Aldo Taranto E Sua Orquestra – Sonhos, Amor E Violinos (1959)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu pensei que não chegaria a tempo de fazer nossa postagem diária. A quinta feira foi dura, muita ralação, reunião e no final do dia mais reunião (de condomínio). Nessa altura do campeonato eu quero mesmo é uma cama.
Foi muito por conta disso que eu escolhi para postar este álbum com o Maestro Aldo Taranto e Sua Orquestra. Não vou precisar falar do artista e nem das músicas, tá tudo explicadinho na contracapa. Digo apenas que este lp foi o primeiro lançamento da Companhia Internacional de Discos (não confundir com a CID – Companhia Industrial de Discos). Uma gravadora que pelo que eu sei, não teve muito sucesso, durou pouco. Os álbuns da Orquestra de Jaú são, talvez, os únicos, além deste, que conheço. São discos bem produzidos e com artistas de qualidade.
O Maestro Aldo Taranto e sua orquestra fazem um trabalho muito bom, com músicas bem escolhidas, somente composições de autores nacionais. Zzzz… desculpem, o sono bateu… confiram daí que eu daqui vou para os braços de Morfeu.

por causa de você
a volta do boêmio
abandono cruel
vitrine
se todos fossem iguais a você
prece de amor
abismo
sonhado contigo
conceição
ouça
graças a deus
foi tudo ilusão

Marilia Batista – Poeta Da Vila (1953)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago para vocês um disco raro e bem interessante. Como já se pode ver pela capa, temos aqui um Noel Rosa na voz de uma de suas intérpretes favoritas, a cantora e compositora Marília Batista. Este álbum, primeiro lançamento em ‘long play’ de 10 polegadas do selo Rádio, saiu em 1953, trazendo de volta a cantora que se encontrava afastada já há vários anos dos estúdios. No álbum de oito faixas, cinco das são interpretadas por ela. As demais são apenas orquestradas e ficam por conta do Maestro Aldo Taranto, que foi quem cuidou de toda a direção, fazendo os arranjos e orquestração.
Uma curiosidade que me chamou a atenção é que além de ser este um dos primeiros ‘lps’ lançados no Brasil, foi também o primeiro vinil mesclado, com manchas brancas, lembrando bem os discos de edições especiais, que mais adiante viriam a aparecer no mercado. Eu sempre acreditei que fosse um disco com defeito na fabricação, até o dia em que vi outros exemplares do mesmo álbum. Imagino que o mesmo deve ter passado pela cabeça daqueles que também adquiriram o disquinho. Mas roda que é uma beleza! Quer conferir?

feitio de oração
até amanhã
quando o samba acabou
pra esquecer
com que roupa
quem ri melhor
pela primeira vez
dama do cabaré