Asas Da América (1979), (1980), (1981), (1983) e (1989)

Olá, amigos cultos, ocultos e associados! O TM oferece hoje a vocês os cinco primeiros álbuns do projeto Asas da América, idealizado pelo cantor e compositor Carlos Fernando, lançados entre 1979 e 1989. Nascido em Caruaru, Pernambuco, em 1938, Carlos Fernando se notabilizou por misturar o frevo à MPB, o jazz ao forró e muitas outras inovações, em 40 anos de carreira. Chegou a escrever uma peça de teatro, “A chegada de Lampião no inferno”, baseada em livro de cordel escrito por José Pacheco. A peça inspirou, posteriormente, sua primeira composição musical, “Aquela rosa”, de parceria com Geraldo Azevedo (com quem até apresentou um programa de televisão no Recife), vencedora, em 1967, da Primeira Feira Nordestina de Música Popular, defendida por Teca Calazans, dividindo o prêmio com “Chegança de fim de tarde”, de Marcus Vinícius. Morando no Rio de Janeiro, Carlos Fernando firmou-se como compositor, e teve músicas gravadas pelos maiores nomes da MPB em seu tempo, vários deles presentes nos álbuns que hoje o TM nos oferece. Concebeu trabalhos também para a televisão (“Saramandaia”, “Sítio do Pica-Pau Amarelo”) e cinema (“Pátriamada”, filme dirigido por Tizuka Yamazaki). Entre seus maiores sucessos, ambos gravados por Elba Ramalho, estão “Canta, coração” e “Banho de cheiro” (este último aqui presente). Falecido em primeiro de setembro de 2013, no Recife, aos 75 anos, de câncer na próstata, Carlos Fernando recebeu, um ano mais tarde, um espaço dedicado à sua memória no Museu Memorial de Caruaru, além de uma homenagem na tradicional festa de São João do município. Sem dúvida, a série “Asas da América” foi (e ainda é) o maior legado de Carlos Fernando. Ele deu tratamento pop e futurista ao frevo, acelerando-lhe o andamento e introduzindo arranjos contemporâneos, com guitarra e teclados, fazendo o carnaval pernambucano voltar a ter uma trilha sonora contemporânea. Parcela importante da série nos é oferecida hoje pelo TM, através de seus primeiros cinco álbuns, que apresentam composições não só do próprio Carlos Fernando como também de outros autores.  Entre os intérpretes, nomes de várias tendências e gêneros da MPB: Jackson do Pandeiro, Fagner, Amelinha, Elba Ramalho, Alceu Valença, Chico Buarque, Gilberto Gil, Juarez Araújo, MPB-4, Alceu Valença, o próprio conterrâneo Geraldo Azevedo, Robertinho de Recife, As Frenéticas, Michael Sullivan, Trem da Alegria, Lulu Santos… Os dois primeiros discos foram lançados pela CBS (hoje Sony Music), selo Epic, em 1979-80, o de 1981 pela Ariola, o de 1983 pela Barclay (sucessora da Ariola, que passou a adotar esse nome após sua venda para a Polygram, hoje Universal Music) e o de 1989 pela RCA/BMG, hoje também Sony Music. É no álbum de 1983, inclusive, que está um dos maiores hits autorais de Carlos Fernando, “Banho de cheiro”, na interpretação inesquecível de Elba Ramalho, sucesso absoluto durante o carnaval de 84 e depois do mesmo, e regravada seis anos depois por Alcione em outro disco da série aqui incluído, o de 1989. Outro destaque fica por conta de “Noites olindenses”, que abre esse mesmo volume, na voz de Caetano Veloso. Nele, Zé Ramalho regrava “Frevo mulher” (sucesso na voz de sua ex-esposa, Amelinha), Moraes Moreira revive seu clássico “Festa do interior” e aparece até mesmo uma inacreditável interpretação do roqueiro Lulu Santos para “Atrás do trio elétrico”, de Caetano.  Uma quina primorosa de documentos discográfico-musicais, que representa, sem dúvida, o melhor do precioso legado de Carlos Fernando como compositor e produtor musical. E ainda viriam mais dois LPs, em 1993, e 1995, este último destinado ao público infantil (“Asinhas da América – O pinto da madrugada”). Agora é azeitar as canelas e frevar até se acabar!

* Texto de Samuel Machado Filho

Découvrez Le Bresil (1970)

Boa noite, meus queridos amigos cultos e ocultos. Hoje eu tenho aqui uma curiosidade, um disco lançado na França em  1970 pelo selo Barclay. Trata-se de uma série de registro musicais da cultura popular brasileira, extraídos ‘in natura’, em diversos momentos e regiões pelo país. Em outros tempos era muito comum estrangeiros virem ao Brasil, armados com seus sofisticados equipamentos audiovisuais, recolhendo do Norte ao Sul toda a diversidade sonora, registrando as rodas de samba, os pagodes, as festas de reis, os forrós, quadrilhas e tantos outros movimentos folclóricos e festas populares. No caso deste disco é algo assim, um gravador e microfone na mão, passeando pelo Brasil. Registros de ensaios de escolas de samba e carnaval do Rio de Janeiro, pontos de macumba e capoeira na Bahia, música caipira de São Paulo, reisado em Minas Gerais e registros de cantos e festas indígenas na região amazônica. Um apanhado sonoro musical para o entendimento do europeu sobre o que é o Brasil, ou pelo menos aquilo que eles viam por aqui de mais interessante ou curioso nessa época. Curioso para eles, curioso também para nós esta interpretação e entendimento do Brasil que já começa na capa...
batterie de l’ école de samba portela
batterie de l’école de samba mangueira
défilé de l’école de samba
macumba baixou o santo
macumba cérémonie de mariage
macumba cantique du culte
capoeira prélude du berimbau
capoeira chant des lutteurs angola
chant des pêcheurs a l’arrastão
chant caipira
flúte jacui des indiens ualapiti
chant du chef. de la tribu tchikao
flúte et chant cuicuro-berceuse uaura
musique de pêche sur la pirogue des indiens cuicuros
.

