Cinema Em 78 RPM – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 137 (2015)

Estamos de volta com o Grand Record Brazil, agora em sua edição de número 137. E a seleção musical desta quinzena foi preparada por uma pessoa muito especial: eu próprio!  Tudo começou quando o Augusto me mandou  diversos áudios extraídos de clipes produzidos para o YouTube, pela Rádio Educativa Mensagem de Santos, aproveitando cenas de filmes diversos, todos em preto e branco. No entanto, apenas quatro músicas, devidamente conservadas aqui , fizeram realmente parte de filmes. Então sugeri que fosse feita uma edição com músicas que foram realmente apresentadas em películas de sucesso, a maior parte nacionais. Com o devido acolhimento da ideia, e com carta branca para sua elaboração,  consegui garimpar dezesseis fonogramas, alguns até raríssimos, extraídos das bolachas de cera velhas de guerra. Uma seleção que resultou inclusive de pesquisas em fontes diversas, particularmente o “Dicionário de filmes brasileiros – longa-metragem”, de Antônio Leão da Silva Neto (Editora Futuro Mundo, 2002). Isto posto,vamos às músicas.Para começar, temos o clássico “O ébrio”, canção de e com Vicente Celestino, “a voz orgulho do Brasil”, por ele gravada na Victor em 7 de agosto de 1936 e lançada em setembro do mesmo ano, disco 34091-A, matriz 80195. O filme viria dez anos depois, produzido pela Cinédia e dirigido pela esposa do cantor, Gilda de Abreu, com grande bilheteria (teria superado até mesmo “Tropa de elite2”, o recordista oficial de bilheteria do cinema brazuca).  Esta gravação é uma montagem que apresenta, primeiramente, o monólogo inicial, extraído da regravação que Celestino fez da música em 1957, e, em seguida, o registro original de 1936, junção esta feita para a coletânea “Sessenta anos de canção”, lançada após a morte do cantor, em 1968. Inezita Barroso, recentemente falecida, aqui comparece com “Maria do mar”, canção do maestro Guerra Peixe em parceria com o escritor José Mauro de Vasconcelos, autor de romances de sucesso como  “Vazante”, “Coração de vidro”, “Banana brava” e “O meu pé de laranja-lima”. Fez parte do filme “O canto do mar”, produção da Kino Filmes dirigida por Alberto Cavalcanti, e Inezita a gravou na RCA Victor em 4 de agosto de 1953,com lançamento em  outubro do mesmo ano, disco 80-1209-B, matriz BE3VB-0222. Temos, em seguida, a única composição de origem estrangeira inclusa nesta seleção. Trata-se de “Natal branco (White Christmas)”, fox de autoria de Irving Berlin, um dos maiores compositores dos EUA, e sucesso em todo o mundo. Seu intérprete mais constante foi o ator e cantor Bing Crosby, que a lançou em um show que fez para os pracinhas norte-americanos que serviam nas Filipinas, durante a Segunda Guerra Munidal. Bing também interpretou este clássico em dois filmes: “Duas semanas de prazer (Holiday inn)”, de 1942, e “Natal branco(White Christmas)”, de 1954. Com letra brasileira de Marino Pinto, foi levado a disco na RCA Victor por Nélson Gonçalves, ao lado do Trio de Ouro, então em sua terceira fase (Lourdinha Bittencourt, então esposa deNélson, Herivelto Martins e Raul Sampaio), no dia 25 de novembro de 1955, mas estranhamente só saiu em janeiro de 56, disco 80-1551-B, matriz BE5VB-0926. Houve uma versão anterior, assinada por Haroldo Barbosa, que Francisco Alves interpretava em programas de rádio, porém não gravada comercialmente. Na quarta faixa, o maior sucesso autoral do compositor pernambucano Nélson Ferreira:  o frevo-de-bloco “Evocação”, primeiro de uma série de sete com o mesmo título, homenageando grandes nomes do carnaval recifense do passado. A interpretação é do Bloco Batutas de São José,lançada pela recifense Mocambo em janeiro de 1957, no 78 rpm n.o 15142-B, matriz R-791, e no LP coletivo de 10 polegadas “Viva o frevo!”