Paulo Autran – O Pequeno Príncipe (1957)

Verdadeira obra-prima do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry (Lyon, 29/6/1980-litoral sul da França, 31/7/1944), “O Pequeno Príncipe”, último livro publicado em vida do autor, em 1943, está em terceiro lugar entre as obras literárias mais traduzidas no mundo, editada em mais de 220 idiomas e dialetos, só perdendo para o Al-Corão e a Bíblia. E seu enredo possui a capacidade de envolver leitores de todas as idades, despertando o interesse em olhar com mais cuidado para o mundo em que vivemos. É difícil não se emocionar com a história do principezinho loiro e frágil encontrado por um aviador (o próprio Exupéry) no deserto do Saara, após cair com seu avião, e vindo do asteroide B-612. Ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam seus valores e encontram o sentido da vida. E com sérias críticas aos adultos, questionando suas condutas (preguiça, autoritarismo, vaidade, pressa excessiva). Uma história mágica, sensível, comovente, às vezes triste, que, ao cair no domínio público, passou a ser publicada por diferentes editoras, podendo ser encontrada em formatos diversos, até mesmo em edições de luxo e álbuns para colorir! “O Pequeno Príncipe” recebeu inúmeras adaptações, inclusive para o cinema e televisão (quem não se lembra de uma série de desenhos animados que vivia passando no SBT?). E, evidentemente, também chegou ao disco, por iniciativa do incansável Irineu Garcia, dono do selo Festa. E é justamente o LP adaptando a bela e querida história do Pequeno Príncipe, que o Toque Musical oferece com a satisfação de sempre a seus amigos cultos e associados. E esse disco, logicamente, contou com o cuidado de produção habitual da Festa, inclusive com um encarte reproduzindo aquarelas originais que o autor fez para ilustrar sua obra-prima. Lançado em 1957, tem dois autênticos “cobras” envolvidos em sua elaboração: o mestre Tom Jobim, na música, e a narração expressiva de Paulo Autran, sem dúvida um dos maiores expoentes que nossa arte dramática já teve. Tudo feito com a devida autorização da Gallimard, a editora francesa que deteve durante anos os direitos de publicação da obra, até esta cair em domínio público. A voz do Pequeno Príncipe ficou a cargo de Glória Cometh, atriz teatral, e deste disco ainda participam Oswaldo Loureiro Filho (o Acendedor de Lampiões), Margarida Rey (a Serpente), Benedito Corsi e Aury Cahet (a Rosa). Fiel à tradução brasileira de Dom Marcos Barbosa (há outra mais recente, de Frei Betto), o disco repetiu o sucesso do livro, e  teve tantas reprensagens que até desgastaram as madres de impressão! Foi reeditado por doze anos, e chegou ao CD em 1999, sendo um dos títulos mais vendidos em toda a história da Festa. E é agora oferecido pelo TM para alegria de todos aqueles que se comoveram ao ler o livro quando crianças, e também para conhecimento do público que hoje se emociona com esta bela e cativante história, que tanto tem cativado crianças e adultos há pouco mais de setenta anos!

* Texto de Samuel Machado Filho

Vinicius de Moraes e Paulo Mendes Campos – Poesias Vol. 2 (1956)

Hoje, o Toque Musical oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados um pouco da melhor poesia brasileira. Trata-se de um disco do selo Festa, de Irineu Garcia, jornalista, sonhador, boêmio e autêntico mecenas, que tantas contribuições deu à nossa cultura, inclusive na área musical, com LPs primorosos, tipo “Canção do amor demais”, obra-prima de Elizeth Cardoso, e “Por toda a minha vida”, de Lenita Bruno, ambos já oferecidos a vocês pelo TM. O álbum de hoje,  gravado em 1956, é o segundo de uma série da Festa  apresentando poetas brasileiros de renome, declamando de viva voz seus poemas. O primeiro volume foi  com Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, e este segundo nos traz outros “cobras” do gênero: Vinícius de Moraes  (Rio de Janeiro, 19/10/1913-idem, 9/7/1980) e Paulo Mendes Campos (Belo Horizonte, MG, 28/2/1922-Rio de Janeiro, 1/7/1991). Ressalte-se que, nessa época, era costume, no Brasil, lançar discos com recitais de poesia, e um deles, com o rádio-ator Floriano Faissal declamando poemas de Olavo Bilac, lançado em 1957 pela Musidisc, chegou a ser campeão absoluto de vendagem, o que fez a Odeon e a RGE também lançarem títulos explorando esse mercado. Nenhum selo, porém, foi  tão dedicado à poesia quanto a Festa, que construiu um catálogo tão impressionante quanto numeroso nessa área.  O poetinha Vinícius, claro, dispensa quaisquer apresentações. Neste trabalho, ele nos oferece sete verdadeiras obras-primas vindas de sua inspiração, entre elas os antológicos “Soneto de fidelidade”, “Pátria minha”, “Poética”  e “Soneto de separação”. Quanto a Paulo Mendes Campos, creio que muitos o conheceram através das crônicas incluídas nos livros da série “Para gostar de ler”, da Editora Ática, verdadeiros “best-sellers” entre estudantes de ensino fundamental e médio nas décadas de 1970/80, e até hoje em catálogo. Paulo também foi poeta, e seus primeiros livros, por sinal, foram de poesias: “A palavra escrita” (1951) e “O domingo azul do mar” (1958). Aqui, ele declama seis poemas, e apenas um, o soneto “Despede teu  pudor”, é de seu livro de estreia, sendo os demais apresentados pela primeira vez.  Tudo isso, aliado ao padrão de qualidade da marca Festa, faz deste trabalho, assim como outros da série, um verdadeiro documento histórico, digno de ser apreciado por quem prestigia tudo que há de bom no rico e variado acervo da poesia brasileira. Pura sensibilidade!

