Quarteto Excelsior – Coquetel Dançante N. 1 (1958)

Clarinetista, maestro e compositor, paulista de Jaboticabal, porém criado em São José do Rio Preto, Aristides Zaccarias (1911-?) prestou inestimável contribuição à música popular brasileira. Sua orquestra, por exemplo, animou os bailes de carnaval do Clube Internacional do Recife, ao som contagiante do frevo, durante a maior parte dos anos 1950 e até 1961. Além disso, Zaccarias teve também o Quarteto Excelsior, cujo primeiro LP, o dez polegadas “Jantar dançante” (Copacabana, 1955),  já foi oferecido a vocês pelo Toque Musical, e foi regente da Orquestra Namorados do Caribe, que só existiu em estúdio, revezando-se com o maestro Carioca, e de quem o TM, claro, também tem títulos postados, criada pela RCA Victor para fazer frente aos Românticos de Cuba, da Musidisc.  Pois agora apresentamos aos nossos amigos cultos e associados, com a satisfação e o orgulho costumeiros, o segundo LP do Quarteto Excelsior. Trata-se de “Coquetel  dançante”, que a marca do cachorrinho Nipper editou em 1957/58, mais ou menos, já no formato-padrão de doze polegadas. O disco mantém a mesma formação do álbum anterior, com o mestre Zaccarias ao clarinete, Fats Elpídio ao piano, Bill no contrabaixo e Romeu na bateria. E Zaccarias e Romeu ainda atuam como vocalistas, cantando em uníssono.  No repertório, sucessos nacionais (no lado A) e internacionais (no verso), bem no clima das boates e casas noturnas da época. Abrindo o LP, uma composição própria de Zaccarias, “Baião do lavrador”, com a parceria de Walfrido Silva. Seguem-se outros sambas e baiões, com destaque especial para “Tiradentes” (ou “Exaltação a Tiradentes”), samba-enredo clássico que deu à escola Império Serrano o título de campeã do carnaval carioca de 1949, mas que só chegou ao disco em  1955, na voz de Roberto Silva. O lado B nos traz boleros e foxes de sucesso mundial, até hoje lembrados, com destaque para “Angustia”, “Que murmuren”, “True love”, “Anastasia” e até mesmo “Love me tender”, um dos primeiros hits do eterno rei do rock, Elvis Presley. Enfim, uma “brilhante coletânea”, como diz a contracapa, da qual a RCA Victor já pressentia o sucesso de vendas, tanto que colocou  “número 1” no título. E, até 1961, de fato, viriam mais três “Coquetéis dançantes”, sendo este primeiro uma amostra dos que viriam a seguir. É baixar, ouvir e dançar…

baião do lavrador

abre a janela

lá no norte

tiradentes

pau de arara

batuque no morro

the veru thougt of you

love me tender

anastasia

petticoats of portugal

angústia

espérame en el cielo

que murmuren

you’re sensational

i love you, samantha

true love

*Texto de Samuel Machado Filho

Mílton Carlos – Largo do Boticário (1976)

O Toque Musical novamente apresenta um dos nomes mais representativos da MPB na década de 1970, e que o destino, infelizmente, levou muito cedo. Estamos falando de Mílton Carlos Fantucci, ou simplesmente Mílton Carlos.  Ele veio ao mundo no dia 13 de novembro de 1954, na cidade de São Paulo, e era irmão e parceiro da também cantora e compositora Isolda, de quem o TM já postou seu primeiro álbum como cantora-solo.  Nosso Mílton começou a se interessar pela música ainda criança, fazendo histórias e músicas para teatrinhos de bonecos, juntamente com a irmã. Ambos, inclusive, atuaram como “backing vocals” (ou seja, fazendo coro) em gravações de cantores consagrados.  No início dos anos 70, embora muito jovens, Mílton e Isolda já tinham suas músicas gravadas por nomes como Antônio Marcos, Maria Creuza e o conjunto Os Incríveis. E, em 1973, a dupla se consagra definitivamente quando o “rei” Roberto Carlos grava  “Amigos, amigos”, que constitui-se no primeiro grande hit autoral de ambos.  De Milton e Isolda, Roberto ainda gravaria “Jogo de damas” (1974), “Elas por elas” (1975), “Pelo avesso’ e “Um jeito estúpido de te amar” (ambas em 1976). Eles ainda teriam músicas gravadas por Wando (“Amanhã é outro dia”, “Na boca do povo”), Ângela Maria (“Nunca mais”) e Agnaldo Rayol (“Eu levo uma cruz na corrente”).  E o próprio Mílton Carlos também gravaria algumas de suas músicas com Isolda, com aquela voz fina e infantil que muitos a princípio pensaram ser de mulher!  Sua estreia como intérprete acontece em 1974, quando grava um compacto duplo pela RCA, com uma música de autoria de Martinha, “Eu queria”, e outras três que compôs com a irmã Isolda, “Um presente pra ela”, “Amici, amici (Amigos, amigos)” e “Samba quadrado”, esta última constituindo-se em sucesso absoluto de execução e projetando Mílton Carlos nacionalmente. “Samba quadrado” ainda foi, em 1975, faixa-título e de encerramento do primeiro LP de Mílton, que ainda teve outro hit até hoje lembrado, “Memórias do Café Nice”, de Artúlio Reis e Monalisa.  Infelizmente, Mílton Carlos morreria prematura e tragicamente, pouco antes de completar 22 anos de idade, no dia 21 de outubro de 1976, em desastre de automóvel, quando vinha de Jundiaí para São Paulo, a bordo de seu Passat. O acidente aconteceu em um trecho da Via Anhanguera, quando o carro do cantor tentou ultrapassar uma carreta Scania-Vabis e colidiu com um caminhão Chevrolet. Com o choque, o Passat de Mílton desgovernou-se e foi colhido pela carreta. Ele e sua noiva, a também cantora Mariley Lima, que estava com ele, morreram na hora, mas o empresário Genildo Oliveira, que viajava no banco de trás, teve apenas ferimentos leves.  Apesar de abalada com o acidente que levou o irmão e parceiro, Isolda continuou compondo suas canções, e foi justamente em um momento de grande saudade de Mílton, como vocês já sabem,  que ela escreveu seu maior hit autoral, “Outra vez”, gravado em 1977 por Roberto Carlos e lembrado até hoje. Pois o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados o segundo e último LP que Mílton Carlos lançou em vida (houve um terceiro, com gravações inéditas, lançado após sua morte, em 1978, e já postado aqui no TM). Trata-se de “Largo do Boticário”, de 1976, produzido com todo o aparato técnico e artístico que então caracterizava as produções fonográficas da RCA, hoje Sony Music.  Com a coordenação de Marcelo Duran, e produção, teclados e arranjos do sempre eficiente Sérgio Sá, Mílton Carlos apresenta um excelente repertório, a começar pela faixa-título e de abertura, que compôs em parceria com Artúlio Reis, e que segue a linha saudosista de “Memórias do Café Nice”, hit do disco anterior. Da parceria com a irmã Isolda, ele regrava “Elas por elas”, já sucesso com Roberto Carlos, e apresenta as então inéditas “Me mata”, “Último samba-canção”, “Uma valsa, por favor”, “Vexame” e “Um acalanto”, que encerra o disco. Há ainda composições do produtor do disco, Sérgio Sá, em parceria com o próprio Mílton (“Hora do jantar”) e Antônio Marcos (“Da janela”), e da dupla Edson Conceição e Aloísio (“Zé Biriba”), com direito a regravações dos clássicos “Dorinha, meu amor” (samba de José Francisco de Freitas) e “Alguém me disse” (bolero da profícua parceria Evaldo Gouveia-Jair Amorim).  Tudo isso num trabalho imperdível e histórico, onde poderemos conferir, mais uma vez, todo o talento e a musicalidade de Mílton Carlos, e lamentar que o tenhamos perdido de forma tão trágica e prematura. Enfim, coisas do destino…

largo do boticário

da janela

me mata

alguém me disse

hora do jantar

elas por elas

dorinha meu amor

último samba canção

uma valsa por favor

vexame

zé biriba

um acalanto

*Texto de Samuel Machado Filho

Claudia – Reza, Tambor E Raca (1977)

