Maria Bethânia – Box (1981)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Depois de quase duas semanas postando discos de música latina, hoje damos uma pausa e também um ponto final para os nossos 10 anos de atividades. Para tanto, claro, precisava ser um ponto final que fizesse jus a uma década. Daí, escolhi este box da cantora Maria Bethânia, que é uma das maiores intérpretes da música popular brasileira e tem em sua bagagem uma infinidade de sucessos. E eu, percebendo aqui, vejo que ao longo de todo esse tempo de Toque Musical, poucas vezes publiquei discos dela. Assim, para a alegria de todos e também como um presente de aniversário (porque aqui quem dá o presente é o aniversariante), temos um box com seis lps, reunindo certamente o que de melhor ela fez durante sua fase no selo Philips. A seleção traz dezenas de músicas divididas por temas. Gravações ao vivo, temas de amor, interpretando compositoras, Caetano Veloso, Chico Buarque e Gonzaguinha e também em duetos com outros artistas. Sem dúvida, um mostruário quase completo dessa grande artista. Um presente de 10 anos do Toque Musical, mas só para os amigos cultos e ocultos associados.
Se você está chegando agora e ainda não conhece o nosso espaço, sugiro que leia com atenção os textos laterais, caso tenha a intensão de participar do Grupo Toque Musical e usufruir do que postamos aqui. Uma nova fase irá começar. Sejam todos bem vindos!

minha história
trampolim
esse cara
bodas de prata
tatuagem
eu fui a europa
gás neon
luzes da ribalta
sonho impossível
foi assim
falando sério
o leãozinho
um índio
bom dia
balada do lado sem luz
alibi
negue
ronda
nenhum verão
eu tenho um pecado novo
amo tanto viver
cansei de ilusões
janelas abertas n. 2
a tua presença
as ayabas
gente
diamante verdadeiro
a voz de uma pessoa vitoriosa
mel
ela eu eu
talismã
vida real
olhe o tempo passando
demoníaca
cobras e lagartos
amor, amor
interior
coração ateu
um jeito estúpido de te amar
da cor brasileira
gota de sangue
o lado quente do ser
noite de um verão de sonho
pra dizer adeus
mano caetano
formosa
sinal fechado
atiraste uma pedra
esotérico
tudo de novo
sonho meu
cavalgada
o meu amor
alguém me avisou
baioque
festa
olhos nos olhos
explode coração
amando sobre os jornais
mergulho
terezinha
infinito desejo
de todas as maneiras
grito de alerta
cálice
começaria tudo outra vez
.

Brasil Selo Exportação (1978)

No decorrer dos anos 1970, com o sucesso obtido pela Som Livre, gravadora vinculada à Rede Globo de Televisão, as emissoras concorrentes decidiram criar seus próprios selos fonográficos. Dessa maneira, surgiram a Bandeirantes Discos, a Seta (vinculada à Record)e a GTA (Gravações Tupi Associadas). Esta última, vinculada à Rede Tupi, grande rival da Globo na época, surgiu em 1976, e seu primeiro lançamento foi a coletânea “Sucessos pop Difusora”, recheada de hits internacionais, e produzida pela rádio AM paulistana de mesmo nome, que também pertencia ao grupo Diários Associados e tinha uma programação para a juventude, embrião do que as FMs teriam bem mais tarde. O disco (que tinha na capa o desenho de uma macaca vestida de Mona Lisa) foi um sucesso, sendo logo seguido de um segundo volume. A GTA fazia praticamente o mesmo que a Som Livre, ou seja, trilhas sonoras das novelas da Tupi e compilações nacionais e internacionais de gêneros diversos, a partir de fonogramas cedidos pelas co-irmãs. Mas, com a falência da emissora, em 1980, acabou também sumindo do mercado fonográfico, o mesmo acontecendo com a Seta e a Bandeirantes Discos, que também não foram muito longe. A Som Livre, vocês sabem, continua na ativa. É justamente uma coletânea da GTA que o Toque Musical está oferecendo hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados. Trata-se de “Brasil selo exportação”. Com seleção de repertório a cargo de Ana Maria Mazzocchi, cujo nome está ligado ao extinto Sebo de Elite, uma loja de discos raros que comandou por mais de quinze anos em São Paulo, o álbum reúne vários nomes da MPB de então, a maior parte bastante conhecidos. A exceção fica por conta de Neuber, um cantor-compositor que a própria GTA tentou emplacar sem êxito, aqui com a faixa “Análise”, que encerra o LP. No mais, verdadeiras “feras” da MPB batem ponto neste disco: Maria Bethânia, logo de saída, vem com “Terezinha”,  cujo autor, Chico Buarque, aparece logo em seguida com a não menos antológica “Basta um dia”, também composição sua. Temos ainda a inesquecível Elis Regina com “Sentimental eu fico”, de Renato Teixeira, Lula Carvalho com “Portão antigo”, releitura de uma composição de Antônio Maria originalmente lançada por Renata Fronzi em 1953, Ney Matogrosso interpretando “A gaivota”, de Gilberto Gil, a não menos inesquecível cantora e violonista Rosinha de Valença com sua “Os grilos são astros”, Fafá de Belém com a sensível “Dentro de mim mora um anjo”, de Suely Costa e Cacaso, João Nogueira com sua “Albatrozes”, Nana Caymmi revivendo “Perdoa, meu amor”, de Georges Moran e J. G. de Araújo Jorge, hit de Orlando Silva em 1947, Gal Costa com a versão “Louca me chamam” (Crazy he calls me)”, feita pelo poeta concretista Augusto de Campos a partir de original dos norte-americanos Carl Sigman e Bob Russell, e Alaíde Costa com um trabalho da parceria Ivan Lins-Vítor Martins, “Corpos”. Tudo isso em uma compilação de inestimável valor artístico e histórico, trazendo de volta um pouco da melhor MPB da década de 1970. É ouvir e comprovar.