.  “Evocação” foi também sucesso no eixo Rio-São Paulo, em ritmo de marchinha, entrando na trilha sonora do filme “Uma certa Lucrécia”, de Fernando de Barros, estrelado por Dercy Gonçalves. Logo depois, outra gravação da Mocambo: é a balada-rock “Sereno”, lançada em 1958 no 78 rpm n.o 15233-A, matriz R-985, e incluída mais tarde no LP “Surpresa”. A música fez parte do filme “Minha sogra é da polícia”, uma comédia dirigida pelo mesmo autor da composição, Aloízio T. de Carvalho, e por sinal bastante cultuada pelos fãs de dois futuros astros da Jovem Guarda, Roberto & Erasmo Carlos, pois marcou a primeiríssima aparição de ambos no cinema.  “Sereno” também foi revivida, em 1976, na novela “Estúpido Cupido”, da TV Globo, cuja trilha sonora foi a de maior vendagem da história da gravadora Som Livre: mais de dois milhões e meio de cópias! Na sexta faixa, uma raridade absoluta: trata-se da toada “Céu sem luar”, do maestro Enrico Simonetti em parceria com o apresentador de rádio e televisão Randal Juliano. Quem a interpreta, com suporte orquestral do mestre Tom Jobim, é Dóris Monteiro, em gravação Continental de 6 de maio de 1955, lançada em outubro do mesmo ano, disco 17171-A, matriz C-3628. Dóris também a interpretou no filme “A carrocinha”, produção de Jaime Prades estrelada por Mazzaropi  sob a direção de Agostinho Martins Pereira, e na qual Dóris também contracenou com outro mestre, Adoniran Barbosa (seu pai, na trama).  Desse mesmo filme, agora com o próprio Mazzaropi, um dos mais queridos comediantes do cinema brazuca, até hoje lembrado com saudade, é nossa sétima faixa, o baião “Cai, sereno (Na rama da mandioquinha)”, baião de Elpídio “Conde” dos Santos (autor do clássico “Você vai gostar”).O eterno jeca registrou “Cai, sereno” na RCA Victor em 2 de agosto de 1955, e o lançamento se deu em outubro do mesmo ano, disco 80-1497-A, matriz BE5VB-0821. Temos também o lado B desse disco,matriz BE5VB-0822, também de Elpídio: a rancheira “Dona do salão”, interpretada por Mazza no filme “Fuzileiro do amor”, dirigido por Eurides Ramos, primeira das três películas que o comediante fez no Rio de Janeiro para a Cinedistri, de Oswaldo Massaini.  Ângela Maria, a querida Sapoti, nos apresenta o expressivo samba-canção “Vida de bailarina”, de Américo Seixas em parceria com o humorista Chocolate (Dorival Silva). Fez parte do filme “Rua sem sol”, da Brasil Vita Filmes, dirigido por Alex Viany, e a gravação em disco saiu pela Copacabana em  dezembro de 1953, sob n.o 5170-B,matriz M-642. Voltando bem mais longe no tempo, apresentamos “Estrela cadente”, valsa-canção de José Carlos Burle, que fez parte do filme “Sob a luz do meu bairro”, da Atlântida, dirigido por Moacyr Fenelon. Carlos Galhardo,seu intérprete na película, cujos negativos infelizmente se perderam em um incêndio, gravou a música na Victor em 12 de abril de 1946, com lançamento em julho do mesmo ano sob n.o 80-0421-B, matriz S-078474. O eterno Rei do Baião, Luiz Gonzaga, apresenta a animadíssima polca “Tô sobrando”, que fez em parceria com Hervê Cordovil, e gravou na RCA Victor em 26 de julho de 1951, com lançamento em outubro do mesmo ano, disco 80-0816-A,matriz S-092995. Gonzagão também a interpretou no filme “O comprador de fazendas”, da Cinematográfica  Maristela, estúdio paulistano que ficava no bairro do Jaçanã, baseado em conto de Monteiro Lobato e dirigido por Alberto Pieralisi, tendo no elenco Procópio Ferreira, Hélio Souto e Henriette Morineau, entre outros (o próprio Pieralisi dirigiu uma refilmagem inferior, em 1974).  