Larry Guest – Alegria… É Som Embalo Vol. 1 (1971)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Como vocês já devem saber, eu, eventualmente, tenho postado aqui discos de artistas internacionais. Obviamente, procuro trazer aquilo que está fora de circulação e também que seja algo curioso e diferente. No caso de hoje, temos um disco lançado em 1971 pela Musidisc, do Nilo Sérgio, “Alegria… É Som Embalo Vol. 1”. Trata-se na verdade de uma produção italiana, original de 1970 e tem como artistas Larry Guest, Orquestra e Vozes, nome este obscuro que parece ter sido até inventado. O disco apresenta aquele velho conceito ‘no pause’, ou seja, um disco sem divisão de faixas entre as músicas. E como vocês podem ver, são ao todo 29 músicas! Um drops misto com um leque variado de estilos, mariachi, schlager, easy listening, tudo bem aos moldes de um Paul Mauriat. Confiram…

what now my love
something stupid
puppet on a string
love is blue
what a wonderful word
this guy’s in love with you
delilah
congratulation
 a banda
help yourself
my name is jack
strangers in the night
black forest
music to watch girls by
meet mr. guest
if i had a hammer
makin’whoopee
bye bye blackbird
halekin
warst du doch in dusseldorf geblieben
computer n. 3
down by the riverside
la paloma
clementine
la golondrina
cielito lindo
la cucaracha
love me more
canadian express

.

Pierre Kolmann E Seu Conjunto – Para Dançar Vol. 2 (1957)

E o Toque Musical põe de novo na área o pianista Pierre Kolmann, aliás João Leal Brito, o Britinho. Dele, já havíamos oferecido o primeiro e o terceiro volume de “Para dançar”, “Dance com Musidisc” e a coletânea “Seleção de sucessos”, todos lançados pela já saudosa Musidisc, de Nilo Sérgio (que encerrou definitivamente suas atividades em 2013). Portanto, oferecemos hoje a nossos amigos cultos e ocultos o segundo volume de “Para dançar”, editado em 1957, completando, dessa forma, a série. A respeito do pianista, não há muita coisa a ser dita, pois já falamos muito sobre ele nas postagens anteriores. Segundo escreve na contracapa um certo Sebastião Fonseca, a Musidisc  “sentiu-se obrigada” a lançar este segundo volume, em virtude do sucesso do primeiro, consequência inevitável, convenhamos. Ainda de acordo com a contracapa, o álbum é “uma antologia sonora capaz de satisfazeraos mais diversos gostos”. Entre as doze faixas, estão duas composições então inéditas do próprio Britinho/Pierre Kolmann, o samba-canção “Maldição” e o fox “Você e mais ninguém”. No restante do programa, dois sambas carnavalescos de sucesso, “Jarro da saudade” e “Tumba lelê”, um samba-canção clássico, “Dó-ré-mi”, por sinal de autoria de Fernando César, com quem Britinho/Pierre Kolmann também compôs outros êxitos, três foxes norte-americanos,“Mylittleone”, que aliás ganhou letra em português com o título de “Meu benzinho”, popularizada por Agostinho dos Santos, e os sempre lembrados “Myprayer” e “Onlyyou”, eternos hits dos Platters, e ainda “You’resensational”, então êxito de Frank Sinatra no filme “Alta sociedade (High society)”, da MGM. Para completar, três clássicos do bolero, gênero sempre muito bem recebido pelo público brasileiro, “Angústia”, “Historia de un amor” e “Nunca, jamais”. Um álbum de primeira, com o sempre impecável padrão técnico e artístico da Musidisc, e por isso mesmo, merecedor da postagem de hoje do TM. E aí? Dá-me o prazer desta contradança?

jarro da saudade
angústia
maldição
my prayer
história de un amor
you’re sensacional
do ré mi
my little one
tumba le le29
você e mais ninguém
only you
nunca jamais

*Texto de Samuel Machado Filho

Carlos Lee – Bossa Maximus (1966)

Um dos ítens mais atraentes e, ao mesmo tempo, mais enigmáticos, para os colecionadores de raridades discográficas. É o que o TM está oferecendo hoje a seus amigos ocultos e ocultos: o único álbum do cantor Carlos Lee, “Bossa maximus”, lançado em 1966 pela Musidisc de Nilo Sérgio. Como indica o título, é um disco no melhor estilo bossa nova, com doze faixascheias de balanço, por sinal bem suave, tais como “Meu Rio” e “Cantiguinha”. O álbum inclusive chamou a atenção dos executivos do selo britânico Whatmusic, que adquiriu da Musidisc os direitos de lançamento para o Reino Unido. Mas há uma questão que ninguém sabe responder, nem mesmo pesquisadores, colecionadores de discos e ex-funcionários da Musidisc: afinal de contas, quem afinal é (ou era) Carlos Lee , o cantor que assina o disco e, supostamente, aparece na capa, em uma foto num saveiro, na enseada da Urca? Segundo Nilo Sérgio Pinto, filho do fundador da Musidisc, Nilo Sérgio, e detentor do acervo da gravadora, mesmo anos depois da reedição de “Bossa Maximus” no exterior, ninguém foi capaz de dizer qual o paradeiro do cantor, ou mesmo dar alguma informação sobre ele. Seria, por sinal, o mesmo Carlos Lee que gravou dois compactos simples em 1968, um na CBS e outro na RCA Victor? Incógnita total, como se vê. Ainda assim, “Bossa Maximus” é mais um raríssimo produto de alta qualidade técnica e artística, como de praxe nos lançamentos da Musidisc, que o TM oferece com a grata satisfação de sempre. E vamos ver se alguém sabe por onde anda o Carlos Lee…

canto do boiadeiro
meu rio
zulu
amando estou
cantiguinha
capoeira de oxalá
mensagem
subúrbio triste
rei do quilombo
você me conquistou
quarta feira
disseram

