Jair Amorin – Tudo De Mim – Poemas E Canções (1963)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Está ficando cada vez mais difícil, para mim, encontrar tempo para me dedicar ao blog. Além de uma hora ou duas digitalizando discos, preciso de pelo menos mais uns 15 minutos para finalizar e publicar a postagem. Parece fácil, mas tem dia que o bicho pega por aqui. Daí, nem sempre as postagens saem como eu queria.. Enfim, são os altos e baixos de qualquer atividade, vocês entendem, não é mesmo? 🙂
Vamos hoje com as composições de Jair Amorim, interpretadas por dez grandes cantores do ‘cast’ da gravadora Copacapaba no início dos anos 60. Segundo contam, este álbum foi uma homenagem da gravadora ao compositor. Lançado em 1963, “Tudo de mim” reúne doze composições de sucesso de Jair e seu mais frequente parceiro, Evaldo Gouveia. Cabem também no lp três faixas de sucesso: “Se eu pudesse”, parceria com José Maria de Abreu e interpretada por Elizete Cardoso; “Conceição”, parceria com Dunga, grande sucesso de Cauby Peixoto, aqui na voz de Dolores Duran e “Quando o amor chegar”, feita por ele e Altamiro Carrilho, interpretada pela cantora Silvana. De quebra ainda temos “Noturno de Ouro Preto”, cantada por Agnaldo Rayol, letra e  música de Jair.
Este álbum foi relançado no início dos anos 80 pelo selo Beverly. Acredito que a capa seja a mesma do lançamento original. A contracapa é exemplar, vem com uma ficha técnica bem completa. Se todos os discos fossem assim, que maravilha postar!

serenata da chuva – roberto silva
cantiga de quem está só – marisa
ninguém chora por mim – moacir franco
ave maria dos namorados – eleonora diva
noturno de ouro preto – agnaldo rayol
maldito – morgana
tudo de mim – moacir franco
se eu pudesse – elizete cardoso
e a vida continua – agnaldo rayol
concieção – dolores duran
alguém me disse – maria silva
quando o amor chegar – silvana

Mariza – A Suave Mariza (1959)

Olá amigos cultos e ocultos! Pelo andar da carruagem, acho que a semana vai ficar por conta das mulheres. Teremos uma semana bem feminina, o que vocês acham?
Seguimos com a cantora Mariza, com ‘S’ ou com ‘Z’, não importa. Este foi seu disco de estréia, lançado pela Copacabana em 1959. Vemos ela aqui na capa, agarrada ao angorá, com certeza foi daí que nasceu o apelido de ‘gata mansa’, que em muitos discos ela adotou. Neste seu primeiro álbum temos um repertório que a cantora pode escolher a dedo. Não foi por acaso que ela gravou neste lp quatro músicas de Dolores Duran, sua grande amiga. Também não foi no acaso que as músicas selecionadas são de compositores da sua geração, do surgimento da bossa, do que era moderno na época. Sem dúvida, um belíssimo trabalho, com participações de músicos de primeira linha, os quais eu omito na apresentação, mas que a cantora fez questão de listar, deixando inclusive a seguinte nota juntamente com a relação de músicos participantes: … aconselho aos músicos procurarem sempre os cronistas que comumente escrevem para contracapas de ‘long-playings’ e solicitarem aos mesmos para que não esqueçam da inclusão de seus nomes, pois isto muito contribuirá para uma futura história da nossa música popular…
É isso aí, está certíssimo. Eu, inclusive, deveria ter adotado essa informação também nas minhas postagens, como fazem alguns outros blogs. Mas agora ‘o bicho’ Toque Musical já está formatado e além do mais, o que falta na apresentação tem de sobra na distribuição. Procuro pelo menos apresentar o arquivo completo, com capa, contracapa e selo. Gosto de deixar ‘espaços’ para uma possível interação, complementos e participações dos amigos cultos e ocultos. O que eu proponho aqui é apenas um toque musical… 😉

nana meu nenem
a noite do meu bem
você não sabe amar
tempo ao tempo
amar em segredo
se eu tiver
olhe o tempo passando
deixe que ela se vá
favela
barquinho de papel
se houver você

