Fafá Lemos E Seu Violino Com Surdina (1958)

Olá amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós, hoje com o lendário violonista Fafá Lemos em um de seus muitos discos gravados pela RCA Victor. Neste, lp de 10 polegadas, lançado em 1958 traz um repertório quase  todo instrumental de sambas, choros, maxixe, baião e beguines, todos temas bem conhecidos que não tem como não agradar. Em “Time Perna de Pau”, um samba bem na linha Adoniran Barbosa, temos também o prazer de ouvir o Fafá cantando. Disquinho bacana, podem conferir…
 
feitiço da vila
delicado
time perna de pau
mil violinos
dengoso
chão de estrelas
giannina mia
fafá em hollywood

Cauby Peixoto (1965)

Olá, meus amigos cultos e ocultos! Ainda no ano de 1965 e nos compactos da RCA Victor, temos desta vez a presença do grande Cauby Peixoto interpretando duas canções de sucesso da época, “Voltarei de joelhos”, versão de Ronnie Cord para a canção italiana “In ginocchio da te”  “Depois de ti”, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim. Pronto, está aí um bom disquinho para fecharmos o mês, não é mesmo? Confiram no GTM…
 
voltarei de joelhos
depois de ti
 
 
.

From Rio With Love (1965)

Olá, amigos cultos e ocultos! Ainda nos anos 60, temos aqui este compacto duplo lançado pela RCA Victor, em 1965. O disquinho se chama “From Rio with love”, ou seja, trata-se de um suvenir musical criado para turistas naquele ano em que a cidade do Rio de Janeiro completava 400 anos. Um disquinho para turista ouvir e levar para casa. Não é atoa que há na contra capa um textinho bilíngue fazendo as devidas apresentações. E o que temos nele é samba. Começa com o hino “Cidade Maravilhosa” cantada em coro, na sequencia vem Cauby Peixoto interpretando a marchinha “Rancho da Praça Onze”, de João Roberto Kelly e Chico Anísio. Do outro lado o samba corre solto nas duas faixas com o Cacique de Ramos. Disquinho interessante que vale a pena conferir no GTM.
 
cidade maravilhosa – coro misto
rancho da praça onze – cauby peixoto
sessão de ritmo – o cacique de ramos
água na boca – o cacique de ramos
 
 
.
 

Luiza – Compacto (1965)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Olha só o disquinho que temos aqui… Uma autêntica raridade que até então eu não vi compartilhada em lugar algum. Até mesmo no Youtube vocês não encontravam. Agora, com certeza, logo vai estar lá, assim como boa parte do que publicamos aqui no blog acaba indo para lá. Mas quando a ideia é, além de ouvir, ver o disco, a capa e selo, só mesmo participando do Grupo do Toque Musical, Lá se pode baixar o arquivo completo. Mas, para quem não sabe, os links são temporários e não fazemos reposição. Portanto é bom sempre ficar ligado no que publicamos por aqui para não perder nada.
Então, temos aqui a cantora Luiza, que surgiu nos anos 60 como uma revelação da Bossa Nova. Gravou em 64 seu primeiro e único lp, um disco hoje consagrado, raro e que só a alguns anos atrás recebeu uma reedição em cd. O que fez o disco dela ser especial, além de sua belíssima voz e estampa foi o fato de ter sido nele que aparece uma primeira parceria de Dori Caymmi e Edu Lobo. O disco é recheado de compositores bossanovistas e dele participam vários, entre esses, Milton Nascimento e Wagner Tiso, em início de carreira. Para dourar mais a coisa, temos também a participação, arranjos e regências do maestro Moacir Santos. Daí se vê que Luiza estava com a bola toda. Embora vivendo intensamente as transformações musicais da época, tendo seu apartamento sempre bem frequentado por outros artistas, assim como Nara Leão, em seu apartamento, Luiza acabou seguindo carreira no magistério, se tornando professora, casou e foi ser dona de casa. Porém, ainda naqueles anos de efervescência da Bossa Nova, ela foi novamente requisitada para gravar este disquinho que é mesmo, em resumo, um compacto de suas apresentações ao lado do 3D Trio, em um espetáculo que eles faziam no Rio, no Teatro Princesa Isabel. Nele encontramos as composições, “Chuva”, de Durval Ferreira e Pedro Camargo e “Lenda”, de Marcos Valle e Luiz Freire. Os arranjos são de Antonio Adolfo. Este foi assim, seu também único compacto, hoje um disquinho ainda mais raro que o lp, pois nunca chegou a ser reeditado. Só mesmo no Toque Musical… Confiram no GTM.
 
chuva
lenda
 
 

Os Incríveis – Trabalho Em Paz (1976)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos. De 1964 a 1985 vivemos no Brasil o período da ditadura militar. Tempos sombrios que só não chocou mais a nação porque essa, parece, sempre viveu uma relação de amor e ódio com as Forças Armadas. Infelizmente tem muita gente que acredita que militar é salvação, que a disciplina militar é o remédio e que o Brasil deve ser mesmo um quartel. O que essa parcela de gente não consegue enxergar é que não é a farda que faz um homem, não é a farda que faz uma pessoa honesta. Militar também erra e por sinal erra muito. Se você acredita que não existe corrupção nas Forças Armadas é por ser muito ingênuo. Até mesmo nas Igrejas essa praga mora, nas Evangélicas então, nem se fala… Enfim, isso é coisa de Brasil. O brasileiro é sua essência é um canalha e isso se evidencia  mais na classe média. Não é por acaso que boa parte desse povo votou num canalha e militar. E está aí, a boa merda que ele está fazendo e ainda com apoio da pior classe de brasileiros.
É dentro desse cenário, de ditadura e ufanismo que nosso lendário grupo de rock, Os Incríveis, viveu e sobreviveu até perceber que não dava mais para ficar passando pano para milicos. Esse conjunto de musiquinhas ufanistas patrocinado pelo governo militar fez mesmo muito sucesso. Aprendemos essas músicas num processo quase de osmose, quando isso era obrigatório em todas as rádios. Tocavam essas músicas para fazer o povo acreditar que estávamos crescendo, que o Brasil era um país maravilhoso… Sim, o Brasil é maravilhoso, o que fode são as pessoas que vivem nele.
Bom, enfim, o que temos aqui são quatro odiosos hinos da ditadura, pelo menos para mim. E daí, vocês me perguntam, qual a razão de eu estar postando isso então? Oras, convenhamos, se eu publicasse aqui apenas oque eu gosto este blog não seria assim. A proposta do Toque Musical é trazer a tona a produção fonomusical brasileira e nosso lema é escutar com outros olhos. Daí, cabe tudo em nosso espaço. E até porque, não desgosto dos Incríveis, não gosto é dessa ‘fase vexaminosa’, mas reconheço o talento dos rapazes 🙂 Vamos lá, vamos conferir… ditadura também é cultura (ou não?)
 
marcas do que se foi
pindorama
este é o meu brasil
este é um país que vai pra frente
 
.

