Leo Peracchi – Musikantiga (1975)

Os apreciadores da melhor música erudita ou clássica têm um prato cheio neste álbum que o TM oferece no dia de hoje. E não só eles, mas também todos os nossos amigos cultos, ocultos e associados. Estudos médicos têm comprovado, inclusive, que ouvir música clássica faz um bem danado pra nossa saúde…  Aqueles que, em criança, assistiam a desenhos animados na televisão (caso deste vosso resenhista), reconhecem alguns temas clássicos ou eruditos assim que os ouvem. Os “cartoons” de Tom e Jerry, do Pernalonga e do Pica-Pau, por exemplo, estavam recheados de páginas da música clássica, assinadas por “cobras” do gênero.  Portanto, foi com muita felicidade que a extinta Copacabana , selo AMC/Beverly, então sob a direção artística de Paulo Rocco, por certo um dos mais expressivos dirigentes que a indústria fonográfica brasileira já teve, decidiu lançar, em 1975, este “Musikantiga”, reunindo 14 dos mais expressivos temas clássicos de todos os tempos. Peças como a “Serenata”, de Haydn, a “Pastoral” de Cavalli, o “Hino de Ofeu”, de Peri,  e a superconhecida “Jesus, alegria dos homens”, de Bach, ganham execuções bastante expressivas, com arranjos e regências a cargo de outro “cobra”: Léo Peracchi. Nascido em São Paulo, a 30 de setembro de 1911, Peracchi foi, incontestavelmente, um dos mais destacados orquestradores de nossa música popular, e seu estilo caracterizava-se pelo equilíbrio conferido aos instrumentos de palheta, metais e cordas, que manejava com extrema competência. Sua gloriosa carreira profissional começa em 1936, como pianista e maestro na Rádio Kosmos (hoje América), atuando depois em outros prefixos do rádio paulistano, como a Bandeirantes e a Educadora. Em 1941, Peracchi ingressa na lendária PRE-8, Rádio Nacional do Rio de Janeiro, então disputando audiência com a Mayrink Veiga e a Cruzeiro do Sul, participando de vários programas como orquestrador, regente e compositor, entre eles, “A canção antiga”, “Rádio-almanaque Kolynos”, “A canção da lembrança” e“Paisagens de Portugal”. Também na Nacional, criou, juntamente, com Haroldo Barbosa e José Mauro, o programa “Dona música”, que apresentava melodias de todas as partes do mundo. Participou ainda do célebre “Festival GE”, programa da Nacional patrocinado pela General  Electric, no qual ele dirigia uma orquestra sinfônica organizada pela emissora da Praça Mauá, reunindo os maiores músicos da época, e que permaneceu cerca de dez anos no ar. Léo Peracchi ainda tem a seu crédito arranjos e regências para gravações de grandes nomes da MPB, como Orlando Silva, Trio Irakitan, Dorival Caymmi , Sylvia Telles etc. E, evidentemente, também gravou seus próprios álbuns como regente de orquestra, sobretudo na Musidisc (da qual foi diretor musical nos anos 1950) e na Odeon, tais como “Música de champanhe”, “Sambas e violinos” e “Canções de Tom e Jobim”. Léo Peracchi faleceu no Rio, em 16 de janeiro de 1993, aos 81 anos de idade. E sua extensa folha de bons serviços prestados à música, aliada à ótima qualidade técnica e artística, faz deste “Musikantiga” um trabalho digno de ser ouvido e apreciado pelos amigos do TM. Confiram…

largo – verachi
rondo alla turca – mozart
pavana – byrd
gavotta – lully
dido e eneas – purcell
tambourin – gretry
hino de orfeo – peri
serenata – haydn
jesus alegria dos homens – bach
dança dos espíritos bem aventurados – gluck
tambourin – rameau
pastoral – cavalli
la bernadina – des prez
intrada sarabande ball – pezel

*Texto de Samuel Machado Filho

Leo Peracchi E Orquestra – Valsas Brasileiras N. 1 (1955)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Achei uma brecha… Tenho para hoje “Valsas brasileiras”, com Leo Peracchi e orquestra, em disco de 10 polegadas. Um pequeno mostruário da música deste que foi um dos grandes compositores brasileiros, Disco gravado pelo selo Musidisc, em 1955. Maravilhosa música, maravilhosa orquestração. 😉

tarde de lindoia
só pelo amor vale a vida
rosa desfolhada
primavera de beijos
branca
longe dos olhos
último beijo
aurora
.

