Zé Ramalho (1978)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Hoje eu passei o pouco tempo que tinha preparando um disco para postar. Depois de tudo pronto e até o texto da minha apresentação lacônica, percebi que já havia postado o disco. Que raiva! E aqui tudo pronto… foi então que eu me lembrei que tinha aqui, no meu arquivo de gaveta e já pronto o primeiro disco do Zé Ramalho. Embora seja um dos discos de mpb que eu mais gosto, não pensava em postá-lo aqui tão cedo. Mas as contingências acabam nos levando por caminhos inesperados. O jeito é ir curtindo esse clássico, que por certo todos conhecem. Mas vale a pena ouvir de novo. 😉

avóhai
vila do sossego
chão de giz
noite preta
a dança das borboletas
bicho de sete cabeças
adeus segunda feira cinzenta
meninas de albarã
voa voa
.

Asas Da América (1979), (1980), (1981), (1983) e (1989)

Olá, amigos cultos, ocultos e associados! O TM oferece hoje a vocês os cinco primeiros álbuns do projeto Asas da América, idealizado pelo cantor e compositor Carlos Fernando, lançados entre 1979 e 1989. Nascido em Caruaru, Pernambuco, em 1938, Carlos Fernando se notabilizou por misturar o frevo à MPB, o jazz ao forró e muitas outras inovações, em 40 anos de carreira. Chegou a escrever uma peça de teatro, “A chegada de Lampião no inferno”, baseada em livro de cordel escrito por José Pacheco. A peça inspirou, posteriormente, sua primeira composição musical, “Aquela rosa”, de parceria com Geraldo Azevedo (com quem até apresentou um programa de televisão no Recife), vencedora, em 1967, da Primeira Feira Nordestina de Música Popular, defendida por Teca Calazans, dividindo o prêmio com “Chegança de fim de tarde”, de Marcus Vinícius. Morando no Rio de Janeiro, Carlos Fernando firmou-se como compositor, e teve músicas gravadas pelos maiores nomes da MPB em seu tempo, vários deles presentes nos álbuns que hoje o TM nos oferece. Concebeu trabalhos também para a televisão (“Saramandaia”, “Sítio do Pica-Pau Amarelo”) e cinema (“Pátriamada”, filme dirigido por Tizuka Yamazaki). Entre seus maiores sucessos, ambos gravados por Elba Ramalho, estão “Canta, coração” e “Banho de cheiro” (este último aqui presente). Falecido em primeiro de setembro de 2013, no Recife, aos 75 anos, de câncer na próstata, Carlos Fernando recebeu, um ano mais tarde, um espaço dedicado à sua memória no Museu Memorial de Caruaru, além de uma homenagem na tradicional festa de São João do município. Sem dúvida, a série “Asas da América” foi (e ainda é) o maior legado de Carlos Fernando. Ele deu tratamento pop e futurista ao frevo, acelerando-lhe o andamento e introduzindo arranjos contemporâneos, com guitarra e teclados, fazendo o carnaval pernambucano voltar a ter uma trilha sonora contemporânea. Parcela importante da série nos é oferecida hoje pelo TM, através de seus primeiros cinco álbuns, que apresentam composições não só do próprio Carlos Fernando como também de outros autores.  Entre os intérpretes, nomes de várias tendências e gêneros da MPB: Jackson do Pandeiro, Fagner, Amelinha, Elba Ramalho, Alceu Valença, Chico Buarque, Gilberto Gil, Juarez Araújo, MPB-4, Alceu Valença, o próprio conterrâneo Geraldo Azevedo, Robertinho de Recife, As Frenéticas, Michael Sullivan, Trem da Alegria, Lulu Santos… Os dois primeiros discos foram lançados pela CBS (hoje Sony Music), selo Epic, em 1979-80, o de 1981 pela Ariola, o de 1983 pela Barclay (sucessora da Ariola, que passou a adotar esse nome após sua venda para a Polygram, hoje Universal Music) e o de 1989 pela RCA/BMG, hoje também Sony Music. É no álbum de 1983, inclusive, que está um dos maiores hits autorais de Carlos Fernando, “Banho de cheiro”, na interpretação inesquecível de Elba Ramalho, sucesso absoluto durante o carnaval de 84 e depois do mesmo, e regravada seis anos depois por Alcione em outro disco da série aqui incluído, o de 1989. Outro destaque fica por conta de “Noites olindenses”, que abre esse mesmo volume, na voz de Caetano Veloso. Nele, Zé Ramalho regrava “Frevo mulher” (sucesso na voz de sua ex-esposa, Amelinha), Moraes Moreira revive seu clássico “Festa do interior” e aparece até mesmo uma inacreditável interpretação do roqueiro Lulu Santos para “Atrás do trio elétrico”, de Caetano.  Uma quina primorosa de documentos discográfico-musicais, que representa, sem dúvida, o melhor do precioso legado de Carlos Fernando como compositor e produtor musical. E ainda viriam mais dois LPs, em 1993, e 1995, este último destinado ao público infantil (“Asinhas da América – O pinto da madrugada”). Agora é azeitar as canelas e frevar até se acabar!