Sérgio Ricardo – The Crazy Cats – Ritmos Esso Em Samba & Twist (1963)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Olha só que disquinho interessante nós temos aqui… Este é um compacto promocional criado para a Esso, como brinde de fim de ano, no caso, o ano era  1964. Curiosamente, vamos encontrar neste 7 polegadas uma espécie de jingle interpretado de um lado por Sérgio Ricardo e do outro por um grupo de rock’n’roll, ou twist, The Crazy Cats. Ao que tudo indica, “Wadiya” é o nome original da música, um twist, conforme está no lado B. No lado A a mesma música em ritmo de bossa, samba, cantado por Sérgio Ricardo: “só Esso dá ao seu carro o máximo, veja o que Esso faz…” Imagino que essa musiquinha tenha também sido usada em alguma outra campanha publicitária da Esso. Está aí um disquinho que não poderia faltar aqui no nosso Toque Musical. Confiram essa raridade no GTM…
 
ritmos essa – sérgio ricardo
wadiya – the crazy cats
 
.

Almir Saint-Clair (1967)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Entramos em março e para tanto vamos fazer deste o mês dos compactos. Ao longo de todo o mês irei trazer um disquinho de 7 polegada diferente. Já andei separando alguns e assim começa a nossa mostra de compactos.
Começamos com este compacto lançado pela RCA Victor, em 1976. Aqui temos o ator e cantor Almir Siqueira, que neste disquinho de estreia passa a se chamar ‘Almir Saint-Clair’. Ele gravou outros compactos pela Polydor e RCA Victor, mas este talvez tenha sido o de maior sucesso, quando então interpretou as versões de dois temas do Festival de San Remo de 1967, as músicas “Non Pensare a Me” e “Ciao Amore, Ciao). Almir Saint-Clair também trabalhou como ator no teatro e no cinema mas a partir dos anos 70 se tornou produtor cultural trabalhando com shows e espetáculos diversos. Nos anos 80 foi parar na Escola de Samba Império da Tijuca com puxador de samba, voltando anos depois a trabalhar com produção. Em 2003 gravou um cd em homenagem a Noel Rosa.
 
não pense em mim
tchau amor, adeus
 
.

Fafá Lemos – Dó Ré Mi Fafá (1961)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Lá se foi o Natal, logo mais tem o Fim de Ano (graças a Deus!) e desta vez vamos seguir os protocolos, ou seja, vamos ficar em casa, ninguém sai, ninguém entra. Nada de festas e aglomeração, o momento é crítico e exige cuidados. Por favor, fiquem vocês também em casa, ainda temos muitos discos para conhecer e ouvir, ok?
Bom, finalizando nossas postagens dos últimos dias deste ano, tenho para hoje este lp do violinista Rafael Lemos Junior, mais conhecido como Fafá Lemos, lançado em 1961, pelo selo RCA Victor. Fafá já foi apresentado aqui no Toque Musical em outras oportunidades, tanto em discos solo como em grupo, no caso, o Trio Surdina, ao lado de Garoto e Chiquinho do Acordeon. Neste lp ele nos traz um repertório eclético, como era comum na época, misturando temas nacionais e internacionais. Porém, o que nos chama a atenção é a seleção nacional, onde podemos encontrar, por exemplo, músicas de Dorival Caymmi, Haroldo Barbosa, o bolero filho único de João Gilberto, “Ho-ba-la-lá” e ainda duas composições de autoria desse violinista. 
Tá aí… mais um disco bacana a encontrar o seu destino, aqui no Toque Musical, claro! 😉 Confiram no GTM…
 
the exodus song
fiz o bobão
ho-ba-la-lá
palhaçada
theme from the apartment
fiu, fiu
murmúrio
la novia
meu primeiro samba
never on sunday
roceira
rosa morena
 
.

Canhoto E Seu Regional – Baiãomania (1956)

Olá, caríssimos amigos cultos e ocultos! Apareceu aqui em minhas mãos este lp de 10 polegadas de Canhoto do Cavaquinho (Frederico Tramontano). Confesso a vocês que nunca tinha visto ou ouvido este disco antes, foi uma bela surpresa que eu logo me pus a digitalizar para trazer aqui para o nosso Toque Musical. Segundo verifiquei, este é mesmo um disco raro e se for procurar no Mercado Livre ou Discogs, não leva por menos de 600 reais (loucura a especulação financeira do vinil hoje em dia). Mas, enfim, temos aqui Canhoto e Seu Regional, formado pelos violonistas Jayme Florence e Horondino Silva, Orlando Silveira no acordeom, Jorge Silva no pandeiro e Altamiro Carrilho na flauta. Segundo consta, o disco é de 1956. Lp de 10 polegadas trazendo o ritmo quente do momento, o Baião. São oito clássicos da música brasileira, seis autênticos baiões e dois choros em ritmo de baião. Disco gostoso demais de ouvir. Não deixem passar… 
 
maringá
juazeiro
baião
paraíba
kalú
delicado
que nem jiló
baião de dois
 
 
.
 


 

Canhoto E Seu Regional – Noites Brasileiras (1958)

Boa tarde a todos, amigos cultos e ocultos! Para essa nossa terça feira eu trago um disquinho de 10 polegadas que é uma beleza. Temos aqui Canhoto e seu Regional. Frederico Tramontano, mais conhecido como Canhoto do Cavaquinho foi integrante do conjunto de Benedito Lacerda, no início dos anos 50. E é justamente deste grupo que nasce o seu Regional, formado pelos violonistas Horondino Silva e Jayme Florence, Orlando Silveira no acordeon, Carlos Poyares na flauta e Jorge Silva no pandeiro. Com essa mesma formação Canhoto estreia o programa “Noites Brasileiras”, fazendo muito sucesso na rádio Mayrink Veiga. Este disco nos apresenta exatamente um pouco do repertório que se ouvia na rádio nas noites de sexta-feira. Temos aqui os chorinhos, valsas, sambas e maxixes. E para essa gravação Canhoto e seu regional contaram com a participação de outros músicos e entre os quais, o Pedro (Sorongo) Santos, no ganzá. Está aí um disco precioso que a gente não pode deixar passar em branco. Vamos conferir no GTM…

carinhoso

ainda me recordo

clube xv

em que época

uma noite em sumaré

dorinha meu amor

flor do mal

até amanhã

.