terezinha – maria bethania

basta um dia – chico buarque

sentimental eu fico – elis regina

portão antigo – lula carvalho

a gaivota – ney matogrosso

os grilos são astros – rosinha de valença

dentro de mim mora um anjo – fafá de belém

albatrozes – joão nogueira

perdoa meu amor – nana caymmi

louca me chamam – gal costa

corpos – alaide costa

análise – neuber

*Texto de Samuel Machado Filho

Máximo de Sucessos (1971)

Meus prezados amigos cultos e ocultos. Segue aqui uma coletânea das mais interessantes. Uma seleção com alguns dos mais expressivos artistas que gravavam pela Philips no início dos anos 70. Disco mono, porém de capa dupla. Um luxo que as gravadoras, na época, podiam se dar, ou nos dar, melhor dizendo. Esta é sem dúvida uma coletânea rara que muito colecionador gostaria de por a mão. Foi o disco inicial, o primeiro de uma série que viria a ser lançada pela gravadora durante aquela década. Não tenho muita certeza, nem tive tempo de pesquisar, mas creio que chegaram a quase 20 volumes. Uma boa estratégia da gravadora para apresentar seus artistas e lançamentos. E começou bem 😉

rosa dos ventos – chico buarque de hollanda
madalena – ivan lins
mano caetano – jorge ben e maria bethania
a próxima atração – ivan lins
chuvas de verão – maysa
o sorriso de narinha – trio mocotó
bloco da solidão – jair rodrigues
london london – gal costa
oba la vem ela – jorge ben
a semana inteira – erasmo carlos
quem viu helô? – claudette soares
deixa estar – mpb-4

Toquinho, Vinícius & Amigos (1973)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Contrariando as expectativas, por aqui, realmente, não vai ter Copa! Não adianta nem pedir ajuda à Fifa, ao Lula ou à Dilma. Adoro futebol, mas aqui ninguém é idiota. Vai que o Joseph Blatter e sua gang resolvem começar a fazer exigências… querer deixar isso aqui parecido com o Loronix, tudo em inglês, texto perfeito padrão Fifa… sem chance! Aqui, faço eu!
Vamos então rodando o nosso disco do dia. Vamos com este célebre lp de Toquinho & Vinícius lançado pela RGE/Fermata em 1973. Um álbum cheio de convidados, como se pode ver logo pela capa: Chico Buarque, Maria Bethania, Maria Creuza, o italiano Sergio Endrigo e Ciro Monteiro, que aparece aqui em suas últimas gravações.

apelo – toquinho, vinincius e maria bethania
que martírio – toquinho, vinícius e ciro monteiro
tomara – toquinho, vinícius e maria creuza
poema degli occhi – toquinho e sergio endrigo
samba da rosa – toquinho e vinicius
você errou – toquinho, vinícius e ciro monteiro
e se esqueça de mim – toquinho
la cada – toquinho, vinícius e sergio endrigo
viramundo – toquinho e maria bethania
lamento no morro – toquinho, vinícius e maria creuza
desencontro – toquinho e chico buarque
.