O número musical de Luiz Gonzaga, por sinal, foi rodado após o término das filmagens, uma vez que ele sofrera grave acidente automobilístico e quebrara o braço. Outra raridade vem logo em seguida: o samba-exaltação “Parabéns, São Paulo”, de Rutinaldo Silva,em gravação lançada pela Continental em março de 1954 (ano em que a capital bandeirante comemorou seus quatrocentos anos de existência), disco 16912-B, matriz C-3287. Esse foi o número musical de encerramento do filme “O petróleo é nosso”, da Brasil Vita Filmes, dirigido por um especialista em chanchadas, Watson Macedo. O belo samba-canção “Onde estará meu amor?”, de autoria da compositora e instrumentista Lina Pesce (Magdalena Pesce Vitale), é outra absoluta raridade nesta seleção “cine-musical”. Interpretado por Agnaldo Rayol no filme “Chofer de praça”, o primeiro que Mazzaropi fez como produtor independente, sob a direção de Mílton Amaral, foi lançado em disco pela Copacabana em maio de 1958, no 78 rpm n.o  5891-A, matriz M-2181, entrando mais tarde no primeiro LP de Agnaldo, sem título (CLP-11061). Gravações  posteriores de Dolores Duran e Elizeth Cardoso, também pela Copacabana, reforçariam o êxito de “Onde estará meu amor?”.  Silvinha Chiozzo, irmã da acordeonista e também cantora e atriz Adelaide Chiozzo,  aqui comparece com duas músicas que interpretou no filme “Rico ri à toa”, primeiro trabalho do cineasta Roberto Farias, que mais tarde fez ”Assalto ao trem pagador” e a trilogia cinematográfica estrelada por Roberto Carlos (“Em ritmo de aventura”, “O diamante cor-de-rosa” e “A trezentos quilômetros por hora”), sendo depois diretor de especiais da TV Globo.  Saíram pela Copacabana em 1957, sob número 5795. Primeiro,o lado B, “Zé da Onça”, baião clássico de João do Valle, o acordeonista Abdias Filho (o famoso Abdias dos Oito Baixos) e Adrian Caldeira, matriz M-1990, que Silvinha canta em dueto com Zé Gonzaga, irmão de Luiz Gonzaga. Vem depois o lado A, matriz M-1965, “É samba”, que Silvinha canta solo, concebido por Vicente Paiva, Luiz Iglésias e Walter Pinto, os três ligados ao teatro de revista. Para terminar, um verdadeiro clássico interpretado pelo grande Cauby Peixoto: o samba-canção “Nono mandamento”, de Renê Bittencourt e Raul Sampaio, e que fez parte do filme “De pernas pro ar”, co-produção Herbert Richers-Cinedistri,  dirigida por Victor Lima. Cauby imortalizou este sucesso inesquecível na RCA Victor em 20 de dezembro de 1957,com lançamento em abril de 58 no 78 rpm n.o 80-1928-A, matriz 13-H2PB-0311. Um fecho realmente de ouro para a seleção desta quinzena do GRB, que por certo irá proporcionar grandes momentos de recordação e entretenimento a vocês  que tanto prestigiam o TM. Quero expressar inclusive meus mais sinceros agradecimentos aos colecionadores Gilberto Inácio Gonçalves e Miguel Ângelo de Azevedo (Nirez)  pela colaboração, enviando-me alguns dos preciosos fonogramas que compõem esta edição. E agora, luz, câmera, ação… e música!