* Texto de Samuel Machado Filho

Manduka (1979)

Olá, amiguíssimos cultos e ocultos! Aqui vamos nós nessa ‘dobradinha alternada’, de lps e de compactos. Hoje eu trago para vocês um disco que há muito eu estava para postar. Não entrou antes por falta de oportunidade e porque eu acabei me esquecendo mesmo. Mas, acabei ganhando o vinil do amigo Fáres e daí pude fazer uma digitalização dentro dos meus padrões e do jeito que todos gostam, completo! Temos assim, Manduka, um artista que já apresentamos aqui algumas vezes, através de seus ótimos e raros discos. Na verdade, eu já postei aqui suas primeiras gravações, discos que foram lançados no exterior, onde o artista viveu por muito anos. Este lp marca o retorno de Manduka ao Brasil, sendo ele o primeiro que ele gravou por aqui, em 1979. Para quem pegou o bonde andando, Manduka, ou Alexandre Manuel Thiago de Mello, foi um artista brasileiro, filho do poeta Thiago de Mello. Cantor, compositor e artista plástico. Foi parceiro de artistas como Geraldo Vandré e Dominguinhos. Com Dominguinhos compôs a belíssima “Quem me levará sou eu”, com interpretação marcante de Fagner. Neste lp vamos encontrar nove canções, todas de sua autoria. algumas, inclusive, regravações de trabalhos editados no exterior. Um trabalho muito bonito, mas que poucos chegaram a conhecer. Este lp ganhou força depois que começou a ‘pipocar’ nos blogs. Se depender do Toque Musical, vai continuar ‘pipocando’, pois aqui o lema é: um lugar para quem escuta música com outros olhos.

vitória régia
o que aconteceu na china?
asa pra falsa estação
jandira
esmeraldas
sonho do navio dourado
a desejada
maldigo  del alto cielo
somos quem somos.
.

Compactos – Antonio Martins (1967) – Leonardo (1968)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Seguem aqui mais dois compactos. Dois ilustríssimos desconhecidos, pelo menos para mim e para o Google, onde também não consegui extrair grandes coisas. O que temos aqui são dois compactos dos anos 60. Dois cantores românticos, nitidamente Jovem Guarda, principalmente o Leonardo que num primeiro momento achei que fosse o Roberto Carlos em rotação acelerada. Este, certamente faz parte da turma obscura da JG> Antonio Martins é outro que trilha o caminho romântico popular. Ao que tudo indica, gravou um outro compacto pelo selo Cantagalo. O disquinho pode ser buscado no site do amigo Chico, o excelente Sanduíche Musical. E por aqui… vamos nessa casadinha, despertando a curiosidade 🙂

mais que antes – antonio martins
não somos nada – antonio martins
deixa-me chorar – leonardo
pra você – leonardo

Cezar De Mercês – Nada No Escuro (1979)

Boa noite, amigos eleitores cultos e ocultos! Desta vez, nesta eleição, eu procurei não me manifestar. Minha candidata era a Luciana Genro, mas eu já sabia que não ia dar em nada. Escolher entre Aécio e Dilma foi difícil, mais ainda por conta dos diversos amigos, cada um me puxando para um lado. Para evitar discussão, disse a todos que iria anular o meu voto. E me deu vontade mesmo, principalmente por conta das campanhas e propostas apresentadas pelos dois candidatos. Enfim, acabou… A Dilma venceu e vamos ver o que nos espera por aí. De resto, que quero mais é chocolate 😉
Eu poderia hoje estar postando algo mais condizente com o momento. Mas, sinceramente já estou de saco cheio disso tudo. Prefiro aplicar aqui um som mais legal, um disco que nos leve para outros caminhos mais iluminados. Nada no escuro… Sim, é este o nome do primeiro disco solo do cantor e compositor Cezar de Mercês, um músico que faz parte da história do rock nacional. Foi um dos integrantes do Terço, grande banda dos anos 70, em dois momentos, de 70 a 74 e depois entre 77 e 78. Em 2013 ele voltaria a se reencontrar com a turma, ao lado de Sergio Hinds, Flávio Venturini e Magrão para o lançamento, na época, de um show em DVD. Cezar de Mercês compôs muitas músicas, não apenas par o Terço. Gravaram suas composições artistas como Roberto Carlos, Jane Duboc, Nico Rezende, 14 Bis e outros. Em 1979 lançou através do selo Epic (CBS) este que foi o seu primeiro disco solo, o álbum “Nada no escuro”, nome de uma das onze músicas que compõe o lp, em parceria com Luiz Carlos Sá. Ainda com parceiros ele conta com Sergio Magrão, em “Pequenas coisas” e Rogério Duprat, em “Sopro no coração”. As demais músicas são composições próprias. Este disco chegou a ser relançado há coisa de uns cinco anos atrás, na versão cd, mas novamente hoje volta a ser uma boa raridade.

