João Nogueira (1972)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Para começarmos bem o ano, escolhi um disco que também representa um começo. O começo da carreira do grande compositor e sambista João Nogueira. Este foi o seu primeiro lp, lançado pela Odeon, em 1972. A capa do disco é originalíssima, replicando a manchete do jornal O Globo, onde o escritor e jornalista Carlos Jurandir nos apresenta o artista e seu disco de estréia. Certamente, a manchete saiu antes do lançamento do disco. A capa, por si só, já dá o recado e eu como sou muito preguiçoso, aproveito a onda pra ir de jacarezinho. Ou seja, recomendo, maiores informações, consulte a capa 😉
Sei que há tempos tenho andado um tanto desleixado com minhas postagens, inclusive o trabalho de apresentação. Depois que troquei o computador e perdi meus programas piratas de edição de imagens, nem as capas eu tenho tratado. Mas como um autêntico virginiano, eu odeio essas ‘meia-bocas’, para mim, a coisa tem que estar certinha. Acho que só não tomei providências ainda, porque ninguém tem reclamado. Aliás, quase ninguém mais dá sinal de vida neste blog. Sei que eu sou um chato de dar medo, mas fiquem tranquilos, eu ainda não mordo. (kkk…)

morrendo verso em verso
maria sambamba
beto navalha
mãe solteira
alô madureira
heróis da liberdade
mariana da gente
prum samba
meu caminho
das 200 pra lá
blá blá blá
.

Brasil Selo Exportação (1978)

No decorrer dos anos 1970, com o sucesso obtido pela Som Livre, gravadora vinculada à Rede Globo de Televisão, as emissoras concorrentes decidiram criar seus próprios selos fonográficos. Dessa maneira, surgiram a Bandeirantes Discos, a Seta (vinculada à Record)e a GTA (Gravações Tupi Associadas). Esta última, vinculada à Rede Tupi, grande rival da Globo na época, surgiu em 1976, e seu primeiro lançamento foi a coletânea “Sucessos pop Difusora”, recheada de hits internacionais, e produzida pela rádio AM paulistana de mesmo nome, que também pertencia ao grupo Diários Associados e tinha uma programação para a juventude, embrião do que as FMs teriam bem mais tarde. O disco (que tinha na capa o desenho de uma macaca vestida de Mona Lisa) foi um sucesso, sendo logo seguido de um segundo volume. A GTA fazia praticamente o mesmo que a Som Livre, ou seja, trilhas sonoras das novelas da Tupi e compilações nacionais e internacionais de gêneros diversos, a partir de fonogramas cedidos pelas co-irmãs. Mas, com a falência da emissora, em 1980, acabou também sumindo do mercado fonográfico, o mesmo acontecendo com a Seta e a Bandeirantes Discos, que também não foram muito longe. A Som Livre, vocês sabem, continua na ativa. É justamente uma coletânea da GTA que o Toque Musical está oferecendo hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados. Trata-se de “Brasil selo exportação”. Com seleção de repertório a cargo de Ana Maria Mazzocchi, cujo nome está ligado ao extinto Sebo de Elite, uma loja de discos raros que comandou por mais de quinze anos em São Paulo, o álbum reúne vários nomes da MPB de então, a maior parte bastante conhecidos. A exceção fica por conta de Neuber, um cantor-compositor que a própria GTA tentou emplacar sem êxito, aqui com a faixa “Análise”, que encerra o LP. No mais, verdadeiras “feras” da MPB batem ponto neste disco: Maria Bethânia, logo de saída, vem com “Terezinha”,  cujo autor, Chico Buarque, aparece logo em seguida com a não menos antológica “Basta um dia”, também composição sua. Temos ainda a inesquecível Elis Regina com “Sentimental eu fico”, de Renato Teixeira, Lula Carvalho com “Portão antigo”, releitura de uma composição de Antônio Maria originalmente lançada por Renata Fronzi em 1953, Ney Matogrosso interpretando “A gaivota”, de Gilberto Gil, a não menos inesquecível cantora e violonista Rosinha de Valença com sua “Os grilos são astros”, Fafá de Belém com a sensível “Dentro de mim mora um anjo”, de Suely Costa e Cacaso, João Nogueira com sua “Albatrozes”, Nana Caymmi revivendo “Perdoa, meu amor”, de Georges Moran e J. G. de Araújo Jorge, hit de Orlando Silva em 1947, Gal Costa com a versão “Louca me chamam” (Crazy he calls me)”, feita pelo poeta concretista Augusto de Campos a partir de original dos norte-americanos Carl Sigman e Bob Russell, e Alaíde Costa com um trabalho da parceria Ivan Lins-Vítor Martins, “Corpos”. Tudo isso em uma compilação de inestimável valor artístico e histórico, trazendo de volta um pouco da melhor MPB da década de 1970. É ouvir e comprovar.