*Texto e seleção musical de Samuel Machado Filho

Inezita Barroso – Uma Homenagem Especial

Em pleno Dia Internacional da Mulher,  a 8 de março deste 2015, tivemos mais uma perda irreparável para nossa música popular, notadamente a caipira ou sertaneja de raiz. É claro que os amigos cultos, ocultos e associados do TM sabem muito bem de quem estamos falando: Inês Madalena Aranha de Lima, ou, como ficou para a posteridade, Inezita Barroso. E isso poucos dias após seu aniversário de 90 anos, vitimada por uma pneumonia.  Enfim, cada um tem um destino…  O curioso é que Inezita, considerada a mais autêntica intérprete do cancioneiro caipira brasileiro, veio ao mundo justamente em São Paulo, Capital, no dia 4 de março de 1925. De família tradicional, começou a cantar bem cedo, aos sete anos de idade. Aos nove anos, já admirava o escritor e poeta Mário de Andrade, um dos ícones do Modernismo, e seu vizinho na Rua Lopes Chaves, no bairro paulistano da Barra Funda, a quem esperava passar diariamente enquanto brincava de patins.  Aos onze anos, começou a estudar piano, e mais tarde cursou Biblioteconomia. A sua carreira artística se inicia nos anos 1940, na Rádio Clube do Recife, interpretando canções folclóricas recolhidas por seu ilustre vizinho na Barra Funda paulistana, Mário de Andrade, acompanhando-se ao violão. Após se casar, em 1950, retoma as atividades musicais, ingressando, a convite do compositor Evaldo Ruy, na PRA-9, Rádio Bandeirantes de São Paulo  (então “a mais popular emissora paulista”). Teve a honra de participar da transmissão inaugural da primeira emissora de televisão brasileira, a PRF-3, TV Tupi, e trabalhou como cantora exclusiva da PRG-9, Rádio Nacional (hoje Globo). Um ano depois, transfere-se para a Record, então “a maior”. Ainda em 1951, grava seu primeiro disco, na Sinter, interpretando  ”Funeral d’um rei nagô” (Hekel Tavares-Murilo Araújo) e “Curupira” (Waldemar Henrique).  Aqui, ela já demonstra empenho na pesquisa e na divulgação de temas folclóricos, uma de suas marcas registradas. Em 1953, assina contrato com a RCA Victor, onde estreou gravando “Isto é papel, João?” (Paulo Ruschell) e “Catira” (adaptação de  R. de Souza). Em seu terceiro disco nessa marca, obtém seu primeiro  grande sucesso com “Marvada pinga”, moda de viola de autoria do professor Ochelcis Laureano, um dos carros-chefes de suas apresentações pelo resto da vida. Curioso é que, no lado B, apareceu o samba-canção “Ronda”, de Paulo Vanzolini, que passou despercebido na ocasião e só teve êxito quando regravado por outros cantores, sendo hoje um clássico.  Outras expressivas gravações de Inezita na RCA Victor foram: “Os estatutos da gafieira” (samba-crônica de Billy Blanco),”Taieiras”, “Retiradas” e “Coco do Mané” (esta, de autoria de Luiz Vieira), entre outras.  No cinema, atuou em filmes como “Ângela” (1951), “Destino em apuros” (considerado o primeiro filme nacional produzido em cores, de 1953), “É proibido beijar”, “O craque” (ambos de 1954), “Mulher de verdade” (1955), pelo qual recebeu o prêmio Saci de melhor atriz, conferido pelo jornal ‘O Estado de S. Paulo”, e “Carnaval em lá maior” (também de 1955). Em 1954, estreou na televisão, com um programa semanal na TV Record.  Um ano mais tarde, 1955, Inezita muda de gravadora, indo para a Copacabana, onde lança seu primeiro LP, sem título, incluindo músicas como “Banzo”, “Viola quebrada” e “Mineiro tá me chamando”, além de uma regravação de “Funeral d’um rei nagô”. Permaneceu nessa gravadora por mais de vinte anos, e lá deixou memoráveis trabalhos em disco, alguns deles incluídos neste repost, e dos quais falaremos a seguir. Outros sucessos de Inezita são “Lampião de gás” (outro de seus carros-chefes, composto por Zica Bergami, então mulher de renome na alta-sociedade paulistana), “Estatuto de boate” (outro samba-crônica de Billy Blanco) e releituras de clássicos como “Fiz a cama na varanda”, “De papo pro á” , “Nhapopé” , “Negrinho do pastoreio” e “Boi bumbá”. Inezita fez sucesso também no exterior, uma vez que, de passagem pelo Brasil, celebridades como o ator francês Jean-Louis Barrault,  o maestro Roberto Inglês e o ator italiano Vittorio Gassman , levaram os discos de Inezita para a Europa, onde tiveram maciça divulgação pelo rádio. O currículo da cantora-folclorista inclui apresentações no Uruguai, na extinta União Soviética, Israel , Paraguai, Uruguai e EUA, além de troféus como Roquette Pinto  e o Prêmio Sharp de Música Brasileira.  Durante toda essa longa e gloriosa trajetória, Inezita, conhecida como “a rainha do folclore”,  conservou a qualidade de sua voz, aliás ela foi uma das cantoras veteranas que melhor conseguiu essa proeza.  No início da década de 1980, passou a apresentar, na TV Cultura de São Paulo, o famoso “Viola, minha viola” (“Eta programa que eu gosto!”),  importantíssimo instrumento de divulgação da cultura caipira e regional brasileira, a princípio comandado pelo radialista Moraes Sarmento. Inezita,  no começo, dividiu a apresentação com Sarmento, que mais tarde passou a se dedicar apenas ao rádio. Daí por diante, Inezita firmou-se como a única apresentadora do “Viola, minha viola”, e o programa tornou-se o musical mais lôngevo  da história da televisão brasileira.  Também apresentou, no SBT, o programa “Inezita”, dentro de uma faixa sertaneja que a emissora possuía aos domingos pela manhã, mas que não ficou muito tempo no ar. No rádio, apresentou ainda os programas “Mutirão”, na Rádio USP”, e “Estrela da manhã”, na Cultura AM. Continuou a se apresentar em shows por todo o Brasil, tendo a seu lado, em alguns deles,  nomes como a dupla Pena Branca e Xavantinho, a violeira Helena Meirelles e Oswaldinho do Acordeom. Autêntica “doutora” em folclore, Inezita passou a lecionar a matéria em faculdades e universidades, a partir de 1982. Sua vasta discografia abrange  cerca de25 discos em 78 rpm, e quase 30 álbuns, entre LPs e CDs, além de alguns compactos.

