Marina Guimarães Com Orquestra MGL (1964)

Olá amigos cultos e ocultos! Estou trazendo hoje para vocês um raro disco do selo MGL (Minas Gravações Limitada), aquele do qual já falamos várias vezes por aqui. A MGL foi a primeira gravadora feita em Minas, dona também do selo Paladium e hoje conhecida como Estúdio Bemol. O presente álbum faz parte da meia dúzia de discos que foram lançados inicialmente pela gravadora do Sr. Dirceu Cheib, nos primeiros anos da década de 60. Me lembro que no encontro que tive com o Sr. Dirceu, ele comentou a respeito desses primeiros discos, com selo MGL, mas em nenhum momento citou este, o que me levou a entender que a Minas Gravações tinha lançado apenas uns 4 discos. “Canções de Marina”, talvez tenha sido (naturalmente) esquecido em razão de ser uma espécie de “trabalho beneficente”. Não foi um disco nos moldes convencionais, ou melhor dizendo, comercial. Foi um álbum especial, que teve sua renda revertida em doação para a Sociedade Pestalozzi, em favor da criança excepcional.

Eu não encontrei informações sobre quem foi a cantora, Marina (Matos) Guimarães. Pelo texto da contracapa, imagino que tenha sido uma senhora de sociedade, esposa talvez de algum político mineiro, ou algo assim. Os arranjos e orquestração são do Maestro Moacir Portes, que nos anos 50 esteve a frente com a principal orquestra da rádio mineira.
O repertório do álbum traz composições do próprio Maestro Moacir Portes e de outros compositores, como Heckel Tavares. Um disco bonito de se ouvir. Vão ouvindo aí, porque eu aqui já vou dormir. Morfeu me pegou de jeito. Zzzz…
sempre só
chorei por você
pensando em você
ponto final
todada da saudade
velho rio
sabiá
folhas ao vento
canção de fazer chorar
canção de amor