Trio Surdina – Romance Em Surdina (1958

Olá, amigos cultos, ocultos e associados! O TM oferece hoje mais um álbum do Trio Surdina.  A primeira formação do grupo surgiu em 1952, com Garoto ao violão, Fafá Lemos no violino e Chiquinho ao acordeom. Na ocasião, o trio lançou vários LPs de dez polegadas para a Musidisc de Nilo Sérgio, e foi no primeiro deles, inclusive, que foi lançado o samba-canção clássico “Duas contas”, de Garoto, com solo vocal de Fafá Lemos, muitíssimo regravado até hoje. Com a morte prematura de Garoto, em 1955, o Trio Surdina se desfez.  Entretanto, no ano seguinte, a Musidisc  decidiu relançar o grupo, com nova formação:  Nestor Campos ao violão, Al Quincas ao violino e El Gaúcho ao acordeom, que durou até 1958. A última formação do grupo, com Waltel Branco ao violão, Eduardo Patané ao violino e novamente Chiquinho ao acordeom, gravou apenas um álbum em 1963, “Trio Surdina em bossa nova”. Este “Romance em surdina”, oferecido hoje a vocês pelo TM, embora o texto de contracapa não faça qualquer esclarecimento a respeito, é na verdade uma coletânea das melhores gravações da segunda fase do Trio Surdina, editada pela Musidisc com o selo Audiola, em 1958. Do LP de dez polegadas “Ouvindo Trio Surdina – vol. 3”, de 1956, foram extraídas as faixas “Mattinata”, “Over the rainbow”, “Molambo”, “Aquellos ojos verdes”, “J’attendrai”, “Serenata” e “Por que brilham os teus olhos”. E do volume 2 da série, que naturalmente é anterior, e também de 56, são as cinco faixas restantes, “Moonlight serenade”, “Jalousie”, “Linda flor (Ai, Ioiô”), “Maria la ô” e “Charmaine”. Uma coletânea, sim, mas muito bem feita e que é um precioso documento do trabalho desenvolvido pelo Trio Surdina em sua segunda fase, trazendo clássicos nacionais e internacionais que sempre vale a pena ouvir e reouvir. Divirtam-se…

mattinata

over the rainbow

molambo

ojos verdes

fattendrai

moonlight serenade

serenata

porque brilham os teus olhos

jealousie

linda flor

maria lá-o

charmaine

.

Trio Surdina – Interpreta Dorival Caymmi, Ary Barroso e Noel Rosa (1955)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Vou repetir para vocês que têm o costume de ler as resenhas. Para aqueles que estão atentos a tudo que rola por aqui, mas que por um lapso, acabam sem o toque. É o seguinte, tenho deixado um link oculto e direto aqui nas postagens. Estou fazendo isso como uma forma de verificar quantos de vocês realmente lêem os textos. Assim, estou fazendo uma segunda chamada para não dizerem depois que fui injusto, privilegiando apenas os mais assíduos (o que é uma verdade). Penso que devo dar atenção aos que retribuiem da mesma forma. Para esses eu digo: em todas a atuais postagens há um link na última letra do texto, antes da relação das músicas. Basta clicar na letra para cair direto no site onde está o arquivo está hospedado. Fiquem esperto, a fila anda…
E agora, no silêncio da noite (pois o meu Galão ficou no 0x0), o melhor mesmo é manter o som na surdina. Aqui vai o Trio Surdina em sua formação original (ou inicial), com Fafá Lemos, Garoto e Chiquinho. Pela capa já se vê tudo, O Trio Surdina interprete Noel Rosa, Ary Barroso e Dorival Caymmi, Um momento maravilhoso que por se um simples disco de 10 polegadas, acaba deixando a gente com um gostinho de quero mais 🙂

joão valentão
quando eu penso na baía
feitio de oração
dora
vai haver barulho no chateau
três lágrimas
sábado em copacabana
boneca de pixe
.

Trio Surdina – Boleros Famosos Vol. 1 (1955)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Há uns dois anos atrás eu postei aqui um disco do Trio Surdina. Foi a primeira vez que publiquei um trabalho desse trio maravilhoso, formado por Garoto, Fafá Lemos e Chiquinho do Acordeom. Na época, o disco em questão era “Boleros Em Surdina – Vol. 2”. Eu postei ele meio que incomodado por iniciar justamente com o volume 2. Naquele momento eu não tinha em mãos (e nem em pratos) o primeiro volume. Ficamos assim na pendência, até que hoje, procurando o que postar, dei de cara com o procurado volume 1. Meu engano foi por conta da capa, são bem semelhantes, o que muda são apenas as cores da ilustração. Nem me toquei para o detalhe. Mas, como dizem, nunca é tarde para ser feliz. Como em 1954 o trio original se desfez, por conta da morte de Garoto, Nilo Sérgio, o produtor, resolveu manter o nome Trio Surdina com outros músicos e com esses veio a lançar mais uma série de discos. Eu, tenho para mim, que “Boleros Famosos”, tanto o vol 1 como o 2 são com o trio original. Que tal a gente ouvir e comentar, heim? Quem quiser também pode dançar 😉

usted
sinceridad
cancion del alma
solamente una vez
un minuto
contigo
angelitos negros
pecadora