 

3 Do Rio (1968)

Boa noite, companheiros, amigos cultos e ocultos! Depois dos 6 de Samba, vamos agora com os 3 do Rio. Taí, um grupo vocal/instrumental dos mais interessantes surgidos nos anos 60. Eles foram um dos mais importantes grupos de bailes que atuaram pelo Brasil nas décadas de 60 e 70. Curiosamente, embora se chamasse 3 do Rio, eles na verdade eram de São Paulo. Quem foi jovem nos anos 60 e 70 em São Paulo há de se lembrar desse trio. Um grupo de multi-instrumentistas que sabiam fazer o espetáculo. Se apresentaram por muitos anos fora do país, depois, nos anos 70, de volta ao Brasil se tornaram um dos grupos mais requisitados de bailes, clubes e até cruzeiros em navios. Acredito que este tenha sido o primeiro disco deles, muito embora eu desconheça qualquer outro trabalho fonográfico que tenham realizado. Pelo pouco que pude recolher de informações, os 3 do Rio seguiram carreira até os anos 70. Trabalharam também com jingles e entre esses, um famoso foi aquele do banco Bamerindus (“O tempo passa, o tempo voa… e a poupança Bamerindus continua numa boa…”). Muitos aqui hão de lembrar. Pois é, não deixem de conferir, os 3 do Rio. E como se pode ver pela contracapa, o repertório é supimpa! 🙂

le telefon

recordar

guajiro

12th street rag

eu sei

china boy

seleção de sambas

les cactus

cumaco de san juan

the ballad of bonnie and clyde

alors tu comprendras

balla balla

.

Débora Bastos E Júlio De Oliveira – O Senhor É O Meu Pastor (195…)

Muito bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Dando sequencia a nossa mostra musical religiosa, eu trago agora este curioso lp, lançado pela RCA Victor, possivelmente no final dos anos 50, “O Senhor é o meu pastor”. Aqui encontramos o organista Júlio de Oliveira em dueto com a soprano Débora Bastos. Conforme nos mostra o texto de contracapa Júlio e Débora são irmãos e juntos transformaram Salmos da Bíblia em música. Ou seja, inspirado em passagens bíblicas, Júlio de Oliveira compõe as músicas e Débora Bastos o acompanha com seu canto lírico. É um disco bonito e como outros do gênero, raro. Vale a pena conhecer. Confira no GTM…
 
salmo 66
salmo 121
minha oração
salmo 40
pai nosso… (da cantata “o sermão da montanha”)
tu que conheces os corações
salmo 16 
sursum corda nº 7
sursum corda nº 10
salmo 23
 
 
.

.

The Buttons (1970)

Boa noite, meus queridos amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós com mais um disco… E para hoje eu lhes apresento, The Buttons, um daqueles grupos de ‘rock’, do início dos anos 70 que cantavam em inglês. Quem não se lembra daquela febre que levou vários artistas nacionais a adotarem nomes estrangeiros e cantar em inglês? Foram muitos os nomes e desses chegamos a postar vários discos por aqui, no Toque Musical. The Buttons, antes de gravarem este disco eram “Os Botões”, um grupo que tocava em bailes e clubes paulistas. Em 1970 eles foram recrutados pela RCA para gravarem este disco, uma proposta diferente da gravadora que como outras estavam lançando seus artistas internacionais ‘Made in Brazil’. A primeira metade dos anos 70 foi assim, cheio de Morris Albert, Pholhas, Light Reflections, Christian, Dave Maclean… Aliás, na sequencia das produções da RCA, a turma do The Buttons acabou virando Dave Maclean, em 73. Dave Maclean aparece inicialmente e aparentemente como uma banda, depois se incorpora como um cantor, seguindo assim como um artista com diversos sucessos. The Buttons é parte desse momento e para muitos, hoje é visto como uma banda de rock, disco raro e bem cotado no Discogs e Mercado Livre. Pessoalmente, acho este disco bem interessante. Convido aqueles que ainda não conhecem para uma audição. No GTM está completo, chega lá…

happy mary

slow down

birds in my tree

dear old mrs. bell

moonlight serenade

look my world

sound of night

free world why

i never tried

whispering

i’m thinking of rita

.

Sérgio Ricardo – Compacto (1968)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Este ano não está fácil de aguentar, heim?! Já nem lembro mais quantos artistas da música partiram para o descanso eterno, teríamos que listar. Muito triste… E desta última, lá se foi o nosso querido Sérgio Ricardo, um artista que aqui até dispensa apresentações pois já esteve presente em diversos de seus discos. E hoje e mais uma vez ele volta nessa nossa singela homenagem. Aqui temos um compacto simples de 68 onde estão registradas “LuandaLuar”, que participou da Bienal do Samba no Rio de Janeiro de 1968 e “Girassol”, que concorreu ao Festival Nacional de Música Popular Brasileira – O Brasil Canta no Rio, desse mesmo ano.

girassol
luandaluar



.

Demetrius (1965)

Olá amigos cultos e ocultos, boa noite! E vamos aqui com mais um compacto e também no mesmo embalo jovem da música na primeira metade dos anos 60. Aqui um 7 polegadas do cantor Demetrius que também fez muito sucesso. Compacto simples, mas trazendo duas versões que muito tocou naqueles tempos. Demetrius também faz parte desse grupo de pioneiros do rock’n’roll no Brasil. Creio que nem precisamos fazer a apresentação do artista, pois essa não é a primeira vez que postamos discos dele aqui. Vamos conferir esses dois sucesso no GTM…

ternura
levante little susie

 

Carlos Gonzaga – Adão E Eva (1960)

Boa noite, meus amigos cultos e ocultos! E aqui vai mais um compacto interessante, Carlos Gonzaga trazendo um 7 polegadas duplo, “Adão e Eva”. Lançado em 1960, este compacto fez um tremendo sucesso entre os jovens da época. Talvez mais sucesso e mais vendido que o própio lp. Carlos Gonzaga faz parte desse grupo de artistas pioneiros do rock no Brasil. Já tivemos a oportunidade de apresentar aqui outras coisas desse artista que veio das Minas Gerais. Fez sucesso com o rock, as baladas, calipsos e boleros. Não deixem de conferir no GTM…

adão e eva
a vida, só com amor
foi o luar
calypso de amor

 

Maysa (1966)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aqui vamos com mais um disco de cantora e diga-se de passagem, um super disco e uma super cantora, a inesquecível Maysa. Mais uma cantora que dispensa apresentações até porque, aqui ela já tem o seu lugar garantido. Já postamos outras ‘cositas’ de Maysa. E desta vez vamos com este lp lançado pela RCA Victor, em 1966. Este foi seu décimo quarto algum de estúdio. Marcando os seus dez anos de carreira. Um disco com um toque moderno, a começar pela capa onde não consta nenhuma informação, nem o seu nome, apenas o seu retrato. Na contracapa já encontramos um texto de apresentação, de Roberto Corte Real e a lista de músicas. O repertório segundo contam, foi uma copilação de músicas gravadas em programas de televisão, temas nacionais e internacionais.

fantasia de trombones
(demais)
(meu mundo caiu)
(preciso aprender a ser só)
canto livre
just in time
canto de ossanha
as mesmas histórias
ne me quitte pas
tristeza
fantasia de cellos
(primavera)
(valsa de eurídice)
(canção do amanhecer)
canção sem título
morrer de amor



.

