Quarteto Em Cy – Interpreta Gonzaguinha, Caetano, Ivan E Milton (1980)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Nossas postagens tem sido tão espaçadas que eu até me esqueci de como fazê-las. Já perdi todo o pique da escrita, aliás essa, para felicidade de todos, passou a ser feita pelo amigo Samuca. Porém, ainda sou eu quem publica tudo e para não variar me falta sempre tempo. Hoje eu achei a brecha e nela me encaixo trazendo este disco do Quarteto em Cy, lançado no começo dos anos 80, pela Polygram e selo Philips. Como sempre, um excelente trabalho. Uma escolha acertada de repertório e com quatro grande nomes da MPB: Milton, Gonzaguinha, Ivan Lins e Caetano Veloso. São músicas bem conhecidas do público, mas sempre perfeitas na interpretação do maior quarteto vocal feminino, as baianinhas do Quarteto em Cy. Não bastasse, conta ainda com um time de músicos de primeiríssima. Não tem como não ouvir. É correr para o GTM 🙂

abandonado
ciranda menina
saindo de mim
começar de novo
gira girou
lua lua lua lua
canto do povo de um lugar
idolatrada
barco fantasma
recado
um dia
o último trem
ponta de areia
começaria tudo outra vez
antes que seja tarde

Baden Powell & Vinícius De Moraes – Os Afro-Sambas (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! Ontem recebi duras, porém importantes, críticas de um amigo sobre o que eu escrevo e como escrevo as coisas aqui no Toque Musical. Realmente, os textos das minhas postagens trazem sempre muitos erros, sejam lá de ortografia, concordâncias, ou mesmo de caráter histórico e informativo. Há, sem dúvida, muita coisa errada por aqui (e vai além, hehehe…), mas mesmo assim eu insisto, teimoso como um burro, vou tocando sozinho esse meu ‘mal hábito’. E o mais curioso de tudo isso é que mesmo sendo assim como sou, como é o Toque Musical, tem por aí muita gente que nos copia, que seguem uma ‘linha’ semelhante. Eu já disse isso, o TM faz escola! 😉
Em homenagem ao meu amigo crítico e também a todos os outros cultos e ocultos, eu hoje trago este álbum, um clássico que despensa maiores apresentaçoes. Aliás, melhor apresentação que o texto do próprio autor, ainda mais sendo ele Vinícius de Moraes, não poderia haver. “Os Afro-sambas” é um disco dos mais importantes da MPB, lançado através do selo Forma, de Roberto Quartin, em 1966. Produzido de maneira livre, sem se prender a questões e padrões comerciais, o disco traz apenas oito músicas, mas que são a continuidade de um trabalho que a dupla iniciou quatro anos antes, quando ‘se conheceram’, vamos dizer assim. Um trabalho excepcional, que mesmo nunca esquecido, não poderia deixar de ser lembrado aqui. Há ‘medalhões’ que a gente precisa sempre cultuar, não é verdade?

canto de ossanha
canto de xangô
bocochê
canto de yemanjá
tempo de amor
canto de pedra preta
tristeza e solidão
lamento de exu
.

Quarteto Em Cy – Antologia Do samba Canção – Vol. 2 (1976)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós para mais um toque musical. Hoje, atendendo a tantos pedidos que foram feitos, vou então postando o segundo volume da “Antologia do Samba Canção”. Realmente, essa produção foi um achado e daria para render mais uns dois ou três volumes com outros tantos autores e compositores de samba canção. Se no primeiro disco, de 1975 as baianinhas tiveram a participação de um monte de feras (Oscar Castro Neves, Pascoal Meirelles, Luiz Cláudio Ramos, Zé Menezes, MPB-4 e outros), em 76 elas voltam trazendo também convidados ilustres como Tom Jobim, Chiquinho do Acordeon e Abel Ferreira. Temos assim outros dez grandes compositores em um quase ‘pot-pourri’, com duas ou três músicas de cada. É  pouco, mas é ótimo! Só mesmo ouvindo…

Armando Cavalcanti

nesse mesmo lugar

Chocolate

vida de bailarina

canção de amor

Custódio Mesquita

saia do caminho

Marino Pinto

reverso

prece

Tom Jobim

dindi

se todo fosse iguais a você

eu sei que vou te amar

Noel Rosa

último desejo

Fernando Lobo

siga

chuvas de verão

Haroldo Barbosa

Meu nome é ninguém

bar da noite

Fernando César

dó ré mi

joga a rede no mar

Dorival Caymmi

nem eu

não tem solução

nunca mais

Quarteto Em Cy – Antologia Do Samba Canção (1975)

