Teca Calazans e Ricardo Vilas – Eu Não Sou Dois (1981)

E aqui mais um dia, mais um momento de toque musical aos amigos cultos e ocultos. Hoje o nosso ouvido está ligado numa dupla muito legal, Teca Calazans e Ricardo Vilas. Os dois atuaram juntos por mais de uma década, quando então moravam na França e por lá gravaram seus primeiros discos. Com a Anistia, eles acabaram retornando ao Brasil onde juntos gravaram outros quatro discos. Teca Calazans é uma artista capixaba, criada no Recife e podemos até dizer afrancesada, pois me parece que acabou voltando a morar na Europa. Ela iniciou carreira nos anos 60, cantora, compositora e também atriz. Gravou seu primeiro disco, um compacto, em 67 e até o início dos anos 70 trabalho como atriz no teatro e televisão, seguindo depois para a França onde começou o trabalho com Ricardo Vilas. Este, é outro artista que também iniciou carreira nos anos 60, sendo um dos integrantes do grupo Momento 4, ao lado de Zé Rodrix, Maurício Maestro e David Tygel. Ricardo Vilas era também militante político e talvez seja mais conhecido como um dos presos políticos da ditadura militar que foi trocado pelo embaixador americano Charles Burke, sequestrado pelo pessoal da Dissidência Comunista da Guanabara e Aliança Libertadora Nacional, em 1969. Ricardo seguiu então para a França e junto com Teca construíram uma carreira de sucesso, gravando uns quatro ou cinco discos por lá. Voltaram ao Brasil no início dos anos 80 e gravaram mais dois discos, sendo este “Eu não sou dois” o primeiro. Um trabalho bem bacana, praticamente quase todo autoral e com participações de uma dezena de músicos/artistas de primeira linha (nem vou listar). É um álbum já bem rodado em tantos outros tempos e em tantos outros blogs, mas é aqui que ele se eterniza, hehehe… Confiram no GTM.

gabriel
doce planeta
a cidade de jota e gê
desencontro
na mata
o errado somos eu
limoeiro
raiz
pássaro sem asa
eu não sou dois
tempo instável
a última vez
 
.

Sueli Costa (1977)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Na mostra feminina temos hoje e mais uma vez em nosso Toque Musical a cantora e compositora Sueli Costa. Mesmo com quase 50 anos de carreira, Sueli é mais conhecida por suas composições, interpretadas por outros artistas, do que como cantora. São muitas as suas músicas que hoje fazem parte do nosso cancioneiro, verdadeiros clássicos e que eu nem preciso listar nesta postagem. Neste álbum de 77 ela também nos brinda com algumas de suas belas composições, boa parte delas em parcerias com outros grandes da MPB e ainda conta com um timão de músicos que garantem a certeza de um trabalho da melhor qualidade. Aqui temos, por exemplo a belíssima “Amor, amor”, música que acabou sendo imortalizada na voz de Maria Bethânia. Há também outros sucessos como “As labaredas”, “Doce mentira” e “Cão sem dono”. Disco muito bacana que vale uma conferida. Se liguem no GTM…

amor amor
poeira e maresia
cão sem dono
doce mentira
outra canção de amor
guadalupe
as labaredas
pedra da lua
falando sério
acorrentado
sombra amiga

.

Duo Ouro Negro – O Melhor Do Duo Ouro Negro (1974)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Eu estava planejando desde a semana passada uma mostra com discos de artistas internacionais cujos os discos tem alguma relação com o Brasil. Mas foram tantos os acontecimentos que a coisa embolou. Mesmo assim vamos, despretensiosamente, publicando eles aqui, sem compromisso, ok?
Hoje trago para vocês o Duo Negro, um grupo surgido nos anos 50, em Angola, formado por Raúl Indipwo e Milo MacMahon. A carreira começou a decolar depois que foram para Portugal, atuado em casas noturnas. Gravaram seus dois primeiros discos em 1959, contando com a colaboração do brasileiro Sivuca e seu conjunto, que na época estavam em Portugal. Desde então passaram a gravar com mais regularidade, lançando vários discos. Sua música, inicialmente, centrava-se no folclore angolano, de várias etnias e línguas. Porém, ao longo dos anos 60 passaram também a gravar versões de sucessos internacionais como Beatles, Charles Aznavour e também músicas de artistas brasileiros, como é o caso de Luiz Vieira, Adoniran Barbosa e Bob Nelson, que aqui aparecem nesta coletânea, onde podemos encontrar alguns de seus maiores sucessos. E sucesso foi o que não faltou para eles, se tornaram artistas renomados, se apresentaram por vários países europeus e também na América. Nosso Sivuca até voltaria a gravar com eles no final dos anos 60. Durante os anos 70 também tiveram boa atuação. O grupo chegou ao fim nos meados dos anos 80, com a morte de Milo MacMahon. O Duo Ouro Negro foi um dos mais expressivos grupos de Angola e Portugal, sendo ainda hoje muita coisa reeditada. Neste lp temos, por certo, uma síntese perfeita dos melhores momentos da dupla e aqui estão incluídas três músicas brasileiras, como disse anteriormente, Adoniran Barbosa com seu “Trem das Onze”; Luiz Vieira e seu “Menino de Braçanã” e o cowboy Bob Nelson com “Valsa do Vaqueiro”. Então, quem ainda não conhece, vale a pena conferir…
 
maria rita
au revouir sylvie
kurickutela
vou indo por aí
menino de braçanã
trem das onze
nostalgia
iliza gomara saiá
valsa do vaqueiro
muxima
minha mulata
garota
cavaleiro solitário
serenata do adeus
 
 
.