 

Horacina Corrêa – Noel Rosa (1956)

Boas noites, prezados amigos cultos e ocultos! Dando sequencia aos lps de 10 polegadas e mais uma vez trazendo uma cantora de fama internacional. Temos aqui a gaúcha Horacina Corrêa, cantora que, segundo contam, surgiu meio que inspirada em Carmem Miranda. Iniciou sua carreira na década de 30. Foi ‘crooner’na orquestra do maestro Fon fon. Participou de diversos espetáculos musicais, sendo que muitos desses na Argentina, onde era talvez mais famosa que a Carmem Miranda. Seu sucesso internacional foi também na Europa, atuando na Itália por várias vezes. Sua discografia é pequena, sendo que gravou mais em 78 rpm. Em 1956 a Musidisc lançou este lp de 10 polegadas, reunindo gravações da cantora de músicas de Noel Rosa pelo selo, desde 54. Horacina gravou sambas de Noel acompanhada pela orquestra de Léo Peracchi, responsável pelos arranjos e regência. São 10 sambas clássicos do poeta da Vila. Um disco que vale a pena ouvir 😉

até amanhã
feitiço da vila
silencio de um minuto
pra que mentir
de babado
último desejo
feitio de oração
o orvalho vem caindo
.

Angela Maria – Quando Os Maestros Se Encontram Com Angela Maria (1957)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Bom dia e boa Páscoa, é claro! O dia não está lá uma beleza, o céu está fechado e São Pedro logo vai mandar aquela ducha para melar de vez o domingo. Mas quem tem em casa um bom chocolate, pode ficar na boa, comendo ovos de Páscoa… naquele laricão… Melhor ainda quando se pode também ouvir uma boa música. Eu como sempre, bem acompanhado, posso me dar ao luxo de escolher a vontade 🙂 Escolher para mim, e para vocês também. Hoje eu vou ficar aqui ouvindo só Jards Macalé e Paulo Vanzolini. Pensei até em postar algum disco de um desses artistas, mas como ainda estou no embalo e promessa de trazer cantoras, vamos dar sequência…
Separei para hoje este raro álbum da cantora Angela Maria, um disco que podemos considerar histórico dentro do mundo fonográfico. Foi um dos primeiros discos de 12 polegas lançado pela gravadora Copacabana. Foi uma superprodução, um dos discos mais caros a ser realizados naquela época. Isso por conta da ousadia de seus produtores em fazer um disco onde foram escalados oito grandes maestros e suas orquestras para acompanharem Angela Maria. O disco se divide em oito faixas, trazendo um repertório fino, que agrada em cheio e para um público além de tietes da cantora. É interessante notar como cada música se torna especial, com características próprias, sob os arranjos e regências dos mestres Gabriel Migliori; Guaraná; Léo Peracchi; Gaya; Lyrio Panicalli; Renato de Oliveria; Severino Araújo e Sylvio Mazzucca. Não deixem de conferir. Comentários também são bem vindos 😉

dora – com severino araújo
aos pés da cruz – com lindolph gaya
adeus – com renato de oliveira
saia do caminho – com léo peracchi
carinhoso – com lyrio panicalli
promessa – com gabriel migliori
caminhemos – com gustavo de carvalho (guaraná)
canta brasil – com sylvio mazzucca

A Fábrica – Trilha Original Da Novela (1971)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ainda na estrada, sem saber direito a que horas eu estarei de volta, vou aproveitar enquanto tomo o café para fazer esta postagem. Hoje iremos com outra trilha de novela, a única que eu tinha à mão, ou melhor, no meu computador.