Em homenagem à agora imortal Inezita Barroso, o Toque Musical decidiu apresentar uma repostagem especial de seis de seus álbuns, a saber:
DANÇAS GAÚCHAS (Copacabana, 1955) – Segundo LP de Inezita, em 10 polegadas, e por ela própria  considerado o melhor trabalho de sua carreira. Nele, a “rainha do folclore” interpreta composições de Luiz Carlos Barbosa Lessa (1929-2002), importante ícone da cultura riograndense, e de seu parceiro de pesquisa, Paixão Cortes. Acompanhada pelo grupo folclórico de Barbosa Lessa, Inezita nos traz temas como “Rancheira da carreirinha”, “Balaio”, “Maçarico” e “Chimarrita balão”, que voltaria a gravar em 1961, desta vez com orquestra, em LP de 12 polegadas com o mesmo título. Bah, tchê!
LÁ VEM O BRASIL (Copacabana, 1956) – terceiro álbum de Inezita, ainda em 10 polegadas.  Uma pequena-grande  obra-prima da fonografia brasileira, na qual a intérprete, acompanhando-se ao violão, apresenta músicas como “O carreteiro”, de Barbosa Lessa, “Galope à beira-mar”, de Luiz Vieira”, “Cantilena”, motivo de negros do Recôncavo Baiano adaptado por Heitor Villa-Lobos e recriado por Sodré Viana, “Berceuse da onda”, poema de Cecília Meirelles musicado por Oscar Lorenzo Fernandez, e a faixa-título, “Lá vem o Brasil”, de Nélson Ferreira e Rafael Peixoto.
INEZITA APRESENTA (Copacabana, 1958) – Um de seus melhores discos, a começar pela capa,  um primoroso trabalho de arte gráfica. Acompanhada pela orquestra e coro da Rádio Record, com arranjos e regências de Hervê Cordovil, e do Regional de Miranda, e participação do grupo vocal Titulares do Ritmo, Inezita interpreta obras de cinco  compositoras:  Babi de Oliveira, Juracy Silveira, Zica Bergami (autora do clássico “Lampião de gás”), Leyde Olivé e Edvina de Andrade.  Batem ponto aqui temas como “Lamento”, “Batuque”, “Conversa de caçador” e “Caboclo do Rio”, esta última curiosamente regravada um ano mais tarde pelo americano Nat King Cole, em português,  durante temporada no Brasil.
CANTO DA SAUDADE (Copacabana, 1959) – Outro álbum com bonita capa e repertório bem cuidado. Inezita tem aqui, novamente, a presença de Hervê Cordovil nas orquestrações e nas regências, e a participação dos Titulares do Ritmo. Um disco repleto de joias como “De papo pro á”, “Meu limão, meu limoeiro” (que  voltaria a ser sucesso anos mais tarde com Wilson Simonal), “Luar do sertão”,  “Fiz a cama na varanda” e até mesmo “Na Baixa do Sapateiro”, clássico samba-jongo do mestre Ary Barroso.
CLÁSSICOS DA MÚSICA CAIPIRA (Sabiá/Copacabana, 1962) – Mais um grande trabalho da notável Inezita, no qual ela mostra por que foi uma das mais autênticas intérpretes do cancioneiro caipira do Brasil. Batem ponto temas como “Chico Mineiro”, “Tristeza do jeca”, “Boi de carro”, “Sertão do Laranjinha”, “Baldrana macia” e “Pingo d’água”. Ô trem bão
VAMOS FALAR DE BRASIL, NOVAMENTE… (Copacabana, 1966) – Como indica o título, este álbum vem a ser uma sequência do bem-sucedido “Vamos falar de Brasil” (1958). Aqui, Inezita tem as ilustres companhias do acordeonista Caçulinha, com seu regional, e Guerra Peixe, com sua orquestra e coro. O repertório tem  peças do quilate de “Cais do porto”, “Nação nagô” (ambas do mestre Capiba), “Maracatu elegante” (José Prates) , “Dança negra” (Hekel Tavares e Sodré Viana) e “Dança do guerreiro” (de Hekel com Luiz Peixoto).