*Texto de Samuel Machado Filho

As Três Marias Com Leal Brito E Orquestra – Baião Vol. 1 (1953)

Ritmo popular especialmente no Nordeste do Brasil, o baião ou baiano provém de uma das modalidades do lundu – estilo musical gerado pelo retumbar dos batuques africanos produzidos pelos escravos bantos de Angola, trazidos à força para o Brasil. Foi em outubro de 1946 que o Brasil inteiro tomou conhecimento desse ritmo nordestino, quando foi lançada, na interpretação dos Quatro Ases e um Coringa, a primeira música do gênero de que se tem notícia: exatamente intitulada “Baião”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Assumindo nova tonalidade, com a incorporação um tanto inconsciente das características do samba e da conga cubana, o baião disseminou-se por todo o país e até alcançou êxito internacional. Além de Luiz Gonzaga, o “rei do baião”, vários outros cantores obtiveram sucesso no gênero, tais como Marlene, Emilinha Borba, Ivon Cúri, Ademilde Fonseca e Dalva de Oliveira (que gravou em Londres o clássico “Kalu”, de Humberto Teixeira).  Carmélia Alves era a “rainha do baião”, Claudette Soares, “a princesinha”, e Luiz Vieira, o “príncipe”.  O sucesso do baião até popularizou o acordeom, um dos instrumentos musicais utilizados em sua execução. Merece também ser lembrado Waldyr Azevedo, mestre do cavaquinho, que em 1950 lançou o baião instrumental “Delicado”, êxito em todo o mundo.  Depois de um período de relativo esquecimento, no decorrer dos anos 1960, o interesse pelo baião renasceu a partir do advento da Tropicália, com Gil e Caetano à frente, e marcante influência nos trabalhos de músicos nordestinos desde então. Até mesmo Raul Seixas, o maior astro do rock brasileiro em toda a sua história, criou o que chamava de “baioque”, mistura de baião e rock. Em 1953, quando o baião ainda estava no auge da popularidade, a Musidisc de Nilo Sérgio decidiu lançar uma série de LPs (naquele tempo, de dez polegadas) dedicados ao ritmo nordestino, com o título de “Baião”. É justamente o primeiro desses álbuns (depois vieram mais três) que o TM oferecer hoje a seus amigos cultos e ocultos. A interpretação coube ao grupo feminino As Três Marias, na época formado por Hedinar Martins (irmã de Herivelto), Consuelo Sierra e Maria Tereza, com acompanhamento da orquestra de Leal Brito, isto é, Britinho. Em suas oito faixas (duas músicas em cada uma delas!), reúnem-se  alguns dos baiões de maior sucesso, tipo “Paraíba”, o já citado “Delicado”, “Esta noite serenou”, “Pé de manacá”, “Saia de bico”, “Baião de dois”, “Ê boi”, “Adeus, adeus, morena”, o pioneiro “Baião”, assinados pelos mais expressivos compositores do gênero, como Luiz Gonzaga, Humberto Teixeira e Hervê Cordovil. Com direito até a uma composição do próprio Britinho, “Marilu”, e outras três músicas transformadas em baião, “Maringá” e o clássico carnavalesco “Taí”, ambas de Joubert de Carvalho, mais o motivo folclórico mineiro “Peixe vivo”, canção predileta do então futuro presidente da República, Juscelino Kubitschek. Tudo isso faz deste “Baião número 1” um verdadeiro documento histórico, merecedor, com todas as honras, da postagem de hoje do TM. Confiram…

paraiba – delicado

baião vai baião vem – maringá

esta noite serenou – chuva miudinha

pé de manacá – ta-hi

eh boi – adeus adeus morena

marilu – macapá

saia de bico – baião

peixe vivo – baião de dois

*Texto de Samuel Machado Filho

Pierre Kolmann – Seleção De Sucessos N. 1 (1962)

O TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um álbum do enigmático pianista Pierre Kolmann, lançado em 1962 pela Musidisc de Nilo Sérgio. Cronologicamente, este é o quarto LP de Pierre aqui postado. Como vocês bem se recordam, Pierre Kolmann é um dos muitos pseudônimos  do compositor, pianista e “bandleader” João Adelino Leal Brito, que ficou conhecido como Britinho (Pelotas, RS, 5/5/1917-?, 1964 ou 65). Por mais de três décadas, ele desenvolveu grande e importante atuação em nossa música popular, tendo suas músicas gravadas por inúmeros artistas de prestígio a seu tempo. Como pianista e maestro, gravou inúmeros discos com sua orquestra, e acompanhou cantores diversos. Foi um instrumentista super-requisitado , daí ter adotado o esquema de pseudônimos, usado por outros músicos de sua época, pois assim poderia gravar discos em outras companhias, sem enfrentar problemas de ordem contratual. Curiosamente, os álbuns gravados por Britinho como Pierre Kolmann não estão relacionados  em sua discografia, pois não eram considerados de carreira. Este “Seleção de sucessos”, como já bem explica o título, é uma compilação de faixas que já haviam saído nos LPs anteriores de Pierre Kolmann/Britinho para a Musidisc. Trata-se de um apanhado exclusivamente de músicas brasileiras, de compositores consagrados. A maior parte das dez faixas é assinada pelo mestre baiano Dorival Caymmi: “Marina”, “Rosa morena”, “Acontece que eu sou baiano”, “Saudade da Bahia”, “Maracangalha” e “João Valentão”. Completando o disco, temos “Boneca cobiçada” (Biá e Bolinha), “Conceição” (maior sucesso de Cauby Peixoto, assinado por Dunga eJair Amorim) e duas composições de Fernando César sem parceria, “Vício” e “Dó-ré-mi”.  Enfim, sucessos inesquecíveis que compõem o repertório de mais este interessante álbum na linha “dançante”, daqueles que animavam qualquer festinha caseira, que o TM oferece com a satisfação de sempre. O curioso é que não há registro de lançamento do segundo volume de “Seleção de sucessos”… Mesmo assim, bom divertimento!
marina
rosa morena
boneca cobiçada
acontece que eu sou baiano
conceição
saudades da bahia
maracangalha
vício
joão valentão
do re mi