Vamos com a trilha de “A Fábrica”, novela levada ao ar em 1971. Escrita e dirigida por Geraldo Vietri, teve uma trilha preparada especialmente para o drama e contou para isso com a Grande Orquestra Copacabana e alguns de seus regentes/arranjadores. A trilha é totalmente orquestral com alguns temas criados a partir da música erudita, clássica e outras em arranjos criados pelos maestros Portinho, Leo Peracchi, Renato de Oliveira, Edmundo Vilani, Salinas e Moacyr Portes. Para quem gosta de orquestra, taí um prato cheio. Vão conferindo aí, porque eu aqui já estou de saída.
canção da alegria (baseado no último movimento da 9ª sinfonia, de beethoven
tema da sinfonia nº 40 em sol menor, de mozart
concert for a lover’s ending
cinismo
tema de izabel
nosso primeiro amor
opus nº 3
opus nº 4
a força do amor
or-nan
a canção anti tóxico

Leo Peracchi E Suas Cordas Carioca – Sambas E Violinos (1958)

Bom dia a todos! Nesta semana eu tenho andado meio travado, trabalhando meio que no automático. Daí as postagens vão saindo muito iguais e sem sabor. Desculpem, ando com a cabeça em outro mundo. Como já disse, abril é um mês complicado para mim.
Temos  hoje e novamente o Maestro Leo Peracchi com suas ‘Cordas Cariocas’, em “Sambas e Violinos”. O disco, lançado no final dos anos 50, se caracteriza bem aos moldes de tantos outros lançados nessa época, ou seja, uma orquestra sinfônica a serviço da música popular, no caso aqui, o samba. Temos no lp as doze convêncionais faixas, reunindo uma série de sambas clássicos, em belos arranjos, onde se destacam (obviamente) os instrumentos de corda. Ao contrário de tantos outros discos orquestrais (na minha modesta opinião), este não me soa chato. Talvez por trazer na essência um tipo de música familiar e popular, o samba. Os violinos e outras cordas cariocas dão o tom de suavidade. As músicas começam e terminam como um sopro de brisa, entrando pelas janelas do apartamento, acalmando possíveis repiques, batuques e batucadas que ecoam dos morros mais próximos. 
conceição
se você jurar
saia do meu caminho
na batucada da vida
canção da volta
falta de consciência
aí que saudade da amélia
ai yoyo (linda flor)
agora é cinza
canção de amor
sentinela alerta
maria boa

Brazilian Hits (1959)

Boa tarde a todos (mas com algumas exceções). Eu aqui, com a minha boca doendo e cheia de pontos, sinceramente, não estou para aguentar sapos, muito menos tamanduás e outros ‘bichinhos’ silvestres. Peço aos amigos que me perdoem (além dos habituais erros de português) os excessos em discussões bobas que alguns indivíduos me levam a travar. Infelizmente é assim, merda, quanto mais se mexe, mais fede. Só mesmo dando descarga para a coisa descer. Mas vamos deixar essa conversa para os bastidores, que aqui se transformou no Comentários.
Vamos hoje como outra coletânea, desta vez oficial, lançada pela Odeon no final dos anos 50. “Brazilian Hits” é um disco que reúne em suas doze faixas uma seleção interessante. Temos aqui Luiz Paes Arruda, Léo Peracchi, Trio Irakitan, Brasíla Ritmos e Os Brasileiros. Não posso afirmar com certeza, mas acredito que essas músicas foram retiradas de outros álbuns lançados na época, por isso chamo o disco de coletânea. O repertório é clássico, doze músicas bem conhecidas do público, verdadeiros ‘brazilian hits’. Léo Peracchi e Luiz Paes Arruda, com suas orquestras e côro, praticamente dominam as faixas. O que sobra fica por conta dos outros, ou seja, uma faixa por cada. Contudo, ou mesmo assim, “Brazilian Hits” é um disco bem bacana que a gente ouve do início ao fim. Podem conferir… 😉
na baixa do sapateiro – léo peracchi e sua orquestra
não tenho lágrimas – trio irakitan
carinhoso luiz arruda paes e sua orquestra
baião – léo peracchi e sua orquestra
delicado – brasília rítmos
kalú – léo peracchi e suas orquestra
tico tico no fuba – léo peracchi e sua orquestra
maracangalha – os brasileiros
aquazrela do brasil – léo peracchi e sua orquestra
mulhé rendeira – luiz arruda paes e sua orquestra