O Toque Musical põe hoje em foco uma das mais expressivas cantoras brasileiras. Estamos falando de Maria das Graças Rallo, que adotou inicialmente o nome artístico de Cláudia, e, por questões numerológicas, passou a se assinar Claudya. Ela veio ao mundo no dia 10 de maio de 1948, na cidade do Rio de Janeiro. Entretanto, foi criada em Juiz de Fora, Minas Gerais, onde também começou a cantar, aos oito anos de idade, participando de um programa de calouros da Rádio Sociedade.  Aos treze anos, atuou como “crooner” do conjunto Meia-Noite, que atuava em bailes e festas de Juiz de Fora e cidades vizinhas. Sua carreira profissional  se inicia nos anos 1960, em São Paulo, quando participa do programa “O fino da bossa”, da antiga TV Record. Entretanto, sua apresentadora, Elis Regina, a baniu definitivamente da atração, pois Claudia foi considerada, logo de saída, uma intérprete tão boa quanto Elis, que evidentemente temia sofrer concorrência. Claudia gravou seu primeiro disco em 1965, na RGE, um compacto simples com as músicas “Deixa o morro cantar”, de Tito Madi, e “Sorri”, de Zé Kéti e Elton Medeiros. Logo no primeiro ano de carreira, foi agraciada com o Troféu Roquette Pinto de cantora-revelação e, em 1967, lançou seu primeiro LP, também pela RGE.  Mais tarde, viajou para o Japão, onde se apresentou ao lado do saxofonista Sadao Watanabe, ficando seis meses naquele  país, e lançando um LP em japonês que vendeu mais de 200 mil cópias! De volta ao Brasil, em 1969, venceu o I Festival Fluminense da Canção, defendendo a música “Razão de paz para não cantar” , de Eduardo Lages e Alézio de Barros, que também concorreu no quarto FIC (Festival Internacional da Canção), obtendo a quarta colocação e dando à nossa Claudia o prêmio de melhor intérprete.  Ela também foi marcante presença em diversos festivais de música no exterior (Japão, Espanha, Grécia, México, Venezuela…), tornando-se a cantora mais premiada fora do Brasil. E, aqui mesmo, recebeu ainda os troféus Imprensa e Globo de Ouro. Claudia tem, em sua discografia, mais de 20 álbuns, entre LPs e CDs, e alguns compactos, e entre seus principais sucessos, destacamos: “Jesus Cristo” (cuja gravação chegou a vender tanto ou mais que a do próprio Roberto Carlos!), “Com mais de trinta”, “Só que deram zero pro Bedeu”, “Deixa eu dizer” (sampleada por Marcelo D2 na música “Desabafo”), “Mudei de ideia”, “Memória livre de Leila” (homenagem póstuma à atriz Leila Diniz, morta em acidente aéreo, composta por Taiguara) e “Gosto de ser como sou”.  O grande momento da carreira de nossa Claudia viria em 1982, ao ser convidada para fazer o papel principal na versão brasileira do musical “Evita”, de autoria dos britânicos Andrew Lloyd Weber e Tim Rice. Grande sucesso de público e crítica, “Evita” permaneceu seis meses em cartaz em São Paulo, e quase dois anos no Rio de Janeiro, e Claudia ainda foi considerada a que melhor interpretou o mito político argentino entre todas as adaptações internacionais do espetáculo. Claudia (ou Claudya) é ainda, desde os 23 anos de idade, exímia tecladista, e sua filha, Graziela Medori, também segue carreira de cantora. Da extensa e bastante expressiva discografia da então Claudia, o TM oferece hoje, a seus amigos, ocultos e associados, o sexto álbum de estúdio da intérprete. É “Reza, tambor e raça”, editado no início de 1977 pela RCA Victor, depois BMG, Sony/BMG e atualmente Sony Music.  Com direção de estúdio do experiente Osmar Navarro, e arranjos e regências a cargo dos competentíssimos José Paulo Soares, Pepe Ávila e Bauru, é um trabalho muitíssimo bem cuidado, técnica e artisticamente. Nele, Claudia dá um banho de interpretação e técnica vocal, seja em regravações de hits da ocasião (“Soy latino-americano”, “O cavaleiro e os moinhos”, “Apenas um rapaz latino-americano”, “Glorioso Santo Antônio”), quanto em trabalhos até então inéditos , como a própria faixa-título, “Reza, tambor e raça”, “Poeta do medo”, “Pororoca” e ‘Ana cor de cana”. E a curiosidade deste trabalho fica por conta da releitura do tema da série de TV norte-americana “Peter Gunn”, sucesso de audiência nos anos 1950/60, composto por Henry Mancini, que ganhou letra em português com o título de “Vai, baby” e acordes brasileiríssimos de samba! Enfim, um excelente trabalho da agora Claudya, cuja voz permanece atualíssima e vibrante. E ela continua aí, na ativa, para alegria de tantos quanto apreciem o que nossa música popular tem de melhor e mais expressivo!

reza, tambor e raça

soy latino americano

glorioso santo antonio

poeta do medo

pororoca

lua negra

apenas um rapaz latino americano

o cavaleiro dos moinhos

vai baby (peter gunn)

segunda feira

homem e mulher

ana cor de cana

*Texto de Samuel Machado Filho

Isolda (1979)

