Os Velhinhos Transviados – Tropicalíssimos (1968)

A quem possa interessar, amigos cultos e ocultos… Temos aqui um dos grandes grupos instrumentais dos anos 60, Os Velhinhos Transviados, criado no início dessa década pelo multi-instrumentista José Menezes, figura das mais importantes no cenário fono musical brasileiro. Zé Menezes, como era mais conhecido, durante os anos 60 foi maestro e arranjador da RCA Victor, o que, de uma certa forma lhe garantiu lançar diversos discos sobre o título de “Os Velhinhos Transviados”. Segundo o próprio artista, o grupo foi formado de forma despretensiosa, quase parodiando o que era lançado naquela época, nacional e internacionalmente. Passaram a gravar músicas antigas em estilo moderno e musicas modernas em estilo antigo. Uma brincadeira que deu certo, levando os Velhinhos Transviados a lançarem ao longo desse tempo mais de uma dezena de discos.
Neste álbum, de 68 o tema foi o tropicalismo. Palavra na época muito em voga por conta do movimento musical Tropicalista, que tinha em suas fileiras figuras como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rogério Duprat, Tom Zé e outros… Mas no caso dos Velhinhos, o tropicalismo vai mais além deste sentido. Embora, logo de entrada, tenhamos a música “Soy loüco por ti América”, de Gil e Capinan, as demais faixas, nacionais e internacionais, que fazem parte do disco, nada tem a ver com isso. De tropical só ficou o embalo. Mesmo assim, este é um disco que vale cada faixa, Confiram!

soy louco por ti america
el maniser
de babado
boogie woogie na favela
nega do cabelo duro
anjo azul
quando
the ballad of bonnie and clyde
triste madrugada
cai cai
um coração
malaysha
suck em up
pata pata
esta tarde vi llover
l’amour est bleu
amor de carnaval
voltei
bonnie and clyde
san francisco
está chegando a hora
.

Boleros, Choros e Baiões (1960)

Olá amigos cultos e ocultos! Neste próximo sábado vai ter feira do vinil em Belo Horizonte. É mais uma oportunidade para aqueles que apreciam a bolacha preta. Há sempre por lá uma variedade muito grande de discos, que atende ao gosto de qualquer um. Raridades por lá não faltam. Para aqueles que estiverem na cidade, a feira do vinil fica na galeria de um prédio (esqueci o nome) na esquina de Rua Inconfidentes com Pernambuco, na Savassi. É bem fácil de achar. Apareçam…
Para hoje eu reservei este disco do selo Prestige, um álbum muito agradável, que já pela capa atrai a gente. Trata-se de uma seleção musical extraída de dois outros discos deste selo: o “Sucessos Em Ritmo De Tango E Outras Bossas” e “Música, Amor E Festa”. Um álbum que podemos entender como sendo uma versão econômica criada pela gravadora, com um preço mais barato, sendo também uma forma de promover suas produções. O texto da contracapa é todo essa justificativa. Seria mesmo um disco ao alcance dos menos abonados ou aquilo que logo a diante se tornaria um disco de coletâneas, que geralmente são mesmo mais baratos. Em virtude disso eles economizaram na lista das músicas e na ficha técnica. Quem pega no álbum fica a mercê das limitações. Mas, fora isso, a qualidade de gravação e o disco no seu conteúdo são ótimos. O que temos aqui na verdade é o Zé Menezes e seu conjunto e supostamente o Sexteto Prestige. Taí um conjunto lendário e misterioso. Até hoje eu não descobri quem fazia parte desse sexteto. Já ouvi mil e uma suposições, mas nada de concreto. Por isso mesmo é que não dei sequência à publicação da série “Música e Festa“, creditado a eles. Não se tem em nenhum desses os nomes dos músicos. Por outro lado, ou, de um outro lado (do disco) temos um nome que eu logo identifiquei, o guitarrista Zé Menezes (e seu conjunto). O disco “Música, Amor e Festa (que por acaso eu não tenho) é dele! Cabe aqui também uma informação pertinente ao Zé Menezes. Eu que tinha, para mim, a suposição de que este grande guitarista – que já havia tocado com Radamés e lançado diversos discos por trás de seus Velhinhos Transviados – já havia falecido, fiquei feliz e surpreso ao saber que ele, ao longo dos seus noventa e uns anos, ainda estava na ativa. Descobri o site da Artbraz (ABZ Produções), que lançou a pouco tempo atrás novas gravações do Zé Menezes, com direito a um site exclusivo para o artista. Fiquei realmente emocionado. Quero logo adquirir esses discos (me parece, são três cds).
Bom, quanto ao nosso disco aqui, não precisamos dizer muita coisa. Se divide em faixas longas, feitas para dançar, em forma de ‘pot-pourri’, destacando o bolero e o choro-samba, com leves pitadas de baião na passagem de uma música para outra.
Não deixem de conferir 😉