Show (1953)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais um disquinho que eu comprei do catador de papel. Alguns desses álbuns eu estou tendo, também, o prazer de conhecer e ouvir só agora. É o caso deste lp de 10 polegadas, um dos primeiros lançados pela Musidisc. Trata-se de uma coletânea, obviamente, de artistas da gravadora. Nomes como os que (quase) podemos ler na estampa da capa: Britinho; Léo Peracchi; Nuno Roland; Trio Surdina; Nilo Sérgio (cantando); Djalma Ferreira com Helena de Lima, que só aparece nos créditos do selo, a atriz Renata Fronzi como cantora e ainda a mexicana Elvira Rios. Realmente um show para a época. A qualidade da gravação é muito boa, comparada a de outras gravadoras naquele tempo. Porém, alguns arranhões e estalos são inevitáveis. São marcas de um disco com 58 anos de idade!

se eu morresse amanhã – renata fronzi
joaozinho boa pinta – trio surdina
volta – nuno roland
pensando em ti – leo peracchi
desencuentro – elvira rios
definição – nilo sergio
tarde demais – djalma ferreira e helena de lima
lilian – leal brito

Os Violinos Mágicos Nº 2 (1960)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ao contrário dos outros anos, neste eu não vou ficar postando discos de natal. Farei isso apenas no dia 24, para alegrar ao Papai Noel 🙂
Tenho para hoje este disco que não precisa de texto ou título para atrair a nossa atenção, basta apenas este desenho lindo do pintor cearense Ademir Martins. Se na pior das hipóteses a música não salvasse, pelo menos a capa poderia ser emoldurada, daria um belo quadro. Mas a verdade é que tanto por dentro como por fora “Os Violinos Mágicos Nº 2” é um disco exemplar, bem produzido em todos os aspectos. Gravado no melhor sistema de som da época, em ‘high fidelity’, pela Musidisc, de Nilo Sérgio. Como podemos ver logo a baixo, temos um repertório misto com temas nacionais e internacionais famosos, apresentados em ritmos de bolero ou de baladas. Músicas que mereceram toda a atenção do produtor Nilo Sergio, tanto no aspecto técnico de gravação, como na escolha dos músicos, regente e arranjador. Para isso ele contou com os arranjos do Maestro Leo Peracchi e a regência de outro, Henrique Nirenberg.
Eis aí um disco muito bacana que merece ser conferido. Eu ainda não achei o disco de número 1, mas assim que aparecer ele entra também, ok?

besame mucho
don’t you know
a noite do meu bem
that old black magic
petite fleur
unforgettable
love is a many splendored thing
bahia (na baixa do sapateiro)
i could have danced all night
small world
mack the knife (moritat)
god bless america

Festival N. 1 – Musidisc (1955)

Correndo contra o relógio, aqui estou eu com a postagem do dia. Muito sol, calor e trabalho é o que indica minha agenda para as próximas doze horas. Assim, vamos direto ao que interessa…
“Festival N. 1” foi o vigésimo disco lançado pela gravadora Musidisc do cantor Nilo Sérgio. Uma coletânea feita para alavancar o sucesso do então recente selo nacional. Como se pode ver pela capa, temos um variado ‘cast’ e gravações que segundo contam, ainda não eram feitas no estúdio da Musidisc, mas sim editados a partir de acetatos gravados na Rádio Nacional e outros. Me parece que apenas as faixas com acompanhamento de Leo Peracchi são originadas nesta gravadora. A data de lançamento deste disquinho não consta em lugar nenhum, acredito que tenha sido por volta de 1955 ou 56. A Musidisc foi uma das pioneiras. Acho que foi a primeira gravadora nacional, se não me engano. Neste momento seria bom poder contar com os nossos vigilantes ‘corrigidores’ e acadêmicos de plantão, incluindo alguns comentários complementares. Mas acho que eles não virão se misturar com a plebe. Suas visitas, normalmente, são silenciosas…

rosa de maio – orlando silva c/ leo peracchi e orquestra
tico-tico no fubá – leal brito
joão ninguém – roberto luna c/ leo peracchi e orquestra
mano a mano – típica d’avlis
canarinho feliz – trio surdina
contigo – roberto luna c/ leo peracchi e orquestra
que deus me perdoe – rosária meireles c/ leo peracchi e orquestra
risque – nilo sergio c/ leo peracchi e orquestra