Conjunto Bossa Jeca – Samba Jeca (1963)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Somando nossas fileiras, eu hoje trago para vocês o “Samba Jeca”, um disco muito interessante, lançado no início da década de 60, bem no auge da Bossa Nova. A ideia, concebida pela produção da RCA Victor tinha como figura central o grande Chiquinho do Acordeon que recrutou um excelente grupo de instrumentistas, formando assim o Conjunto Bossa Jeca. Conforme informa o texto da contracapa, trata-se de um trabalho que buscava mesclar o samba a música sertaneja, uma espécie de fusão entre o samba e o calango, misturando ritmos, criando assim um disco com resultados surpreendentes. E não é para menos, afinal, quem está por trás de tudo isso é outro fera, o multi-instrumentista Zé Menezes, quem também tocou e cuidou dos arranjos. As músicas são de autoria de José Messias, sim, aquele mesmo que fazia parte do corpo de jurados do programa do Silvio Santos. Não deixem de conferir, no GTM! Só para associados e agora, mais que nunca, em tempo limitado.

samba jeca
já deu meia noite
vergonha de ficar
canção de sofrer
não diga a ninguém
saudade da saudade
madrugada e amor
dorme
vez de voar
maria do mau fim
sereno 
receita


.

Antonio Carlos & Jocafi – Ossos Do Ofício (1975)

Muito bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Estamos começando mais um ano e como já disse anteriormente, ando prá lá de desanimado. Já tivemos momentos ruins, mas creio que agora estamos chegando no fundo do poço. Claro, me refiro a situação do Brasil, à merda que virou isso aqui. Estou literalmente enjoado com a mentalidade de boa parte desse povo burro brasileiro. Puta que pariu, elegeram um imbecil para Presidente da República! Que retrocesso! Que falta de visão! Creio, não, tenho certeza que vamos nos ferrar por conta dessa maldita escolha. O Brasil levou um golpe. O povo caiu no golpe e ainda ajudou ao carrasco a colocar a corda em seus pescoço. Agora, vamos comer o pão que o diabo amassou, vão vendo…
Isso tudo tem me incomodado muito e meu desgosto se reflete também aqui, nesse projeto de mais de uma década, o Toque Musical. Percebo que entre os amigos cultos, ocultos e agregados há muita gente que pisou na bola, seja por ingenuidade, seja por antipatia, seja mesmo por burrice e falta de senso. Sinceramente, não estou mais disposto a compartilhar com essa gente as coisas que aqui eu publico. Começo neste ano a fazer a faxina. Estarei banindo do GTM toda e qualquer pessoa que apoiou essa besta que assume o Governo. Estarei rastreando todos os perfis, qualquer indício de ‘bostonarismo’, eu deleto na hora. Agora, só atendo a pedidos de reposição de arquivos de quem tiver perfil no Facebook. Se não tiver, não precisa nem se dar ao trabalho de me mandar e-mails, ok? Se me obrigam a engolir esse governo idiota, serão aqui também tratados como idiotas. Quero distância dessa gente tosca. Coisas boas a gente deve compartilhar com quem é do bem. ‘Cidadão de bem’ não é ‘do bem’.
Mas, mudando de assunto, vamos ao principal… Começo o ano com este disco de Antonio Carlos & Jocafi, “Ossos do Ofício”, um lp lançado em 1975, quando ainda eles estavam no auge do sucesso. Na verdade, a dupla sempre fez muito sucesso, mesmo quando nos anos 80 a onda das bandas de rock tomaram a cena pop. Aliás, é bom dizer que foi a partir dos anos 80 que a verdadeira música brasileira de qualidade entrou em declínio. Por certo, muitos artistas sobreviveram e isoladamente um ou outro fez coisas bacanas, mas os tempos mudaram e numa visão generalizada, só pioramos… Felizmente, ainda podemos buscar no passado pérolas como esse disco. Um trabalho muito bacana, produção de primeira com artistas de primeira para ouvidos de primeira. Não deixem de conferir no GTM.

que me importa
ossos do ofício
indagorinha
pra uma mulher
trinta por cento
é de nicocó
perspectiva
contra-veneno
dou a mão a palmatória
baiada
armadilha
cada um sabe onde dói

.

Os Velhinhos Transviados – Em Órbita (1965)

Olá amiguíssimos cultos e ocultos! Entre trancos e barrancos, vamos seguindo com nossas postagens cada dia mais espaçadas, infelizmente. São diversos os problemas, mas deixo isso para um outro dia. Vamos aqui novamente trazendo esse fabuloso grupo, criado pelo multi-instrumentista José Menezes, Os Velhinhos Transviados. Aqui temos mais um disco da série, lançado em 1965. Uma seleção musical muito boa, como sempre mesclando sucessos nacionais e internacionais. Aqui um repertório para agradar gregos e troianos. Não deixem de conferir no GTM.

o sol nascerá
oitavo botequim
a fonte secou
red rose for a blue lady
garota moderna
let kiss jenka
arrastão
regalame esta noche
brigas de nós dois
sabor a mi
minha namorada
só tinha de ser com você
menino das laranjas
viva la pappa col comodoro
o neguinho a a senhorita
let’s kis, kiss, kiss
carcará
the house of the rising sun
io che non vivo (senza te)
se piagi se ridi
.

Os Velhinhos Transviados – Espetaculares (1963)

Olá, amigos cultos e ocultos, como vão todos? Como dizem por aí a coisa tá feia e a cada hora piora. Certamente estou me referindo a atual situação política em nosso país, que querendo ou não se reflete em tudo, inclusive no meu ânimo em continuar a empreitada de postagens aqui no Toque Musical. Confesso, está cada dia mais brochante continuar essa empreitada. São inúmeros os motivos, mas principalmente o momento político. Tá osso!
Bom, já nem me lembro mais quantos discos do conjunto Os Velhinhos Transviados eu já postei aqui e já nem me dou ao trabalho de conferir isso. Vai pela intuição e mais ainda pelo desejo de postar. Assim, temos aqui o álbum “Espetaculares”, disco de 1963, recheado de pot pourris e outros sucessos, nacionais e internacionais. Mais uma vez o multi-instrumentista José Menezes e sua turma dão o tom por aqui. E olha que ainda tem mais, pelo menos mais dois discos dos Velhinhos Transviados estão vindo na sequência. Fiquem ligados e não deixem de conferir.

smile
un recuerdo
perfidia
mafuá
adios
na cadência do samba
i could have danced all night
sambadinho
dang dang
nêga
dumpy
gostar de alguém
allah-lá-ô
está chegando a hora
.