Hoje o TM oferece aos amigos cultos, ocultos e associados o primeiro álbum-solo, como intérprete, de uma compositora que tem mais de noventa músicas gravadas, a maior parte grandes sucessos. Estamos falando de Isolda Bourdot Fantucci, ou simplesmente Isolda.  Foi no dia 9 de janeiro de 1957, em São Paulo, que Isolda veio ao mundo. Seu bisavô e avó maternos foram maestros e compositores, e desde criança ela se interessou por artes em geral. Começou a aproximar-se da música em brincadeiras com o irmão e futuro parceiro Mílton Carlos, escrevendo canções e histórias para teatrinhos de bonecas. Nossa Isolda queria ser jornalista, mas, ainda adolescente, começou a participar, junto com o irmão, de festivais de MPB, muito em moda nas décadas de 1960/70, pelos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, sendo premiados em vários deles. A partir daí, Isolda e Mílton passaram a receber encomendas de músicas de alguns cantores que sentiram grande sensibilidade artística na dupla de irmãos. Entre eles, Roberto Carlos, que, em seu álbum de 1973, incluiu a música “Amigos, amigos”, primeiro grande sucesso autoral de Isolda e Mílton. Este último gravou seu primeiro disco em 1974, um compacto duplo que incluiu “Samba quadrado”, grande sucesso na época, evidentemente composto em parceria com a irmã. Deles, Roberto Carlos ainda gravaria “Jogo de damas” (1974), “Elas por elas” (1975), “Um jeito estúpido de te amar” e “Pelo avesso” (ambas em 1976). Outros cantores também registraram composições de Isolda e Mílton: Wando (“Amanhã é outro dia”, “Na boca do povo”), Ângela Maria (“Nunca mais”) e Agnaldo Rayol (“Eu levo uma cruz na corrente”). O próprio Mílton gravou “Um acalanto”, “Uma valsa, por favor”, “Telerodovida”, “Me mata” e “Vexame”. Infelizmente, a parceria Isolda-Mílton Carlos terminou prematuramente e de forma trágica, em 1976, quando Mílton faleceu em acidente automobilístico na Via Anhanguera, em São Paulo. Mesmo abalada com a morte do irmão e parceiro, Isolda compôs uma balada romântica que seria seu maior sucesso autoral: nada mais nada menos que “Outra vez”, sucesso de Roberto Carlos em 1977 e merecedor de inúmeras regravações no Brasil (Altemar Dutra, Simone, Emílio Santiago…) e no exterior (Peppino di Capri, Armando Manzanero, Ray Conniff…). “Outra vez” recebeu vários prêmios, foi incluída em trilha sonoras de telenovelas  e até hoje é muitíssimo lembrada. “É uma música que sempre vai me acompanhar”, como diz a própria Isolda. Apesar de todo o seu sucesso como compositora, Isolda sempre teve comportamento sóbrio e discreto, chegando até mesmo a evitar contatos com a mídia. Ainda assim, em 1979, concordou em soltar a voz quando, a convite da RCA, hoje Sony Music, gravou seu primeiro álbum-solo, este mesmo que o TM nos oferece hoje. O disco foi produzido pelo sempre versátil Sérgio Sá, que também se incumbiu dos arranjos e regências, além de assinar a faixa “Dois encontros casuais”. É claro que “Outra vez” está presente no repertório deste álbum, junto com outras composições suas (algumas em parceria com o então já falecido irmão, Mílton Carlos) e de outros autores. Com direito até a regravações de “Ilegal, imoral ou engorda”, de Roberto & Erasmo Carlos, “Um jeito estúpido de te amar” (que ela fez ainda com o irmão) e “Tente esquecer” (que compôs solo), estas duas também hits na voz do “rei da MPB”. A faixa de abertura, “Boleríssimo” (outra parceria com o irmão Mílton), chegou até a ser incluída em uma novela da extinta TV Tupi que não terminou, “Como salvar meu casamento”. Após mais de 140 capítulos exibidos, a novela (cuja trilha sonora já havia sido até lançada em disco) teve sua exibição interrompida no início de 1980, por conta da crise financeira que levou a emissora a fechar suas portas.  E a Tupi não deu nenhuma satisfação quanto à exibição dos capítulos restantes…  Ainda assim, “Boleríssimo” fez sucesso, e inclusive foi regravada por Maria Creuza. Isolda só gravaria mais um álbum além deste aqui, o CD “Tudo exatamente assim”, lançado em 2006 pela marca Toca Disc. E este primeiro disco-solo nos oferece a oportunidade de apreciar um pouco de sua arte como cantora e compositora, sempre com apurada sensibilidade e imenso talento. Confiram…

boleríssimo
um jeito estúpido de te amar
você precisa saber das coisas
questão de dias
não faça assim
outra vez
confidências
apague a luz
ilegal imora ou engorda
dois encontros casuais
sem desespero
tente esquecer

*Texto de Samuel Machado Filho

Toquinho – A Sombra De Um Jatobá (1989)

Um cantor, compositor e violonista notável, de longa e vitoriosa carreira no cenário musical brasileiro. Assim é Antônio Pecci Filho, o Toquinho, hoje posto em foco pelo Toque Musical. Ele veio ao mundo no dia 6 de julho de 1946, em São Paulo, e ganhou da mãe o apelido que o acompanharia em toda a sua trajetória . Interessado pelo violão, começou a tomar aulas desde os primeiros anos de sua adolescência. Aprendiz de outro grande violonista, Paulinho Nogueira, acumulou conhecimento para o solo e o acompanhamento, após buscar outras influências, como as de Oscar Castro Neves, Isaías Sávio e Léo Peracchi. A partir da experiência técnica acumulada, começaram suas apresentações públicas, em colégios, faculdades e clubes. O primeiro a colocar letra em uma composição de Toquinho foi Chico Buarque, daí nascendo a música “Lua nova”. Em 1966, lança seu primeiro LP, “O violão de Toquinho”, um trabalho totalmente instrumental. Aproveitando a visibilidade da época, apresenta-se em programas musicais da televisão, inclusive os famosos festivais de MPB da antiga Record. Em 1969, compõe e grava, em dupla com Jorge Ben (depois Ben  Jor), dois grandes sucessos: “Que maravilha” e “Carolina Carol bela”. No mesmo ano, novamente ao lado de Chico Buarque, fez uma turnê pela Itália, durante a qual gravou o álbum “La vita, amico, é l’arte dell’incontro”, com poemas de Vinícius de Moraes musicados e gravados por artistas italianos como Giuseppe Ungaretti e Sergio Endrigo. Entusiasmado com a homenagem, o próprio Vinícius convidou Toquinho para uma temporada de shows na Argentina, ao lado da cantora Maria Creuza. Assim nasceu a dupla Toquinho e Vinícius, sucesso absoluto no Brasil e no exterior, tanto em discos quanto em shows, e que só terminaria em 1980, com a morte do Poetinha. Ao longo da década de 80, Toquinho continuou com grande prestígio, participando do Festival de Jazz de Montreux, Suíça, e tendo sua arte reconhecida internacionalmente. Mais de 65 álbuns gravados, cerca de 260 composições musicais (como esquecer sucessos tipo “Na boca da noite”,  “Aquarela”, “Ao que vai chegar”, “Era uma vez”, “O caderno”, “Tarde em Itapoã”, “Morena flor”, “Coisas do coração” e tantos outros?), e mais de 2.000 shows realizados no Brasil e no exterior, estão no respeitável currículo de nosso Toquinho. E dessa extensa e expressiva discografia, o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados, o quadragésimo-segundo LP de sua carreira, “À sombra de um jatobá”, lançado em 1989 pela RCA/BMG, atual Sony Music. Produzido pelo próprio Toquinho em parceria com Ed Wilson, também cantor e compositor, que ficou famoso no tempo da Jovem Guarda, este trabalho tem dez faixas, a maior parte  assinadas por ele próprio, sozinho ou com parceiros, instrumentadas por arranjadores conceituados, tipo Lincoln Olivetti, Jotinha e Ivan Paulo. Nele, Toquinho mescla gêneros musicais diversos, da balada ao samba rasgado, e não faltam convidados especiais, caso de Eliana Estevão (na faixa “Prêmio e castigo”) e Fagner (“Lindo e triste Brasil”). A faixa de abertura, “Linho e flanela”, é versão do próprio Toquinho para uma música do dominicano Juan Luís Guerra, de quem Fagner também verteu “Borbulhas de amor” (“Burbujas de amor”), posteriormente. O saudoso Vinícius de Moraes assina com Toquinho “Planta baixa”, originalmente lançada em 1974 pelo cantor Betinho, na trilha sonora da novela global “Fogo sobre terra”, e os parceiros de Toquinho em “Nosso amor” são o co-produtor deste disco, Ed Wilson, e Paulo Sérgio Valle. Ele ainda assina, com o irmão João Carlos, “Doce martíro”, e com Mutinho , sobrinho do imortal Lupicínio Rodrigues, “Canção pra Mônica”, que encerra o disco. Todo esse conjunto reafirma a qualidade do trabalho musical de Toquinho, e mostra porque ele é, ainda hoje, importantíssima referência para novos intérpretes e instrumentistas em início de carreira.