Maria Bethânia – Ao Vivo (1970) REPOST

Começamos bem a semana. Tenho para hoje um disco da Maria Bethânia. Não por acaso, um de seus álbuns menos conhecidos ou lembrados. Isso muito por conta da sua produção. O disco foi gravado ao vivo, num ambiente festivo em homenagem a cantora. Bethânia se apresentou ao lado de um trio (piano, bateria e contrabaixo). Cantou um repertório considerado irregular pela crítica da época. (Pessoalmente vi nela seu momento mais autêntico e assumido como uma cantora sem rótulos.) Teria sido um álbum inesquecível, não fosse a ‘cagada’ que fizeram na produção. Bethânia cantou com consciência, sabia que estava sendo acompanhada por um conjunto pequeno e o fez de maneira intimista. Fez tudo certinho. Mas os produtores, incluíndo o Carlos Imperial, resolveram dourar mais a pérola enxertando uma orquestração, um arranjo absurdo pós gravação. Acabaram matando o som da primeira gravação. Equalizaram (para baixo) a voz da cantora deixando-a abafada em alguns instantes das músicas. O que era para ser um bom efeito, acabou se transformando em defeito. O ‘mix’ não funcionou. Mesmo assim, vale ouvir Maria Bethânia. Vale conhecer melhor este disco 😉

ponto de iansã
meiga presença
marinheiro só – samba de roda
nada além
com açucar com afeto
irene
9º andar
os argonautas
fósforo queimado
voltei pro morro
maria
ponto de oxossi

PS.: VAI LÁ EM CASA OUVIR ESTE DISCO, EU FAÇO UMA CÓPIA PARA VOCÊ!

Coletânea Aum Soham – Brasil 68-75 (2011)

Hoje, sábado, vamos nos dedicar às coletâneas! Temos aqui uma feita pelo meu amigo, o artista multimídia Aum Soham, trazendo para nós uma seleção, que segundo ele, foi a trilha de um bom momento em sua vida. Com certeza, as músicas reunidas aqui fizeram e fazem o momento de muita gente, inclusive o meu.

top top – mutantes
refazenda – gilberto gil
atrás do trio elétrico – caetano veloso
baioque – maria bethania
lingua do p – gal costa
ponta de areia – elis regina
carlos, lucia, chico e tiago – milton nascimento
paisagem da janela – lô borges
me deixa em paz – alaide costa e milton nascimento
a tua presença morena – maria bethania
paisagem inútil – caetano veloso
o rouxinol – gilberto gil
mora na filosofia – caetano veloso
passarinho – gal costa
magrelinha – luiz melodia
os povos – milton nascimento
caça a raposa – elis regina
maldição – maria bethania
dom quixote – mutantes
fuga número dois dos mutantes – mutantes
baby – mutantes

Edu Lobo & Maria Bethania – Edu E Bethania (1967)

Eu havia prometido a mim mesmo que não iria mais postar discos que são comuns em outros blogs, mas alguns casos, pela excepcionalidade, merecem ser aqui também lembrados. Estou postando este disco da Elenco que foi mais um dos que eu comprei na Feira do Vinil, também por apenas 10 reais! A feira foi magra, mas as compras e trocas foram gordas. Valeu demais! Eu até que tenho esse disco em versão cd, mas ter o original é que é legal. Segue assim mais uma jóia resgatada do mofo e da poeira, agora vai para a estante, para o prato da minha vitrola e para as minhas mãos 😉

Temos aqui o feliz encontro de Edu Lobo com Maria Bethania. Uma produção de Aloysio de Oliveira reunindo os dois jovens talentos. Edu já era um artista conhecido, consagrado. Maria Bethania por outro lado, ainda uma recente cantora, trazia na bagagem suas primeiras experiências musicais, o talento demonstrado no show Opinião. As músicas do disco, trazem as parcerias de Edu com Torquato Neto, Capinan, Vinicius de Moraes e Gianfranco Guarnieri. Acompanham a dupla neste disco Dori Caymmi, Dório e Edson Machado. Os arranjos são do maestro Gaya. Taí, mais um clássico da Elenco, confiram…
upa neguinho
cirandeiro
sinherê
lua nova
candeias
borandá
pra dizer adeus
veleiro
só me fez bem
o tempo e o rio

Bethania Gil Gal Vandré & Caetano – MPB Espetacular (1975)