soneto da felicidade

balada da moça do miramar

soneto de amor total

a morte de madrugada

soneto de separação

pátria minha

poética

infância

o homem da cidade

pesquisa

despede teu pudor

poema didático

if

* Texto de Samuel Machado Filho

Coral Ars Nova – Missa Em Aboio (1966)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos. Para fecharmos a semana, aqui vai um lp excelente para se ouvir num fim de noite, principalmente deste domingo. Temos aqui um dos mais importantes corais brasileiros, o Ars Nova, formado na Escola de Música de UFMG no final dos anos 50. O nome Ars Nova veio em 64, foi sugerido pelo maestro e compositor Carlos Alberto Pinto Fonseca, regente do coral até 2003. É o grupo coral brasileiro mais premiado e conhecido internacionalmente.
“Missa em aboio” foi o primeiro disco lançado por eles. O álbum saiu pelo selo Festa em 1966. No repertório o Ars Nova nos apresenta uma obra sacra, do compositor nordestino Pedro Marinho e que dá nome a disco, “Missa em Abôio”. Dividido em faixas – Kyrie, Glória, Credo, Sanctus, Benedictus e Agnus Dei – esta obra ocupa todo o lado A. O lado B apresenta composições do maestro Carlos Alberto Pinto Fonseca.

missa em aboio
muié rendêra
café de sá chiquinha
ponto de oxum-iemanjá
galo garnizé
é a ti flor do céu
jubiabá
.

Margarida Lopes De Almeida – Recital (1955)

Prezados amigos cultos e ocultos, nosso domingo vai ser mais lírico e poético. Poesia é algo que sempre cai bem por aqui e eu procuro sempre cultivar esse hábito. Hoje eu trago outro álbum produzido pelo selo Festa, do jornalista Irineu Garcia. Como já falamos aqui, o Festa Discos Ltda foi criado com a intenção de promover a poesia, sendo, creio eu, o primeiro selo brasileiro dedicado aos poetas. Eles também lançaram discos de música, álbuns verdadeiramente antológicos. Sua série de discos tem uma importância que vai além da poesia. São registros históricos das vozes, muitas vezes dos próprios poetas. Mas quem melhor, além de seus autores, que os verdadeiros profissionais da interpretação? Como foi o caso, na semana passada, de Paulo Autran. E agora, Margarida Lopes de Almeida, um consagrada artista e declamadora brasileira apresenta aqui dez poetas, dez poemas cujo os estilos vão do Parnasianismo de Olavo Bilac ao Modernismo de Carlos Drummod de Andrade.

via láctea – olavo bilac
serenata – martins fontes
póstuma – raul machado
ciranda – afonso lopes de almeida
a música dos bilros – artur de sales
romance de n. s. da ajuda – cecília meireles
passagem da noite carlos drummond de andrade
canção balet – mário quintana
velocidade – guilherme de almeida
os sinos – manoel bandeira
.