terezinha – maria bethania

basta um dia – chico buarque

sentimental eu fico – elis regina

portão antigo – lula carvalho

a gaivota – ney matogrosso

os grilos são astros – rosinha de valença

dentro de mim mora um anjo – fafá de belém

albatrozes – joão nogueira

perdoa meu amor – nana caymmi

louca me chamam – gal costa

corpos – alaide costa

análise – neuber

*Texto de Samuel Machado Filho

Noitada De Samba (1978)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Tenho hoje para vocês uma ‘Noitada de Samba’. Vamos hoje com um disco que certamente passou batido  para muita gente. Coisa fina, coisa rara…
Em 1971 nascia a ideia da Noitada de Samba, um projeto musical criado por Jorge Coutinho e Leonides Bayer. Um encontro de grandes artistas da música popular brasileira que aconteceu no Teatro Opinião por mais de uma década! A Noitada de Samba surgiu em plena ditadura, sendo um foco de resistência, onde os artistas buscavam através de suas músicas expressar seus sentimentos de oposição ao regime militar. O Teatro Opinião foi palco de um espetáculo musical de samba, do artista popular, compositor e intérprete carioca. Um espetáculo que acontecia todas as segundas feiras. Pela noitada passaram dezenas de artistas, grandes nomes do samba como Adelzon Alvea, Ademildes Fonseca, Alcione, Aluisio Machado, Arlindo Cruz, Baianinho, Beth Carvalho, Carlos Lyra, Dona Ivone lara, Leci Brandão, Roberto Ribeiro, Monarco, Cartola, Nelson Cavaquinho, Paulinho da Viola, João Nogueira, Martinho da Vila e tantos outros que nem dá para listar. Não somente os sambistas, mas artistas em geral, tinham no Teatro Opinião im dos poucos espaços de expressão. Foram 617 espetáculos ao longo de 13 anos. A Noitada de Samba durou até 1984, Recentemente virou um documentário, dirigido por Cely Leal, (preciso assistir!).
Este disco, um álbum histórico, reúne um pouco do que do que foi a Noitada de Samba, trazendo registros de Clara Nunes, Cartola, Nelson Cavaquinho, Paulinho da Viola, Odete Amaral, Xangô da Mangueira e muitos outros. É uma pena que seja um disco simples. Considerando o tempo que esse projeto durou, a centena de artistas que participaram e certamente as infinitas horas de gravação, poderiam ter gerado, no mínimo um álbum duplo. Mas é compreensível, tem sempre aquela questão dos direitos autorais, contratos de exclusividade e tantos outros obstáculos nesse grande negócio que foi o mundo da música.

seca do nordeste – clara nunes
tom maior – conjunto nosso samba
em cada canto uma esperança – dona ivone lara
tempos idos – odete amaral e cartola
ao amanhecer – cartola
estrela de madureira – roberto ribeiro
folhas caídas – odete amaral
eu e as flores – nelson cavaquinho
jurar com lágrimas – paulinho da viola
moro na roça – clementina de jesus
meu canto de paz – joão nogueira
verdade aparente – gisa nogueira
ah, se ela voltasse – baianinho
isso não são horas – xangô de mangueira
.

 

João Nogueira & Cartola – Projeto Pixinguinha 1977 (2014)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Já faz tempo que eu não dou sequência a esta coleção de shows do Projeto Pixinguinha. Tá na hora de voltar, pois afinal ainda temos uma dezena de espetáculos, com um time de artistas de primeiríssima. Como já informei em outros volumes, as gravações aqui apresentadas fazem parte de material do excelente site “Brasil  Memória das Artes“, um projeto da Funarte onde boa parte do seu acervo em áudiovisual está disponível para consulta permanente. Entre esses os registros de shows do Projeto Pixinguinha.
Como todos podem ver, temos aqui em nosso volume 8 dois grandes sambistas. Melhor ainda, dois grandes compositores reunidos em show realizado em 1977. Aqui temos apenas 17 músicas, num roteiro que contava com mais de 20. Infelizmente nem todas foram disponibilizadas. Procurei editar cada música seguindo a sequência do programa. A gravação não está muito boa pois o som captado vem apenas dos microfones de voz. Daí, os instrumentos aparecem muito baixo. Mas mesmo assim vale a pena conferir esse encontro histórico.

nó na madeira – joão nogueira
batendo a porta – joão nogueira
wilson geraldo noel – joão nogueira
pimenta no vatapá – joão nogueira
espelho – joão nogueira
samba da bandola – joão nogueira
alvorada -cartola
corra e olhe o céu – cartola
disfarça e chora – cartola
autonomia – cartola
o mundo é um moinho – cartola
acontece – cartola
chorando pelos dedos – joão nogueira
tive sim – joão nogueira e cartola
não quero mais amar a ninguém – joão nogueira e cartola
o sol nascerá – joão nogueira e cartola
.

