Carlos José – Uma Noite De Sereta Vol. 5 (1970)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Tem dias, como hoje, em que eu estou bem disposto e com tempo para nossas postagens. Porém, como um pinto no lixo, me afogando em discos e músicas, fico aqui perdido, sem saber o que melhor postar. Nessas horas, o melhor a fazer é partir para um sorteio. Enfio a mão no meu baú digital, ou melhor dizendo, no HD dos últimos mil discos digitalizados e escolho à sorte o primeiro que o cursor me apontar. Esse processo é bem parecido, ou quase a mesma coisa que os meus já habituais ‘discos de gaveta’. E nessa escolha aleatória, o disco sorteado para hoje é “Uma noite de seresta”, com o cantor Carlos José. Para contrariar a ordem, este é o volume 5. Mas não se preocupem, outros dias virão e por certo os quatro primeiros volumes logo serão também disponibilizados.
Temos então este lp, trazendo na interpretação de Carlos José doze temas bem conhecidos do público seresteiro. Músicas, algumas que até se repetem através de outros artistas e discos postados aqui. Mas o que vale é também a interpretação, os arranjos e preferências. Carlos José vem acompanhado pelo regional de Canhoto, o que garante ainda mais a qualidade dessa produção. Que tal ouvirmos…

mimi
falsa felicidade
se ela perguntar
cigana
você
modinha
há um segredo em teus cabelos
chão de estrelas
dona da minha vontade
talento e formosura
estella
rapaziada do braz
.

Cast Continental – O Amor Mais Puro (1963)

Olá amigos cultos e ocultos! Acabo de voltar da Feira de Vinil, onde (pra não variar), comprei mais discos do que vendi. Estou empenhado em refazer minha discoteca básica de rock”n’roll, preferencialmente só com discos importados e originais. Hoje, numa baita sorte comprei quatro pérolas da minha adolescência: Nektar, Can, Hard Stuff e Atomic Rooster, tudo importado e praticamente novos. Que beleza! É disco que eu gosto!
E amanhã é o Dias das Mães, não é mesmo? Pensando nisso eu resolvi me antecipar, trazendo um dia antes um disco de celebração, aquele que vai ser a minha homenagem a todos os `filhos da mãe` e a ela própria, sempre viva em nossos corações. Feliz seja esse dia para todos, com ou sem a presença Dela. Deixo aqui para vocês essa coletânea especial, lançada em 1963 pela Continental, com o propósito de homenagear a mamãe. Um disco muito interessante e original, reunindo vários artistas da gravadora e músicas que com certeza marcaram momentos como esse. Salve a mãe! O amor mais puro!

o amor mais puro – francisco petronio
minha mãe é mais bonita – angela maria
ser mãe – josé leão
madre – albertinho fortuna
doce maezinha – nora ney
amor de mãe – jamelão
flor mamãe – josé leão
dorme mamãe – carlos josé
cantiga para ninar mamãe – zezé gonzaga
retrato de amor – orlando correa
a você mamaezinha – francisco petronio
coração de mãe – jorge goulart
.

Carlos José – Revelação (1958)

Bom noite, amigos cultos e ocultos! Vou aos poucos voltando a normalidade, depois de alguns dias meio pra baixo. Música é mesmo um santo remédio. Quem tem a música a seu lado nunca está sozinho. Acho que é por isso que eu tenho tantos amigos 🙂
Antes que seja decretado o Carnaval e caia todo mundo na folia, eu vou até sexta mantendo o mesmo ritmo. Talvez, a partir de sábado eu comece a postar alguma coisa relacionada à festa. Por enquanto, vamos de raridades e outras curiosidades. Tenho aqui o primeiro lp do cantor e seresteiro Carlos José. Dono de uma voz vigorosa, foi o cantor revelação do ano de 1957, descoberto e apoiado pelo polêmico apresentador Flávio Cavalcanti. Estreou muito bem em disco com um 78 rpm, trazendo duas grandes músicas, “Foi a noite” de Antonio Carlos Jobim e Newton Mendonça e “Ouça” de Maysa. O sucesso deste lançamento deu a ele a oportunidade de, no ano seguinte, gravar pelo mesmo selo Polydor, este que foi o seu primeiro lp. Começou mesmo muito bem, com um repertório fino e selecionado.
Aqui podemos encontrar, além das duas músicas gravadas anteriormente na bolacha de 78, uma série de boa média. Do lado A temos “Eu e Deus”, de Evaldo Gouveia e Pedro Caetano; “Se alguém telefonar, de Alcyr Pires Vermelho e Jair Amorim, música esta premiada no 1º Festival da Penha; “O amor acontece”, de Celso e Flávio Cavalcanti; “Aula de matemática” (Bossa Nova de primeira mão), de Antonio Carlos Jobim e Marino Pinto; a belíssima “Só louco”, de Dorival Caymmi e “Ouça” de Maysa. No lado B vamos encontrar também um bom repertório, com “Canção da volta”, de Ismael Neto e Antonio Maria; “Viva meu samba”, Billy Blanco; “Eu não existo sem você”, outra de Tom Jobim com Vinicius de Moraes; “Oferta”, música do próprio cantor; “Laura”, de Alcyr Pires Vermelho e Braguinha. Finalizando o disco, mais uma vez com Tom Jobim em parceria com Newton Mendonça, na belíssima “Foi a noite”. Vamos conferir? 😉
.

eu e deus
se alguém telefonar
o amor acontece
aula de matemática
só louco
ouça
canção da volta
viva meu samba
eu não existo sem você
oferta
laura
foi a noite

Festival Do Rio – As Dez Mais Lindas Canções De Amor (1960)

Olá a todos! Minha postagem de hoje é uma homenagem à cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Festejando seus 444 anos, a Cidade Maravilhosa continua linda e a cada dia mais jovem. Parabenizo a cidade e a todos os seus felizardos habitantes! Salve o Rio!
A primeira vez que fui ao Rio levei um ‘tapa’ de deslumbramento. Fiquei encantado com sua geografia, suas praias, arquitetura e todo esse jeito malandro (no melhor dos bons sentidos) do carioca. O Rio é demais. Não fosse hoje o grau da violência uma coisa tão visível, era lá uma das cidades que eu gostaria de viver. Salve o Rio!
Para comemorar, temos aqui o “Festival do Rio”, álbum lançado pelo selo Copacabana em1960. Nele encontramos, conforme o subtítulo, “As dez mais lindas canções de amor”. São composições românticas de autores consagrados como Lamartine Babo, Ary Barroso, Dolores Duran e outros. Para este repertório foram convocados dez intérpretes, cantores não apenas da Copacabana, mas também da Continental, RGE e Sideral. As orquestrações e regência ficam a cargo dos maestros Pachequinho e Guaraná, além do côro de Joab Teixeira e participação da Orquestra Copacabana.

poema do adeus – miltinho
ternura antiga – luciene franco
será tarde – ernani filho
procura sonhar comigo esta noite – carlos josé
eu não tenho para onde ir – agnaldo rayol
ressurreição dos velhos carnavais – roberto silva
seu amor, você – lenita bruno
canção em tom maior – ted moreno
afinal, chegaste – zezé gonzaga
o céu virá depois – jorge goulart