Paulo Autran – Poesia De Sempre (Antologia) (195…)

Olá amiguíssimos cultos e ocultos! Hoje o nosso toque vai ser mais poético. Sempre que posso, gosto de postar discos de poesia. Eu curto muito e sei que muitos por aqui também adoram. Para satisfazer um desejo comum, aqui vai um disco do selo Festa, especialista em publicaçoes dessa natureza naqueles tempos, final dos anos 50 e início dos 60. Aliás, este álbum eu não sou precisar a data de seu lançamento. O certo é que temos aqui uma coletânea, uma antologia da poesia brasileira daquele tempo. São dezenove poemas de diferentes autores, sempre interpretados com maestria pelo grande ator Paul Autran. Confiram

gregório de matos – sátira aos vícios
tomas antonio gonzaga – lira primeira
maciel monteiro – soneto
gonçalves dias – a maldição do índio pai
alvares de azevedo – se eu morresse amanhã
casemiro de abreu meus oito anos
fagundes varela – a flor do maracujá
castro alves – último fantasma
raimundo correia – mal secreto
olavo bilac – in extremis
vicente de carvalho – tu moça, eu quase velho
julio salusse – cisnes
guimarães passos – guarda e passa
luiz guimarães junior – visita a casa parterna
cruz e souza – acrobata da dor
alphonsus de guimarães – ismalia
augusto dos anjos – vandalismo
raul eloni – sabedoria
alceu wamosy – duas almas
machado de assis – a carolina
.

Vinícius De Moraes – Poesias (1959)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Como as nossas postagens não seguem mais aquele obsessivo ritmo diário, posso me desculpar por só estar celebrando os 100 anos de Vinícius agora, um dia depois. Acho que tudo bem, não é mesmo? Afinal, uma figura como Vinícius de Moraes e em seu centenário, merece comemoração por pelo menos uma semana! O Toque Musical não poderia deixar esse momento passar em branco. Como a obra do Poetinha já está prá de bem divulgada, fica difícíl achar alguma coisa diferente, rara, como cabe ao TM. Acabei optando por este álbum de poesias, lançado em 1959, pelo selo Festa, que muito se dedicou a promover a poesia brasileira. Neste pequeno lp de 10 polegadas vamos encontrar cinco de seus mais famosos poemas e, claro, recitado pelo próprio autor.
Parabéns, Vinícius! Que seja eterno por toda a vida 🙂

o mergulhador
soneto n. 2 de meditação
os acrobatas
a hora íntima
receita de mulher
.

Mestres Do Barroco Mineiro (196?)

Boa tarde, amigos clássicos e eruditos! Ah, viu só? Hoje eu mudei a chamada, afinal as terças feiras tem sido de interesse mais daqueles que apreciam a música erudita, creio eu. Acho importante valorizarmos também a música dos grandes mestres, trazer à luz nomes e obras de autores que muitas vezes ficam limitados a pequenos concertos ou direcionado a um público específico. Tenho para mim, como teoria, que não é o povão quem não gosta de música clássica/erutita. No meu entendimento, o que faltou foi a educação musical. Infelizmente, no Brasil, não existe essa preocupação no ensino da música. Quando falo assim, me refiro não à necessidade de que todos aprendam a tocar instrumentos musicais e saiam tocando por aí, mas sim de que fosse dado ao povo subsídios para um conhecimento musical básico e histórico. A Música deveria ser uma matéria tão importante quanto a Matemática ou o Português. Bem porquê, através da música também se aprende matemática ou se afina o português. A música e as artes, num geral, precisam ser (mais) inseridas no contexto educacional, da mesma forma que no social. “Rock In Rio” é um espetáculo, mas não oferece nada além do que foi proposto, diversão… Acho que ainda falta a arte. E arte não é só diversão, é também coisa séria e pensada. Acho que nos falta é isso, uma coisa mais pensada. Voltada não para nichos específicos, mas aberto e a todos. Enquanto houver a crença de que o poder se faz com controle e retenção do conhecimento, a sociedade humana continuará em conflitos. Os carentes, embrutecidos, continuarão revoltados e rebelados contra aquilo que os limita e sem saberem realmente como e o que lhes faltam.