simplesmente
pequenas coisas
nada no escuro
são sebastião
reencontrando
grande pequen
acapulco
sopro no coração
pequeno acidente
descoberta
barco de pedra
.

Fernando Rodrigues – Tocar E Ser Livre (1984)

Olá meus prezados, cultos e ocultos! Eis que acho uma hora aqui para a nossa postagem. Esta, em especial, eu estava segurando, tentando conseguir informações sobre o artista. “Tocar e ser livre” foi o único disco do compositor mineiro Fernando Rodrigues. Na verdade um álbum póstumo, lançado, acredito eu, em 1984. Do pouco que sei, Fernando Rodrigues era um músico promissor. Tocou e gravou com diferentes artistas nacionais. Neste lp podemos ouvi-lo tocando ao lado de Afonsinho, Alexandre Lopes, Calos Bala, Claudio Venturini, João Guimarães, Lincoln Cheib, Luiz Avelar, Marcus Viana, Nico Assumpção, Telo Borges… Putz, é gente que não acaba mais… Tá tudo aí, na capa!
Esta postagem, por hora, fica assim. Por certo, algum dos amigos cultos virá complementar as informações, trazendo um pouco de luz e lembranças deste jovem artista que nos deixou prematuramente.

tocar e ser livre
a vida não é brinquedo
meu mundo
borboleta
quero seu amor
tantos desejos
nada mais
hora de escolher
sexto sentido
guitarra
.

Massimo Ranieri – Meditazione (1976)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Empolgado com as produções internacionais, eu hoje trago para vocês um disco o qual eu até então não conhecia. Fiquei surpreso ao descobri-lo, pois se trata de um trabalho de Eumir Deodato que eu não conhecia e por certo, muitos de vocês aqui também não conhecem. Não me lembro de ter lido na biografia artística de Eumir sobre este disco, onde ele faz a direção musical, os arranjos e também toca. O álbum é uma produção italiana da década de 70, apresentando o cantor e também ator italiano, Massimo Ranieri. Sem dúvida, um disco muito interessante, onde Deodato recria obras da música clássica em arranjos tão bacanas quanto o que fez em “Also sprach Zarathustra”, de Strauss.

adagio veneziano
serenata (de schubert)
notturno in mi b op.9 n.2 (de chopin)
meditazione
adagio in sol m (de albinoni)
il concerto di aranjuez
.

Massafeira Livre (1980)