Trio Surdina – Boleros Famosos Vol. 2 (1955)

Bom dia a todos! Aqui vamos nós para mais uma jornada fonomusical da semana, trazendo sempre (que possível) aquele disquinho ou gravação esquecida, que faz a alegria de muitos cultos e ocultos visitantes.
Tenho aqui um disco do Trio Surdina. Esta é a primeira vez que eu estou postando um disco inteiro desse conjunto genial. Praticamente, quase todos os discos lançados por esse trio já foram resgatados em blogs musicais. Procurei então trazer aquilo que ainda não está nas ‘bocas’ (e nem nos ouvidos). “Boleros Famosos”, me parece, ainda estava em falta. Aliás, continua pela metade, pois eu só tenho o volume 2. O volume 1, lançado também em 1955, eu nunca vi nem a capa. Os discos do Trio Surdina, nesta fase, trazem outra formação. Inicialmente era Garoto, Fafá Lemos e Chiquinho do Acordeon. Em 1954 o trio se desfez e o produtor Nilo Sérgio, dono da Musidisc, resolveu manter o nome do grupo com outros integrantes. Sabendo do sucesso do trio, Nilo Sérgio procurou não apenas manter o estilo do grupo, mas também ocultou por um tempo quem eram os músicos da nova formação. Para aqueles que acompanhavam a trajetória do Trio Surdina, a mudança foi evidente. O estilo individual de cada instrumentista, por mais próximo que fosse a semelhança com o anterior, não era a mesma coisa. A segunda formação do Trio Surdina, também excelente, seria com Nestor Campos (violão), Auro Pedro Thomaz, o ‘Gaúcho’ (acordeon) e Al Quincas (violino). Por certo, o Trio Surdina se manteve fiel a proposta inicial e continuou gravando, este e outras excelentes bolachas.
O álbum “Boleros Famosos – Vol. 2” é uma continuação do primeiro disco. Acredito que os dois lps fazem parte da mesma fase de gravação e que na época gerou dois volumes. Não preciso nem entrar em detalhes quanto ao repertório. Só sei que nessa formação de violino, violão e acordeon, o bolero ganha uma outra roupagem. Mais suave, mais surdina…
Para conhecer a história do Trio Surdina, na íntegra, vale dar uma conferida no site do pesquisador Jorge de Carvalho Mello.

sin ti
oración caribe
babalú
para que sufras
amor secreto
contigo en la distancia
verdad amarga
una aventura mas

Show (1953)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais um disquinho que eu comprei do catador de papel. Alguns desses álbuns eu estou tendo, também, o prazer de conhecer e ouvir só agora. É o caso deste lp de 10 polegadas, um dos primeiros lançados pela Musidisc. Trata-se de uma coletânea, obviamente, de artistas da gravadora. Nomes como os que (quase) podemos ler na estampa da capa: Britinho; Léo Peracchi; Nuno Roland; Trio Surdina; Nilo Sérgio (cantando); Djalma Ferreira com Helena de Lima, que só aparece nos créditos do selo, a atriz Renata Fronzi como cantora e ainda a mexicana Elvira Rios. Realmente um show para a época. A qualidade da gravação é muito boa, comparada a de outras gravadoras naquele tempo. Porém, alguns arranhões e estalos são inevitáveis. São marcas de um disco com 58 anos de idade!

se eu morresse amanhã – renata fronzi
joaozinho boa pinta – trio surdina
volta – nuno roland
pensando em ti – leo peracchi
desencuentro – elvira rios
definição – nilo sergio
tarde demais – djalma ferreira e helena de lima
lilian – leal brito