pecado
quizas… quizas… quizas…
que te parece
yo no se que me passa
hipócrita
eclipse
palabras de mujer
tres palabras
señora tentacion
vem
xô sabiá
pau de arara
aproveita a maré
uma farra na churrascaria
eu vou te contar, heim
um chorinho pro gilberto
vem amor

Os Velhinhos Transviados – Dance Com Os Velhinhos Transviados Vol. 2 (1970)

Bom dia! Ontem alguns de vocês ficaram na dúvida quanto ao arquivo postado do Victor Assis Brasil, isso devido ao tamanho (162 megas), sendo apenas quatro músicas. A razão é que eu sem querer acabei incluindo o arquivo de trabalho, o bruto, sem separação de faixas. Daí ficou com se fosse uma repetição. Tanto melhor para aqueles que costumam dar uma ‘tratada’ no som, podem usar o original, caso não gostem do resultado nas faixas separadas.

No vai e vem, hoje vamos com o conjunto “Os Velhinhos Transviados”. Falar desse grupo instrumental que surgiu nos anos 60 é obrigatoriamente falar do seu criador, o multi instrumentista e compositor Zé Menezes, o homem das muitas cordas. Ele foi o espírito oculto em muitos corpos. Um artista que iniciou ainda criança seu trabalho com a música. Nasceu no Ceará e por volta dos 10 anos já se apresentava profissionalmente. Sua ficha é extensa e falar dele exigiria um tempo que eu não tenho. Na década de 40 ele veio para o Rio de Janeiro, trabalhou no rádio, foi parceiro de outros grandes nomes como Luiz Bittencourt e o genial Garoto. É autor de inúmeras composições, muitas que fizeram sucesso através de outros artistas. Participou dos conjuntos Os Milionários do Ritmo e do Quarteto Continental, que viria depois a se tornar o Sexteto Radamés. Nos início dos anos 60, com muitas mudanças no meio musical brasileiro, ele galhofeiro, criou Os Velhinhos Transviados. Este grupo bem humorado, a começar pelo nome, fez muito sucesso durante os anos 60 e início dos 70. ‘Transviado’ era um termo que equivalia à ‘moderninho’, embora muita gente o aplicasse para designar ‘boiolice’. A turma da Jovem Guarda era o que se pode chamar de ‘transviados’. Não sei bem a origem, mas tem a ver com a modernidade juvenil daqueles tempos. Os Velhinhos Transviados era um grupo que se propunha a seguir uma linha e sonoridade jovem, embora seus integrantes já estivessem acima dessa faixa etária. Tratavam com humor e jovialidade a interpretação de temas, as vezes até antigos. Gravaram um dezena de discos e entre eles este que estou trazendo para vocês. “Dance com os Velhinhos Transviados, Vol. 2” é mais um álbum que não foge a regra, nele podemos encontrar do rock ao samba. Músicas nacionais e internacionais bem conhecidas, feitas aqui para dançar.
Um fato interessante é saber que Zé Menezes, embora tenha gravado centenas de discos, apenas no final de carreira, aos 83, foi que gravou seu primeiro e único álbum autoral.
dang dang
limbo rock
baby elephant (o passo do elefantinho)
the mexican shuffle
road hoag (o calhambeque)
my boy lollipop
ya ya
na cadência do samba
mafuá
gostar de alguém
samba de balanço
garota solitária
alá lá ô
tem bobo pra tudo