*Texto de Samuel Machado Filho

Picolino da Portela – Sambistas Unidos (1975)

Hoje, o TM põe em foco um dos mais expressivos nomes do samba carioca: Claudemiro José Rodrigues, ou, como ficaria para a posteridade, Picolino da Portela. Compositor, cantor e ritmista, ele veio ao mundo no Rio de Janeiro mesmo, a 18 de maio de 1930. Funcionário aposentado do Departamento Nacional de Portos e Vias Navegáveis, compôs sua primeira música ainda adolescente, aos 16 anos, para o Bloco Unidos da Tamarineira, de Oswaldo Cruz, e apresentou-se em vários clubes e rodas de samba da então capital da República. Mais tarde, ingressou na Portela, ao lado de Candeia e Waldir 59, passando a integrar a ala de compositores da escola, que presidiu por dois anos. Entre os sambas-enredo que Picolino compôs para a Portela, destaca-se “Legados de D. João VI”, com o qual a escola foi campeã no carnaval de 1957. Em 1963, ao lado de Candeia, Casquinha, Casemiro, Arlindo, Jorge do Violão e Davi do Pandeiro, forma o grupo Mensageiros do Samba, que gravaria seu único LP, “A vez do morro”, três anos depois. Mais tarde, forma o grupo ABC da Portela, ao lado de Colombo e Noca, que participa de vários espetáculos de samba e alguns festivais. O trio obteve sucesso no carnaval de 1968 com o samba “Portela querida”, na voz de Elza Soares. Outros intérpretes que gravaram músicas de Picolino da Portela foram Elizeth Cardoso, Martinho da Vila, Noite Ilustrada, Luiz Ayrão e Eliana Pittman, de quem por sinal é parceiro no samba “Lenços brancos”. Como intérprete, Picolino da Portela deixou escassa discografia: apenas dois LPs (sem contar “A vez do morro”), três compactos simples e um duplo. E dela, o TM traz hoje, para seus amigos cultos, ocultos e associados, exatamente o seu segundo e último álbum-solo: “Sambistas unidos”, lançado em 1975 pela Musidisc, com o selo América. A produção, caprichada, ficou por conta do fundador e proprietário da gravadora, Nilo Sérgio, sob a direção musical de Moacyr Silva, com trabalhos de gravação e mixagem de Max Pierre, supervisionados pelo engenheiro de som Jorge Coutinho.  Um verdadeiro time de “cobras” do disco, que legou-nos este belo trabalho, em que Picolino da Portela  interpreta composições dele, com parceiros (destacando-se “Tô chegando, já cheguei”, já conhecida do público na voz de Eliana Pittman), e ainda de outros autores (como “Maré tá cheia”, do então ainda iniciante Neguinho da Beija-Flor). Um disco  que, como frisa na contracapa o jornalista Luiz Carlos de Assis, mostra o samba simples, puro e autêntico, sendo portanto digno da postagem de hoje do Toque Musical. E agora… ó abre alas, que a Portela quer passar!

deixa a portela passar
tô chegando, já cheguei
maré tá cheia
os teus problemas são meus
prefiro esperar
só restou uma canção
tora de madeira
sebastião
silêncio que o natal morreu
uma saudade que ficou a mais
o teu passado impede o futuro
língua da candinha

*Texto de Samuel Machado Filho

Jota Junior e Seu Conjunto – Nova Bossa Nova (1966)

De vez em quando, os pesquisadores da MPB se deparam com certas incógnitas. E este vem a ser o caso do álbum que o TM hoje oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados. Trata-se do único LP do pianista Jota Júnior e seu conjunto, denominado “Nova bossa nova”, lançado em 1966 pela Musidisc de Nilo Sérgio. Quase nada se sabe a respeito desse músico. Há rumores de que ele teria sido pianista de um outro grupo, denominado Bwana Trio, que gravou um álbum posterior a este aqui, em 1970. De qualquer forma, este “Nova bossa nova” é de um tempo em que esse importante movimento musical, que sempre deu ibope aqui no nosso TM, ainda respirava, mesmo em plena época de Jovem Guarda e festivais.  E no qual predomina o sambalanço bem ao estilo de Ed Lincoln, então também contratado da Musidisc, tipo de música então ideal para as festas e bailes desse tempo. Quase todo o repertório deste disco é formado por trabalhos até então inéditos, assinados por compositores diversos, que foram apresentados pela primeira vez em disco justamente aqui. E com direito a regravações dos clássicos internacionais “Melodie d’amour” e “Lavadeiras de Portugal”.  Deste trabalho, inclusive, a gravadora extraiu dois compactos simples, o primeiro com as faixas ”Vendedor de triguilim” e “Bate a palma”, e o segundo com “O trenzinho” e “O molejo dela”. Um disco, no todo, bastante desfrutável, com Jota Júnior e seu conjunto apoiados por um bom coral de vozes, repleto de “rasteirinhas” muito bem gingadas,  e a alta qualidade característica dos trabalhos fonográficos da Musidisc. Sendo, portanto, merecedor de mais esta postagem de nosso TM, para satisfação de todos os que apreciam o melhor de nossa música popular. É só conferir…

molejo dela

trenzinho

vendedor de trimguilim

melodie d’amour

bate a palma

bop no balanço

marraio

leva

balanceando

ilusão demais

menina tola

lavadeiras de portugal

*Texto de Samuel Machado Filho

Breno Sauer Quarteto – 4 Na Bossa (1966)