Jorge Mautner – Compacto (1966)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Por favor, não percam a esperança como o Toque Musical. Temos ido devagar-quase-parando, mas continuamos ativos. Não somos mais diários, mas estamos sempre presente. E por falar em presente, aqui vai um, este compacto lançado pela RCA Victor em 1966 do velho maldito, Jorge Mautner. Creio que este foi o primeiro disco ele (ou estarei enganado?). Meu tempo é curto, daí não dá tempo de pesquisar. Mas achei um texto de uma entrevista do artista falando sobre o disquinho. Nada melhor, né?
“Em 1965, eu gravei um compacto pela RCA-Victor, com a produção de Moracy Do Val, e acompanhado pelo grupo de folk-rock The Vikings (eram dois irmão que cantavam músicas deles e dos Everly Brothers). Este disco, juntamente com o livro Vigarista Jorge, motivaram a incursão do meu nome na lei de segurança nacional. Dois meses depois de lançado o compacto, cronistas de jornais, inclusive pelo falecido Sergio Bittencourt, filho do Jacob do Bandolim, e que era, junto com Nelson Motta, juri do Flávio Cavalcanti, denunciaram tanto ele como o meu livro como perigosa subversão trotzkista. Apesar disso, por ocasião da minha volta do exílio em 1971, fui encontrar Sergio Bittencourt, eu o perdoei, ele também, e nos abraçamos. A faixa “Radioatividade”, que fala sobre a Terceira Guerra Mundial e da bomba atômica, causava muita estranheza pela sua temática, até por pessoas geniais e bem-pensantes, como Nara Leão, que disse a respeito: “o que tem o Brasil a ver com a bomba atômica?”

radioatividade
não, não, não
.

Caetano Veloso – Compacto (1965)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Seguimos hoje com esse compacto nota 10, um disquinho especial, o primeiro registro do genial Caetano Veloso, aqui ainda com dois Ls. Certamente, trata-se de um disquinho já bem divulgado e hoje, mais ainda, na rede é que nem bolacha, em qualquer canto se acha. Mas isso só no formato digital, pois o compacto em si é hoje moeda forte. Tem maluco tentando vender o seu no Mercado Livre por quase 200 pratas. Mas Mercado Livre não deve servir de referencia para preço, ainda mais de vinil que até poucos anos atrás eram vendidos quase de graça. Hoje, com muita informação e fake news, dourar a pílula ficou mais fácil. E o que não falta é trouxa para comprar a joia. Aqui, o que importa é ter em nosso acervo digital um disco que é a cara do Toque Musical (putz, até rimou!) Deixo aqui também a minha gratidão a mais um bom amigo do TM, o Denys, que muito me ajudou no tratamento da capinha e selo. Valeu, brother! 🙂

samba em paz
cavaleiro

.

Braço De Ferro – Temas Nacionais Da Novela (1983)

Hoje o TM oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados, dentro de seu ciclo dedicado às trilhas sonoras de telenovelas, mais uma autêntica relíquia. Trata-se de um álbum trazendo os temas musicais de “Braço de ferro”, novela para público infanto-juvenil escrita por Marcos Caruso, produzida pela Rede Bandeirantes sob a supervisão de Roberto Talma, dirigida por Sérgio Galvão (com um de seus capítulos dirigido pelo então estreante Jayme Monjardim), e exibida entre 9 de maio e 30 de julho de 1983. Na trama, um grupo de crianças funda um clube num casarão abandonado que fica em terreno desapropriado, onde conversa sobre seus problemas e busca soluções para cada um deles. Embora a novela tenha durado pouco (teve apenas 50 capítulos), a carreira de alguns de seus atores-mirins continuou por longo tempo, caso de Selton Mello (que interpretou Raimundo) e Marcos Roberto Quintela (o Luisão), que mais tarde seria cantor da “boyband” Dominó. Além das crianças (que constituíam 60% do elenco), havia também atores adultos que serviam de apoio: Jussara Freire (Odete), Régis Monteiro (Mílton), Walter Stuart (Márcio), Paulo Novaes (Ricardo), Elizabeth Hartmann, Geraldo del Rey, Mirian Mehler, etc. “Braço de ferro” tinha uma linguagem inocente e inteligente, que atraía os telespectadores-mirins da Band, além do ritmo de desenho animado. Porém, apesar da ideia inovadora e muito boa, a atração sofreu um pouco com a falta de recursos, em virtude do baixo orçamento oferecido pela emissora. A escassez de recursos também prejudicou a escolha do elenco e a qualidade das locações da novela, feitas na Vila Sônia, bairro proletário de São Paulo. Mas pode-se dizer que valeu a batalha… Pois então cá está a trilha sonora de “Braço de ferro”, para deleite dos amigos do TM. Nessa época, a gravadora Bandeirantes Discos, vinculada à emissora, já não existia mais, e eles passaram a trabalhar de forma diferenciada com relação às trilhas sonoras de suas novelas, entregando a co-produção e a distribuição das mesmas a outras companhias fonográficas, e identificando-as com a marca Discoban. No caso de “Braço de ferro”, a produção de sua trilha sonora foi responsabilidade da então poderosa RCA (depois BMG, SonyBMG e hoje Sony Music), ficando a cargo dos experientes Cayon Gadia, Romeu Giosa (estes representando a Band), Renato Figueiredo e João C. Montanaro. Nos arranjos e regências,  os supercompetentes Sérgio Sá, Eduardo Assad, Laércio de Freitas e Júlio Caesar. Das onze faixas do disco, cinco são interpretadas pelo grupo Pipoca Voadora (formado, ao que parece, apenas para esses registros): as então inéditas “Cavalo selvagem” e “Aventureiro”, e regravações dos clássicos “O vira” (dos Secos & Molhados, lembram?), “O pato” (“Vinha cantando alegremente, quem, quem”…) e “O gênio” (lançada por Roberto Carlos no tempo da Jovem Guarda). O Projeto XK (outro grupo formado, ao que parece, apenas para participar deste disso) tem outras duas faixas, ambas compostas por Sérgio Sá: “Fórmula mágica”, e o tema-título e de abertura da novela, “Braço de ferro”. Mas o principal destaque fica por conta da sempre luminosa presença do inesquecível Wilson Simonal, interpretando a versão “Cê tem que ser um menino (Jereveviens um bebe)”. Enfim, a trilha de “Braço de ferro” constitui-se em mais um precioso documento histórico, digno de figurar nos acervos dos amigos do TM. A conferir, sem falta…

cavalo selvagem – pipoca voadora
o vira – pipoca voadora
o pato – pipoca voadora
louco criador – a turma toda
blusa de lã – shampoo
aventureiro – pipoca voadora
fórmula mágica – projeto xk
banho de cachoeira – cesar rossini
braço de ferro – projeto xk
ce tem que ser um menino – wilson simonal
o gênio – pipoca voadora