Marisa – Encontro De Amor (1976)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ontem a noite eu estive visitando alguns dos muitos blogs de música que temos por aí. As vezes a gente precisa saber o que anda rolando em outras fontes. Começo, em geral, pelos blogs amigos ‘linkados’ na barra lateral do TM. Depois, através dos mesmos e seus links, vou conhecendo outros tantos. É nessa hora que vejo como a ‘blogosfera musical’ tem crescido, mesmo em países onde postar música se tornou um pecado quase mortal. Descobri entre esses alguns que traziam links para o Toque Musical ou mesmo falavam dele ou o indicava. Achei isso muito legal e espontâneo, pois esses nunca me pediram em reciprocidade que eu colocasse também um link de seus blogs. Naturalmente, eu também costumo fazer o mesmo, principalmente se o blog for interessante, de qualidade, se tiver conteúdo ou se for de um amigo mais chegado (meus amigos são todos cultos e também ocultos). Por outro lado, vejo que alguns antigos parceiros me deixaram de fora de suas listas. Tudo bem, espontâneamente eu também farei o mesmo 🙂 Prefiro dar lugar àqueles que realmente cultivam a gente.
Bom, mudando de pau para cacete, vamos ao que interessa… ao disco do dia. Como podemos ver, hoje temos a cantora Marisa, a Gata Mansa, em um disco dos mais interessantes. Lançado em 1976, este álbum traz alguns dos melhores momentos de um show realizado no Teatro da Galeria, no Rio de Janeiro. Nesta apresentação ao vivo ela vem acompanhada pelo Terra Trio e participações especiais de Ivor Lancellotti e Ruy (Faria, do MPB 4?). No disco temos nove faixas que resumem bem o que foi o show, um encontro com músicas de amor, de Lupicínio, de Dolores, de Chico, de Gonzaguinha, de Sueli Costa e outros… Este show deve ter sido mesmo uma beleza, basta ver pelo talento, tanto na interpretação da cantora quanto no acompanhamento do trio. O disco só peca por dois motivos: não é um álbum duplo e não foi bem editado. Os cortes são grosseiros. Há também um outro agravante, embora imperceptível, ao ser digitalizado, em um dos canais existem picos de tesão. Mas nada que possa incomodar tanto. (Tô precisando de um toca discos novo)

começaria tudo outra vez
um favor
não adianta chorar
tributo a dolores duran (pot pourri)
saudade vai-te embora
sabiá la na gaiola
chuva, gente, carnaval
gota d’agua
PS.: Putz! Esqueci de publicar a postagem logo cedo. Me desculpem, foi a pressa. Mas o dia ainda não acabou 😉

Compactos De Cantoras II

Amigos cultos e ocultos, seguimos ainda no fim de semana com os compactos. Como eu havia mencionado, na próxima semana ainda teremos mais disquinhos, mas desta vez farei de maneira alternada, quer dizer, um dia Long Play, no outro Compacto, ok?