lindo e trriste brasil
nosso amor
caminhado juntos
planta baixa
a sombra de um jatobá
prêmio e castigo
doce martírio
misturando idiomas
canção pra monica
linho e flanela

*Texto de Samuel Machado Filho

Rosemary (1967)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Quando se trata de uma postagem ligeirinha, pode deixar que é comigo mesmo. E esta aqui vem a calhar. Como recentemente tivemos aqui a postagem do primeiro disco da Rosemary, feita pelo Samuca, com um rico texto sobre a cantora, acho agora desnecessário qualquer outro complemento, senão apenas informações sobre este lp lançado por ela, em 1967, através do selo RCA Victor. Ao que tudo indica, este foi seu segundo lp, Entre o primeiro e o segundo tiveram também alguns compactos cujas as músicas entraria neste lp de 67. Temos uma cantora mais moderninha, seguindo os passos da Jovem Guarda e como sempre, muito romântica.

não amor
tiquinho você
não te quero mais
pode acontecer amanhã
um coração
o que tem você
feitiço de broto
nada eu seria sem você
canção desafinada
teu olhar
amor feliz
só não pode me faltar você
.

Rosemary – Igual A Ti Não Há Ninguém (1964)

Dando prosseguimento à série de álbuns relacionados à Jovem Guarda, o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados o primeiro LP de uma das mais expressivas cantoras do movimento, até hoje em atividade: Rosemary.  Com o nome de Rosemeire Gonçalves, ela veio ao mundo a 7 de dezembro de 1945, no bairro carioca de Bonsucesso. Gostava de cantar desde a mais tenra idade, e já aos oito anos participou do programa de rádio “Clube do Guri”. Atuando como amadora até os 14 anos, em 1959, adotou o nome artístico de Rosemary. Em agosto de 1961, é lançado pela Chantecler seu primeiro disco, em 78 rpm, apresentando o bolero “Fala, coração” e o samba “Também sou mulher”. O segundo disco vem um ano mais tarde, em junho de 1962, pela Continental, apresentando  os twists “Eu sei” e “Reprovada”.  Foi  justamente com a explosão da Jovem Guarda que Rosemary ficou conhecida do público, cognominada “a fada loira do iê-iê-iê”. Nessa época, gravou sucessos como “Que bom seria”, “Uma tarde no circo”, “Feitiço de broto”, “Juro por Deus”, “Eu que não vivo sem ti” e “O barco”. No cinema, apareceu cantando em filmes como “Na onda do iê-iê-iê”, “Adorável trapalhão” e “Jovens pra frente”, do qual foi inclusive a atriz principal. Com o fim da Jovem Guarda, Rosemary passou a interpretar outros gêneros musicais, com um repertório essencialmente romântico-popular, ainda que chegasse a regravar sucessos de Chiquinha Gonzaga e Cármen Miranda. São dessa fase (anos 1970/80/90) hits como “Quero ser sua”, “Joia (“Sou uma mulher, preciso ser amada”…)”, “Um caso meu”, “Solidão” e “Separação”, esta última em dueto com Amado Batista.  A partir de 1976, sua carreira nos palcos toma impulso por conta de seus shows dirigidos por Abelardo Figueiredo, como “Rose, Rose, Rosemary”, que ficou oito meses em cartaz na boate O Beco, de São Paulo.  Lá, ela também fez, em 1979, o espetáculo “Meu Brasil brasileiro”, depois apresentado na França, Alemanha, Portugal e EUA, onde Rosemary inclusive cantou para o então presidente Jimmy Carter, na Casa Branca, em Washington. Nos anos 80, apresentou shows como “Rosemary Paixão” e “Rosemary mulher”, tendo inclusive atuado em novelas como “Tititi” (primeira versão) e “Cambalacho”, ambas na TV Globo, e apresentado-se na China e no Japão.  Desde o final dos anos 70, é um dos destaques dos desfiles carnavalescos da Estação Primeira de Mangueira, sua escola de samba de coração.  Tem gravados nove álbuns, entre LPs e CDs, um DVD e inúmeros compactos, em mais de 50 anos de carreira. E é justamente o primeiro LP de Rosemary, lançado pela RCA Victor  em julho de 1964, que o TM oferece com a satisfação de sempre: “Igual a ti não há ninguém”. É um disco recheado de versões de hits internacionais, particularmente da música italiana, então desfrutando de grande prestígio no Brasil, a começar pela faixa-título e de abertura, na época sucesso de Rita Pavone (no original, “Come te non c’e nessuno”), o que vem também a ser o caso de ‘Que me importa o mundo? (Che m’importa del mondo)”, “Sempre aos domingos (La partita di pallone)”, “A dança dos brotos (Il ballo del mattone)” e “Meu coração (Cuore)”. Com direito até a um hit de Gigliola Cinquetti, “Non ho l’eta per amarti”, rebatizado como “Poema de ternura”. Nada mais natural, posto que, no Brasil dessa época, as versões faziam bem mais sucesso que os originais. O programa se completa com trabalhos de Erasmo Carlos (“O sonho de todas as moças”), dos irmãos Hélio e Dayse Justo (“Lágrimas de tristeza”, “Ninguém como você”) e até mesmo de José Messias (“O doutor do amor menino”), mais tarde polêmico jurado de televisão. Enfim, um disco que se constitui em precioso documento de época, não só do início de carreira de Rosemary, como também dos preparativos para a explosão definitiva, em 1965, do movimento Jovem Guarda. Imperdível!

igual a ti não há ninguém

lágrimas de tristeza

como sinfonia

sempre aos domingos

o sonho de todas as moças

vintee quatro mil beijos

que me importa o mundo

a dança dos brotos

ninguém como você

o doutor do amor, menino

meu coração

poema de ternura

*Texto de Samuel Machado Filho

Luiz Gonzaga – Ô Véio Macho (1962)

Boa noite, prezadíssimos amigos cultos e ocultos! Hoje eu acordei com vontade de ouvir Luiz Gonzaga e naturalmente, eu não deixaria esse momento passar em branco aqui no Toque Musical. Embora o Gonzagão já tenha sido exaustivamente publicado aqui, Muitos de seus lps, principalmente os de 12 polegadas ainda continuam inéditos, pelo menos por aqui. Assim sendo, aqui vai mais um.
“Ô véio macho” é um lp de carreira, lançado em 1962 pela RCA Victor. Neste disco vamos encontrar o Luiz Gonzaga intérprete e parceiro. São doze faixas recheadas de xote, baião, forró e toada. Aqui, pela primeira vez, Luiz Gonzaga apresenta em disco um de seus parceiros e fã, José Marcolino, com quem divide seis faixas. Disco bacana, gravação com a qualidade que só mesmo a RCA Victor sabia fazer. Confiram…

ô véio macho
balança a rede
sertão de aço
serrote agudo
de teresina a são luiz
pássaro carão
sanfoneiro zé tatu
matuto aperriado
forró de zé dantas
a dança do nicodemos
no piacó
adeus iracema
.