Hoje o TM põe em foco um dos mais criativos instrumentistas da época de ouro da bossa nova, que, apesar de ter feito grande sucesso no Brasil, hoje está totalmente esquecido : Breno Sauer.  Ele nasceu em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 1930 (ou 1935, não há certeza). Tanto seu pai como seus três irmãos também eram músicos. Ele começou tocando acordeom em um grupo regional, acompanhando calouros no rádio, também composto de violão, flauta, cavaquinho e pandeiro. Influenciado pelo quinteto de Art Van Damme, montou um grupo com a mesma formação, ou seja, guitarra elétrica, baixo, vibrafone, acordeom e bateria. Mais tarde, o próprio Breno passou a ser o vibrafonista. Com essa formação, grava seu primeiro LP  em 1959, “Viva o samba”. Um ano depois, lança “Viva a música”, com repertório essencialmente de bailes, tocando até mesmo o tema erudito “Pour Elise”, de Beethoven.  Em 1961, Breno Sauer transfere-se para Curitiba e forma um grupo para se apresentar em boates. De lá, vai para o eixo Rio-são Paulo, onde então estavam as melhores oportunidades de trabalho e desenvolvimento profissional. Grava mais quatro álbuns no Brasil até 1966, e, no ano seguinte, parte para uma turnê no México, já com seu grupo convertido em quarteto. Breno morou lá por um bom tempo, inclusive gravando, em terras mexicanas, um excelente LP com Leny Andrade. Em 1974, transfere-se para Chicago, nos Estados Unidos, e forma um grupo com músicos de diferentes nacionalidades residentes na América (brasileiro, japonês, cubano e norte-americano).  A base era: trompete, sax, piano, baixo, bateria, percussão e voz (no caso, a da esposa de Breno Sauer, Neusa). A princípio, o grupo se chamava Made in Brazil, mas como já havia um conjunto de rock com esse nome, este foi mudado para Som Brasil. Em 1983, o conjunto gravou o álbum “Tudo joia”, muito bem recebido pela crítica. Não se sabe se o grupo ainda está na ativa. Pois hoje o TM oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados o quinto LP gravado por Breno Sauer no Brasil, quando seu grupo era um quarteto. Trata-se de “Quatro na bossa”, lançado em 1965 pela Musidisc de Nilo Sérgio, em que Breno está ao vibrafone, acompanhado pelo pianista Adão, o baixista Ernê e o baterista Portinho. Nele, um repertório que mescla standards da bossa nova (“Você”, “Sonho de Maria”, Sambossa”, “Estamos aí”, “O amor em paz”) e do blues (“My many shely”, “Blues for mother”) com direito até mesmo ao clássico “Terra seca”, do mestre Ary Barroso, em produção bem cuidada. Portanto, o TM oferece a vocês uma rara oportunidade de se conferir o talento e a musicalidade de Breno Sauer e, quem sabe, tirar seu nome do injusto esquecimento a que foi relegado.  É ouvir e conferir…

você

essa é nossa

blues for mother

estamos aí

olhou pra mim

sonho de maria

sambossa

amanhã

my many shely

baiãozinho

amor em paz

terra seca

 

*Texto de Samuel Machado Filho

Orquestra Romanticos De Cuba – Quiereme Mucho (1959)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Segue aqui mais um disco da fabulosa Orquestra Românticos de Cuba. E eu que pensava já ter postado aqui mais de uma dúzia de discos dessa orquestra, percebo agora que não chegaram a 4. Então, tenho aqui um bom motivo para postar este disco, “Quiereme Mucho”, terceiro disco dos Românticos de Cuba pela sofisticada Musidisc. Um álbum luxuoso que teve na época duas edições, uma mono hifi e outra em estéreo. Lançado originalmente em 1959, o disco dá sequência aos ritmos latinos, ao bolero principalmente, que está presente nos dois primeiros lps. Desta vez, porém, o repertório inclui autores nacionais como Antônio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, Getúlio Macedo e Irani de Oliveira, Alcyr Pires Vermelho e Jair Amorim, Dalton Vogeler e Esdras Silva e Dolores Duran. Um disco, sem dúvida, perfeito para os amantes de orquestras. Repertório fino! Confiram

fascination – ecstasy
amapola – siete notas de amor
maria elena – india
esperame en el cielo – tu me acostumbraste
se alguém telefonar – castigo
siboney – desesperadamente
aquellos ojos verdes – noche de ronda
till… – love letters
balada triste – ontem e hoje
quiereme mucho – vereda tropical
.

 

O Gato De Botas / O Pequeno Polegar (1957)