Olá amigos cultos e ocultos, bom dia! Hoje eu trago para vocês esta curiosa e muito interessante coletânea lançada pela RCA Victor em 1975 (me parece que originalmente foi lançado em 1970). Trata-se de uma seleção rara, pouco comum de se ver. Nela temos os quatro baianos, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethania e Gal Costa em um de seus primeiros momentos, ainda nos anos 60 quando gravaram pela Victor. No meio das faixas dos baianos vem uma única, “Disparada”, ao vivo, do paraibano Geraldo Vandré, acompanhado pelo Trio Marayá. Como não poderia deixar de ser, uma coletânea um tanto incompleta como é comum à discos desse tipo feitos no Brasil. Não há exatamente um critério de seleção, ou melhor, uma produção criteriosa. Juntam o que tem à mão e mandam ver… Mas independente disso tudo, não deixa de ser um excelente disco reunindo momentos raros. Taí um disco que eu cheguei a ver no Mercado Livre por 5 reais. Tá barato, sem dúvida (e talvez por ser coletânea e sabe-se lá em que estado), mas é um vinil com um conteúdo reunido raro, que vale muito mais do que aparenta. Independente de qualquer coisa é mais um disco que merece o nosso toque musical. Toca aí… 😉

samba em paz – caetano veloso
sim, foi você – gal costa
procissão – gilberto gil
nunca mais – maria bethania
disparada – geraldo vandré
no carnaval – maria bethania
roda – gilberto gil
eu vim da bahia – gal costa
cavaleiro – caetano veloso
eu vivo num tempo de guerra – maria bethania
iemanjá – gilberto gil
pra que mentir – maria bethania

Antonio Maria – Nova História Da Música Popular Brasileira (1978) 5

Olá amigos, cada vez mais cultos que ocultos! Espero que tenham relaxado com o disco de ontem. De vez em quanto é bom tê-lo a mão para umas práticazinhas 🙂
Inicialmente quero fazer público os meus sinceros agradecimentos ao amigo Carlos, que mais uma vez contribuiu para com a qualidade da nossa postagem. Valeu demais!
Aqui estamos nós com mais um exemplar da coleção Nova História da Música Popular Brasileira. Seguindo, como foi dito, uma ordem alfabética. O número desta semana é dedicado ao cronista e compositor Antonio Maria. Não vou entrar em detalhes porque estes já estão incluídos. Só tenho a dizer que é um álbum nota 10 da coleção. Embora sempre fique um gostinho de ‘quero mais’.

menino grande – nora ney
ninguém me ama – nora ney
se eu morresse amanhã de manhã – dircinha batista
frevo n.2 do recife – maria bethania
valsa de uma cidade – os cariocas
canão da volta – dolores duran
suas mãos – silvia telles
manhã de carnaval – joão gilberto

Maria Bethania – Rosa Dos Ventos (1971)

Achei ter publicado esta postagem ontem, mas só agora a pouco percebi que ela não estava na rede. Bom, antes tarde do que nunca… Mais um disco de rara beleza da sensacional Maria Bethânia. Em 1971 ela estreou, no Teatro da Praia (RJ), o show “Rosa dos Ventos”, com direção de Fauzi Arap. O espetáculo foi um grade sucesso e dele acabou gerando o lp homônimo, com produção de Roberto Menescal. Como se trata de um show sem pausas, não há separação de faixas, apenas lado A e lado B. Toque esse toque…

Lado A

Assombrações (Sueli Costa – Tito Lemos)
O Tempo e o Rio (Edu Lobo – Capinan)
Ponto de Oxum (Toquinho – Vinícius de Morais)
Texto n° 1 (Fernando Pessoa)
O Mar, Canção Praieira (Dorival Caymmi)
Suíte dos Pescadores (Dorival Caymmi)
Avarandado (Caetano Veloso)
Toalha da Saudade (Batatinha – J. Luna)
Imitação (Batatinha)
Hora da Razão (Batatinha – J. Luna)
Cantigas de Roda (Folclore Baiano)

Lado B
Doce Mistério da Vida (Victor Herbert – versão brasileira por Alberto Ribeiro)
Texto n° 2 (Fernando Pessoa)
Minha História (Gesubambino) (Dalla – Pallottino – versão brasileira por Chico Buarque)
Lembranças (Raul Sampaio – Benil Santos)
El Dia Que Me Quieras (Gardel – Le Pera)
Rosa dos Ventos (Chico Buarque)
Texto n° 3 (Fernando Pessoa)
Janelas Abertas n° 2 (Caetano Veloso)
Não Identificado (Caetano Veloso)
Flor da Noite (Toquinho – Vinícius de Morais)
Texto n° 4 (Clarice Lispector)
Movimento dos Barcos (Macalé – Capinan)Texto n° 5 (Moreno)

Maria Bethânia – Compactos: Noel e Carcará (1965)

Meu toque musical da noite (ou do dia?) é para essa grande interprete da música brasileira, Maria Bethânia. Estou trazendo dois compactos de inicio de carreira da cantora. Todos os dois são de 1965. Um traz “Carcará” e “De manhã” (o primeiro disco a gente nunca esquece). O outro é um compacto duplo cantando Noel Rosa (impecável!). Taí, dois disquinhos que valem por um discão. Tá valendo comentários…