Daltony – Cirrose (1983)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Há algum tempo atrás eu trouxe aqui um compacto do cantor, compositor e violonista Daltony Nóbrega. Hoje temos o lp, disco integral, com todas as faixas, incluindo as duas do compacto. Daltony (Nóbrega) é mineiro, de Juiz de Fora. Iniciou sua carreira musical nos anos 60 participando do Grupo Mineiro, um conjunto vocal que atuou em festivais e também ao lado de artistas como Beth Carvalho, Marlene e outros, já no início dos anos 70. Nessa década, passou a se apresentar sozinho e suas composição foram gravadas por Evinha, Cláudia, Eliana Pittman, Célia, Trio Mocotó, Simone, Roberto Ribeiro e por aí a fora… Continuou participando de festivais e tendo suas músicas defendidas inclusive por outros intérpretes. Foi diretor musical na TV Globo e por lá fez também muita música, inclusive para projetos infantis, como foram os casos de “Plunct plact zum”, “Turma do Pererê” e “Pirlimpimpim”. Durante as décadas de 80 e 90 esteve sempre muito autuante, trabalhando para a televisão, compondo, produzindo, escrevendo roteiros e também gravando seus discos.
Seguimos assim como este lp e caso tenham interesse, já consegui também o segundo disco do Daltony. Num próximo momento a gente publica ele aqui, ok?

cirrose
tereza iná
cadeira de dentista
batista
ode ao detran
amigo malandro
barafunda
só pra faturar
cozinheira granfina
samba da cascata
nouveau riche
falso amor sincero
.

Beth Carvalho – Beth (1986)

O TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um álbum desta grande dama do samba que é Beth Carvalho. Com mais de 50 anos de carreira, ela já recebeu dezessete discos de ouro, nove de platina, e dois DVDs de platina, além de centenas de troféus e premiações. E, desta vez, o TM nos traz “Beth”, lançado em 1986 pela RCA (depois BMG, e hoje Sony Music). Produzido por Renato Corrêa, dos Golden Boys, foi dedicado pela própria Beth a Nara Leão, também sua amiga pessoal, a quem sempre admirou por ter buscado os compositores do povo, cantando suas tristezas e alegrias, e captar os anseios populares. Conforme assinala a jornalista Lena Frias no texto de apresentação, o disco traz uma Beth “ainda mais engajada político-ideologicamente, comprometida com o país e seus destinos”. O que comprova a faixa de maior sucesso do álbum, “Corda no pescoço”, de Almir Guineto e Adalto Magalha, a primeira desse trabalho a chamar a atenção das rádios e do público. E cuja letra, infelizmente, continua atualíssima.  Há boas regravações de “Chega de saudade”, clássico da bossa nova, e “Coisa de pele”, originalmente sucesso na voz de seu co-autor, Jorge Aragão. De quebra, as participações especiais de Zeca Pagodinho em “Dor de amor”, e da cantora argentina Mercedes Sosa, então símbolo vivo da resistência na América Latina, em “Eu só peço a Deus”, num vigoroso “protesto da latinidade”. Com direito a um trabalho inédito de Cartola, falecido seis anos antes, “Espero por ti”, e uma composição do forrozeiro Jorge de Altinho, “Eu quero mais”. Em suas treze faixas, “Beth” é um trabalho impecável, muito bem produzido, de uma artista que sempre acreditou na arte gestada e nascida em terreiros, botecos e tendinhas, tanto que, quando este disco foi lançado, o chamado “pagode de mesa” estourou nas emissoras de rádio, tornando-se mania nacional. Há ainda composições de Arlindo Cruz, Sombrinha, Luiz Carlos da Vila, verdadeiros “cobras” do samba, enriquecendo ainda mais este LP, sem dúvida um ponto altíssimo na discografia de Beth Carvalho. Um verdadeiro manifesto de brasilidade e latinidade! Confiram…

nas veias do brasil

dor de amor

caxambu

partido alto mora no meu coração

padroeira

fogo de saudade

corda no pescoço

coisa de pele

falso reinado

chega de saudade

eu quero mais

espero por ti

eu só peço a deus

*Texto de Samuel  Machado Filho

Expósito E Sua Orquestra – Motivo D’Amore (1965)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ainda continuo no embalo que vim do mês de julho. É como se a festa de aniversário ainda não tivesse chegado ao fim. Ou por outra, no embalo final e etílico do fim de festa. Daí, a gente continua e parece que ainda mais inspirado, hehehe…
Pois é, e assim temos mais um disco do maestro Expósito em nossas fileiras. Depois de termos postado aqui, pelo menos uns quatro disco dessa maravilhosa orquestra, agora me aparece mais este, “Motivo D’Amore”, outro álbum com um sortido repertório contemplando temas nacionais e internacionais. Como em outros lançamentos da RCA Victor, este também não fica a desejar, exceto pelas informações a respeito de Expósito e Sua Orquestra. Este é um nome que só veio a ser desvendado depois que passamos a postar os seus discos. Foi graças aos amigos cultos que conseguimos desvendar o misterioso Expósito. Segundo informações colhidas nos próprios comentários de postagens, Expósito foi um maestro argentino que esteve no Brasil durante a década de 60 fazendo arranjos e regências para a Orquestra da RCA Victor. Gravou com ‘sua’ orquestra pelo menos uma meia dúzia de lps, todos geniais. Possivelmente, deve ter feito mais coisas para a gravadora, que naquela época produzia muito. Na contracapa deste lp podemos ver três lançamentos da gravadora, sendo que um deles é da Orquestra Namorados do Caribe (disco também já postado aqui no TM). Eu suponho que esta também foi outra contribuição de Expósito. Tudo leva a crer, pelo estilo, pelos arranjos, pela orquestra e pela gravadora. Enfim, estamos aos poucos mapeando todo o circuito musical desse maestro argentino pelo Brasil. Confiram mais este disco, que com certeza é um bom motivo para amar 🙂

michael
amore scusami
cheat cheat
motivo d’amore
berimbau
meglio stasera
in ginocchio da te
my boy lollypop
rhythm of the rain
una lacrima sul viso
it’s a mad, mad, mad, mad world
samba de verão
.

