Programa Especial Vol. 1 (1979)

Olá amigos cultos e ocultos! Infelizmente, para mim, ainda continuo com uma tendinite no braço direito, o que me impede de ficar muito tempo mexendo no computador e daí manter o ritmo de postagens, que tem caído muito por essas e outras… Felizmente, para vocês, tenho um grande colaborador, que muito tem nos ajudado a manter o Toque Musical, o sempre pronto Samuca. Neste mês de outubro quem vai dominar as paradas é ele. Eu irei apenas fazendo pequenas intercessões, com uma ou outra postagem.
Assim sendo, escolhi para os próximos dias a coletânea “Programa Especial”, lançada pela Polygram, através de seu selo Polifar. No caso, tenho uma série com os quatro primeiros volumes. São coletâneas de artistas dessa gravadora e que procura estabelecer em cada volume um encontro de artistas com as mesmas afinidades de estilo. Começamos com essa coletânea que reúne quatro grandes nomes da chamada ‘soul and black music brasileira”: Tim Maia, Luiz Melodia, Hyldon e Cassiano. Neste lp foram selecionadas doze autênticas ‘pérolas negras’. Músicas que marcaram uma época e hoje se tornaram verdadeiros clássicos. Pessoalmente, desta série, este é o melhor volume. Como dizem, o disco ficou redondinho 😉 Confiram…

azul da cor do mar – tim maia
acontecimento – hyldon
estácio, holly estácio – luiz melodia
coleção – cassino
primavera (vai chuva)
na sombra de uma árvore
pérola negra – luiz melodia
a lua e eu – cassiano
eu amo você – tim maia
na rua, na chuva, na fazenda – hyldon
magrelinha – luiz melodia
salve essa flor – cassiano
.

Tim Maia – Racional Vol. 1 (1975)

Olá amigos cultos, ocultos e associados! Hoje eu acordei meio que com vontade de ouvir o ‘swing’ do Tim Maia, mais especificamente a música “Rational Culture”. Independente de qualquer que seja a mensagem, o instrumental deste disco é ótimo. Ninguém melhor que o Tim Maia para assimilar a ‘black music’ americana e neste lp ele está impecável, tanto na na criação musical quanto na interpretação. Nesta fase de sua vida artística, enveredou-se para o lado da doutrina filosófica-religiosa, Cultura Racional. Lançou de maneira independente dois discos cuja a temática era toda voltada para as questões ligadas a doutrina do ‘homem do outro mundo’, Manuel Jacinto Coelho, fundador da Cultura Racional. Esta foi uma fase de auto recuperação do Tim. O cara se encantou com a filosofia Racional, deixando de lado aquela vida mundana de artista perdido na noite. Largou a bebida e outras drogas. De branco agora, só as suas vestimentas que passou a usar, em nome da ‘nova ordem’. Muitos de seus fãs passaram a vê-lo com descrédito e até mesmo os meios de comunicação, como rádio e tv. Se por um lado o Tim Maia estava parecendo um fanático religioso, com suas músicas voltadas inteiramente para o doutrinamento, por outra, foi a fase onde ele conseguiu fazer sua melhor ‘black music’. Longe das drogas, com a cabeça mais leve e mais sereno, ele estava cantando muito melhor. Pessoalmente, vejo, nesse sentido, um retorno aos bons tempos, uma pegada funk que nenhum outro artista nacional, metido a besta, conseguiu. Este volume 1 eu gosto mais do que o 2 (e o três). Aliás, “Rational Culture” já vale o disco. Grande Tim Maia! Figuraça!

imunização racional (que beleza)
o grão mestre varonil
bom senso
energia racional
leia o livro universo em desencanto
contato com o mundo racional
universo em desencanto
you don’t know what i know
rational culture

Tim Maia – Coletânea Especial TM (2011)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! Aqui vou eu com mais uma da minhas coletâneas, enquanto aguardo os convidados que também estão preparando um presentinho aqui para nós. Não sei que cheguei a comentar, mas estou convidando alguns amigos blogueiros para apresentarem aqui suas coletâneas. Me inspirei na ideia do Milan Filipovic, em seu blog Parallel Realities Studio, que também convida os amigos para fazerem coletâneas. Por sinal, ele também é um dos convidados e em breve deve mandar a sua seleção aqui para o Toque Musical. Esses convites eu tenho feito aos poucos, para não chegar tudo de uma vez só, afinal essas postagens aconterão sempre nos sábados. Temos muitas semanas, muitos outros blogs parceiros e gradualmente ele irão entrando, ok? Achei essa ideia ótima, pois cria um maior intercâmbio entre nós.

Segue aqui, então, a coletânea da semana, Tim Maia! Quem não gosta? Bom demais, né não?
Selecionei o equivalente a um disco duplo, 24 músicas das que eu mais gosto do Tim. Fiz também a capinha, pois sem encarte é duro de roer. Espero que esteja no agrado 😉
dance enquanto é tempo
o caminho do bem
rodésia
canário do rei
eu amo você
guiné bissau, moçambique e angola racional
o que importa
azul da cor do mar
sofre
batata frita, o ladrão de bicicleta
ela partiu
não vou ficar
rational culture
ride twist and roll
the dance is over
let’s have a ball tonight
where is my other half
over again
brother, father, sister and mother
i don’t care
to fall in love
nobody can live for ever
jurema

Rock Bamba (1985)

Prenunciando um novo momento, vamos gradualmente saindo do rock em busca de outros ritmos e gêneros, que fazem da música popular brasileira um leque dos mais variados. Hoje eu estou trazendo uma coletânea chamada Rock Bamba. Uma copilação de músicas e artistas tão insólita quando o desenho da capa. Rock Bamba estaria mais para rock samba ou samba rock, mas vai entender o que passa na cabeça de quem produziu este disco? Isso sem falar no desenho amador representando mais um estilo ‘break-street-dance’ (será que existe?) do que rock ou mesmo o samba rock. É preciso ser muito bamba para entender isso. Contudo e apesar dos pesares, eles conseguiram reunir alguns artista/fonogramas muito interessantes. Este disco, pelo que tudo indica, não foi feito para ser comercializado. Me parece que foi criado como brinde. Daí a razão pela qual ele não segue um padrão. Temos aqui quatorze faixas com músicas que foram sucesso no período de dez anos, de 1968 a 78. Algumas inclusive, gravações raras. Vejam só o que temos para ouvir com outros olhos…

como vovó já dizia – raul seixas
beira d’água (a festa) – erasmo carlos e marku ribas
magnólia – jorge ben
colcha de retalhos – marku ribas
a minha menina – mutantes
domingas – jorge ben
cuidado com o buldog – wilson simonal
haroldo o robot doméstico – erasmo carlos
a noite vai chegar – lady zu
a lenda de bob nelson – erasmo carlos
eu também quero mocotó – banda veneno de erlon chaves
sofre – tim maia
coqueiro verde – trio mocotó
a princesa e o plebeu – jorge ben

Tim Maia – Disco Club (1978)

Entrando no embalo da ‘soul-funk-black-music brasileira’, resolvi trazer o mestre, Tim Maia. Disco Club é um álbum afinado e atual. Os clássicos como “Sossego”, “Jhony”, “Pais e filhos” e “Acenda o farol” estão aqui, neste disco que me parece já estar novamente fora de catálogo. Então, fazer o quê, né?