Rolando Boldrin – Clássicos Do Poema Caipira (1985)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje eu acordei com um radio ligado. Algum vizinho, de longe, estava ouvido uma dessas rádios que toca logo cedo música sertaneja. Mas era sertaneja mesmo, não essa bobagem regurgitada que se ouve hoje em dia. Não identifiquei qual era a música, mas me serviu de inspiração para escolher o disco de hoje. Ou por outra, me animou a postar algo assim hoje. E enquanto tomo meu café, entre um gole e uma mordida no pão, vou trazendo para vocês este disco do cantor, compositor e ator, Rolando Boldrin, lançado em 1985 pelo selo Barclay/PolyGram. Como o próprio título já nos indica, trata-se de uma seleção de poesias clássicas do universo caipira, escolhidas pelo próprio Boldrin. Para as trilhas de fundo musical foram escolhidas diferentes temas e artistas. Músicas extraidas de discos de Heraldo do Monte, Baden Powell, Edú da Gaita e outros..

a flor do maracujá
o pedido do caipirinha
sonho de cabôco
o sem rumo
prece do gaúcho
o último presente
esmola pra são josé
a flor do maracujá
a vida do homem
.

Luiz Melodia – Felino (1983)

Depois do Sérgio Sampaio, me lembrei que até hoje eu ainda não postei um disco do Luiz Melodia aqui no Toque Musical. Uma falta comigo mesmo, pois o Melodia é um artista genial, adoro o seu trabalho. Ano passado eu encontrei com ele, por acaso lá, no Vila Arábia. Ele entrou assim meio perdido, tinha saído do hotel Mercury e acho que procurava alguma coisa para comer lá na lanchonete. Mineiro é um tipo meio orgulhoso, não gosta de tietagem. Quando ele entrou, todo mundo notou. Aliás, nem tinha como não notar aquele ‘rasta’ com uma áurea que iluminou o ambiente. Mesmo assim todos se fizeram de indiferente (mas louquinhos para saudar o artista). Eu fui logo na maior intimidade lhe perguntando: “e aí Melô, vai ter show na cidade?” O cara foi super simpático, me disse que estaria fazendo shows no final de semana e até me convidou. Só não fui por que ele não me deu o ingresso (brincadeirinha…). Não fui porque não deu mesmo. Pena que o Melô desistiu de comer um quibe com Mate Couro. Eu juro que iria pagar a conta dele 🙂
Bom, mas só para não dizer que eu não falei do disco, “Felino” foi o quinto álbum do artista. Lançado em 1983, o lp traz nove faixas. Todas as músicas são de sua autoria ou parceria. O disco num geral é bom, mas destacam “O sangue não nega” e “Pássaro sem ninho”, em parceria com Ricardo Augusto e “Só”, com Perinho Santana. Confiram o negro gato!

o sangue não nega
divina criatura
um toque
neja
pássaro sem ninho
só sorri pra bahia
destino coração
felino

PS.: VAI LÁ EM CASA OUVIR ESTE DISCO, EU FAÇO UMA CÓPIA PARA VOCÊ!

Marcos Resende & Nivaldo Ornelas – Som E Fantasia (1984)

Bom dia a todos! Hoje eu acordei meio perdido em meio aos meus problemas e tarefas da semana. Faltou até uma certa inspiração para preparar a postagem para o dia. Felizmente, meus ‘discos de gaveta’ estão sempre na prontidão para essas horas. Pensei que teria tempo para fazer algumas atualizações no blog, mas não deu não. Continuo na dívida, mas prometo acertar tudo nos próximos dias, ok?
Iniciamos então com música instrumental. Apresento, “Som e Fantasia”, disco lançado em 1984 pelos consagrados instrumentistas Marcos Resende e Nivaldo Ornelas, para o selo Barclay. Eis aqui um disco onde encontramos os dois músicos numa sintonia de dar gosto. Apenas os dois, teclados e sopros. Marcos Resende controla com maestria um arsenal de teclados, com a mais avançada tecnologia digital da época. Nivaldo Ornelas, por sua vez e também com o mesmo talento, vem com seus saxes e flautas. Este é um tipo de trabalho musical que só funciona bem com músicos experientes e talentosos. Em nenhum momento o disco nos soa de forma artificial ou sintético. O som é melodioso e rico. O repertório, entre temas autorais e outros (Noel Rosa e Carlos Lyra), dá ao lp um sabor bastante agradável. Se vocês ainda não ouviram este disco, não percam tempo, pois vale a pena 😉

som e fantasia
uma vez, uma tarde
mônica
variações sobre cantigas de roda
variações sobre o arqueiro do rei (II)
influência do jazz
duas faces do mesmo amor
alto das mangabeiras
último desejo
meu bom velho