Asas Da América (1979), (1980), (1981), (1983) e (1989)

Olá, amigos cultos, ocultos e associados! O TM oferece hoje a vocês os cinco primeiros álbuns do projeto Asas da América, idealizado pelo cantor e compositor Carlos Fernando, lançados entre 1979 e 1989. Nascido em Caruaru, Pernambuco, em 1938, Carlos Fernando se notabilizou por misturar o frevo à MPB, o jazz ao forró e muitas outras inovações, em 40 anos de carreira. Chegou a escrever uma peça de teatro, “A chegada de Lampião no inferno”, baseada em livro de cordel escrito por José Pacheco. A peça inspirou, posteriormente, sua primeira composição musical, “Aquela rosa”, de parceria com Geraldo Azevedo (com quem até apresentou um programa de televisão no Recife), vencedora, em 1967, da Primeira Feira Nordestina de Música Popular, defendida por Teca Calazans, dividindo o prêmio com “Chegança de fim de tarde”, de Marcus Vinícius. Morando no Rio de Janeiro, Carlos Fernando firmou-se como compositor, e teve músicas gravadas pelos maiores nomes da MPB em seu tempo, vários deles presentes nos álbuns que hoje o TM nos oferece. Concebeu trabalhos também para a televisão (“Saramandaia”, “Sítio do Pica-Pau Amarelo”) e cinema (“Pátriamada”, filme dirigido por Tizuka Yamazaki). Entre seus maiores sucessos, ambos gravados por Elba Ramalho, estão “Canta, coração” e “Banho de cheiro” (este último aqui presente). Falecido em primeiro de setembro de 2013, no Recife, aos 75 anos, de câncer na próstata, Carlos Fernando recebeu, um ano mais tarde, um espaço dedicado à sua memória no Museu Memorial de Caruaru, além de uma homenagem na tradicional festa de São João do município. Sem dúvida, a série “Asas da América” foi (e ainda é) o maior legado de Carlos Fernando. Ele deu tratamento pop e futurista ao frevo, acelerando-lhe o andamento e introduzindo arranjos contemporâneos, com guitarra e teclados, fazendo o carnaval pernambucano voltar a ter uma trilha sonora contemporânea. Parcela importante da série nos é oferecida hoje pelo TM, através de seus primeiros cinco álbuns, que apresentam composições não só do próprio Carlos Fernando como também de outros autores.  Entre os intérpretes, nomes de várias tendências e gêneros da MPB: Jackson do Pandeiro, Fagner, Amelinha, Elba Ramalho, Alceu Valença, Chico Buarque, Gilberto Gil, Juarez Araújo, MPB-4, Alceu Valença, o próprio conterrâneo Geraldo Azevedo, Robertinho de Recife, As Frenéticas, Michael Sullivan, Trem da Alegria, Lulu Santos… Os dois primeiros discos foram lançados pela CBS (hoje Sony Music), selo Epic, em 1979-80, o de 1981 pela Ariola, o de 1983 pela Barclay (sucessora da Ariola, que passou a adotar esse nome após sua venda para a Polygram, hoje Universal Music) e o de 1989 pela RCA/BMG, hoje também Sony Music. É no álbum de 1983, inclusive, que está um dos maiores hits autorais de Carlos Fernando, “Banho de cheiro”, na interpretação inesquecível de Elba Ramalho, sucesso absoluto durante o carnaval de 84 e depois do mesmo, e regravada seis anos depois por Alcione em outro disco da série aqui incluído, o de 1989. Outro destaque fica por conta de “Noites olindenses”, que abre esse mesmo volume, na voz de Caetano Veloso. Nele, Zé Ramalho regrava “Frevo mulher” (sucesso na voz de sua ex-esposa, Amelinha), Moraes Moreira revive seu clássico “Festa do interior” e aparece até mesmo uma inacreditável interpretação do roqueiro Lulu Santos para “Atrás do trio elétrico”, de Caetano.  Uma quina primorosa de documentos discográfico-musicais, que representa, sem dúvida, o melhor do precioso legado de Carlos Fernando como compositor e produtor musical. E ainda viriam mais dois LPs, em 1993, e 1995, este último destinado ao público infantil (“Asinhas da América – O pinto da madrugada”). Agora é azeitar as canelas e frevar até se acabar!

* Texto de Samuel Machado Filho

Bolão E Seu Conjunto – Muito Legal (1964)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Depois da postagem do disco da Celly Campello, me lembrei de um outro disco que há tempos esperava sua vez e que por certo tem tudo a ver um com o outro, Bolão e Seu Conjunto. Estamos falando aqui dos pioneiros do rock brazuca. E assim como a Celly, Bolão foi um dos mais atuantes na cena rock’n’roll nacional, tendo inclusive participação nos discos da cantora, marcando presença com seu saxofone. Bolão atuou em orquestras, como músico de estúdio e nos mais diversos discos e gêneros da produção fonográfica brasileira. Mas seu destaque como artista se deu na onda do rock. Gravou, pelo menos uma meia dúzia de discos solos, todos voltados para o twist, hully gully e rockabilly, que na verdade nada mais é do que a surf music e rock’n’roll.
Aqui temos  o álbum ‘Muito Legal’, lançado pela RCA Victor, em 1964. Um disco com um repertório recheado de sucessos, todos internacionais, com excessão de “Rua Augusta”, sucesso inesquecível, de autoria de Hervé Cordovil. Os arranjos são do maestro e pianista Wilson Mauro, que também participa do conjunto. Sem dúvida, um disco muito legal. Confiram…

if i had a hammer
america
about noon
loddy lo
rua augusta
irma la douce
lady of spain
la bamba
sapore di sale
theme from lilies of the field
rhythm of the rain
tzena tzena tzena
.

Zaccarias E Sua Orquestra – Frevos (1958)

Olá amigos cultos e ocultos! No Carnaval deste ano eu fiquei mais por conta de repostar links no GTM do que postar novos/velhos discos relacionados ao tema. Um dos que eu deixei passar foi este com o maestro Zaccarias e sua Orquestra. Mas, sempre é tempo de festa, sempre é tempo de carnaval. Aliás, eu diria, é sempre tempo de frevo. Este não se limita apenas ao carnaval. E aqui temos um lp de dez polegas lançado pela RCA Victor no final dos anos 50 com o Maestro Zaccarias, que um dos grande incentivadores do gênero, sendo orquestra de destaque nas festas do Recife, nos anos 50 e 60. Neste disco estão contidas algumas das marchas/frevos mais tradicionais do carnaval pernambucano.
Para esclarecer isso melhor, nada como um álbum em que sua contracapa nos traz toda a informação necessária. Isso me poupa tempo e evita possíveis erros. (…e deixa eu correr, pois o relógio de ponto me espera). Um bom dia a todos!

frevo dos vassourinhas
freio a óleo
isquenta mulhé
vassourinhas no rio
fogào
carro chefe
vale tudo
vassourinha de levino
.

