Ester De Abreu – Amar Amar (1975)

Olá amigos cultos e ocultos, boa noite! Eu havia planejado postar aqui nesta semana um grupo de discos com vozes femininas. Infelizmente eu não consegui manter a regularidade nas postagens, daí vamos para o ‘quando der’, mas sem perder o foco 😉
Tenho aqui a cantora Ester de Abreu, uma artista que já apresentamos em outras épocas no Toque Musical. Desta vez eu trago o disco “Amar, amar” lançado pela Tapecar, em 1975. Pelo recado impresso na própria capa, percebe-se que é um disco de retorno. Acredito também que este tenha sido seu último trabalho. Não consta em sua discografia outros álbuns.. Ester, como sempre, nos vem com um repertório bem português, alguns temas clássicos, fados, como era o seu estilo. “Amar, amar”, título do disco, é também o nome de uma das faixas, composição para o poema de Florbella Espanca. “Ai, Mouraria”, “Nem as paredes confesso”, “Coimbra” e tantas outras fazem parte desse retorno. Bem legal, não deixem de conferir

canoas do tejo
foi deus
ora pois pois
saudade vai-te embora
vendaval
coimbra
ai mouraria
e depois do adeus
oh tempo volta pra trás
nem as paredes confesso
amar, amar…
zé da rua
.

Ester De Abreu – Canta (1956)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Estou num desânimo que vocês não fazem ideia. Tudo por conta de uma constipação que refletiu até nos meus movimentos. Minha coluna até parece ter saido do lugar. Dói prá Augusto! E se não bastasse, ainda é domingo e de chuva. Daí, eu fico quietinho e para destrair, melhor mesmo é fazer minha postagem. Escolhi, portanto, um disco que já estava pronto, esperando a sua hora.
Vamos pela segunda vez trazendo a cantora portuguesa, Ester de Abreu. Há praticamente dois anos atrás eu postei aqui um outro disco dela, lançado pela Sinter, em 1954, como acompanhamento da Orquestra de Lyrio Panicali. Hoje vamos com este, lançado em 1956 pela Victor, onde Ester, também acompanhada da orquestra da casa, nos brinda com um repertório meio lá, meio cá. Quero dizer, no bom sentido, com músicas famosas de sua terra e também brasileiras, ou adaptadas. Acho interessante a maneira de interpretação desta cantora, principalmente ao cantar música brasileira. Parece que ela se transforma, sua voz fica ainda mais bonita. Confiram aí…
lisboa não sejas francesa
ilha da madeira
lisboa antiga
uma casa portuguesa
malageña
se um dia
ninguém como tu
mais um pouco de amor

Ester De Abreu – Oito Sucessos (1954)

Olás! Hoje fui obrigado a lançar mão de mais um dos meus ‘discos de gaveta’. Não sei bem porque eu o coloquei lá, mas o certo é que agora ele está valendo. Tô num corre corre doido ou como dizia a minha tia, “apertado de costura”. Mas vamos lá…
Temos então a cantora portuguesa Ester de Abreu, que de uma temporada no Brasil, no final dos anos 40, acabou ficando de vez. Tornou-se mais uma de nossas célebres cantoras do rádio. Durante os anos 50 gravou vários discos de 78 rpm em diversos selos. Na Sinter ela gravou seu maior sucesso, “Coimbra”, gravação que consta neste lp de 10 polegadas. As outras sete faixas são também sucesso lançados anteriormente pela gravadora no formato 78. Confiram aí…

ana
segredo
mariana
confesso
perseguição
reflete amor
coimbra
outras mulheres