Compactos Diversos

Bom dia a todos! Inicialmente eu gostaria de explicar a situação de duas postagens que fiz nas últimas semanas. Me refiro aos discos de Orlando Silva e Francisco Alves pela Collector’s Editora. Recebi uma solicitação desta editora pedindo para retirar os links dos dois discos. Eu até então não sabia que os referidos discos ainda se encontram em catálogo. Os discos ainda estão em catálogo e podem ser adquiridos através do site da Collector’s. Foi uma surpresa saber disso, inclusive porque eu tenho interesse em completar a minha coleção. Os arquivos digitalizados são uma mão na roda, mas nada substitui ao fetiche do objeto disco de vinil. Vou logo comprar os que faltam em minha coleção e aconselho a todos que façam o mesmo. Sei que muitos irão dizer a vitrola já não faz mais parte de suas vidas e que o melhor mesmo é o mp3 ou semelhante. Para esses, eu aconselho também entrar no site ou enviar um e-mail aos donos da editora. Acredito que eles, além dos discos, devem estar vendendo as gravações digitalizada como fazem as gravadoras atualmente. Os preços não devem ser uma coisa muito absurda, mesmo considerando se tratar de um material tão precioso. Diante a tudo isso, não faz sentido e eu nem quero manter as tais postagens com links. Peço publicamente desculpas ao Ricardo Manzo, responsável pela Collector’s Editora, pelo inconveniente e só espero que esse fato tenha também um lado positivo, despertando a atenção e o interesse das pessoas pelo trabalho de resgate musical da editora. Para compensar, em breve teremos uma outra série, tão rara e interessante quanto a da Collector’s Editora.

Hoje estamos chegando ao final de nossa mostra de compactos. Sei que muita gente tem gostado e eu também, mas o Toque Musical não fica só numa faixa. Há tempos venho recebendo e-mails da moçada mais jovem e roqueira pedindo a vez. Tá na hora de virar o disco. Assim, na próxima semana, a temática vai ser o rock’n’roll ou coisa parecida.
Vamos seguindo em frente com mais seis compactos raros, todos da primeira geração dos disquinhos lançados no Brasil. Temos aqui um Altamiro Carrilho e Sua Bandinha, interpretando um repertório com clássico de toda banda típica de coretos, tradição que hoje em dia só comum em cidades do interior. Seguindo, temos um compacto do selo Cantagalo trazendo uma marchinha carnavalesca, cantada por Alventino Cavalcante e um samba também carnavalesco na voz de Luizito. Eu não conheço esses artistas, mas achei o disco interessante 🙂 Temos em outro disco a presença de Gilberto Alves interpretando o pioneiro Donga (e mais), num momento raro. Para dançar, seguimos com Paulinho e seu conjunto num quase ‘pot-pourri’ dançante com três temas de sucesso de cada lado. Uma autêntica dupla de música sertaneja, Torres e Florencio, em um raro compacto lançado pela Chantecler, possivelmente no final dos anos 50. Finalizando, vamos com o Trio Surdina, ainda com Fafá Lemos, interpretando quatro clássicos do mestre Ary Barroso pelo selo Musidisc. Uma maravilha. Momentos raros que não voltam mais 😉
Altamiro Carrilho e Sua Bandinha
saudades de matão
saudades de ouro preto
saudades de pádua
última inspiração
+
Alventino Calvalcante
casamento bossa nova
Luizito
amor, porque me faz sofrer
+
Gilberto Alves
pelo telefone
saudades de tatuí
+
Paulinho e Seu Conjunto
samba de teleco-teco
lobo bobo
a felicidade
petite fleur
quem é
tom thumb’s tune
+
Torres & Florencio
campo grande
cavalo zaino
moda da mula preta
pingo d’agua
+
Trio Surdina
rio de janeiro
bahia (na baixa do sapateiro)
aquarela do brasil
risque

Festival N. 1 – Musidisc (1955)

Correndo contra o relógio, aqui estou eu com a postagem do dia. Muito sol, calor e trabalho é o que indica minha agenda para as próximas doze horas. Assim, vamos direto ao que interessa…
“Festival N. 1” foi o vigésimo disco lançado pela gravadora Musidisc do cantor Nilo Sérgio. Uma coletânea feita para alavancar o sucesso do então recente selo nacional. Como se pode ver pela capa, temos um variado ‘cast’ e gravações que segundo contam, ainda não eram feitas no estúdio da Musidisc, mas sim editados a partir de acetatos gravados na Rádio Nacional e outros. Me parece que apenas as faixas com acompanhamento de Leo Peracchi são originadas nesta gravadora. A data de lançamento deste disquinho não consta em lugar nenhum, acredito que tenha sido por volta de 1955 ou 56. A Musidisc foi uma das pioneiras. Acho que foi a primeira gravadora nacional, se não me engano. Neste momento seria bom poder contar com os nossos vigilantes ‘corrigidores’ e acadêmicos de plantão, incluindo alguns comentários complementares. Mas acho que eles não virão se misturar com a plebe. Suas visitas, normalmente, são silenciosas…

rosa de maio – orlando silva c/ leo peracchi e orquestra
tico-tico no fubá – leal brito
joão ninguém – roberto luna c/ leo peracchi e orquestra
mano a mano – típica d’avlis
canarinho feliz – trio surdina
contigo – roberto luna c/ leo peracchi e orquestra
que deus me perdoe – rosária meireles c/ leo peracchi e orquestra
risque – nilo sergio c/ leo peracchi e orquestra