Classe A – RCA Victor Coletânea (1975)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Se tem uma coisa que eu sempre gostei foi de coletâneas. Eram através delas que a gente  podia degustar diversos artistas de uma determinada gravadora. Uma forma de levar ao público os diferentes artistas, misturando os ‘medalhões’ com aqueles ainda pouco conhecidos. O difícil era achar uma coletânea realmente fina, com artistas e repertório de qualidade. Nesse sentido, a RCA sempre brilhou. Acho que talvez até pela qualidade de seu ‘cast’. Em 1975 a gravadora lançou esta coletânea com alguns de seus mais destacados artistas. Acho que nem preciso falar muito, só pela capa se pode ver que o grupo é seleto, só música bacana, sucessos de uma época onde ainda se fazia boa música. Este é mais dos muitos bons presentes oferecidos pelo amigo Fáres, a quem mais uma vez eu agradeço. E vamos nessa que a coisa é boa. Aguardo vocês no GTM 😉

bodas de prata – joão bosco
diacho de dor – maria creuza e antonio carlos & jocafi
pote de mel – carlos walker
jogo da vida – tamba trio
ligia – lucio alves
chega – ivan lins
disritimia – martinho da vila
meia noite – antonio carlos & jocafi
tristeza chama tristeza – eliana pittman
se alguém telefonar – milton carlos
massa falida – cesar costa filho
flicts – sergio ricardo
.

Pholhas (1977)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Quando penso que vou dar uma pausa nos discos do gênero rock, acabo me lembrado de alguma coisa que faltou, ou que eu  gostaria de postar.
Hoje vamos como o Pholhas, grupo que fez muito sucesso nos anos 70. Lançaram vários discos, lps e compactos, sempre com músicas cantadas em inglês, Fizeram muito cover de bandas gringas, mas se destacaram mesmo foi na produção autoral, tendo seus discos sempre muito bem vendidos. Emplacaram hits que são lembrados até hoje. Foram dezenas de discos gravados, sempre buscando acompanhar o gosto padrão imposto pelas rádios. Um pop/rock que muitos consideravam meloso, mas que agradava em cheio o gosto popular (como esse nosso povo gosta de música estrangeira, hehe…) Ao longo do tempo a banda sofreu algumas alterações, tanto entre seus músicos como também no gênero. Gravaram até discoteca. Mas isso só serve para provar a versatilidade dos caras. Com a saída do tecladista Hélio Santisteban, entrou em seu lugar Marinho Testoni, do Casa das Máquinas, que deu a banda um outro rumo. Lançaram este disco, um álbum verdadeiramente rock, com muitas pitadas do progressivo e com letras totalmente em português. Ao contrário do que se esperava, o disco não vendeu muito, espantou a turma do mela cuecas e acabou ficando meio esquecido. Só quem gosta de rock se antenou para o disco que acabou se tornando a ‘obra cult’ dos Pholhas. O disco é, sem dúvida um empolgante trabalho do rock tupiniquim. Músicas boas, letras em português, enfim, o único da espécie na discografia da banda. Ao que consta, o Pholhas continua em atividade, com sua formação original, trazendo de volta um bom momento para os saudosistas.

panorama
imigrantes
somente rock’n’roll
solidão
águas passadas
metrô-trem
anoiteceu
dr silvana
pra ser mais eu
luzes, câmaras, ação
.

Rosemary – Igual A Ti Não Há Ninguém (1964)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Trago hoje para vocês a ‘Fada Loura da Juventude”, a eterna Rosemary, cantora e atriz que todos conhecem desde os tempos da Jovem Guarda, onde foi uma das grandes atrações (musicais) do movimento. A carreira artística de Rosemary começa quando ela ainda era praticamente criança. Aos 14 anos gravou seu primeiro disco compacto. Em 1964 veio este que foi se álbum de estréia, um lp lançado pela RCA Victor, com produção de Paulo Rocco, diretor artístico da gravadora. Rosemary nos traz um repertório romântico, pré-jovem guarda, com temas nacionais e versões internacionais. Destaco aqui a faixa “O sonho de todas as moças”, música do Tremendão Erasmo Carlos. Os arranjos ficaram a cargo dos mestres José Menezes e maestro Carioca. Taí um disco que eu ainda não em outras fontes. Aproveitem para conferir logo, pois o tempo é curto e links nem sempre tem retorno, ok?

igual a ti não há ninguém
lágrimas de tristeza
como sinfonia
sempre aos domingos
o sonho de toda moça
vinte e quatro mil beijos
que me importa o mundo
a dança dos brotos
ninguém como você
o doutor do amor, menino
meu coração
poema de ternura
.

Compactos – Nerinho Silva (1967) – Noel Carlos (1970) – Rubem Gerardi (1970) – Nilza Pelegrino, Maria Aparecida e Carmem Vilar (1963)

E aí vai, para os amigos cultos, ocultos e associados do nosso Toque Musical, mais um lote de compactos, tipo da postagem sempre bem acolhida por vocês. Hoje temos quatro raríssimos tesouros de sete polegadas, para a alegria dos colecionadores.Pra começar, um compacto duplo do selo Guarani, que pertencia à editora musical Mangione, sem ano exato de lançamento conhecido e de cunho carnavalesco. Aqui, temos intérpretes não lá muito famosas, porém com ótimas qualidades vocais. No lado A, Nilza Pelegrino interpreta duas composições de Moacyr Garrafa, a marcha-rancho “Lembranças do passado” e o samba “Crueldade”, esta de parceria com Roberto Ybraim. No lado B, temos Maria Aparecida interpretando o samba “Pesadelo”, de Talvi Villaró, Vicente Rodrigues e Oswaldo Mendes, e, para encerrar, Cármen Vilar nos traz a marchinha “O embalo”, também de Talvi Villaró, desta vez sem parceiro. Carioca de Vila Isabel, Nerino (Teodoro da) Silva (1920-1979) radicou-se em São Paulo, estreando em disco pela RGE, em 1957, passando depois por várias outras companhias. Aqui o TM oferece um compacto simples da RCA Victor de 1967, no qual ele interpreta dois clássicos de nossa música popular:  de um lado, o samba “Laranja madura”, do mestre Ataulfo Alves, e, de outro, “Súplica cearense”, originalmente toada-baião e aqui samba-canção, de autoria de Gordurinha e Nelinho (no selo aparece como parceiro um certo Manoel Ávila Peixoto). As duas faixas apareceram mais tarde no LP “Deixe comigo”, que encerra justamente com “Súplica cearense” e é considerado o trabalho mais conhecido de Nerino Silva em disco. Em seguida, mais carnaval, agora com Noel Carlos, apresentando um single Copacabana de 1970, para a folia de 71. Ele canta duas marchinhas que fez em parceria com João Roberto Kelly e Elzo Augusto, “Meu bem, sai da fossa (Tobogã)” e “Deixa pro ano que vem (Neném)”. Para encerrar, Rubem Gerardi em mais um single da Copacabana para o carnaval de 1971, interpretando dois sambas, “Os galhos da velha mangueira”, de Djalma da Mangueira e Orlando Gazzaneo, e “Trata da sua vida”, do próprio Gerardi em parceria com F. Conceição e A. Pereira.  Autênticos e raros tesouros musicais que o TM possui a satisfação de oferecer a vocês. Aproveitem

lembrança do passado – nilza pelegrino
crueldade – nilza pelegrino
pesadelo – maria aparecida
o embalo – carmem vilar
súplica cearense – nerino silva
laranja madura – nerino silva
deixa pro ano que vem – noel carlos
meu bem sai da fossa – noel carlos
os galhos da velha mangueira – rubem gerardi
trata da sua vida – rubem gerardi
*Texto de Samuel Machado Filho
.