Olá amigos cultos e ocultos! Aproveitando a tarefa que recebi de digitalizar alguns discos, escolhi entre esses uma belezura de trabalho das baianinhas do Quarteto Em Cy, o álbum “Antologia do Samba Canção”, lançado em 1975. Aqui estão reunidos dez grandes compositores da nossa música, dez mestres do samba canção. Para cada um deles o quarteto presta uma homenagem em forma de ‘pot pourri’, apresentado algumas de suas mais expressivas composições. É, sem dúvida, um lp muito bacana que merece ser sempre lembrado. A ideia de produção deste lp foi tão boa que até gerou um segundo volume, o qual eu logo poderei postar, caso tenha interesse. Vamos conferir? 😉

Pot pourri Antonio Maria:

ninguém me ama

se eu morresse amanhã

Pot pourri de Ary Barroso:

rancho fundo

risque

folha morta

Pot pourri de Garoto:

duas contas

gente humilde

Pot pourri de Tito Madi:

não diga não

cansei de ilusões

fracassos de amor

Pot pourri de Jair Amorim:

ponto final

alguém como tu

Pot pourri de Lupicínio Rodrigues:

vingança

nunca

esses moços

Pot pourri de Herivelto Martins:

caminhemos

segredo

Pot pourri de Carlos Lyra:

primavera

minha namorada

Pot pourri de Johnny Alf:

eu e a brisa

ilusão à toa

Pot pourri de Dolores Duran:

por causa de você

ternura antiga

O Máximo De Sucesso Da Música Popular Brasileira (1968)

Boa noite, prezados! Ufa! Finalmente em casa e em tempo de postagem! Nem no fim de semana eu estou tendo folga. Também, quem mandou eu querer fazer deste blog um diário? Agora aguenta…
Para o nosso sábado de coletânea eu tenho aqui este álbum lançado pela Philips em 1968, trazendo alguns de seus artistas de destaque, nomes consagrados que fazem desta uma seleção de primeira qualidade. Nem é preciso falar muito, vem estampado no encarte o que vamos encontrar. Alguns desses fonogramas a gente pode até considerar como raridades. É o caso de Tuca interpretando “Verde”, de Mário de Castro e Antonio Carlos Ducan, ou “Madrugada (Caranval acabou)”, de Arthur Verocai e Paulinho Tapajós, na voz de Magda. Taí uma coletânea que a pena pedir e ouvir 😉

lapinha (da bienal de são paulo) – elis regina
frevo rasgado – gilberto gil
januária – claudette soares
quem dera (da bienal de são paulo) – mpb-4
até segunda feira – jair rodrigues
e nada mais – agora 4
viola enluarada – jari rodrigues
eu e a brisa – márcia
madrugada (carnaval acabou) – magda
verde – tuca
retrato em branco em preto – quarteto em cy
samba da benção – elis regina 

Quarteto Em Cy (1966)

Bom tarde, amigos cultos e ocultos! Logo após o almoço, nada melhor que uma boa sobremesa. Vou aproveitando a brecha, entre garfos e facas, para fazer a postagem do dia. Há tempos eu venho pensando em postar este disco do Quarteto em Cy. Acabou ficando aqui parado no meu computador, limitado aos meus ouvidos. Como eu hoje estou fora do ‘QG’ e não sei bem a que horas estarei de volta, melhor juntar o útil ao agradável e fazer logo a postagem do disco das baianinhas.

Temos aqui o lp do Quarteto em Cy gravado pelo selo Elenco, de Aloysio de Oliveira, em 1966. O álbum foi lançado, inicialmente com as tradicionais doze faixas. Era, na verdade, fonogramas extraídos do disco lançado por elas nos “States”, para o selo Warner. Numa segunda prensagem do lp, Aloysio resolveu incluir mais uma música, “A Banda”, de Chico Buarque, que naquele mesmo ano havia vencido o Festival da Canção da TV Record, com interpretação de Nara Leão.