*Texto de Samuel Machado Filho

Dick Schory’s Percussion And Brass Ensemble – Runnin’ Wild (1961)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Dentro da nossa programação fonomusical internacional, eu hoje trago para vocês mais um disco bacana, feito para se ouvir alto e em bom som estéreo. Temos aqui um lp da série “Stereo Action” produzida pela RCA Victor no início dos anos 60. Essa série foi criada para promover o som HiFi Stereo (alta fidelidade estéreo) que naquela época surgia como a grande inovação da aparelhagem doméstica. Era o máximo quem podia ter em sua sala uma radiola estéreo, ou ainda mais, os modernos aparelhos modulares, tocadiscos, amplificador e caixas, tudo separado. “The sound your eyes can follow” (o som que seus olhos podem seguir), este era o slogan para uma série de discos feitos exclusivamente para esse propósito, demonstração das qualidades do som estéreo. Curiosamente, algumas lojas americanas, davam esses discos de brinde na compra de aparelhagens estereofônicas. Para tanto, RCA Victor recrutou alguns de seus melhores maestros e orquestras impecáveis. A música sempre cristalina e perceptível, quase palpável, trazia elementos inovadores em seus arranjos e sempre recheada de efeitos sonoros. Outro destaque desta série diz respeito as capas. A gravadora investiu também numa bela apresentação, contratando os melhores artistas gráficos e também fotógrafos renomados que criaram imagens memoráveis, muitas delas ‘reaproveitadas’ pela indústria nacional.
Gosto muito dessa série que traz grandes nomes como Esquivel, Ray Martin, Marty Gold, Vic Schoen, Leo Addeo e outros entre os quais apresento o não menos genial, Dick Schory. Um dos maiores percussionistas americano. Maestro, arranjador, produtor, editor, engenheiro de som e muito mais. Aqui no Brasil vários dos seus discos foram lançados e ainda hoje se pode encontrar em sebos e principalmente no Mercado Livre por preços bem atraentes.

brass jokeys
me and my shadow
portrait in jazz
mama’s gone goodbye
but not for me
love for sale
runnin’ wild
lazy bones
down home rag
greensleeves
bully
thou swell

.

The Three Suns – Movin”n’Groovin’ (1962)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais um lp internacional, lançado no Brasil, possivelmente, por volta de 1963, pelo selo RCA Victor. Uma garantia de qualidade, com certeza! Mas, para além da qualidade técnica, temos aqui um curioso e excelente grupo chamado The Three Suns. Formado no final dos anos 30 pelos irmãos Al Nevins (guitarra) e Morty Nevins (acordeom) e o primo Artie Dunn (vocal e orgão). O The Three Suns foram muito populares nos anos 40 e 50. Se destacaram pela peculiaridade musical, com efeitos sonoros e arranjos que mais lembravam trilhas para filmes. Aliás, eles fizeram alguns filmes, os percursores do vídeo clip, para aquelas máquinas, tipo junkeboxes, onde se colocava uma moeda e podia assistir o filminho. Uma atração para a época. Um de seus hits mais famosos é “Twilight Time”, numa versão ainda instrumental. O trio durou até os anos 50, quando então surgiu o rock’n’roll. A partir daí eles começaram a fazer uma música ainda mais interessante, usando também de outros instrumentos. Aproveitando a inovação do hi-fi e do estéreo, eles compuseram arranjos elaborados e lançaram discos como este Movin’N’Groovin’, que foi lançado lá fora em 1962. Aqui no Brasil deve ter chegado um ano depois ou mais. Um disco delicioso de se ouvir. Tenho certeza de que se ouvirem, irão gostar 😉

april showers
caravan
autumn leaves
dancing with tears in my eyes
jungle drums
movin’ ‘n’ groovin’
anniversary song
beyond the sea
some of these days
danny’s inferno
the vagabond king waltz
stumbling

.

Elvira Rios – Noche De Ronda (1957)

Confesso que tive uma certa dúvida, ao receber este disco para resenhar, se poderia ou não fazê-lo (antes de saber que teríamos uma semana temática, dedicada a música latinoamericana). A maioria esmagadora dos álbuns postados pelo nosso TM é de produção exclusivamente brasileira, e este aqui foi gravado no México. Mas, como diz o ditado, “toda regra tem sua exceção”. Portanto, aqui vai hoje, para nossos amigos cultos, ocultos e associados, um álbum de Elvira Rios, primeira cantora mexicana a obter sucesso internacional na era de ouro dos boleros românticos, lançado em 1957 pela RCA Victor. Foi lá mesmo na cidade do México, a capital do país, que  María Elvira Gallegos Rios veio ao mundo, no dia 16 de novembro de 1913. Desde muito cedo, ela manifestou o vivo desejo de ser  cantora. Assim, bem jovem, e sem receio algum, apresentou-se para um teste perante o poderoso Emílio Azcarraga, diretor da Rádio XEW (um dos embriões do poderoso conglomerado Televisa).  Devidamente aprovada e contratada, ali apresentou-se durante um ano e meio em três programas diários de 15 minutos cada. Em 1937, apareceu pela primeira vez no cinema, cantando no filme mexicano “Esos hombres!”. Manuel Riachi, então assistente de Arthur Hornlow Jr., dos estúdios Paramount, de Hollywood, gostou da voz de Elvira e a indicou a ele, o que possibilitou a Elvira sua primeira aparição como atriz, no filme “Feitiço do trópico (Tropic holiday)”, de 1938, estrelado por Ray Milland e Dorothy Lamour. Em seguida, Elvira apresentou-se na casa noturna La Martinique, de Nova York, conquistando o público com sua voz grave, quente, sincera e dramática, e sua figura misteriosa e desesperadamente romântica, ressaltada por seu tipo de índia. No início de 1939, apresentou-se no luxuoso Miami-Biltimiros, e, ao voltar para Nova York, fez suas primeiras gravações, para a Decca, que marcaram época e ainda hoje são bastante apreciadas, com arranjos de José Morand e Nuno Morales. Em Hollywood, participou ainda dos filmes “No tempo das diligências (Stagecoach)”,  “Cupid rides the range” e “A verdadeira glória (The real glory”), os três de 1939. Ao voltar para o seu México, em gozo de merecidas férias, Elvira teve a satisfação de ser precedida pelos ecos de seus sucessos alcançados nos EUA, um mercado artístico sempre difícil, em especial para os latinos. E sua carreira de grande estrela da canção latino-americana prosseguiu por vários países. Na Argentina, filmou “Vem! Meu coração te chama” (1942) e “Tango vuelve a Paris” (1948). Em seu México de origem, atuou ainda no filme “Murallas de pasión” (1942). É claro que Elvira também ficou bastante conhecida aqui no Brasil, onde foi atração no Cassino da Urca e, na década de 1950, chegou a gravar um LP de dez polegadas na Musidisc, uma das pioneiras do vinil em território tupiniquim. Elvira Rios faleceu em seu México natal no dia 13 de janeiro de 1987, aos 73 anos de idade. Entretanto, sempre terá o carinho daqueles que não entendem a vida sem o romantismo, mesmo que para sofrer as consequências do amor feito de desencontros. Sendo assim, é digna merecedora  da postagem de hoje do TM, com este “Noche de ronda”. A faixa-título e de abertura  tem sido creditada a Maria Tereza Lara, irmã de Agustin Lara, mas na verdade é dele próprio, que a registrou em nome da “hermana”. Ao longo das catorze faixas, acompanhada pela orquestra de Chucho Zarzosa, Elvira nos traz um repertório com belas páginas da música popular latino-americana, compostas por nomes do quilate de Maria Grever (“Ya no me quieres”), Gonzalo Curiel (“Me aguerdo de ti”, “Calla tristeza”, “Noche de luna”), Mário Clavel (“Mi carta”, “Desencuentro”)  e Consuelo Velasquez (“Franqueza”).  E, de Agustin Lara, ela ainda interpreta “Santa” e “Janitzio”. Em suma, este disco é um prato cheio para os fãs da melhor música romântica latino-americana, oferecida pela inesquecível Elvira Rios em brilhantes interpretações. Para ouvir e sonhar…