Olá amigos cultos e ocultos! Como já deu para perceber, nos últimos dias eu não postei nada. Depois do Natal me deu uma preguiça daquelas. Aliás, vou ser sincero, ando meio cansado de tudo isso aqui. As postagens diárias já não me despertam interesse. Embora eu tenha aqui uma infinidade de discos ainda para apresentar, ando meio desanimado. Deve ser o ano que vai chegando ao fim, assim como a minha energia. Sinceramente, os dias já não são mais os mesmos e essa onda de blog musical está ficando aborrecida e obsoleta. Parece que poucos são aqueles ainda interessados em música editada. Discos, naturalmente. Como os livros. Só mesmo os apaixonados… Tô meio cansado.
Eis aqui um álbum o qual eu há tempos venho querendo postar, bem antes de seu relançamento, em 2010, na versão digital. “Massafeira Livre” é um daqueles álbuns que todo bom amante-colecionador de MPB em discos tem que ter. Eu entendo que existem músicas, projetos e até mesmo artistas/bandas que foram feitos para existirem no mundo fonográfico, coisa de uma época que parece já não mais existir. “Massafeira” me passa essa ideia de uma verdadeira produção fonográfica. Talvez pela sua variedade e riqueza musical, felizmente apresentada em dois discos, um álbum duplo. “Massafeira Livre”, em disco, é uma produção de Ednardo. Uma síntese do que ocorreu no histórico evento cultural, em março de 1979. Ctrl+C, Ctrl V:
Durante quatro dias de março de 79, o Teatro José de Alencar foi envolvido por uma magia que despertou os habitantes da pacata cidade de Fortaleza. Artistas das mais variadas formas de expressão cultural se juntaram numa grande festa de interação. Um projeto comunitário de manifestações artísticas tomou corpo, vida, brilho próprio e registrou a energia criadora da sensibilidade humana numa feira livre de artes.  Englobando música, cinema, teatro, literatura, dança, pintura, escultura, fotografia, artesanato, cultura popular, usos e costumes da terra, a massa, em massa, digeriu esse acontecimento como força atuante, geradora de impulso. E Fortaleza foi seduzida por esse movimento, por essa explosão de anos. E aconteceu a MassaFeira Livre.
Em julho de 79, mais de cem pessoas, entre músicos, instrumentistas, cantores e compositores cearenses foram levados ao Rio de Janeiro, para a gravação do álbum duplo Massafeira Livre. Uma verdadeira algazarra ocorria nos estúdios da CBS. Um fato inédito estava sendo prensado por aquela gravadora: a feira livre de manifestação artística, liderada pela música, que ocorreu na cidade de Fortaleza-Ce., nos dias 15, 16, 17, 18 de março / 79. A feira livre em massa. Quinze meses passaram e “por razões de força maior” * o álbum ficou retido nas gavetas da CBS. As razões não foram esclarecidas, cresciam as expectativas em torno deste lançamento, os artistas presentes no disco reivindicavam o acordo feito com a gravadora.
Ednardo, como produtor do álbum, como artista e como cabeça pensante que iniciou o projeto Massafeira, veio ao Rio; realizaram-se as conversações e o disco Massafeira Livre foi finalmente anistiado. De volta a Fortaleza, e aproveitando o lançamento de seu lp “Imã”, Ednardo impulsiona a II Massafeira, outra grande festa comunitária artística, que aconteceu de 16 à 19 de outubro de 1980, onde o álbum duplo é finalmente lançado.

aurora – ednardo e belchior
como as primeira chuvas do caju – angela linhares
pé de espinho – rogério e regis
vira vento – vicente lopes
aviso aos navegantes – lucio ricardo
o que foi que você viu – chico pio
brejo – regis
atalaia – ferreirinha
frio da serra – lopes, ednardo e fagner
isopor – wagner costa
buenos aires (citroen) – sergio pinheiro
senhor doutor – patativa do assaré
o sol é que é quente – ednardo e aninha
em cada tela uma história – lucio ricardo
cor de sonho – mona gadelha
vento rei – cale
rei – teti e tania
jardim do olhar – coro massafeira
o sol acordou – ednardo
estradeiro – rogerio
pelos cantos – graco
não haverá mais um dia – pachelli jamacaru
último raio de sol – ednardo e teti
reizado – ednardo
.

Cátia De França – 20 Palavras Ao Redor do Sol (1979)

Muito bom dia ao cultos e ocultos! Para manter o cardápio bem variado, atendendo a todos e inclusive a mim, estou hoje trazendo um disco que eu gosto muito e que sempre pensei em postá-lo aqui no Toque Musical, Cátia de França e seu excelente “20 palavras ao redor do sol”. Este álbum, lançado nos anos 70, foi o primeiro disco solo gravado por esta artista paraibana, cantora, compositora e escritora. Nascida em João Pessoa, Cátia de França tem a sua trajetória musical que começa nos anos 60, quando já participava de festivais e grupos folclóricos. Neste álbum de estréia a cantora nos apresenta doze composições próprias e parcerias, músicas essas (algumas) compostas, tendo como base a poesia de João Cabral de Melo Neto.
As músicas deste disco são ótimas e ela ainda conta com participações importantes como as de Sivuca, Zé Ramalho, Chico Batera, Paulo Machado, Amelinha, Elba Ramalho e muitos outros. Se tem alguém aqui que ainda não conhece este disco, tá na hora… bão demais!

o bonde
quem vai, quem vem
vinte palavras ao redor do sol
djaniras
kukukaia
itabaiana
porto de cabedelo
ensacado
coito das araras
os galos
sustenta a pisada
vou pegar o metrô