Na versão do Quarteto em Cy a música adquiri um tom mais alegre e circense, com arranjos que nos remetem sempre à ideia de uma bandinha tocando na praça. As demais músicas, não preciso nem dizer, são impecáveis, um repertório fino, tipo exportação. Um belíssimo disco 😉
a banda
vamos pranchar
espere um pouco
canto de ossanha
samba torto
caminho do mar
segredinho
amaralina
morrer de amor
pedro pedreiro
inútil paisagem
até londres
último canto

Coletânea Compactos Do Toque Musical – Volume 1 (2011)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu me atrasei devido a falta de energia elétrica durante a tarde. Caiu um pé dágua por aqui, um verdadeiro vendaval. O meu computador apagou justo na hora em que eu preparava uma capinha para a coletânea de hoje. Perdi tudo o que já tinha feito, daí resolvi criar outra totalmente diferente. Para um trabalho de 10 minutos até que não ficou tão mal assim, não é mesmo? Mas o que vai agradar mesmo é o conteúdo dessa minha seleção. Reuni aqui alguns compactos da melhor qualidade. Como vocês podem ver, a coletânea traz também algumas raridades, como é comum em disquinhos compactos. Temos, por exemplo um compacto duplo do Caetano Veloso, gravado em Londres, em 1971. Este disco é realmente ótimo e raro. Caetano gravou essas músicas, com certeza, pensando no carnaval que viria, de 1972. Temos ele aqui acompanhado por Jards Macalé, Moacir Albuquerque, Tutti Moreno e Áureo de Souza. O mesmo time que o acompanhou no álbum “Transa”. No embalo do baiano, vamos também com as músicas um compacto de 1978, trazendo duas músicas, trilhas dos filmes “Na boca do mundo” e “A dama do lotação”. Outros compactos interessantes são os de Chico Buarque, de 1967. Taiguara 1970, Abilio Manoel de 73, Gonzaguinha de 70 e 72, Ivan Lins em seu primeiro sucesso, MPB 4 e Quarteto em Cy. Todos da melhor safra, reunidos aqui como daquela outra vez. Compactos sempre fazem sucesso.

Xiii… O temporal voltou, com raios e trovoadas. Deixa eu finalizar a resenha, vamos direto à lista…
chuva suor e cerveja – caetano veloso
a televisão – chico buarque
carolina – chico buarque
salto de sapato – caetano veloso
la barca – caetano veloso
partido alto – mpb4
roda viva – chico buarque
badalação – mpb4
barão beleza – caetano veloso
expresso 2222 – mpb4
qual é a baiana? – caetano veloso
última forma – mpb4
um chorinho – chico buarque
amaralinda – quarteto em cy
bom dia, amigo – abilio manoel
um abraço terno em você, viu mãe? – gonzaguinha
hoje – taiguara
o amor é o meu país – ivan lins
pedro pedreiro – quarteto em cy
se eu fosse rei – abilio manoel
tributo à jacob do bandolim – taiguara
um sorriso nos lábios – gonzaguinha
pecado original – caetano veloso
você merece – gonzaguinha
amado amante – caetano veloso

A Música De Fogaça (1982)

Bom dia! É curioso como algumas coisas passam despercebidas por nós. Até ontem eu não fazia ideia de que o político, Sr. José Fogaça, ex prefeito de Porto Alegre em dois mandatos e candidato derrotado na última eleição para o governo de seu Estado, fosse o mesmo Fogaça, compositor de mão cheia, que um dia eu conheci através dos discos da dupla gaúcha Kleiton & Kledir. Vejam só vocês… Nunca liguei uma coisa com outra, mas considerando e comparando os dois extremos, acho que ele teria tido menos dissabores se tivesse levado adiante sua carreira de compositor. Tô falando assim, mas confesso, não conheço muito o político e sua atuação. Aliás, eu de política sou um zero (que colocado do lado certo posso valer alguma coisa). Mas, pelo pouco que eu li, Fogaça sempre gostou de política, desde os tempos em que era líder estudantil. Teve também sua cota de participação na época das ‘Diretas Já’ ao lado de Ulisses Guimarães e Tancredo Neves. Sendo um dos articuladores no sul.
Temos aqui, o que eu acredito ser seu único disco. Ou melhor dizendo, um disco com as suas composições. Este álbum foi produzido por Kleiton Ramil e lançado em 1982 pela Deck Produções através do selo Polyfar (Polygram). Nele temos reunidas doze músicas gravadas por diferentes e consagrados artistas nacionais, como vocês mesmo poderão constatar logo abaixo…

ei de voltar para o sul – nara leão
piquete do caveira – almôndegas
sexto sentido – fafá de belém
novas marés – fernando ribeiro
lagoa dos patos – kleiton & kedir e mpb-4
vento negro – almôndegas
uni duni tê – kleiton & kledir e mpb-4
filha mulher – olivia hime
viração 0 mpb-4
há um pouco do meu coração em portugal – almôndegas
vinho amargo – quarteto em cy
semeadura – kleiton & kledir e fogaça