Duardo Dusek – Compacto (1978)

O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um compacto. Desta vez, é um single de início de carreira de um irreverente ator, cantor e compositor: Eduardo Dussek.  Batizado com o nome de Eduardo Gabor Dusek, nosso focalizado nasceu no Rio de Janeiro, no comecinho do ano de 1958, ou seja, a primeiro de janeiro. Começou sua carreira artística na adolescência, aos quinze anos, como pianista de peças teatrais, ocasião em que também estudava na Escola Nacional de Música. Mais tarde, passou a compor suas próprias músicas e montou uma banda, devidamente apadrinhada por Gilberto Gil.  Em geral, as composições musicais do então Eduardo Dusek aliam sátira e bom humor. Sua estreia em disco deu-se em 1975, ao interpretar “Ela não sabia nada (Piccadilly rock)”, parte da trilha sonora da novela “Bravo!”, da TV Globo, assinando-se a princípio como Duardo Dusek.  Já com músicas gravadas por nomes de peso da MPB (como, por exemplo, “Seu tipo”, na voz de Ney Matogrosso, e “Folia no matagal”, por Maria Alcina, mais tarde regravada por Ney e por ele mesmo), revelou-se para o grande público em 1980, no Festival de MPB da Globo, interpretando “Nostradamus”, de sua autoria, cantando e tocando piano de fraque, asas e ceroula branca! Ainda nesse ano, gravou seu primeiro álbum-solo, “Olhar brasileiro”. Mas o estouro definitivo aconteceria em fins de 1982, quando gravou o LP “Cantando no banheiro”, no qual se destacaram os hits “Barrados no baile”, “Rock da cachorra” e a faixa-título.  Entre outros sucessos, destacam-se: “Brega-chique – O vento levou black” (mais conhecida por “Doméstica”), “Cabelos negros”, “Eu velejava em você”, “Amor e bombas” (que tocava na abertura de outra novela global, “Bebê a bordo”) e “Aventura”.  Em 1989, atuou no musical “Loja de horrores”, no papel de um dentista. Seus trabalhos em televisão foram muitos, particularmente no especial infantil “Plunct plact zuuuum” (Globo, 1983), no papel de um professor de Matemática, e em novelas, como “Xica da Silva” (Manchete, 1996, na qual fez o Capitão-Mor Emanuel  Gonçalo). Na Globo, interpretou a si próprio nas novelas “As filhas da mãe” (2001), “Celebridade” (2004), “Tititi” (segunda versão, 2010) e no seriado humorístico “Sob nova direção”. Também fez personagens fictícios em outras produções da emissora. Quando este comentário estava sendo redigido, estava no ar em “I love Paraisópolis” (2015), interpretando o personagem Armandinho. No cinema, atou em “Federal” (2010) e “Os penetras” (2012). Sua discografia como intérprete abrange sete álbuns-solo, gravados entre 1980 e 2011, e o coletivo “Sassaricando – E o Rio inventou a marchinha” (2006), trilha sonora do musical teatral de mesmo nome.

 Aqui, o TM oferece um raro compacto simples deste artista notável e de talento, então assinando-se como Duardo Dusek.  Lançado em 1978 pela RCA, hoje Sony Music, foi produzido a quatro mãos por Nelsinho Motta e Eustáquio Sena, com arranjos de Don Charles, e apresenta duas composições dele mesmo em parceria com Cássio Freire. Abrindo o single, “Não tem perigo”, e, no verso, “Apelo da raça”. Um disco realmente difícil de se encontrar e bastante raro, mas revela  um talento de futuro bastante promissor. Desfrutem
*Texto de Samuel Machado Filho
não tem perigo
apelo da raça
.

Barros De Alencar – Compacto (1975)

O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados um compacto duplo de 1975, selo RCA Victor, com quatro músicas interpretadas pelo cantor, compositor e radialista Barros de Alencar. Nosso focalizado, na pia batismal Cristóvão Barros de Alencar, veio ao mundo na cidade de Uiraúna, Paraíba, no dia 5 de agosto de 1932. Sua carreira de comunicador começou na Rádio Borborema de Campina Grande. Com o objetivo de buscar novos horizontes, viajou por inúmeras capitais brasileiras, tais como Recife, Fortaleza, Belo Horiznte e São Paulo, onde finalmente conseguiu um  lugar ao sol, em meados da década de 1960, contratado pela PRG-2, Rádio Tupi, então “a mais poderosa emissora paulista”.  Seu programa “Só sucessos”, em que executava os hits da ocasião, foi durante anos campeão absoluto de audiência, sobretudo entre as camadas mais populares. Barros passou também pelas rádios Record, América e Super Tupi (hoje Super Rádio). Na televisão, foi sucesso de audiência na Record, entre 1982 e 1986, com o “Programa Barros de Alencar”, onde ficou famoso com o bordão “Alô, mulheres, sentem-se nas cadeiras! Alô, marmanjos, não façam besteiras!” Gravou seu primeiro disco como intérprete em 1966, pela Chantecler, um compacto simples com duas versões: “Agora sim (Adesso si)”  e “Não vá embora (Tu me plais et je t’aime)”.  Inúmeros foram seus sucessos como cantor (que, evidentemente, executava em seus programas de rádio): “Olhos tristes” (coma participação de Giane), “Noites”, “Ana Cristina” (“Teus olhos são rasgadinhos, de boneca japonesa”…), “Meu amor é mais jovem do que eu”, “Namorados”, “Emanuela”, “Prometemos não chorar”, “Apenas três minutos” etc. Ao todo, gravou sete compactos e cinco LPs, além de participações em inúmeras coletâneas.  Por causa de uma delicada cirurgia na garganta, Barros de Alencar teve de se afastar das atividades artísticas.

O compacto duplo de Barros de Alencar que o TM possui a grata satisfação de oferecer hoje a vocês, oferece quatro músicas que fizeram muito sucesso quando lançadas, em 1975, captando muito bem o gosto e a sensibilidade popular, no que é chamado de música brega, termo em princípio pejorativo, sinônimo de “cafona”, mas hoje designa música popular facilmente assimilável. “Por esse amor que tu me dás”, a faixa de abertura, é versão de Jean Pierre para um hit do cantor espanhol Júlio Iglésias. Seguem-se “Estou ficando louco”, “Natali” (outra versão de Jean Pierre, esta para um sucesso do cantor italiano Umberto Balsamo) e, por fim, “A menina que cresceu”, composta por Tony Damito e Cézar para o filme “O conto do vigário”, dirigido por Kleber Afonso, e no qual Barros era o ator principal, contracenando com a também cantora Nalva Aguiar.  Enfim, um trabalho que mostra Barros de Alencar em um dos melhores momentos de sua carreira, e por certo vai reavivar as lembranças de muitos que vivenciaram esse tempo. Divirtam-se!
por esse amor que tu me dás
estou ficando louco
natali
a menina que cresceu
* Texto de Samuel Machado Filho