noche de ronda
una mujer
santa
franqueza
ya no me quieres
canciones de guly cardenas
me acuerdo de ti
mi carta
janitzio
calla tristeza
desencuentro
noches de luna

*Texto de Samuel Machado Filho

Os Populares (1969)

A alegria do reencontro. É o que o TM proporciona hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados, ao fazer o “repost” de um dos álbuns do conjunto Os Populares.  O grupo vocal-instrumental foi formado em 1967, ainda no auge da Jovem Guarda, tendo como líder e guitarrista-solo o excelente Júlio César, dissidente de outro conjunto famoso na época, The Pop’s. A ele juntaram-se Paulo Sérgio (guitarra rítmica), vindo do conjunto Os Aranhas, João Carlos (baixo elétrico), ex-Os Bárbaros, Pedrinho (bateria), vindo dos Youngsters, e Carlinhos (teclados). Em princípio, o grupo tinha um estilo basicamente instrumental, com solos de guitarra e órgão, bem na linha “conjunto de beira de piscina e bailes”. A estreia em disco deu-se através de um compacto com músicas de Natal, hoje muito raro. Os Populares apresentaram-se em diversos programas de rádio e TV divulgando seus trabalhos, entre eles o “Rio Jovem Guarda”, “Festa do Bolinha” (ambos da TV Rio), “Tevefone” (Globo), “AP show”, de Aérton Perlingeiro (Tupi) e “Euclides Duarte” (TV Continental). Com apuradíssima qualidade técnica, os álbuns dos Populares obtiveram excelente vendagem. Os quatro primeiros LPs do grupo saíram pela RCA, hoje Sony Music, compostos não apenas de releituras de hits da ocasião, como também apresentando  músicas de autoria do próprio guitarrista-líder, Júlio César, por sinal um dos melhores do Brasil. Em 1971, eles passaram a gravar na Polydor/Philips, hoje Universal Music, só que com execuções em que predominavam os vocais. O grupo se desfez em 1978. Pois hoje o TM traz de volta o quarto álbum dos Populares, e o último que fizeram para a RCA, lançado em 1969. E num clima bem de festa mesmo, a partir da primeira faixa, “Aniversário de casamento”, de Ivanovici (erroneamente creditada a Lourival Faissal, que na verdade fez a versão em português que Carlos Galhardo gravou em 1950). Outro destaque fica por conta da “Canção da criança”, um dos derradeiros sucessos de Francisco Alves, lançado pouco depois de sua morte em desastre rodoviário, em 1952. A estas, juntam-se músicas de cunho tradicional (“Lenda do beijo”, “Ai, mouraria”), hits da ocasião (“Não há dinheiro que pague”, de Roberto Carlos, “Obladi oblada”, dos Beatles,” Ferry ‘cross the Mersey”, de Gerry and The Pacemakers, “Toi toi toi”), e um medley com as belas marchas-rancho “Estrela do mar” e “Pastorinhas”, além de dois trabalhos autorais  do próprio Júlio César, “Mara” e “Balançando”.  Tudo naquele ritmo jovem e vibrante que caracterizava essa época, com o Júlio César dando aquele “banho” característico nos solos de guitarra. Enfim, é com muita alegria que trazemos de volta o quarto LP dos Populares, e com uma resenha bem mais coerente com seu conteúdo, pois da primeira vez repetiu-se a do primeiro álbum, o da “pipoca”, de 1967. Agora está tudo certo, felizmente…

aniversário de casamento
toi toi
canção da criança
não há dinheiro que pague
estrela do mar
obla di obla dá
atravessando o rio mersey
lenda do beijo
ai mouraria
mara
balançando

*Texto de Samuel Machado Filho

Quarteto Excelsior – Coquetel Dançante N. 1 (1958)

Clarinetista, maestro e compositor, paulista de Jaboticabal, porém criado em São José do Rio Preto, Aristides Zaccarias (1911-?) prestou inestimável contribuição à música popular brasileira. Sua orquestra, por exemplo, animou os bailes de carnaval do Clube Internacional do Recife, ao som contagiante do frevo, durante a maior parte dos anos 1950 e até 1961. Além disso, Zaccarias teve também o Quarteto Excelsior, cujo primeiro LP, o dez polegadas “Jantar dançante” (Copacabana, 1955),  já foi oferecido a vocês pelo Toque Musical, e foi regente da Orquestra Namorados do Caribe, que só existiu em estúdio, revezando-se com o maestro Carioca, e de quem o TM, claro, também tem títulos postados, criada pela RCA Victor para fazer frente aos Românticos de Cuba, da Musidisc.  Pois agora apresentamos aos nossos amigos cultos e associados, com a satisfação e o orgulho costumeiros, o segundo LP do Quarteto Excelsior. Trata-se de “Coquetel  dançante”, que a marca do cachorrinho Nipper editou em 1957/58, mais ou menos, já no formato-padrão de doze polegadas. O disco mantém a mesma formação do álbum anterior, com o mestre Zaccarias ao clarinete, Fats Elpídio ao piano, Bill no contrabaixo e Romeu na bateria. E Zaccarias e Romeu ainda atuam como vocalistas, cantando em uníssono.  No repertório, sucessos nacionais (no lado A) e internacionais (no verso), bem no clima das boates e casas noturnas da época. Abrindo o LP, uma composição própria de Zaccarias, “Baião do lavrador”, com a parceria de Walfrido Silva. Seguem-se outros sambas e baiões, com destaque especial para “Tiradentes” (ou “Exaltação a Tiradentes”), samba-enredo clássico que deu à escola Império Serrano o título de campeã do carnaval carioca de 1949, mas que só chegou ao disco em  1955, na voz de Roberto Silva. O lado B nos traz boleros e foxes de sucesso mundial, até hoje lembrados, com destaque para “Angustia”, “Que murmuren”, “True love”, “Anastasia” e até mesmo “Love me tender”, um dos primeiros hits do eterno rei do rock, Elvis Presley. Enfim, uma “brilhante coletânea”, como diz a contracapa, da qual a RCA Victor já pressentia o sucesso de vendas, tanto que colocou  “número 1” no título. E, até 1961, de fato, viriam mais três “Coquetéis dançantes”, sendo este primeiro uma amostra dos que viriam a seguir. É baixar, ouvir e dançar…