João Nogueira – E Lá Vou Eu (1974)

Boa noite, amigos cultos e ocultos. Continuo devendo a reposição de alguns ‘toques’ solicitados. Peço que me desculpem, mas remar este barco sozinho não é fácil. E as vezes, algumas ‘reposições’ merecem uma ‘reedição’, daí demora mesmo.
Tenho hoje para vocês um disco de João Nogueira. Mais precisamente o segundo álbum de sua carreira, lançado em 1974 pela Odeon. “E lá vou eu” é um álbum bacana, como todos os outros que ele gravou, mas que há muito andava sumido da praça. Me lembro de tê-lo visto relançado há tempos atrás, naquela série criada pela Odeon, a “2 em Um”, onde em um único cd haviam dois álbum de um determinado artista, no caso do João foi “E lá vou eu” com o “Vem que tem”. No presente lp vamos encontrar doze faixas, sendo dez delas composições de João Nogueira e parceiros (Gisa Nogueira e Paulo Cesar Pinheiro). Duas outras faixas vão pra o clássico de Noel Rosa, “Gago apaixonado” e “De rosas e coisas amigas”, de Ivor Lancellitti, que também participa na gravação. Taí meu toque do dia, ligeirinho, pois tem mais boi na linha 😉 Deixa eu ir…

e lá vou eu (mensageiro)
batendo a porta
sonho de bamba
meu canto de paz
de rosas e coisas amigas
eu hein, rosa!
do jeito que o rei mandou
partido rico
tempo a bessa
braço de boneca
gago apaixonado
eu sei portela

Brazilian Music Now (1977)

Boa noite, amigos cultos e ocultos. Mais uma vez eu estou chegando no fim do dia, aproveitando a brecha, ou talvez os poucos minutos livres que antecedem ao sono. Escolhi este disco para ser a estampa da próxima semana. Quero dizer, VOU DAR UMA PAUSA por alguns dias. Preciso descansar minha cabeça e me afastar de alguns problemas. Portanto, já fiquem os amigos avisados da minha ausência na próxima semana, ok? Espero voltar antes do Natal, vamos ver…
Segue assim mais um exemplar da série, promocional criada pela Funart para o então Departamento de Cooperação Cultural, Científica e Tecnologia do Ministério das Relações Exteriores, a partir de 1978. A ideia era a de propagar a diversidade musical brasileira pelos cinco continentes, em vários países, dando a esses a oportunidade de conhecer melhor o variado leque musical produzido originalmente em nosso país. Ao que tudo indica, esse trabalho teve bons resultados, o que acabou gerando uma segunda versão, a qual passou-se a chamar “Projeto Ary Barroso” e sendo coordenado por Hermínio Bello de Carvalho.
Neste álbum, o número 3, iremos encontrar uma excente e variada coletânea com alguns de nossos melhores artistas, contratados da EMI – Odeon desde a década de 50. As músicas interpretadadas por eles foram sucesso que é muito bom relembrar. Confiram…

marinheiro só – clementina de jesus
foi um rio que passou em minha vida – paulinho da viola
canto de areia – clara nunes
mineira – noão nogueira
estrela madureira – roberto ribeiro
ponto de caboclo desengano – joão de aquino
quadras de roda – ivan lins
gota d’agua – simone
moleque – luiz gonzaga jr
dentro de mim mora um anjo – sueli costa
das rosas – dorival caymmi
1×0 – pixinguinha

Aniceto do Império – Partido Alto Nota 10 (1984)

Vou aproveitar o fim de semana para atender aos pedidos. Ontem foi a coletânea de compactos da RCA, hoje vamos com o Aniceto do Império e seus convidados. Depois de haver postado aqui o raro lp “O Partido Alto de Aniceto e Campolino“, alguns de nossos frequentadores pediram mais. Daí, vamos como este “Partido Alto Nota 10”, um álbum lançado pela CID em 1984, hoje tão raro quanto o primeiro e como o outro, um discaço! Temos aqui Aniceto muito bem acompanhado pela nata da música negra e do samba. Não precisa nem repetir nomes, tá na capa! Não devemos também esquecer da cozinha que traz José Menezes na viola, violão e cavaquinho, a turma do Conjunto Nosso Samba e o grupo vocal As Gatas.
Taí, um disco nota 10 para um domingo ensolarado (pelo menos para as bandas de cá). Agora é mandar descer a cerveja, os tira gostos e aumentar o volume do som. “Quem fugir dos preceitos vai ficar ‘enquizilado’ e ‘quizila’ de Aniceto não sai com engambelo”.

partido alto
desaforo
é fogo
chega devagar
difícil
ginga de yayá
quando louvar partideiro
enterevista
és partideiro?
quem é teu pai
mulher na presidência
dona maria luiza