Advogado, escritor e poeta, Charles Perrault (Paris, França, 12/1/1628-idem, 16/5/1703) estabeleceu bases para um novo gênero literário: o conto de fadas. Por isso, foi cognominado “o pai da literatura infantil”. Contemporâneo do fabulista Jean de La Fontaine, e membro da Academia Francesa de Letras, Perrault ouvia muitas histórias de sua mãe e nos salões parisienses, e já idoso, aos 62 anos, resolveu registrá-las para publicação em livro. Este, surgido em 1697, quando Perrault já beirava os 70 anos, recebeu o título de “Histórias ou contos do tempo passado com moralidades”, mas também era chamado de “Contos da velha” e “Contos da cegonha”,  ficando afinal conhecido como “Contos da mamãe gansa”. Êxito mundial, o livro foi praticamente o pioneiro do gênero conto de fadas, sendo Perrault o primeiro a dar acabamento literário ao mesmo.
Até hoje, muitas histórias do mestre Perrault  são editadas, traduzidas e distribuídas em meios de comunicação diversos, teatro, cinema (“live action” e animação), TV, etc.  Dois de seus mais famosos contos de fadas estão no álbum que o Toque Musical tem o prazer de oferecer hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados, lançado em 1957 pela Musidisc de Nilo Sérgio. São “O gato de botas” e “O Pequeno Polegar”. O primeiro é a história de um caçula de três irmãos que recebe de herança do pai um gato de estimação. Depois de ganhar um par de botas, o gato, bastante esperto, consegue convencer um poderosíssimo rei de que pertence a um fidalgo, o Marquês de Carabás, e assim consegue ao seu dono a mão da princesa em casamento.  Já “O Pequeno Polegar” foi possivelmente inspirado na história hebraica do pastor Davi, depois rei dos hebreus. Ele era o caçula dos sete filhos de um pobre lenhador, e era tão pequenino que o chamavam de Pequeno Polegar. Apesar do tamanho, nosso herói  era também muito esperto, como o gato de botas. Um dia, o lenhador  resolveu abandonar os filhos na floresta e estes, após longa caminhada, avistaram um castelo,  em busca de abrigo e alimento.  Só que lá residia um ogro malvado (possível  referência ao Rei Saul de Israel, para quem Davi trabalhou antes de ser monarca, aqui substituído por um gigante) , que, ao ver os pobres garotos, resolveu devorá-los. Percebendo as intenções malignas do ogro, o Pequeno Polegar, durante a noite, trocou seu chapéu e o dos irmãos pelas coroas das filhas do monstro, que as devorou pensando que fossem os rapazes. Eles tiveram de fugir do castelo, e Polegar, enquanto o ogro dormia, calçou suas botas encantadas (as famosas botas de sete léguas), ajudando os irmãos a voltarem para casa. Auxiliado pelas botas, Polegar trabalhou para um rei, conseguiu muito dinheiro  e pôde finalmente voltar para casa. Assim, ele e sua família nunca mais passaram fome.
Em linhas gerais, com uma ou outra mudança, são estas as histórias que nosso álbum de hoje conta, em primorosa adaptação de Haroldo Barbosa  (Rio de Janeiro,  21/3/1925-idem, 6/9/1979), radialista, compositor, jornalista e redator de programas de rádio e televisão. A narração ficou por conta de Luís Jatobá (Maceió, AL, 5/1/1915-Nova York, EUA, 9/12/1982), médico ortopedista, locutor e jornalista que influenciou toda uma geração de “speakers”, não apenas de rádio, mas também de cinema, televisão e vídeo, e certamente foi o mais famoso timbre vocal masculino brasileiro, sendo a voz de Íris Lettieri (responsável pela locução de horários de voos no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro) seu correspondente feminino. Jatobá  trabalhou no rádio brasileiro por 45 anos, e sua voz privilegiada foi também ouvida durante anos em nossos cinemas, na apresentação, em “off”, de trailers de filmes. Um trabalho que se iniciou em 1940, quando Jatobá foi residir nos EUA, a convite da CBS, cadeia de rádio onde se tornou o brasileiro que dava as notícias da Segunda Guerra Mundial.  Voltando ao Brasil, Jatobá foi um dos pioneiros da TV Globo, apresentando, ao lado de Hilton Gomes e Nathalia Timberg, o “Jornal da Globo” (nada a ver com o atual), e comandou, ao lado de Léo Batista, a primeira edição do “Jornal Hoje”. Perseguido politicamente pelo governo da ditadura militar, Luiz Jatobá voltou aos EUA, onde retomou a gravação de trailers de cinema, e residiu até falecer. Foi casado com a atriz e pianista Margot Bittencourt (Margarida Jatobá), ex-esposa do compositor  Humberto Teixeira.  E abrilhanta com sua narração as histórias contadas no presente álbum Musidisc, certamente uma tentativa de competir com a Continental, que iniciou a gravação de histórias infantis em disco no ano de 1945, por iniciativa de mestre João “Braguinha” de Barro, através da série Discoteca Infantil, embrião do famoso selo Disquinho, aquele dos compactos de vinil coloridos. Não há informação, infelizmente, a respeito de quem foram os intérpretes dos personagens, certamente rádio-atores. De qualquer forma, é um trabalho que, por certo, vai fazer a gente voltar no tempo, recordando aquele tempo feliz de criança que não volta mais. Deliciem-se
* Texto de Samuel Machado Filho

Leo Peracchi E Orquestra – Valsas Brasileiras N. 1 (1955)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Achei uma brecha… Tenho para hoje “Valsas brasileiras”, com Leo Peracchi e orquestra, em disco de 10 polegadas. Um pequeno mostruário da música deste que foi um dos grandes compositores brasileiros, Disco gravado pelo selo Musidisc, em 1955. Maravilhosa música, maravilhosa orquestração. 😉

tarde de lindoia
só pelo amor vale a vida
rosa desfolhada
primavera de beijos
branca
longe dos olhos
último beijo
aurora
.

 

Horacina Corrêa – Noel Rosa (1956)

Boas noites, prezados amigos cultos e ocultos! Dando sequencia aos lps de 10 polegadas e mais uma vez trazendo uma cantora de fama internacional. Temos aqui a gaúcha Horacina Corrêa, cantora que, segundo contam, surgiu meio que inspirada em Carmem Miranda. Iniciou sua carreira na década de 30. Foi ‘crooner’na orquestra do maestro Fon fon. Participou de diversos espetáculos musicais, sendo que muitos desses na Argentina, onde era talvez mais famosa que a Carmem Miranda. Seu sucesso internacional foi também na Europa, atuando na Itália por várias vezes. Sua discografia é pequena, sendo que gravou mais em 78 rpm. Em 1956 a Musidisc lançou este lp de 10 polegadas, reunindo gravações da cantora de músicas de Noel Rosa pelo selo, desde 54. Horacina gravou sambas de Noel acompanhada pela orquestra de Léo Peracchi, responsável pelos arranjos e regência. São 10 sambas clássicos do poeta da Vila. Um disco que vale a pena ouvir 😉

até amanhã
feitiço da vila
silencio de um minuto
pra que mentir
de babado
último desejo
feitio de oração
o orvalho vem caindo
.