II Festival Internacional Da Canção Popular (1967)

Olá amigos cultos e ocultos! Como nesta semana eu já andei postando um disco de Festival, acho que vou mandar outro para vocês. Segue aqui um raríssimo e esperado exemplar do II Festival Internacional da Canção Popular, edição Rio, de 1967. Este álbum, com certeza, vai fazer muita gente dar pulinhos da alegria. Temos aqui momentos realmente memoráveis que jamais voltaram a ser vistos e principalmente ouvido pela grande maioria. Eu mesmo, que tenho o disco a tanto tempo, já faz um tempão que não o ouço. As vezes a gente precisa dar uma geral nas estantes de discos. Fico aqui matutando, tem discos que eu não escuto faz tempo. É, mas mesmo que eu quisesse… nem que eu tivesse mais 100 anos de vida, acho que não daria tempo de ouvir tudo. Por isso eu vivo numa constante overdose musical. No dia em que eu acabar de digitalizar todos os meus discos (hoje por volta de 6 terabites, com backup!), acho que não saberei o que fazer depois. Mas tenho a certeza de uma coisa, terei uma tremenda discoteca digital, capaz de suprir os mais variados gostos. Se um dia a música no mundo desaparecer, podem me procurar, eu tenho tudo guardado 😉 Como eu disse uma vez ao Zecaloro, eu não tenho só os meus, tenho também os seus 😉 e os de outros blogs que fazem um bom serviço completo. Meu alvo principal é sempre a música/disco fora de catálogo. São dos esquecidos é que precisamos nos lembrar e preservar. O novo terá o seu amanhã.
Bom, mas falando do álbum do dia, confesso estar um pouco confuso. Me lembrei agora que já havia postado um outro disco deste II Festival em maio do ano passado. Essas histórias de festivais bagunçam a minha cabeça, principalmente porque há discos que foram lançados com músicas de um determinado festival, mas necessariamente não são as representativas ou as que chegaram à final. No caso específico deste lp, as músicas e artistas não correspondem aos apontados com finalistas ou vencedores. Há, por exemplo, quatro faixas com a Gracinha Leporace. Será que ela defendeu essas quatro músicas no festival? Não estou bem certo e nem quero procurar agora essa informação. Vou deixar essa questão em aberto para ver se algum dos amigos cultos e ocultos esclarecem as coisas. As vezes é bom ter comentários que vão além, pertinentes ao disco postado e que complementam a informação. Me sinto mais motivado quando percebo esse interesse. Falem, Zuzas!

margarida – gutemberg guarabyra e grupo manifesto
carolina – nara leão
o sim pelo não – mpb-4
canto da despedida – gracinha
de serra, de terra e de mar – claudete soares
desencontro – gracinha leporace
travessia – elis regina
cantiga – mpb-4
oferenda – gracinha leporace
eu sou de oxalá – quarteto em cy
canção de esperar você – gracinha leporace

Brasil: A Century Of Song – Bossa Nova Era (1995)

Bom dia! No passo ligeiro, aqui vai o disco de hoje. Estou numa correria que só vendo… Tenho para hoje uma coletânea de gaveta, daquelas que ficam prontas para qualquer emergência. Um coletânea feita por gringos e a qual é chamada de bossa nova. Como se a música brasileira se resumisse a nisso. Mas a gente entende porque sabemos que a nossa música tem mesmo muita bossa. Uma música de personalidade mais que expressiva. O disquinho que apresento já é da geração cd, mas seu conteúdo oscila entre o antigo e o moderno, entre o Samba e Bossa Nova. Contudo, vale a pena ouví-lo, pois nele encontraremos coisas muito interessantes e até raras, que não se encontram fácil por aí. Esta é uma copilação feita por americanos (ou canadenses?) em parceria com uma produtora brasileira. Um autêntico disco feito pelo e para o mercado norteamericano. É bem possível que haja algum engano nos créditos das músicas, mas se tiver, eu vou deixar à cargo de vocês, especialistas. Podem comentar… Vejam (e ouçam) o que temos no disquinho:

a felicidade – joão gilberto
o orvalho vem caindo – j. t. meirelles e conjunto
só quero ver – beth carvalho
dindi – sylvia telles e rosinha de valença
desacato – antonio carlos & jocafi
ela desatinou – chico buarque
canto de ossanha – toquinho & vinícius
quando eu penso na bahia – elizeth cardoso e cyro monteiro
pedro pedreiro – quarteto em cy
aqui ó – toninho horta
oh what a sight – oscar castro neves & império serrano
berimbau/cuíca/cavaquinho/tristeza – edu lobo, sylvia telles, rosinha de valença, meirelles e +
pescador – baden powell
rapaz de bem – leila pinheiro
vrap – grupo beijo & coral da usp
rio – leny andrade

