Juarez Araújo – O Melhor De Juarez (1964)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Depois de um sax oculto, que tal um sax culto? Para o nosso sábado ficar ainda mais gostoso, vou trazendo aqui para vocês um dos grandes saxofonistas brasileiro, por vezes pouco lembrado, principalmente quando falamos de bossa nova. Temos aqui o músico pernambucano Juarez Araújo em um álbum do selo Masterplay, que resume alguns de seus melhores momentos em discos anteriores lançados pela mesma gravadora. Em 1962 ele lançou seu primeiro álbum, “O Inimitável Juarez”, onde ele toca bossa nova de um lado e ‘standards’ da música americana. No mesmo ano ele lançaria outro álbum, o “Bossa Nova nos States”, que teve inclusive edição americana. Em 1963 ele voltaria com “Masterplay Goes To New York”, um disco exclusivamente com temas americanos numa roupagem bossa nova. “O Melhor de Juarez” veio em 64, reunindo um pouco de cada um desses discos. Recentemente o produtor Marcelo Fróes, através de seu selo Dubas, relançou esses três importantes discos, remasterizados e com as capas originais. Vale a pena dar uma conferida, pois o trabalho ficou muito bom, tudo em estéreo para abrilhantar ainda mais 🙂 Aqui, ficamos com a coletânea, em mono, porém também muito boa. Manda vê…
só danço samba
mack the knife
samba toff
night side
samba de uma nota só
deep purple
al di la
bim bom
how night the moon
súplica
blue moon
lobo bobo

Coral do Colégio Arte E Instrução – Alvorada De Vozes (1964)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Nos últimos dias eu tenho andado meio desmotivado com o blog. Não é por qualquer motivo específico, apenas uma onda, creio eu. Percebo que se eu não fizer logo pela manhã a bendita postagem, acabo, no resto do dia ficando assim… Hoje então, que é domingo, nem se fala. Só partindo mesmo para o ‘chocolate’. Mas vamos ao que é esperado, o disco do dia.

Nos anos 60 e 70 era muito comum vermos (e ouvirmos) por aí discos de grupos vocais e corais formados em instituições de ensino. Parece que naqueles tempos havia uma preocupação maior com o ensino e a prática musical. Em qualquer escola, mesmo a mais simples, o estudante tinha uma noção básica do que é a música. Aprendia pelo menos a conhecer as notas musicais. Hoje não é bem assim. Talvez, por isso mesmo é que eu acho interessante postar esses discos, na pior das hipóteses pela curiosidade. Há sempre alguma surpresa…
Temos então este trabalho lançado no início dos anos 60 pelo grupo coral do Colégio Arte e Educação, uma tradicional entidade de ensino técnico, fundada no Rio de Janeiro. Me parece que esta escola já não existe mais. Um bom motivo para que a gente puxe aqui pela memória, não é mesmo? Certamente deve passar por aqui alguém que um dia estudou nessa escola. Talvez até algum dos integrantes do disco.
Por falar no disco, o álbum traz um repertório bem variado, contemplando a música nacional e a estrangeira. Temas populares e de sucesso da época garantem a simpatia e a aprovação de quem escuta. Os arranjos são bons, principalmente os instrumentais (por favor, não entendam essa observação como uma ironia), pois dão aos vocais um complemento importante, valorizando ainda mais a música. Confiram aí… Eu de cá vou de Tim Maia… “eu só quero chocolate…”
i could have danced all night
canção do exôdo
it had to be you
ave maria do morro
os peixinhos do mar
over the rainbow
chica da silva
the green leaves of summer
lisboa antiga
caterine
aquarela do brasil
blue tail fly