Orquestra Nilo Sérgio – Canções Para Uma Noite De Chuva (1969)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Eu já comentei isso aqui várias vezes… Adoro a sonoridade dos anos 60. E isso se destaca muitas vezes de forma surpreendente. Não faz muito tempo, descobri este lp do Nilo Sérgio que eu até então não conhecia. Lançado em 1969, pela gravadora dele próprio, a Musidisc. Disco bacana! Um repertório onde ele mescla suas composições (por sinal belíssimas) com outras tantas do mesmo nível, sucessos nacionais e internacionais. Um disco mesmo muito bom para se ouvir numa noite de chuva. E tá precisando

let me live
copacabana concerto
carolina
oração para uma menina
wait until dark
modinha
winter love
my sin
meia volta
o parque
the fox
joana
.

Remo Usai E Sua Orquestra – 7 Homens Vivos Ou Mortos (1968)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago para vocês um disquinho de trilha de filme. Digo disquinho porque se trata de um compacto. Porém, é dos mais interessantes e por certo, merece o nosso toque. Temos aqui a trilha, ou melhor dizendo, o tema completo (parte 1 e 2) para o filme “7 Homens Vivos ou Mortos”. Um ‘thriller policial’ com participação de grandes nomes do cinema nacional nos anos 60, como se pode ver logo na capa. A trilha/tema e execução é do maestro Remo Usai, um nome estranho e certamente para uma maioria um ilustre desconhecido, mas foi um dos mais atuantes e bem preparado compositores brasileiros de trilhas para o cinema. No seu currículo há mais de cem filmes. Eis aí um personagem que merecia uma melhor apresentação, mas como aqui tudo é meio ‘a toque de caixa’, eu vou apenas repassar este link. Leiam o texto escrito pelo pesquisador Martin Eikmeier sobre Remo Usai. Eu, por outro lado, vou procurar outras trilhas que possivelmente tenham sido editadas em lps. Não me lembro de nenhuma, mesmo assim vale a caça. Taí um compositor que a gente precisa conhecer. Eu, adoro trilhas 🙂

7 homens vivos ou mortos (parte 1)
7 homens vivos ou mortos (parte 2)
.

Ary Barroso Internacional (1964)

Boa tarde, prezados amigos cultos e ocultos! Devido a uma viagem, estou sendo obrigado a recorrer aos meus ‘discos de gaveta’, aqueles que estão sempre prontos, seja no ‘hd” ou no pen drive. Sempre levo comigo, quando viajo, alguns arquivos para cobrir as emergências. Dessa forma, levo hoje para vocês uma coletânea prá lá de bacana. Estamos falando aqui de Ary Barroso, em um álbum lançado pela Musidisc possivelmente no ano de sua morte, 1964. Não há no lp qualquer informação da data, mas pelo texto na contracapa, tudo leva a crer que se trata de uma homenagem póstuma. A Musidisc reuniu alguns de seus maiores sucessos internacionais, extraídos de outros discos e artistas da gravadora. Alguns, inclusive, até já apresentados aqui no Toque Musical. De qualquer maneira, trata-se de uma coletânea da Musidisc, o que é sinônimo de qualidade. Mais ainda sendo o motivo principal a música de Ary Barroso. Confiram!

aquarela do brasil – ed lincoln e seu conjunto
aquarela do brasil – don pablo de havana
risque – orquestra românticos de cuba
morena boca de ouro – luiz bittencourt e orquestra
rio de janeiro – bob flemimg
bahia (na baixa do sapateiro) – don pablo de havana
bahia (na baixa do sapateiro) – henry nirenberg e sua orquestra
bahia (na baixa do sapateiro) – os violinos mágicos
é luxo só – orquestra pan american
foi ela – luiz bittencourt e orquestra
.

Os Violinos Mágicos – Música Maravilhosa Dos Grandes Filmes (1961)

Hoje o Toque Musical oferece a seus amigos cultos,ocultos e associados, mais um álbum dedicado à música de cinema. Anteriormente, oferecemos a vocês “Devaneio”, com a orquestra de Guio de Morais. Desta vez, a execução de temas de grandes filmes hollywoodianos está a cargo de outra orquestra que ponteava na Musidisc, ao lado da Românticos de Cuba: os Violinos Mágicos. É claro que o nome da orquestra foi outra obra de gênio do fundador e dono da Musidisc, Nilo Sérgio. Por certo os músicos eram praticamente os mesmos da Românticos de Cuba, com regência a cargo principalmente de Severino Araújo, o criador da Orquestra Tabajara (e da Orquestra Romântica de Severino Araújo, outro nome usado pela mesma). Existiu entre 1959 e 1969 e, embora não tivesse durado tanto tempo quanto a Românticos de Cuba (gravou apenas sete álbuns), ficou na memória de tantos quantos apreciem o chamado “easy listening”, ou seja, a música instrumental e orquestrada.
 O presente álbum é o sexto dos Violinos Mágicos, com a indefectível produção de Nilo Sérgio, sem dúvida um craque em tudo que fez, dentro da série Masterpiece, com ótima qualidade sonora. Os apreciadores da música de cinema poderão ouvir os Violinos Mágicos, devidamente reforçados por um naipe de metais, ditos “de ouro”, executando um bom punhado de canções inesquecíveis de filmes hollywoodianos. O programa inclui “Tema do concerto em mi menor”, de Chopin (do filme “A noite sonhamos”),  “Concerto n.o 2” de Rachmaninoff (de “Canção da Rússia”), “Love me or leave me” (de “Ama-me ou esquece-me”), “Why do I love you?”  e “Make believe’ (de “O barco das ilusões”), “Begin the beguine” (clássico de Cole Porter, do filme “Canção inesquecível”) e “Summertime” (outro clássico, este dos irmãos Gershwin, executado junto com “It ain’t necessary”, ambos daópera “Porgy and Bess”, que virou filme,é claro). Em suma, um cardápio de extremobom gosto,para arrepiar os que gostam da música de cinema. Luzes, câmera, ação… e música!
blue skies
begin teh beguine
summertime – it ain’t necessarily so
stranger in paradise
chopin – tema do concerto em mi menor
love me or leave me
make believe
why do i love you
rachimaninoff – concerto n. 2
a pretty girl is like a melody
* Texto de Samuel Machado Filho