Tivesse tido eu uma melhor educação musical, estaria aqui agora descrevendo e discursando as qualidades deste belo e raro lp de uma outra forma. Talvez, quem sabe, nem fosse preciso estar aqui. Talvez não precisaria de blogs como este. Seríamos educados o suficiente para mantermos uma conduta como os americanos, europeus ou japoneses, respeitando regras e leis. Mas, fazer o quê quando o nosso único recurso para sair da lama é o nosso próprio esforço?
Putz, acho que viajei nas minhas divagações… melhor falarmos do disco…
Eis então “Mestres do Barroco Mineiro”, um belíssimo e raro lp lançado por Irineu Garcia e seu selo Festa. Nele encontramos obras do repertório sacro mineiro, no período áureo da mineração (Sec. XVIII), recolhidas pelo musicólogo Curt Lange, sob os auspícios de Clóvis Salgado, então Governador de Minas Gerais. Curt Lange reuniu um conjunto de documentos importantíssimos da música brasileira, principalmente a reconstituição de uma série de obras de cunho religioso, produzidas por compositores mineiros. José Joaquim Emérico Lobo de Mesquita, Marcos Coelho Netto, Francisco Gomes da Rocha e Ignácio Parreira Neves, foram esses compositores e tiveram suas obras apresentadas na Europa, na Argentina e, claro, no Brasil. Segundo nos conta o texto de contracapa, esta gravação que gerou o disco foi feita em 1958, por ocasião do “Festival de Música Religiosa de Minas Gerais, realizado no Rio de Janeiro pela Associação de Canto Coral e Orquestra Sinfônica Brasileira, sob a regência do Maestro Edoardo De Guarnieri.
Este álbum, embora não apresente data, eu suponho que tenha sido lançado na primeira metade dos anos 60. Foi o segundo volume, como consta na capa. Porém eu não consegui saber sdo primeiro e nem ficou claro se havia outros volumes. O selo Festa durou até o ano de 1967 e pelo jeitão do disco e seu número de série, com certeza, deve ser um dos últimos.
No final dos anos 90, a artista plástica Gracita Garcia Bueno, sobrinha de Irineu Garcia, conseguiu resgatar uma boa parte do acervo do selo Festa que estavam mofado nos arquivos da Polygram. Com muito esforço ela conseguiu trazer de volta, em versão cd, alguns dos mais importantes títulos lançados na época pelo selo. Quem conhece um pouco do catálogo criado por Irineu sabe que são jóias raras, música e poesia, o melhor do Brasil.
antifona de nossa senhora – josé joaquim emérico lobo
credo – ignácio parreira neves
maria mater gratiae – marcos coelho neto
novena de nossa senhora do pilar – francisco gomes da rocha

Lenita Bruno – Por Toda A Minha Vida (1959)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Enquanto vai coando o café e o pão de queijo saindo do forno, eu adianto o meu lado, partido logo para a postagem. Segunda feira é sempre um dia complicado, nunca sei o que me espera…
Para começar bem a semana, iniciamos com um disco muito importante da mpb, um álbum que até bem pouco tempo era uma raridade. “Por toda a minha vida”, gravado pela cantora lírica Lenita Bruno, com orquestração e arranjos do Maestro Leo Perachi, traz treze temas de autoria e parceria de Antonio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes. O álbum foi lançado originalmente em 1959. Me lembro bem deste lp lá em casa. Minha mãe, sempre apaixonada, vivia cantando ao estilo da Lenita a belíssima “Serenata do adeus”. Sem dúvida, a interpretação de Lenita Bruno é maravilhosa, não apenas nessa música, mas no geral. Os arranjos não ficam por menos, são também perfeitos. Tudo de acordo e a altura de Tom e Vinícius. O disco é mais uma jóia produzida por Irineu Garcia, através de seu selo Festa. Foi um trabalho que exigiu uma super produção e que provavelmente, em termos financeiros, não alcançou o retorno merecido. Aliás, diga-se de passagem, Irineu Garcia não estava muito preocupado em ganhar dinheiro com sua gravadora ou com os títulos publicados por ela. Seu interesse é mais cultural, de preservação da arte musical e principalmente poética. Ele foi o primeiro a se dedicar à gravações de poesias, dos nossos principais poetas e também de alguns estrangeiros.
Há pouco tempo atrás, vários títulos da gravadora voltaram a ser relançados pela Tratore Discos. Eu ainda não comprei o meu cd, mas com certeza o farei, pois dizem que ficou muito bom e além do mais traz em seu encarte outras informações históricas. Quem não conhece o disco, pode aqui conferir e depois correr atrás do cd, que desta vez saiu com uma nova capa. Além do mais, vai ser muito ‘chic’ tem em sua estante este lançamento. Os amigos vão reparar… 😉

por toda a minha vida
serenata do adeus
estrada branca
soneto da separação
valsa do orfeu
canção do amor demais
as praias desertas
eu sei que vou te amar
canta, canta mais
modinha
cae a tarde
sem você
eu não existo sem você

Radamés Gnatalli – Concerto Para Harmonica De Boca E Orquestra – Brasiliana nº 3 (1961)

