Hélio Mendes E Seu Conjunto – Weekend No Rio (1961)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Lançando mão das reservas, discos de gaveta e outros tantos que ficaram esperando sua hora chegar, hoje finalmente vem a público aqui o pianista Hélio Mendes e seu conjunto. Hélio Mendes era capixaba e entre tantos, foi um dos mais importantes nome da música vinda do Espírito Santo. Seu conjunto fez muito sucesso por lá, a tal ponto que ecoou nos grandes centros de produção musical, como Rio e São Paulo. O disco que temos aqui, “Week-end no Rio” foi seu disco de estréia no pequeno selo Musiplay, onde também viria a gravar outros discos. Acompanhado por um conjunto muito bom, Hélio Mendes nos apresenta um repertório misto, com músicas nacionais e internacionais. Uma seleção de sucessos e músicas modernas da época. Este lp, embora seja indicado como sido lançado no ano de 1963 foi, por certo, gravado em 61. Em 63, Hélio Mendes e seu conjunto era tido como o melhor grupo daquele ano e já havia lançado outros discos. Curiosamente este lp foi também relançado por outro pequeno selo, o Itamaraty, tendo a ordem das músicas trocadas. Essa versão apareceu no saudoso blog do Mauro, o Loronix, mas faltando duas faixas e nesta postagem como sendo um disco de 63. Possivelmente essa segunda edição seja mesmo de 1963 e tenha sido relançada por conta do sucesso do ‘band leader’. Neste disco que postamos hoje há outra curiosidade, ele é apresentado como um disco estéreo, coisa até então ainda novidade, visto que o o primeiro disco estéreo, no Brasil, foi lançado em 1958. A segunda versão era mono. Mas isso são apenas detalhes. O certo é que aqui temos o pacote completo, com todas as músicas, capa, contracapa e selos. Tudo bonitinho como manda o nosso figurino 😉 Confiram…

na candência do samba
samba em prelúdio
nancy
cuando calienta el sol
corcovado
speak low
stella by starlight
dans mon ile
et maintenant
faceira
volta por cima
o samba brasileiro n. 2

.

Ritmistas Da Bossa – Balanço E Bossa Nova (1963)

Boa noite, amiguíssimos cultos e ocultos! Já que entramos na bossa, aqui vai mais uma super bacaninha que há tempos estou para postar. Trago desta vez um clássico dos obscuros, quer dizer, um dos muitos discos de bossa, jazz e sambalanço lançados nos anos 60, cujo os artistas são apenas nomes criados para dar vida a uma produção musical. No caso aqui, temos este lp, “Balanço e Bossa Nova”, lançado pelo pequeno selo Musiplay. Nele encontramos um repertório de primeiríssima, com o que havia de mais moderno naquele momento em termos de música popular brasileira, a Bossa Nova. Certamente, para essa produção, foram recrutados músicos de peso, artistas que talvez por conta de contratos com outras gravadoras não podia ter seus nomes creditados no álbum. Daí, surgiam grupos com esses, Ritmistas da Bossa. Naquele tempo a obra era mais importante que o artista e isso é um fato, basta ler o texto de contracapa deste disco.
Há alguns anos atrás este e outros discos como Os Azes da Bossa, Orquestra Moderna de Samba, Conjunto Sambossa, Bossa Brass e outros.., foram relançados em cd pela editora Discobertas num box intitulado 50+5. Esse box ainda pode ser encontrado para venda em diversos sites e por um bom preço. Confira no GTM e corra atrás do 50+5. Vale a pena… 😉

vamos balançar
é um estouro
pergunte ao joão
é pra quebrar
só danço samba
sai pra lá
samba de uma nota só
desafinado
o pato
o barquinho
o amor e a rosa
lobo bobo

.

Sexteto Guanabara – Sorvete Dançante (1962)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Nossa semana começa chuvosa e para um segunda feira isso é desanimador, dá vontade de voltar para a cama e dormir mais um pouco, ou então ficar aqui ouvindo música (na cama).
Hoje eu tenho para vocês um disco do obscuro Sexteto Guanabara. Digo isso porque até hoje eu não encontrei informações sobre o grupo. Embora tenham lançado três lp’s, em nenhum deles há uma ficha técnica com o nome dos realizadores e músicos participantes. Por certo, este sexteto era formado por músicos de outras gravadoras, daí o fato de seus nomes não constarem na publicação. Além do mais, este foi o primeiro lançamento do selo Musiplay, que por sinal não deve ter ido muito longe, pois, eu mesmo nunca vi outros discos da gravadora.
O Sexteto Guanabara fazia uma linha dançante, aos moldes da época, como Waldir Calmon e tantos outros. Neste álbum, o primeiro da série, encontramos um repertório recheado de sambas, boleros e até o “Barquinho” de Menescal e Boscoli, tudo em ritmo bem dançante como mandava o figurino. Confiram aí…

juntinhos é melhor
palavras de amor
meu nome é ninguém
ele é engraxate
guanabara
castiguei
barquinho
mulata assanhada
cravo vermelho
quem eu quero não me quer
la barca
besame mucho