Com a repostagem destes seis trabalhos de Inezita Barroso, o Toque Musical, por certo, presta uma digna e honrosa homenagem àquela que, incontestavelmente, foi a mais autêntica intérprete de nossa música regional.

*Texto de Samuel Machado Filho

Inezita Barroso – Lá Vem O Brasil (1956)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Êta domingo baixo astral este de hoje! Um belo dia de sol não foi suficiente para me levantar da gripe que peguei. Estou hoje ainda mais preguiçoso e para piorar o mal estar, fiquei sabendo agora a pouco do falecimento do cantor Roberto Silva. Infelizmente eu fui pego de surpresa e não tive tempo de preparar algum disco do cantor. Vou deixar a minha homenagem para a semana. Prometo que vou trazer algum disco dele para a gente ouvir. De qualquer forma, estou enviando para o GTM um novo link para o disco “Descendo o morro – Vol. 2”, postado no TM há tempos atrás. Hoje vamos mesmo é de Inezita Barroso, que já estava pronta para entrar. Tenho aqui este albinho de dez polegadas – “Lá vem o Brasil” – um disco bem bacana que a cantora gravou em 1956. Um trabalho totalmente acústico, só ela e o violão. Nele, ela nos apresenta alguns temas clássicos do nosso folclore, como, por exemplo “Tristezas do Jeca”, de Angelino de Oliveira; o poema musicado de Cecília Meirelles, “Berceuse da Onda”; “Galope a Beira Mar”, de Luiz Vieira e outros… Não deixem de conferir 🙂

lá vem o brasil

berceuse da onda

o carreteiro

temporal

sertão de areia seca

rede de sinhá

galope a beira mar

cantilena

Inezita Barroso – Classicos Da Música Caipira (1962)

Olá, amigos cultos e ocultos. Embora envolvido com outras coisas, não pude deixar o dia passar em branco. Ontem, na correria, acabei por não verificar se o ‘toque’ havia sido mesmo publicado. Como já informei, o Blogger criou diversas ferramentas para auxiliar o blogueiro, inclusive um ‘anti spam’ que só funciona para os meus ‘toques’. Propagandas, comentários idiotas e sacanas, lixos eletrônicos, esses eu tenho que tirar na mão. Ontem foi meio assim, na pressa de sair, esqueci de verificar, como sempre tenho feito, se o toque do link havia mesmo sido publicado. Mas agora está tudo certo, ok? Manda vê…
Para não passarmos em branco o dia, vamos com uma bela estampa, a sempre querida Inezita Barroso em mais um de seus excelente albuns. Tenho hoje para vocês “Clássicos da Música Caipira”, um disco gravado em 1962 para o selo Sabiá. Aqui encontramos doze temas inesquecíveis da música assumidamente caipira. Confiram aí, porque eu daqui, já vou dormir. Tô que não me aguento… Zzzz…

boi de carro
vae torna vortá
chico mineiro
cavalo preto
mineirinha
amor impossível
baldrana macia
do alado que o vento vai
pingo dágua
sertão do laranjinha
triste zas do jeca
boiadeiro apaixonado

Inezita Barroso – Danças Gaúchas (1955)