Bom, hoje, como se pode ver logo acima, teremos as cantoras: Brigite, Clara Nunes, Claudia e Marisa. Quatro grande vozes e intérpretes da música popular brasileira das décadas de 60 e 70.
Começamos por Irene Andrade, cujo o nome artístico era Brigite. Cantora pouco lembrada, dona de uma voz forte e impostada, ficou mais conhecida por participações na Jovem Guarda. Ela ganhou este nome pela semelhança com a atriz francesa Brigitte Bardot. Mas neste compacto, seu primeiro disco, não tem nada a ver com a turma do Roberto Carlos. Aqui ela canta “Viola Enluarada” de Marcos e Paulo Sergio Valle e “Nosso amor é bem melhor” de Léo e Gilberto Karan. Começou bem a moça, mas depois de alguns outros compactos na linha romântica, sumiu do mapa. É muito difícil achar informações sobre ela. Os discos, nem se fala…
A segunda cantora é Clara Nunes. Esta dispensa apresentações. Neste compacto duplo, lançado em 1968, ela ainda não era aquela intérprete do gênero que a consagrou. Aqui temos Clara cantando versões de temas famosos internacionais feitas por Geraldo Figueiredo. Das quatro faixas destaco “Sozinha” uma versão adaptada da Suite nº3 de Bach, muito bonita.
Seguindo, vamos com Cláudia num compacto de 1971 trazendo “Mudei de ideia”, de Antonio Carlos e Jocafi. Do outro lado ela interpreta dos irmãos Valle, “Minha voz virá do sol da América”, uma gravação que, me parece, não chegou a ser lançada em nenhum dos seus lps. Raridade!
Finalmente chegamos em Marisa, outra grande cantora em um dos seus melhores momentos. Neste disquinho ela canta o sucesso “Viagem” de João de Aquino e Paulo Cesar Pinheiro. Do outro lado vai “Samba do Estácio”, composição de Cesar Costa Filho com Jair Amorim. Também muito bom! Vamos conferir?
Brigite
viola enluarada
nosso amor é bem melhor
+
Clara Nunes
mamãe
sozinha
o amor é azul
adeus a noite
+
Claudia
minha voz virá do sol da américa
mudei de ideia
+
Marisa
viagem
samba do estácio

Marisa – Simplesmente (1961)

Taí, para fechar o sábado, um disco de uma excelente safra, 1961. Tenho aqui a Gata Mansa, Marisa, uma das cantoras desta geração que eu mais aprecio. Consta no Dicionário Cravo Albin que este álbum foi lançado em 1958, mas no texto de dados artísticos percebemos que houve um engano. Segundo informações de um amigo discófilo o disco é na verdade de 1961. Um álbum perfeito, por dentro e por fora. Uma capa belíssima, um repertório bem escolhido e arranjos primorosos. Esta é mais um que vale o toque…

chorou, chorou…
toma lá, dá cá
cantiga de quemgosta de estar só
chora tua tristeza
gostei,gamei
a canção dos seu olhos
como vaivocê
fiz o bobão
canei de ilusões
menina feia
amor em paz
esquecendo você

5 Estrelas Interpretam Bossa Nova (1963)


Este disco, lançado em 1963, traz cinco das mais famosas cantoras do cash da gravadora Continental. Elizeth Cardoso, Carminha Mascarenhas, Lucienne Franco, Marisa (Gata Mansa) e Morgana. O álbum reúne, numa copilação de bossa nova, faixas escolhidas dos discos dessas cantoras. Bacaninha, vale o toque.

01 – ELIZETH CARDOSO – Menino Travesso (Moacir Santos / Vinicius de Moraes)
02 – MARISA – Chora Tua Tristeza (Oscar Castro Neves / Luvercy Fiorini)
03 – CARMINHA MASCARENHAS – Ciúme Teu Ma (Walter / Joluz)
04 – MORGANA – A Flor (Vera Brasil / De Rosa)
05 – LUCIENNE FRANCO – Da Rosa Que Nasceu Nosso Amor (Baden Powell / Heloísa Setta)
06 – MARISA GATA MANSA – Céu e Mar (Johnny Alf)
07 – LUCIENNE FRANCO – Imenso Amor (Luis Bonfá / Maria Helena Toledo)
08 – MORGANA – Cravo Vermelho (Pernambuco / Sergio Malta)
09 – CARMINHA MASCARENHAS – Nós e o Mar (Roberto Menescal / Ronaldo Bôscoli)
10 – ELIZETH CARDOSO – Seu Olhar (Laís Antunes)