João Nogueira – Recado De Um Sambista (1985)

É, pelo jeito os amigos andam mais cultos que ocultos. Isso é bom, conviver com gente culta é sempre mais vantajoso. Eu estou sempre aprendendo, quando não o português correto, a maneira de como melhor lidar com certas situações embaraçosas. Me expondo assim, publicamente, sei que de vez em quando acabo ‘pagando mico’. Mas faz parte da ‘brincadeira’ e acaba sendo um bom motivo para um comentário. Fica claro que realmente existe vida inteligente (e culta, principalmente) orbitando pelo meu planeta Toque Musical. Daí é que eu estou sempre me lapidando. É vantajoso 😉

Bom, vamos ao assunto principal da postagem. Vamos hoje com o maravilhoso João Nogueira neste álbum que mais parece uma coletânea com tantas faixas de sucesso. Lançado em 1985, “Recado de um sambista” é mais um dos excelentes trabalhos do sambista compositor. Estão reunidas aqui composições próprias; grandes parcerias, como Paulo Cesar Pinheiro, Ney Lopes, Claudio Jorge, Eugênio Monteiro e Zé Catimba. Há também interpretações de outros compositores como Noel Rosa, Eduardo Gudim, Luiz Grande, Mauro Duarte e Walter Nunes. Este disco é, sem dúvida, um dos álbuns de maior sucesso de João Nogueira e pelo que eu pude verificar, ainda meio inédito na ‘blogosfera’. Escutem esse toque…
bate boca
maria rita
nó na madeira
batendo a porta
do jeito que o rei mandou
mineira
o homem de um braço só
pimenta no vatapá
e lá vou eu (mensageiro)
espere oh! nega
sonho de samba
gago apaixonado
recado ao poeta
baile no elite

João Nogueira – O Homem Dos Quarenta (1981)

Meus amigos, atrasei com a postagem de ontem porque não estou podendo digitar textos devido às inúmeras picadas de agulha que recebi no braço para tirar sangue, tomar sôro e outros exames que andei fazendo. Comecei a escrever e meu braço inchou. Por isso irei devagar…

Segue aqui um João Nogueira ‘de gaveta’, num disco já bem conhecido por todos, mas que é sempre bom relembrar. Paro por aqui… meu braço está doendo, desculpem…
homem dos quarenta
meu dengo
besouro da bahia
pimpolho moderno
transformação
minha missão
dinheiro nenhum
juramento falso
coisa ruim demais
temores

João Nogueira – Espelho (1977)

Olá amigos cultos e ocultos, seguidores e espectadores, fiquem a vontade… se conseguirem… Eu, sinceramente estou um pouco desanimado com essa onda de bloqueio. Ainda não consegui entender o que está acontecendo. Tenho entrado em outros blogs para ver se mais algum está como eu e pelo jeito, vi que são muito poucos. Dos blogs de música, apenas o Toque Musical está sendo travado. Tentei entrar através de outros computadores, mas todos dão a mesma coisa. Se isso foi algo premeditado, tentando me prejudicar, saibam que eu não dou a mínima. Recomeço em outro lugar. Refaço tudo de novo se for preciso. Eu não estou perdendo nada além do prazer de compartilhar com vocês as raridades da minha fonte. Aliás, este pode ser um bom motivo para que eu volte a concentrar mais no meu acervo digital, que modestamente já chega a uns sete terabites. Darei mais um tempo para ver até onde vai isso, mas se continuar, podem se preparar para novas mudanças. Por enquanto, o único espelho que trarei é o disco do João Nogueira, que hoje estou tentando apresentar.
Lançado em 1977, “Espelho” é um hoje um clássico do samba. Um disco maravilhoso, repleto de pérolas como “Espere Oh! Nega”, “O Passado da Portela”, “Pimenta no Vatapá” e faixa que dá nome ao disco, “Espelho” – maravilhosa parceria de João com Paulo Cesar Pinheiro. Acompanham o artista outros nomes de peso do samba e da música popular como, Dino Sete Cordas, Wilson das Neves, Luizão Maia (o baixista do samba), Sérgio Barroso, Marçal, Edson Frederico, entre outros. Os arranjos, mais que perfeitos, são de Geraldo Vespar.
Não sei se este disco está incluído na lista dos 300 discos importantes da MPB, mas o certo é que merecia. Aliás, com tantos álbuns excelentes de música brasileira, chega quase a ser um insulto limitarmos à trezentos. E pelo pouco que sei e vi do livro, tenho cá minhas reservas. (importantes em que sentido?)

pimenta no vatapá
espelho
malandro jb
espere! oh nega
dora das sete portas
o passado da portela
apoteose do samba
wilson geraldo e noel
batucajé
samba de amor
quem sabe é deus
desengano