Olá, moçada culta e oculta! Pelo jeito, a turma lá do Sul anda visitando pouco o nosso blog. Não houve uma manifestação gaúcha durante a semana. Barbaridade, tchê! O jeito vai ser eu encerrar por aqui o meu chimarrão. Mas a gente ainda volta para um passeio nos Pampas 🙂
Para fechar com chave de ouro, deixei para hoje essa obra prima, uma raridade que poucos tem hoje a oportunidade de ouvir. Este lp foi o terceiro disco gravado no Brasil pelo selo Copacabana. Não sei se está incluído entre os 300 discos mais importantes da música popular brasiliera, mas se não estiver, merecia. A própria Inezita afirma ser esse seu melhor trabalho.
Embora um tanto quanto desgastado pelo tempo e bem arranhado, consegui dar uma boa melhorada no som. Temos pois, a grande cantora brasileira ao lado do Grupo Folclórico de Barbosa Lessa. Neste álbum eles interpretam da forma mais pura e tradicional as composições de Barbosa Lessa e seu parceiro de pesquisa Paixão Côrtes. Inezita viria a regravar todas essas músicas seis anos depois, acompanhada de orquestração, no álbum de 12 polegadas com o mesmo título. Falar de tradicionalismo gaúcho sem tocar no nome de Barbosa Lessa, chega a ser até um pecado.
Eu já comentei sobre ele logo nas primeiras postagens. Foi um personagem dos mais importantes para a cultura gaúcha. Reproduzo aqui um texto extraído do site do Governo do Rio Grande do Sul falando sobre ele:
Luiz Carlos Barbosa Lessa nasceu em 13 de dezembro de 1929 e faleceu em 11 de março de 2002. Destacou-se na música popular e na literatura. Entre suas músicas, sempre de cunho gauchesco, estão Negrinho do Pastoreio, Quero-Quero, Balseiros do Rio Uruguai, Levanta, Gaúcho!, Despedida, e as danças tradicionalistas em parceria com Paixão Côrtes. De sua obra literária com mais de 50 títulos, estão os romances República das Carretas e Os Guaxos (prêmio 1959 da Academia Brasileira de Letras), os contos e crônicas de Rodeio dos Ventos, o ensaio indigenista Era de Aré, a tese pioneira O sentido e o Valor do Tradicionalismo, o ensaio Nativismo, um fenômeno social gaúcho, Mão Gaúcha, introdução ao artesanato sul-rio-grandense, o álbum em quadrinhos O Continente do Rio Grande (com desenhos de Flávio Colin) e os didáticos Problemas brasileiros, uma perspectiva histórica, Rio Grande do Sul, pra zer em conhecê-lo, e Primeiras Noções de Teatro. Também há os dois volumes do Almanaque do Gaúcho. Foi fundador do primeiro CTG – Centro de Tradições Gaúchas, o “35”, em Porto Alegre. De 1950 a 1952, com o amigo Paixão Côrtes, realizou o levantamento das danças regionais e produziu a recriação de danças tradicionalistas. Dessa pesquisa, resultou o livro didático Manual de Danças Gaúchas e o disco Danças Gaúchas, na voz da cantora paulista Inezita Barroso. Barbosa foi, também, Secretário Estadual da Cultura e idealizou a Casa de Cultura Mário Quintana. Foi, também, Conselheiro Honorário do MTG – Movimento Tradicionalista Brasileiro.
Taí um disco pelo qual eu tenho certeza, vai levantar não só a gauchada 😉

levante – tirana do lenço
pezinho
quero mana
o anú
balaio
maçanico
chimarrita balão
meia canha serrana
rancheira de carrerinha

Mario Zan Com Bandinha E Coro – Festas Juninas (1988)

Olá amigos cultos e ocultos! Para não dizerem depois que eu deixei passar em branco as festividades juninas, estou postando aqui um disco ‘joinha’. São João não vai poder reclarmar do blog, disco para a festa tá aí… E se quiserem mais, basta localizar no índice outros títulos já postados aqui em anos anteriores. Tem muita coisa e bem variada.
Segue nesta postagem um disco do Mario Zan, figura que sempre prestigiou as festas populares, um artista que possui um vasto repertório para animar qualquer noite de São João. No álbum ele vem acompanhado de outra figura ilustre, a grande Inezita Barroso, que aqui vem cuidando da marcação da quadrilha. Já está tudo pronto, basta agora ajeitar o arraial, subir as bandeinhas, preparar a fogueira, quentão, milho cozido, pé de moleque e broa de fubá. Chame os amigos, crie os casais vestidos a carater e ponham a música para rodar. Vai ser uma festa e tanto, com certeza! 🙂

a verdadeira quadrilha nº 1
seleção de arrasta pé:
feijão queimado
festa na roça
festa sertaneja
assanhadinha
dona candinha (sanfoneiro folgado)
seleção de músicas juninas:
pula fogueira
chegou a hora da fogueira
isto é lá com santo antonio
sonho de papel
pedro antonio e joão
noite de junho
cai cai balão
capelinha de melão
seleção de arrasta pé:
essa é boa
caipirinha
estou na minha
sou gaúcho