J G De Araújo – Amo (1964)

Que tal um pouco de poesia? Bem, é o que o Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos,ocultos e associados. Trata-se um LP da Musidisc, gravadora que encerrou definitivamente suas atividades em 2013, apresentando poemas escritos e declamados por um autor tão discutido quanto lido: J. G. de Araújo Jorge.
Batizado como José  Gulherme de Araújo Jorge, nosso focalizado nasceu na Vila de Tarauacá, Estado do Acre, no dia 20 de maio de 1914, filho de Salvador Augusto de Araújo Jorge (membro de tradicional família acreana) e Zilda Tinoco de Araújo Jorge.  Era também sobrinho-neto do embaixador Artur Guimarães de Araújo Jorge (médico, escritor e orador, presidente perpétuo da Academia Amazonense de Letras) e  do professor Afrânio de Araújo Jorge, fundador do Ginásio Alagoano, de Maceió.  J. G. passou sua infância na capital do Estado, Rio Branco, onde fez o curso primário no Grupo Escolar Sete de Setembro.Em seguida, ao mudar-se para o Rio de Janeiro, fez o curso secundário nos colégios Anglo-Americano e Pedro II.  Colaborando desde menino na imprensa estudantil, foi fundador e presidente da Academia de Letras do Internato Pedro II, que ficava num casarão de São Cristóvão, destruído por um incêndio muitos  anos depois. Ainda ginasiano, teve sua primeira publicação na imprensa adulta: o poema “Ri, palhaço, ri”, de 1931, aparecido no jornal “Correio da Manhã” e depois no “Almanaque Bertrand” para o ano seguinte,mas nunca incluído em seus livros, como outros trabalhos seus dessa época. Colaborou também no jornal “A Nação” , nas revistas ‘Vamos Ler!” e “Carioca”, etc.  Formou-se pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil.  Foi eleito “Príncipe dos Poetas” em 1932, numa memorável cerimônia  acontecida no Externato Pedro II. Saudado na festa pelo também escritor Coelho Neto, recebeu das mãos da poetisa Ana Amélia,então presidente da Casa do Estudante do Brasil, como prêmio e homenagem, um livro ofertado por Adalberto Oliveira, então “Príncipe da Poesia Brasileira”. Ainda estudante, J. G. de Araújo Jorge venceu concursos de oratória, tendo sido orador oficial de entidades universitárias. Recebeu em Coimbra, Portugal, o título de “estudante honorário”, e fez Curso de Extensão Cultural na Universidade de Berlim. Foi casado com Maria Souza de Araújo Jorge. Seu primeiro livro, “Meu céu interior”, foi publicado em 1934, seguido de outros 35. Entre suas obras, destacamos: “Bazar de ritmos” (1935), “Harpa submersa” (1952), “Concerto a quatro mãos” (1959), “De mãos dadas” (1961), “Poemas do amor ardente” (idem),  “Cantigas de menino grande” (1964), “Trevos de quatro versos (idem), “Quatro damas” (1965), “Os mais belos sonetos que o amor inspirou” (1966 e 1970), “Mensagem” (1966), “O poder da flor” (1969), “O poeta na praça” (1981), “Tempo será” (1986) e a coletânea de crônicas “No mundo da poesia” (1969).  Foi conhecido como “o poeta da povo e da mocidade”, por sua mensagem social e política, e por sua obra lírica, de linguagem simples, impregnada de romantismo moderno, mas às vezes dramático, o que o fez um dos poetas mais lidos e, ao mesmo tempo, o mais combatido do Brasil. Com irrefreável vocação para a política, J.G. candidatou-se a vários cargos públicos. Em 1970, foi eleito deputado federal pela antiga Guanabara, sendo reeleito duas vezes (1974 e 1978). Ocupou a vice-liderança do MDB, hoje PMDB, e a presidência da Comissão de Comunicação da Câmara dos Deputados. J. G. de Araújo Jorge faleceu no Rio, em 27 de janeiro de 1987. E até hoje seus livros continuam bastante procurados nos sebos, uma vez que há tempos não são reeditados.  Mesmo esquecido pela crítica, é um dos poetas cujos textos mais aparecem na internet, e talvez seja um dos mais lembrados, lidos e copiados pelos enamorados.
Neste álbum da Musidisc, lançado originalmente em 1964, um pouco da arte poética de J. G. de Araújo Jorge. O título do  LP é o mesmo de um livro que ele publicou em 1938, “Amo!”, e por certo sua audição irá comprovar a permanência e a força de sua poesia. Depois deste álbum, J. G. ainda lançaria um outro, sem título, pela gravadora Equipe de Oswaldo Cadaxo, provavelmente em 1970.  Ouça este “Amo!” e desperte o poeta que existe em você!
amo
balada da chuva
cena a hora do poente
noiva
trecho de carta inútil
essa
há dias
maldade
carnaval
tédio
ideal de amor
gata angorá
poema para mulher que passou
você
carta cinzenta
a lenda do poente
felicidade
a vida
fim
.

