Jorge Goulart, Nora Ney, Antônio Guimarães E Waldir Silva – Feitiço Da Vila Vol. 1 (1971)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Trago hoje para vocês um disco dos mais interessantes, um álbum verdadeiramente raro e, por que não dizer, histórico. Um registro musical ao vivo de uma apresentação na noite de belorizontina dos cantores Jorge Goulart e Nora Ney e também, de quebra, dois grandes instrumentistas mineiros, o pianista Antonio Guimarães e o cavaquinista Waldir Silva num encontro mais que memorável. Sim, trata-se de um disco que poucos tiveram o prazer de conhecer porque sua tiragem foi bem limitada e nunca chegou a se relançado ou relembrado em alguma outra edição. Suponho até que a própria Bemol nem tenha mais as fitas master dessas gravações que aconteceram na numa noite de 1971, na boate Feitiço da Vila, em Belo Horizonte. Um belíssimo show que ficou registrado em disco, mantendo-se todo o clima do ambiente, sem pausas e sem faixas, tudo muito linear. O show se abre com Nora Ney interpretando Dolores Duran, Silvio Cesar e Noel Rosa. Depois é a vez do maestro e pianista Antonio Guimarães que arrasa em temas de Ary Barroso. Do outro do disco o samba toma conta, novamente com Nora Ney e o parceiro Jorge Goulart que desfilam Paulino da Viola, Nelson Cavaquinho, Zé Keti, Sinval Silva, Noel e Ary Barroso. Ah… Olha eu esquecendo do grande Waldir Silva. Ele também  está presente no acompanhamento e interpretando duas músicas de Sinhô, “Gosto que me enrosco” e “Jura”.
Sem dúvida, o grande destaque deste lp é mesmo o casal Nora e Jorge. Nesta época eles estavam morando em Belo Horizonte. Este disco foi produzido pelo próprio Jorge Goulart e pelas informações que colhi em uma tiragem muito pequena. A ideia inicial era a de gravar outros discos na mesma linha, registro de shows, tanto assim que este era o volume 1. Mas ao que parece, a coisa ficou só na vontade. Uma pena, pois pouco se tem desses registros da noite de Beagá.
Para esta postagem eu preparei o arquivo de maneira a facilitar a vida de vocês. Como se trata de um show (embora editado), as músicas apresentadas não trazem uma separação por faixas, o disco corre direto nos dois lados. Daí eu resolvi editar, mas sem tirar um segundo de gravação. Está tudo completo. Eu coloquei apenas um ‘fade in’e um ‘fade out’ quando necessário, dividindo o disco em 16 faixas. Mas para não dizerem que eu aleijei ainda mais a edição do show, deixo também um arquivo completo, inteiro, unindo apenas o lado A com o lado B.
Quando falei da raridade (e também curiosidade) deste disco não pensei num preciosismo que o fizesse valer tanto, segundo o preço ‘ofertado’ por um maluco no Mercado Livre. O cara tem a coragem de cobrar 1390,00! Muito sem noção

feitiço da vila – nora ney
solidão – nora ney
pra você – nora ney
último desejo – nora ney
baixa do sapateiro – antônio guimarães
três lágrimas – antônio guimarães
rancho fundo – antônio guimarães
taboleiro da baiana – antônio guimarães
é luxo só – antônio guimarães
aquarela do brasil – antônio guimarães
foi um rio que passou em minha vida – jorge goulart
não sou feliz – jorge goulart
último baile da monarquia – jorge goulart
gosto que me enrosco – waldir silva
jura – waldir silva
adeus batucada – nora ney
barracão – jorge goulart
cadência do samba – nora ney
vai saudade – jorge goulart
vai mesmo – nora ney
o orvalho vem caindo – jorge goulart
o orvalho vem caindo – nora ney
a fonte secou – nora ney
aquarela mineira – jorge goulart
feitiço da vila – jorge goulart e nora ney
.

Fabiano Pimenta – As Ruas E As Serestas (1970)

A quem possa interessar… Temos aqui um disco de seresta. Um autêntico mineirinho, que nos remente a imagens das noites de uma Diamantina, que hoje quase já não existem mais. As noites de serestas que ecoavam muito além das montanhas de Minas, tendo como um de seus maiores entusiastas a figura de Jucelino Kubichek, filho entre os mais ilustres da cidade.
Neste lp temos o seresteiro Fabiano Pimenta acompanhado por Waldir Silva e seu regional interpretando os clássicos das noites de serestas em Diamantina. Gravado no Estúdio Bemol, em Belo Horizonte no inicio dos anos 70.

diamantina em seresta
meiga virgem
varrer-te da memória
as ruas e as serestas
elvira escuta
é a ti flor do céu
acorda minha beleza
sonhei-a
gondoleiro do amor
noite cheia de estrelas
.

