Lenita Bruno – Por Toda A Minha Vida (1959)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Enquanto vai coando o café e o pão de queijo saindo do forno, eu adianto o meu lado, partido logo para a postagem. Segunda feira é sempre um dia complicado, nunca sei o que me espera…
Para começar bem a semana, iniciamos com um disco muito importante da mpb, um álbum que até bem pouco tempo era uma raridade. “Por toda a minha vida”, gravado pela cantora lírica Lenita Bruno, com orquestração e arranjos do Maestro Leo Perachi, traz treze temas de autoria e parceria de Antonio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes. O álbum foi lançado originalmente em 1959. Me lembro bem deste lp lá em casa. Minha mãe, sempre apaixonada, vivia cantando ao estilo da Lenita a belíssima “Serenata do adeus”. Sem dúvida, a interpretação de Lenita Bruno é maravilhosa, não apenas nessa música, mas no geral. Os arranjos não ficam por menos, são também perfeitos. Tudo de acordo e a altura de Tom e Vinícius. O disco é mais uma jóia produzida por Irineu Garcia, através de seu selo Festa. Foi um trabalho que exigiu uma super produção e que provavelmente, em termos financeiros, não alcançou o retorno merecido. Aliás, diga-se de passagem, Irineu Garcia não estava muito preocupado em ganhar dinheiro com sua gravadora ou com os títulos publicados por ela. Seu interesse é mais cultural, de preservação da arte musical e principalmente poética. Ele foi o primeiro a se dedicar à gravações de poesias, dos nossos principais poetas e também de alguns estrangeiros.
Há pouco tempo atrás, vários títulos da gravadora voltaram a ser relançados pela Tratore Discos. Eu ainda não comprei o meu cd, mas com certeza o farei, pois dizem que ficou muito bom e além do mais traz em seu encarte outras informações históricas. Quem não conhece o disco, pode aqui conferir e depois correr atrás do cd, que desta vez saiu com uma nova capa. Além do mais, vai ser muito ‘chic’ tem em sua estante este lançamento. Os amigos vão reparar… 😉

por toda a minha vida
serenata do adeus
estrada branca
soneto da separação
valsa do orfeu
canção do amor demais
as praias desertas
eu sei que vou te amar
canta, canta mais
modinha
cae a tarde
sem você
eu não existo sem você

Conjunto Sete De Ouros – Sete De Ouros (1962)

Olá amigos cultos e ocultos! Passou o Carnaval, mas pelo jeito os ânimos continuam exaltados. Antes fosse apenas para exaltar o samba. Mas vamos deixar as broncas de lado. Vamos à música!
“Com o sax tenor de Cipó, o trombone de Maciel, o piston de Julinho, o piano de Lauro Miranda, o contrabaixo de Vidal, bateria de Paulinho, as vozes de Lenita Bruno e Zezinho. A Odeon tem o prazer de apresentar o Conjunto Sete de Ouros.” É bem assim que tudo começa neste primeiro disco do Conjunto Sete de Ouros. Uma apresentação que vai além da impressa na contracapa. É exatamente isso, um conjunto formado por feras, artistas de primeira linha que dão um show. Como podemos ver logo a baixo a seleção musical é composta de samba, bossa nova, fox e cha-cha-cha.
Pelo que eu pude observar, este lp foi relançado em formato de cd e ainda se encontra a venda. Taí uma boa chance para conhecer melhor o disco e depois comprá-lo para sua coleção 🙂 Confira aí…

prefixo
dizem por aí
menina feia
penúltimo
never on sunday
cocktail for two
saudade não tem cor
chorou, chorou
o barquinho
você passou
fiz o bobão
that old black magic
honey suckle rose

Festival Do Rio – As Dez Mais Lindas Canções De Amor (1960)

Olá a todos! Minha postagem de hoje é uma homenagem à cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Festejando seus 444 anos, a Cidade Maravilhosa continua linda e a cada dia mais jovem. Parabenizo a cidade e a todos os seus felizardos habitantes! Salve o Rio!
A primeira vez que fui ao Rio levei um ‘tapa’ de deslumbramento. Fiquei encantado com sua geografia, suas praias, arquitetura e todo esse jeito malandro (no melhor dos bons sentidos) do carioca. O Rio é demais. Não fosse hoje o grau da violência uma coisa tão visível, era lá uma das cidades que eu gostaria de viver. Salve o Rio!
Para comemorar, temos aqui o “Festival do Rio”, álbum lançado pelo selo Copacabana em1960. Nele encontramos, conforme o subtítulo, “As dez mais lindas canções de amor”. São composições românticas de autores consagrados como Lamartine Babo, Ary Barroso, Dolores Duran e outros. Para este repertório foram convocados dez intérpretes, cantores não apenas da Copacabana, mas também da Continental, RGE e Sideral. As orquestrações e regência ficam a cargo dos maestros Pachequinho e Guaraná, além do côro de Joab Teixeira e participação da Orquestra Copacabana.

poema do adeus – miltinho
ternura antiga – luciene franco
será tarde – ernani filho
procura sonhar comigo esta noite – carlos josé
eu não tenho para onde ir – agnaldo rayol
ressurreição dos velhos carnavais – roberto silva
seu amor, você – lenita bruno
canção em tom maior – ted moreno
afinal, chegaste – zezé gonzaga
o céu virá depois – jorge goulart