. Embora eu não assista à novela, sei que as de hoje em dia, somente os temas de abertura são realmente valorizados, as vezes oficiais. As demais, acabam entrando na trilha por conveniência, jabás, oportuni$mo e outras incompetências, típicas das novas gerências, que de música não entendem nada.

Em “Véu de Noiva”, novela de Janet Clair, encontraremos um excelente exemplo de trilha sonora. Músicas perfeitas, valorizando os temas instrumentais. As músicas cantadas foram escolhidas a dedo, dentro de uma sintonia com o drama. Também, nessa época, quem estava por trás da produção era gente competente, era o Nelson Motta. Podemos encontrar aqui pérolas como “Teletema”, de Tibério Gaspar e Antonio Adolfo; “Tema de Luciano”, de Cesar Camargo Mariano (interpretada aqui por Luiz Eça); a belíssima “Azimuth”, de Marcos Valle e Novelli… Putz, só musicão! Segue a baixo a relação de todas elas. Quem ainda não ouviu essa trilha, não sabe o que está perdendo. Taí mais uma chance…
tema de luciano – luiz eça
tele tema (tema de amor) – regininha
azimuth (mil milhas) – apolo IV
gente humilde – márcia
depois da queda (tema de flor) – roberto menescal
irene – elis regina
andréa – joyce
azimuth (tema de marcelo) – apolo IV
teletema (tema de amor) – regininha e laércio
irene – wilson das neves
abertura – the youngsters
teletema (tema de amor) – claudio roditi

Ninho da Serpente – Trilha Original Da Novela (1982)

Boa noite! Antes que o horário de verão leve o resto do dia, deixa eu fazer aqui a postagem de hoje. Ainda naquela preguiça , vou ser breve…
Temos aqui a trilha sonora da novela da Band, “Ninho da Serpente”. Alguém aí assistiu? Provavelmente muito poucos. Lembrar então, nem se fala… Mas a trilha, essa sim, todo mundo sabe. Composta, em sua maioria, por gravações de sucesso pinçadas dos arquivos da Polygram. Nada muito original, mas vale a pena ouvir (de novo) Chico Buarque, Gal Costa, Elis, Fafá de Belém… e por aí a fora.
Pronto, cumprida a tarefa! Não muito boa, não muito ruim… perfeita para uma segunda feira ‘lombada’.

atrás da porta – elis riegina
outra vez – emilio santiago
vida – chico buarque
baby – gal costa
como é grande o meu amor por você – claudette soares
tudo mudou – chico da silva
bilhete – fafá de belém
as rosas não falam – emilio santiago
chuvas de verão – caetano veloso
pra não dizer que não falei de flores – jair rodrigues
as aparências enganam – tunai
maior desejo – wando

Salário Mínimo – Trilha Original Da Novela (1978)

Bom dia amigos cultos e ocultos! Começamos a segunda feira com o Salário Mínimo, mas garanto que até o fim de semana seremos os donos da empresa! Isso aqui, no Toque Musical, é claro!

Hoje é dia de trilha e aqui vou eu com outra de novela. Essa é outra que eu também não me lembrava, mas as músicas, com certeza, são inesquecíveis, na maioria. “Salário Mínimo” foi uma novela da Rede Tupi, em seu último fôlego. Escrita por Chico de Assis e dirigida por Antônio Abujamra. Foi ao ar no final de 1978. Nessa altura a Globo já tinha tomado o poder e formatado as telenovelas de uma tal maneira que não tinha muito para as outras emissoras. Só sobrou mesmo o salário mínimo. Este, por sinal, até hoje, continua uma novela…
Mas, peraí, do que é mesmo que eu estou falando? Que confusão, melhor eu me ater às músicas do disco. Como disse, o salário é mínimo, mas a trilha é boa. Além de alguns medalhões e sucessos populares inquestionáveis, temos também raros e curiosos momentos que a gente só vê e ouve em coletâneas ou trilhas como esta. Um bom exemplo é a faixa “Baião Collection”, uma espécie de ‘pot pourri’ do baião interpretado pelo cantor Fernando Mendes (aquele da ‘menina da cadeira de rodas), com participação de Luiz Gonzaga. O interessante nessa gravação é o arranjo moderninho, com guitarra e uma levada que parede assustar ao velho Lua. Num certo momento da música ele até brinca dizendo: “olha onde foi o meu baião… isso é discoteca… eu conheço isso aí…” E era mesmo, era o tempo da ‘dance music’ e se não dava para distorcer totalmente o baião, pelo menos no nome, “Baião Collection”(o ‘collection’ era um termo comum naquela época das discotecas). Outro encontro feliz é a faixa “Calçadas”, interpretada pelo Wilson Miranda, com participação do Paulo César Pinheiro. Tem também um Tom Zé em “Amor de estrada”, Marcelo cantando “Um sonho” de Gil, Marília Medalha em “Iceberg”, de Sueli Costa e Aldir Blanc, o impagável Sidney Magal e seu sucesso “Tenho”… É, tem muita música interessante, não deixem de conferir. 😉
então vale a pena – simone
sampa – caetano veloso
inconveniencia – lula carvalho
iceberg – marilia medalha
vida norturna – zizi possi
calçadas – wilson miranda e paulo cesar pinheiro
tico tico no fubá- waldir azevedo
tenho – sidney magal
baião collection – fernando mendes e luiz gonzaga
pode chegar – peninha
um sonho – marcelo
de vez em quanto – elizabeth
amor de estrada – tom zé
ai que filosofia – neuber

Kuarup – Trilha Sonora Original (1989)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Eu ainda estou em dívida com alguns de vocês, neste fim de semana não tive condições para refazer velhas postagens. Mas, gradualmente, irei repondo os solicitados, basta que vocês fiquem atentos…
Hoje é dia de trilha. Para variar, vamos dessa vez com uma do filme Kuarup, do cineasta Ruy Guerra. A trilha, maravilhosa, é assinada por Egberto Gismonti, através de sua produtora, a Carmo Produções Artísticas e distribuída em discos pelo selo Kuarup (tudo a ver). O álbum é praticamente instrumental e Egberto conta com um excelente naipe de músicos, uma verdadeira orquestra. Aliás, não, são duas orquestras, uma sob a regência de Jacques Morelenbaum e a outra, a Transarmônica, do próprio Egberto.
Me lembro de já ter visto este filme umas três vezes. Não só pela sua história, baseada no romance de Antonio Calado, ou pelo competente trabalho do Ruy Guerra e seus auxilares. Mas, devo confessar, pela beleza que era a Claudia Raia. Meu Deus, que avião! Desculpem, não resisti, tinha que falar…êta mulher bonita! Que corpão! Morro de inveja do Edson Celulari e mais ainda do ‘bad boy’ Alexandre Frota, que na época, me parece, era o namorado da garota.
Realmente, o filme é todo bom. Se não agrada por um lado, agrada por outro. Porém, a trilha, não tem como não gostar. Egberto Gismonti é um gênio!

senhores da terra
ossuário
valsa de francisca I
anta
urucum
a força da floresta
a dança da floresta
águas
sônia
a morte da floresta
valsa de francisca II
o som da floresta
jogos da floresta
jogos da floresta II
mutação