Alegria (1980)

Olá, amigos cultos e ocultos! Para a alegria de vocês, eu estou voltando, no embalo do Carnaval. Ainda não estou totalmente pronto para encarar a tarefa musical diária. Mas acho bom retomar logo as postagens, pois já comecei a ficar mal acostumado e preguiçoso. Por enquanto vamos recomeçar sem muitas promessas e sem a obrigação de sermos diários, ok? Eu ainda não consegui resolver todos os meus `pepinos`, inclusive o conserto do meu computador. Estou fazendo essas novas postagens via Mac, usando outros programas de áudio, coisa que eu ainda não domino totalmente. Era bem mais fácil e rápido pelo Windows, mas tudo bem, logo a gente vai afiando…
Como estamos no Carnaval, Alegria! É isso aí, alegria geral. Este é o nome do disco que abre aqui o nosso carnaval. Eis aqui um raro lp da Bemol, lançado provavelmente em 1980, reunindo 14 sambas de gênero carnavalesco, de sambistas mineiros. Muitos desses artistas fazem parte da Velha Guarda do Samba de Belo Horizonte. Entre os destaques temos o sambista Milton Rodrigues Horta, mais conhecido como “Lagoinha”. O conjunto que acompanha os cantores era também formado por músicos da melhor qualidade, entre eles, o mais famoso, o cavaquinista Waldir Silva. Em resumo, temos aqui um disco de carnaval mineiro. Quem pensa que por aqui não tem carnaval, não se enganou. Porém, não é por falta de samba, músicos e compositores. O que acontece é que quando chega o Carnaval eles todos vão para o Rio de Janeiro, hehehe…
.
querendo aparecer – jurandi silva
tobogã – paulo sobrinho
os guizos da colombina – aquiles junior
não chore não – lagoinha
que que isso – brito
bloco do delegado – edú alves
entra quem pode – terezinha soares
joão mamãe – paulo sobrinho
zé camisolão – enio barbosa
mágoa no carnaval – geraldo tavares
lágrimas – marcio josé
garota bh – francisco carioca
eu mandei cacá na venda – lagoinha
catimba – nilton rocha

Pequenos Cantores De Belo Horizonte Do Colégio Santo Agostinho – 10 Anos (1978)

Muito bom dia, meus prezados amigos cultos e ocultos! A postagem de hoje é especial e se faz por diferentes motivos. Estou postando este disco em homenagem a um amigo, que depois de anos vim a reencontrar ontem, por acaso, na Praça da Liberdade. Conversamos um bom tempo, relembrando o passado e falando do presente. Inevitavelmente falamos de música. Ele foi aluno num dos tradicionais colégios da capital mineira, o Santo Agostinho e fazia parte do coral dos Meninos Cantores de Belo Horizonte. Comentei sobre o blog e ele me falou do disco que gravou no colégio. Parece até mentira, mas nessa semana eu estive com o tal disco na mão. Prometi a ele que enviaria uma cópia, ou mais certo, postaria no blog. As coincidências não param por aí. Ao ouvir direito o disco percebi que havia nele uma música, “Prece ao vento”, de Gilvan Chaves e Alcyr Pires Vermelho. Minha mãe era apaixonada por essa canção e por acaso, ontem, foi a data de seu aniversário. Nada mais justo que eu postar hoje este disco, vocês não acham? Além do mais, o presente álbum tem qualidades e curiosidades típicas que caem como luvas em nosso Toque Musical. Vejam vocês…
O Colégio Santo Agostinho foi um dos poucos, ou talvez o único, na cidade a promover a música como parte de seu projeto educacional, através de atividades contínuas com seus alunos. Criou nos anos 60, a exemplo dos “Pequenos Cantores da Guanabara”, o seu grupo musical, inicialmente apenas com a intenção de homenagear o ‘Dia das Mães’. Ao longo dos anos e sempre renovando as vozes, eles foram gravando novos discos, lps e compactos. Em 1978 o coral completou 10 anos de atividades e para comemorar a data, lançaram este álbum duplo, que é uma síntese de tudo o que foi produzido por eles. O fato mais interessante desses lançamentos é que todos os discos tiveram o apoio profissional, os arranjos de quatro grandes nomes da música mineira, Aécio Flávio, Célio Balona, José Guimarães e Waldir Silva. Percebe-se também ao ouvir que os maestros também foram instrumentistas. A qualidade é mesmo muito boa e inquestionável. O repertório também não fica por menos. Tem inclusive o hino do meu glorioso Atlético Mineiro (quer mais oquê?). Uma questão de tradição, claro!
Como disse, trata-se de uma coletânea e das gordas! Não sei informar se depois desses dez anos o Colégio continuou a manter a tradição criada pelo seu diretor, o Padre José Bruña Alonso e o professor e músico Roberto Tarcísio Bacil. Este disco, assim como os outros lançados pelo coral, vocês poderão encontrar no blog ‘A Música Que Vem De Minas’, um espaço exclusivamente ‘uai’.
Segue aqui a minha versão… 😉