Inezita Barroso – Canto Da Saudade (1959)

Outra grande artista que não poderia ficar fora da história da música popular brasileira regional, seja ela caipira, folclórica, sertaneja… é a grande Inezita Barroso. Aqui estou eu como mais um disco dela. Lindo, em todos os sentidos, a começar pela capa. Me faz lembrar os discos da Blue Note com suas capas maravilhosas. Mas longe do jazz, a música de Enezita é o Brasil no seu mais autentico cantar. “Canto da Saudade” foi um álbum lançado em 1959 pela Copacabana e traz a cantora muito bem acompanhada pelo grupo vocal Os Titulares do Ritmo, o mesmo que acompanha a Ely Camargo em seu “Folclore do Brasil”. Os arranjos de orquestra e côro são de Hervé Cordovil para um repertório fino. Tem até uma música que eu gosto muito, “Fiz a cama na varanda”, da Dilú Mello, artista já apresentada aqui. Segue como de costume as faixas deste excelente lp.

canto da saudade
cantiga (vela branca)
fiz a cama na varanda
na serra da mantiqueira
modinha
na baixa do sapateiro
luar do sertão
de papo pro á
sodade ruim
meu limão, meu limoeiro
sussuarana

Inezita Barroso – Apresenta (1958)

Iniciei o mês postando um lp maravilhoso da Inezita Barroso. Confesso que ainda me sinto encantado com ela e seus discos. Vamos aqui com mais um que só pela capa já vale, perfeita! Um trabalho de arte gráfica muito bem resolvido. Porém, num primeiro momento, despercebidamente, teremos a impressão que se trata de um disco de jazz, na linha Blue Note. Mas longe do jazz, este álbum navega em outras águas. Talvez rios, lagoas e mares do Brasil.
Temos Inezita, que eu considero a versão feminina do Rolando Boldrin (como devido respeito que os dois merecem), apresentando obras das compositoras Babi de Oliveira, Juracy Silveira, Zica Bérgami, Leyde Olivé e Edvina de Andrade. A interpretação de Inezita conta com a participação do grupo vocal Os Titulares do Ritmo, sendo acompanhados pelo Regional do Miranda e orquestra e côro da Rádio Record. Os arranjos e a direção são de Hervê Cordovil.

rainha ginga
cateretê
lamento
batuque
conversa de caçador
seresta da saudade
o carro tombou
adeus minas gerais
o batateiro
chuvarada
sôdade da loanda
recado
maria macambira
caboclo do rio

Inezita Barroso – Vamos Falar De Brasil, Novamente… (1966)

É difícil de acreditar, mas eu até pouco tempo atrás nunca tinha ouvido um disco da Inezita Barroso. Para ser mais exato, nem me lembrava da capa de algum deles. Me acostumei com a figura dela apresentando aquele programa na TV Cultura, de música regional. Mas com uma pequena ajuda dos amigos fui descobrindo uma discografia fantástica. Inezita é realmente especial, não apenas por ser uma artista que investiga e canta as raízes da música brasileira. Não apenas por trafegar em diversos estilos regionais brasileiros com sua voz firme sem vaidade. Mas também pela sua beleza e isso se reflete também em alguns de seu álbuns que vim a conhecer recentemente. Espero nos próximos dias postar mais alguns álbuns que são um primor.
Para hoje, “Vamos falar de Brasil, novamente…”, um disco maravilhoso onde ela vem acompanha pelo Regional do Caçulinha e ainda de quebra temos o maestro Guerra Peixe por trás cuidando do arranjos, orquestra e coral – interpretando as seguintes canções:

cais do porto
palavra de peão
festa deogum
burro chucro
nação nagô
serenata
soca pilão
maracatú elegante
oração do guerreiro
piaba
peixinho do mar
dança negra