Quarteto Em Cy – Resistindo Ao Vivo (1977)

Como sei que hoje eu não terei muito tempo disponível, vou recorrer para a segunda postagem à minha gaveta de reservas. As vezes, quando percebo que o disco que preparei já foi postado em outro blog, prefiro deixá-lo de fora. Ou melhor, dentro da gaveta esperando um novo momento.
Se em 1977 as baianinhas de Vinícius já haviam conseguido resistir à todas mudanças de ventos e marés com muita garra, segundo Aldir Blanc. Eu posso agora afirmar que elas foram muito além. O Quarteto Em Cy resistiu e foi enfrente. Tornou-se um cristal precioso que faz parte da história da música brasileira e continuam até hoje resistindo, com muita garra fazendo história.
“Resistindo” foi um álbum que registra alguns dos melhores momentos do show realizado no Teatro Fonte da Saudade, no Rio em 1976. Muito bom, confiram…

eu vim da bahia
filhos de gandhi
viola violar
capricho
memória
samambaias
favela
arquitetura de pobre
o ronco da cuíca
resitindo
o rancho da goiabada
funeral de um lavrador
mulheres de atenas
canta, canta mais

Quarteto Em Cy E Tamba Trio – Som Definitivo (1966)

Para engrossar o caldo do dia, estou trazendo mais um disco da baianinhas do Quarteto em Cy. Desta vez elas vem acompanhadas pelo não menos genial Tamba Trio. Um disco, sem dúvida, da melhor qualidade, o qual eu recomendo para aqueles que ainda não tiveram a felicidade de ouví-lo. A união desses dois grupos, com direção musical de Roberto Quartin e Wadi Gebara, resultou num trabalho muito original, com uma forte tendência jazzistica em contra-ponto com o balanço do samba, presente em praticamente todas as faixas. Um disco realmente fino, um clássico que não envelhece e não pode faltar aqui no Toque Musical. Confiram esta jóia 😉

zambi
imagem
aleluia
das rosas
se você pensar
agua de beber
o mar é meu chão
arrastão
apelo
eu vim da bahia

Quarteto Em Cy – Em Cy Maior (1968)

Olá amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós para mais uma jornada musical, resgatando o tempo perdido, os esquecidos, os desconhecidos e também os conhecidos. Hoje, rapidinho…
Fazendo sua estréia em nosso blog, temos o mais famoso grupo vocal feminino brasileiro dos últimos 40 anos, o Quarteto em Cy. “Em Cy Maior” é um dos discos das moças que eu mais aprecio. Aliás, todo o trabalho feito nos anos 60 são ótimos! Mas gosto em especial deste álbum pelo repertório recheado de coisas bacanas. Olha só…
.
frevo do orfeu
lua cheia
juliana
onde está você
minha palhoça
samba do carpinteiro
samba do crioulo doido
aioká
rancho de ano novo
minha rua
a volta do chorinho

Apoteose – O Show Dos Shows (1991)

Hoje não vou prolongar… Além do mais, o sono já vem me pegando de jeito.
Sobre este disco não é preciso falar muito, tá na capa! Uma seleção de artistas de primeira linha que passaram pela RGE. É isso aí… a gravadora se mantém com nomes de peso. Nada como uma coletânea, reunindo o que de melhor o selo ofereceu ao longo dos tempos. Neste, lançado somente em vinil e cassete (lembra da fitinha?), temos apresentações ao vivo de shows e festivais, realizados em 1964 e 65. Faixas retiradas de outros álbuns da gravadora.
chove chuva – jorge ben
terra de ninguém – elis regina e marcos valle
maria moita – nara leão
sem deuz com a família – césar roldão vieira
primavera – toquinho
tem dó de mim – quarteto em cy
aleluia – edu lobo e yvette
pedro pedreiro – chico buarque
garota de ipanema – zimbo trio
nós e o mar – maysa
onde está você – alaíde costa
mulher sempre mulher – vinícius de morais