*Texto de SAMUEL MACHADO FILHO

Nilo Sérgio E Sua Orquestra – Dançando Suavemente (1960)

Olá amiguíssimos cultos e ocultos! Depois de muitos pedidos, eu hoje resolvi postar o tão esperado “Dançando Suavemente”, de Nilo Sérgio. Tão esperado, eu digo por conta daqueles que possivelmente até hoje estariam aguardando a postagem. Acontece que me faltava aparecer um álbinho assim, inteiro, quase novo, não fosse o amarelado do papel em seus mais de 50 anos. Dá até gosto de ouvir, gosto de colocar o disco na ‘pick up’ e de ter a capa nas mãos. O conteúdo musical? Impecável, assim como toda a produção. E não poderia ser de menos, afinal o artista aqui é também o dono da gravadora, idealizador da fantástica Musidisc. Álbum perfeito, cuidadosamente trabalhado entre Nilo Sérgio e seu arranjador, o maestro Carioca. Uma seleção musical fina apresentando um repertório de ‘standart’, alguns dos melhores clássicos da música americana. Há, contudo, duas faixas nacionais, “Devaneio” (de Djalma Ferreira e Luiz Antonio) e “Bongô para dois”, do próprio Nilo Sérgio. Feito para ouvir e para dançar. Aproveitem porque aqui vocês já sabem, é tudo por tempo limitado. Corre logo no GTM 😉

prefixo ‘blue star’ (the medic theme)
you do something to me
speak low
linger awhile
blue star (the medic theme)
fascination
devaneio
love letters
over the rainbow
bongô para dois
blue moon
sufixo ‘blue star’ (the medic theme)
.

Trio Surdina – Interpreta Dorival Caymmi, Ary Barroso e Noel Rosa (1955)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Vou repetir para vocês que têm o costume de ler as resenhas. Para aqueles que estão atentos a tudo que rola por aqui, mas que por um lapso, acabam sem o toque. É o seguinte, tenho deixado um link oculto e direto aqui nas postagens. Estou fazendo isso como uma forma de verificar quantos de vocês realmente lêem os textos. Assim, estou fazendo uma segunda chamada para não dizerem depois que fui injusto, privilegiando apenas os mais assíduos (o que é uma verdade). Penso que devo dar atenção aos que retribuiem da mesma forma. Para esses eu digo: em todas a atuais postagens há um link na última letra do texto, antes da relação das músicas. Basta clicar na letra para cair direto no site onde está o arquivo está hospedado. Fiquem esperto, a fila anda…
E agora, no silêncio da noite (pois o meu Galão ficou no 0x0), o melhor mesmo é manter o som na surdina. Aqui vai o Trio Surdina em sua formação original (ou inicial), com Fafá Lemos, Garoto e Chiquinho. Pela capa já se vê tudo, O Trio Surdina interprete Noel Rosa, Ary Barroso e Dorival Caymmi, Um momento maravilhoso que por se um simples disco de 10 polegadas, acaba deixando a gente com um gostinho de quero mais 🙂

joão valentão
quando eu penso na baía
feitio de oração
dora
vai haver barulho no chateau
três lágrimas
sábado em copacabana
boneca de pixe
.

Wanderly Regina – Compacto (1963) e (1966)

Muito boa tarde, amigos cultos e ocultos! ‘Desovando’ mais um compacto raro por aqui (na verdade dois), vamos desta vez com a cantora Wanderly Regina. Alguém aí se lembra dela? Eu confesso que, para mim, ela passou meio que despercebida. Creio que para muitos. Foi uma cantora que atuou durante os anos 60, embora tenha gravado seu primeiro disco, um 78 rotaçoes, ainda nos anos 50. Está certamente vinculada à Jovem Guarda, ou ao seu início. Como eu pouco sabia da carreira desta cantora, fui consultar o ‘Mr. Google’ e por sorte, além de informações, encontrei também outro disquinho gravado por ela, no blog do amigo Chico, o Sintonia Musikal. Assim, temos aqui uma postagem para dois compactos. O primeiro é de 1963 e foi lançado pela Musidisc, o outro (do Sintonia Musikal) é de 1966. E eu para facilitar a vida, vou replicar também o texto de apresentação da cantora feito pelo Chico. Vamos lá:

Wanderly Regina é uma cantora obscura da Jovem Guarda que iniciou a carreira em Santo André, no Grande ABC (SP), onde cantava nas rádios locais. Neste disco, lançado pela RGE em 1966, é acompanhada pela banda The Bells. A cantora começou como Wander Lee, e com esse nome gravou em 1959 o primeiro disco, um 78 rpm com “Não Sou Estúpida” e “Dinamite” pela Chantecler. Em 1962 lançou um single com “Norman” e “Um Amor Só Meu”, na Musidisc. Mais tarde passou a assinar Wanderly Regina. Na sequência lançou ainda um compacto simples: “Escuta-me” e “Feminilidade” e um duplo com as composições: “Meu Mundo”, Você Ri de Mim”, Não Vou Àquela Festa” e “Idade do Amor” ainda pelo selo Musidisc. Depois transferiu-se para a RGE e gravou este single. Wanderly teve como empresário o Marcos Lázaro que a conduziu para o Programa Jovem Guarda. Na década de 1970 Wanderly afastou-se da carreira artística.
escuta-me
feminilidade
broto já tem vez
não sei achar
.