o que será
minha história
barracão
hino do colégio
conto de areia
et maintenant
retalhos de cetim
o ouro e a madeira
eres tú
bandeira branca
carinhoso
pout pourri – marchinhas de ontem:
pierrô apaixonado
jardineira
o teu cabelo não nega
periquitinho verde
linda morena
de menor
serafim e seus filhos
prece ao vento
belo horizonte criança
roda viva
hino do clube atlético mineiro
pout-pourri de samba:
crítica
não deixe o samba morrer
estão voltando as flores
meus tempos de criança
valsinha
se a gente grande soubesse
prá frente brasil

Waldir Silva E Seu Regional (1983)

Olás! Definitivamente eu não posso mais ficar planejando como vai ser a semana. Quando eu pensava que estaria mais folgado à ponto de poder escolher bem as postagens, me surgem outras obrigações que comem todo o meu dia. Fui obrigado a lançar mão de mais um ‘disco de gaveta’. Para manter o nível, escolhi ninguém menos que um outro fera das cordas, o homem do cavaquinho de ouro, o grande Waldir Silva.

Um dos maiores nomes deste instrumento, Waldir é respeitadíssimo e um fenômeno de vendagens de disco. Um instrumentista consagrado no Brasil e em outros países. Já tocou com os mais diversos artistas, assim como também e ao lado de suas composições, os tem interpretado em discos. Em janeiro do ano passado eu postei aqui um de seus mais raros trabalhos e fez muito sucesso. Acredito que este também irá pelo mesmo caminho 🙂
O álbum que tenho aqui, me parece, é um relançamento de um lp realizado em 1973. Com tantas regravações, coletâneas e aproveitando sempre as mesmas fotos ou encarte, fica difícil saber se é mesmo um disco de carreira. Todavia e em se tratando de Waldir Silva, vale sempre conferir…
Desculpem, mas o dever me chama. Fiquem a vontade e não deixem de comentar. A lenha que toca o Toque são os comentários de vocês. Bom dia!
zingara
luar de nápoles
la paloma
cavaquinho triste
pout pourri do baião
delicado
felicidade
baião caçula
são paulo quatrocentão
pout pourri de ataulfo alves
orgulho de um sambista

Waldir Silva – Um Cavaquinho Diferente (1965)

Já que começamos com chorinho, vou na sequência trazendo outro álbum raro, “Um cavaquinho diferente”, do Waldir Silva. Diferente mesmo, pelo menos é isso que ele procura nos mostrar neste lp, fugindo talvez de comparações ou semelhanças. Ele passeia com desenvoltura por diversos ritmos e gêneros (samba, bossa, choro, valsa, marcha…)
A carreira de Waldir Silva é coroada de sucessos. Passou pelas mais famosas gravadoras do país e tocou ao lado de grandes nomes. Gravou composições próprias e registrou em disco trabalhos de outros compositores. Ele é hoje um dos mais consagrados artistas do país. Com seu cavaquinho de ouro, já gravou vinte e nove long plays, nove CD’s e mais de uma centena de sucessos. Waldir e seu conjunto instrumental está entre os grupos que possui o maior número de trabalhos gravados no Brasil. Para os que apreciam a música desse mineiro de Pitangui, em seu site, ele disponibiliza uma série de músicas em mp3. Confiram…
sos
samba do ba-da-tu-blim
um mambo em renascença
palomita blanca
o sapo
seja lá o que deus quiser
aos heróis do fogo
buraco do tatu
noite de saudade
bigurrilho
make haste my love
fita meus olhos