baião do lavrador

abre a janela

lá no norte

tiradentes

pau de arara

batuque no morro

the veru thougt of you

love me tender

anastasia

petticoats of portugal

angústia

espérame en el cielo

que murmuren

you’re sensational

i love you, samantha

true love

*Texto de Samuel Machado Filho

Mílton Carlos – Largo do Boticário (1976)

O Toque Musical novamente apresenta um dos nomes mais representativos da MPB na década de 1970, e que o destino, infelizmente, levou muito cedo. Estamos falando de Mílton Carlos Fantucci, ou simplesmente Mílton Carlos.  Ele veio ao mundo no dia 13 de novembro de 1954, na cidade de São Paulo, e era irmão e parceiro da também cantora e compositora Isolda, de quem o TM já postou seu primeiro álbum como cantora-solo.  Nosso Mílton começou a se interessar pela música ainda criança, fazendo histórias e músicas para teatrinhos de bonecos, juntamente com a irmã. Ambos, inclusive, atuaram como “backing vocals” (ou seja, fazendo coro) em gravações de cantores consagrados.  No início dos anos 70, embora muito jovens, Mílton e Isolda já tinham suas músicas gravadas por nomes como Antônio Marcos, Maria Creuza e o conjunto Os Incríveis. E, em 1973, a dupla se consagra definitivamente quando o “rei” Roberto Carlos grava  “Amigos, amigos”, que constitui-se no primeiro grande hit autoral de ambos.  De Milton e Isolda, Roberto ainda gravaria “Jogo de damas” (1974), “Elas por elas” (1975), “Pelo avesso’ e “Um jeito estúpido de te amar” (ambas em 1976). Eles ainda teriam músicas gravadas por Wando (“Amanhã é outro dia”, “Na boca do povo”), Ângela Maria (“Nunca mais”) e Agnaldo Rayol (“Eu levo uma cruz na corrente”).  E o próprio Mílton Carlos também gravaria algumas de suas músicas com Isolda, com aquela voz fina e infantil que muitos a princípio pensaram ser de mulher!  Sua estreia como intérprete acontece em 1974, quando grava um compacto duplo pela RCA, com uma música de autoria de Martinha, “Eu queria”, e outras três que compôs com a irmã Isolda, “Um presente pra ela”, “Amici, amici (Amigos, amigos)” e “Samba quadrado”, esta última constituindo-se em sucesso absoluto de execução e projetando Mílton Carlos nacionalmente. “Samba quadrado” ainda foi, em 1975, faixa-título e de encerramento do primeiro LP de Mílton, que ainda teve outro hit até hoje lembrado, “Memórias do Café Nice”, de Artúlio Reis e Monalisa.  Infelizmente, Mílton Carlos morreria prematura e tragicamente, pouco antes de completar 22 anos de idade, no dia 21 de outubro de 1976, em desastre de automóvel, quando vinha de Jundiaí para São Paulo, a bordo de seu Passat. O acidente aconteceu em um trecho da Via Anhanguera, quando o carro do cantor tentou ultrapassar uma carreta Scania-Vabis e colidiu com um caminhão Chevrolet. Com o choque, o Passat de Mílton desgovernou-se e foi colhido pela carreta. Ele e sua noiva, a também cantora Mariley Lima, que estava com ele, morreram na hora, mas o empresário Genildo Oliveira, que viajava no banco de trás, teve apenas ferimentos leves.  Apesar de abalada com o acidente que levou o irmão e parceiro, Isolda continuou compondo suas canções, e foi justamente em um momento de grande saudade de Mílton, como vocês já sabem,  que ela escreveu seu maior hit autoral, “Outra vez”, gravado em 1977 por Roberto Carlos e lembrado até hoje. Pois o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados o segundo e último LP que Mílton Carlos lançou em vida (houve um terceiro, com gravações inéditas, lançado após sua morte, em 1978, e já postado aqui no TM). Trata-se de “Largo do Boticário”, de 1976, produzido com todo o aparato técnico e artístico que então caracterizava as produções fonográficas da RCA, hoje Sony Music.  Com a coordenação de Marcelo Duran, e produção, teclados e arranjos do sempre eficiente Sérgio Sá, Mílton Carlos apresenta um excelente repertório, a começar pela faixa-título e de abertura, que compôs em parceria com Artúlio Reis, e que segue a linha saudosista de “Memórias do Café Nice”, hit do disco anterior. Da parceria com a irmã Isolda, ele regrava “Elas por elas”, já sucesso com Roberto Carlos, e apresenta as então inéditas “Me mata”, “Último samba-canção”, “Uma valsa, por favor”, “Vexame” e “Um acalanto”, que encerra o disco. Há ainda composições do produtor do disco, Sérgio Sá, em parceria com o próprio Mílton (“Hora do jantar”) e Antônio Marcos (“Da janela”), e da dupla Edson Conceição e Aloísio (“Zé Biriba”), com direito a regravações dos clássicos “Dorinha, meu amor” (samba de José Francisco de Freitas) e “Alguém me disse” (bolero da profícua parceria Evaldo Gouveia-Jair Amorim).  Tudo isso num trabalho imperdível e histórico, onde poderemos conferir, mais uma vez, todo o talento e a musicalidade de Mílton Carlos, e lamentar que o tenhamos perdido de forma tão trágica e prematura. Enfim, coisas do destino…

largo do boticário

da janela

me mata

alguém me disse

hora do jantar

elas por elas

dorinha meu amor

último samba canção

uma valsa por favor

vexame

zé biriba

um acalanto

*Texto de Samuel Machado Filho