Cinderela 77 – Trilha Original Da Novela (1977)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! A ‘segundona’ começou puxada, por isso, deixa eu aproveitar a folga para um café e mandar brasa aqui, na postagem de hoje.
Vamos com a trilha de uma novela, que eu nem me lembrava, “Cinderela 77”, uma história baseada no clássico conto de Charles Perrault, que trazia como seus protagonistas os cantores, Vanusa e Ronnie Von. A novela foi uma produção da extinta TV Tupi e segundo contam, chegou a fazer um certo sucesso. A trilha é quase toda de músicas originais, feitas mesmo para a novela, com excessão das cantadas por Ronnie Von e Vanusa, que são músicas de seus discos individuais. Pessoalmente, nada me chama mais atenção no lp que sua própria capa. Mas não deixa de ser uma boa curiosidade fonomusical para fazer jus ao nosso lema: ouvir com outros olhos 😉

palavras mágicas – vera lúcia e côro
dia de folga – ronnie von
sonho encantado – quarteto maior
quero você – vanusa
tempo de acordar – ronnie von
cinderela e o anjo (dois amores) – vera lúcia e marcos
apocalipse – neuber
o rei das abóboras – quarteto maior
quem é você – joão luiz
o mago pornois – vanusa
eu era humano e não sabia – ronnie von
dia feliz (canção da cinderela) – vera lúcia

Vanusa (1973)

Bom dia! Quando eu glorifico os anos 70 não é atoa. Uma época onde até o que era considerando popularesco na música brasileira se tornou nos dias atuais e numa visão comparativa, uma coisa cheia de qualidades. Acho que o tempo, o amadurecimento, leva a gente a perceber isso. O nível da qualidade artística e criativa já foi bem melhor. Era um tempo onde ainda havia uma preocupação e um respeito com o público. O artista podia ser brega, simples, popularesco ou mesmo um ultraromântico e produzido, mas era um profissional de gabarito, tinha realmente qualidade. Hoje, basta ser bonitinho, saber rebolar e fazer o que o mestre mandar. Seguindo as tendências daquilo que leva ao dinheiro fácil, minando ainda mais a mediocridade do povão. O jeito é ir engolindo os Ídolos, neo sertanejos, funks e fuck…
Hoje eu trago aqui este disco da Vanusa. Uma excelente cantora, dona de uma voz poderosa, mas que poucas vezes conseguiu demonstrar este talento em discos. Dizendo assim, vocês hão de pensar que eu estou redondamente enganado. Mas se observarmos bem a sua trajetória, veremos que ela sempre esteve à serviço de um repertório irregular. Isso é uma coisa que pode acabar com o artista ou levá-lo para outros caminhos. Vanusa sempre foi uma artista batalhadora e eu acredito que em seu percurso, cheio de atribulações, a acabou levando por caminhos oscilosos. Neste disco de 1973 temos a cantora no auge da carreira, num de seus melhores momentos. O disco é produzindo por Wilson Miranda e conta com a participação e apoio de nomes com Lincon Olivetti, os maestros Portinho e Élcio Alvares, o saudoso Zé Rodrix e a dupla Antonio Carlos e Jocafi. O repertório é variado, com altos e médios, mas num todo um álbum muito bom. Duas das faixas são composições sua em parceria com Mário Campanha, entre elas o seu grande sucesso, “Manhãs de Setembro”. Tem também “Coisas Pequenas” de Zé Rodrix e Tavito (adoro essa música!). Um versão mais balançada e pop de “Neste Mesmo Lugar”, de Armando Cavalcanti e Klétus Caldas que ficou muito boa. Há espaço até para um pseudo-hard-rock com uma introdução de “Sabbath Bloody Sabbath” do Black Sabbath em “What To Do”, música de Papi e Alf Soares. E tem mais… confiram aí…
manhãs de setembro
você não morreu
o mago de pornois
quebra cabeça
neste mesmo lugar
what to do
estou fazendo hora
coisas pequenas
quero você
retrato na parede
mercado modelo
entre cinzas