Eis aqui um disco raro, objeto de desejo de muitos colecionadores e de pesquisa, ou puro deleite, para quem escuta música com outros olhos. Uma atração à parte e especial que com toda certeza irá avivar os olhos e ouvidos dos meus amigos cultos e ocultos. Tenho hoje para vocês, o aclamado, “Concerto para Harmônica de Boca e Orquestra” de Radamés Gnatalli. Uma peça muito comentada, inclusive aqui no Toque Musical, mas que até hoje continuava escondida, recolhida como a grande maioria dos discos produzidos pelo selo Festa. Recementemente a Tratore Discos relançou uma dezena de títulos da gravadora de Irineu Garcia, mas se esqueceu deste que é talvez um dos mais raros e importantes discos de seu catálogo. Trata-se, obviamente, de um álbum de música erudita, o que de uma certa forma, comercialmente e no Brasil, não seria muito ‘produtivo’. Mas este disco tem uma importância também histórica, ou por outra, tem uma história que precisa ser ouvida.
Temos aqui o Maestro Radamés Gnatalli com a Orquestra Sinfônica Brasileira apresentando duas de suas peças em momentos distintos. O primeiro e principal, “Concerto para harmônica de boca e orquestra”, dedicado ao amigo, o gaitista Edu da Gaita, gravado ao vivo na estréia, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, em novembro de 1958. Contou com a participação do homenageado, Edu (da gaita) Nadruz, como solista. O segundo momento, também gravado ao vivo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, aconteceu no mês de julho do ano seguinte, por ocasião do Festival Radamés Gnatalli.
Não vou entrar em detalhes sobre esses trabalhos, deixando que a contracapa e os comentários generosos complementem nossa postagem. A interação é fundamental!
Este álbum, eu não soube precisar a data de seu lançamento, mas suponho que tenha sido em 1960 ou 61. Outra curiosidade: nunca tive nas mãos um disco ‘cinquentão’ tão novinho. Acredito que este lp nunca chegou a ser tocado por uma agulha. É mesmo de dar gosto 🙂 Salve São Pampani! Obrigadão!
.

concerto para harmonica de boca:
allegro moderato
lento e expressivo
allegro marcato
brasiliana nº 3:
pampeano (allegro moderato)
modinha (adagio)
rojão (allegretto mosso)
capoeira (vivo)

Álvaro Moreyra – Olegário Mariano (1956)

Olá! Hoje serei breve. Ainda não são 22 horas e eu já estou babando de sono (atrasado, com certeza). Por essa razão, vamos ao disco do dia… Nossa semana continua como a outra, segue entre poesia e música.

Segue outro álbum da série de discos de poesia lançados pelo selo Festa, do jornalista Irineu Garcia. Temos aqui dois poetas, hoje pouco lembrados, Alvaro Moreyra e Olegario Mariano. Cada um dos poetas tem um lado do disco, onde nos apresentam, eles próprios, os seus poemas.
.
olegário mariano:
o homem da noite
a velha estrada
paisagem natal
ao calor da lareira
tu ficarás
alvaro moreyra:
oração
minha mãe
minha dor
canção do realejo
amor
projeto
bem
vantagem
oração de santo antonio
canção
tema

Elizete Cardoso – Canção Do Amor Demais (1958)

Outra vez… estou me servindo do que ficou na ‘gaveta’, pois pelo jeito, a minha semana vai ser corrida. Para não comprometer nosso encontro diário, terei que lançar mão daquilo que tenho pronto e que só não havia sido publicado por já ter sido bastante explorado em outros blogs. Todavia, em se tratando de Elizete Cardoso e mais exatamente deste álbum “Canção do Amor Demais”, não há porquê eu me desculpar. Este disco é um clássico, um marco da música popular brasileira, uma jóia que não tem tempo incerto. Foi lançado em 58, através do selo Festa de Irineu Garcia, antecipando ou anunciando o que viríamos a conhecer como Bossa Nova. Um álbum que na época de seu lançamento não chegou a chamar muita atenção devido a pouca popularidade de seus autores, Vinicius de Moraes e Antonio Carlos Jobim. Somente Elizete, a intérprete, era o nome de peso, uma artista já consagrada. O disco trazia uma outra sonoridade e em duas de suas faixas, “Chega de Saudade” e “Outra Vez’, haviam um ‘quê’ de diferente, a batida do violão de João Gilberto, coisa que até então não se ouvia antes (em termos…). A medida em que a Bossa Nova veio nascendo é que “Canção do Amor Demais” foi adquirindo seu real valor e se tornando um clássico e um marco da nossa música. É um disco que, para o Toque Musical, é bem mais que uma simples postagem de gaveta. É uma necessidade e uma grande honra poder dizer que aqui também tem… E chega de saudade!

chega de saudade
serenata do adeus
as praias desertas
caminho de pedra
luciana
janelas abertas
eu não existo sem você
outra vez
medo de amar
estrada branca
vida bela
modinha
canção do amor demais